Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 16

Texto Original

Caput XVI

De electione primorum ministrorum et qualiter fuerunt missi per mundum.

 

62. 
1 Expletis itaque undecim annis ab inceptione religionis et multiplicatis numero et merito fratribus, electi fuerunt ministri et missi cum aliquot fratribus quasi per universas mundi provincias in quibus fides catholica colitur et servatur.
2 Qui recipiebantur in quibusdam provinciis sed non permittebantur habitacula construere, de quibusdam vero expellebantur ne forte essent homines infideles, quia licet praefatus dominus Innocentius tertius ordinem et regulam approbasset ipsorum, non tamen hoc suis litteris confirmavit, et propterea fratres a clericis et laicis tribulationes plurimas sunt perpessi. 
3 Unde ex hoc compulsi sunt fratres fugere de diversis provinciis, atque sic angustiati et afflicti necnon a latronibus exspoliati et verberati, ad beatum Franciscum cum magna amaritudine sunt reversi. 
4 Hoc enim passi erant quasi in omnibus ultramontanis partibus ut in Alemania, Ungaria et pluribus aliis. 
5 Quod cum notificatum fuisset dicto domino cardinali, vocavit ad se beatum Franciscum et duxit eum ad dominum papam Honorium, domino Innocentio iam defuncto. 
6 Et aliam regulam, a beato Francisco Christo docente compositam, fecit per eumdem dominum Honorium cum bulla pendente solemniter confirmari. 
7 In qua regula prolungatus est terminus capituli propter vitandum laborem fratrum qui in remotis partibus commorantur.

 

63. 
1 Proposuit autem beatus Franciscus petere a dicto domino papa Honorio unum de cardinalibus romanae Ecclesiae quasi in papam sui ordinis, videlicet praefatum dominum Ostiensem, ad quem fratres possent recurrere pro suis negotiis. 
2 Viderat enim beatus Franciscus quamdam visionem quae ipsum poterat induxisse ad petendum cardinalem et ad recommendandum ordinem romanae Ecclesiae. 
3 Viderat namque gallinam quamdam parvam et nigram, habentem crura pennata cum pedibus in modum columbae domesticae, quae tot pullos habebat quod non poterat eos sub alis propriis congregare (cfr. Mat 23,37), sed ibant in circuitu gallinae exterius remanentes. 
4 Evigilans autem a somno coepit cogitare de huiusmodi visione, statimque per Spiritum sanctum cognovit se per illam gallinam figuraliter designari et ait: 
5 “Ego sum illa gallina, statura pusillus nigerque natura, qui debeo esse simplex ut columba et affectibus pennatis virtutum volare ad caelum. 
6 Mihi autem Dominus per misericordiam suam dedit et dabit filios multos quos protegere mea virtute non potero, 
7 unde oportet ut eos sanctae Ecclesiae recommendem quae sub umbra alarum suarum eos protegat (cfr. Ps 16,8) et gubernet”.

 

64. 
1 Elapsis ergo paucis annis post visionem praedictam venit Romam et visitavit dominum Ostiensem qui imposuit beato Francisco ut sequenti mane iret secum ad curiam, quia volebat quod ipse coram domino papa et cardinalibus praedicaret, atque suam religionem eis devote et affectuose commendaret. 
2 Licet autem beatus Franciscus se excusaret de hoc dicens se esse simplicem et idiotam, oportuit tamen ipsum ire cum illo ad curiam. 
3 Cumque beatus Franciscus se coram domino papa et cardinalibus praesentasset, visus est ab eis cum ingenti gaudio, et surgens praedicavit eis sicut fuerat sola Spiritus sancti unctione praemonitus. 
4 Finita vero praedicatione, recommendavit religionem suam domino papae et cardinalibus universis. 
5 De praedicatione autem ipsius aedificati fuerunt quamplurimum dominus papa et domini cardinales, eorumque viscera ad religionis amorem affectuosius sunt commota (cfr. 3Re 3,26).

 

65. 
1 Postea dixit beatus Franciscus summo pontifici: “Domine, compatior vobis super sollicitudine et labore continuo quo vos oportet pro Dei ecclesia vigilare, multumque verecundor quod pro nobis fratribus minoribus tantam curam et sollicitudinem habeatis. 
2 Cum enim multi nobiles et divites ac religiosi quamplurimi ad vos intrare non possint, magnus timor et verecundia debet esse nobis qui sumus magis pauperes et despecti ceteris religiosis, non solum ingredi ad vos, sed etiam stare ante ostium vestrum et praesumere pulsare tabernaculum virtutis christianorum. 
3 Propterea, Sanctitati vestrae supplico humiliter et devote quatenus hunc dominum Ostiensem nobis dignemini pro papa concedere, ut ad eum tempore necessitatis possint fratres recurrere, salva semper vestrae praeeminentiae dignitate”. 
4 Et placuit haec petitio domino papae, concessitque beato Francisco praefatum dominum Ostiensem, instituens ipsum super religionem suam dignissimum protectorem.

 

66. 
1 Qui, habito domini papae mandato, sicut bonus protector ad defendendum fratres manum extendit, scribens multis praelatis qui persecutiones intulerant fratribus ne ulterius essent eis contrarii, 
2 sed potius ad praedicandum et habitandum in suis provinciis consilium et auxilium eis darent, tanquam bonis et sanctis religiosis, auctoritate Sedis apostolicae approbatis. 
3 Similiter et alii quamplures cardinales ad idem suas litteras transmiserunt. 
4 In sequenti ergo capitulo, data licentia ministris a beato Francisco recipiendi fratres ad ordinem, misit eos ad supradictas provincias portantes litteras cardinalium cum regula bulla apostolica confirmata. 
5 Quae omnia praedicti praelati videntes, et exhibita fratribus testimonia cognoscentes, aedificare, habitare et praedicare in quis provinciis liberaliter concesserunt. 
6 Sic itaque morantibus et praedicantibus fratribus in illis provincius, multi videntes eorum humilem et sanctam conversationem, atque audientes eorum verba dulcissima moventia et inflammantia mentes ad amorem Dei et ad poenitentiam faciendam, venerunt ad ipsos, 
7 et sanctae religionis habitum ferventer et humiliter susceperunt.

 

67. 
1 Videns autem beatus Franciscus fidem et dilectionem quam habebat ad fratres dictus dominus Ostiensis, ipsum cum intimis cordis affectuosissime diligebat. 
2 Et quoniam revelatione Dei praevia sciebat eum futurum summum pontificem, semper hoc ei praenuntiabat in litteris quas scribebat eidem, vocans ipsum patrem totius mundi. 
3 Sic enim scribebat sibi: “Venerabili in Christo patri totius mundi etc.”. 
4 Post modicum vero tempus, mortuo domino Honorio papa tertio, ipse dominus Ostiensis electus est in summum pontificem, vocatus Gregorius papa nonus, qui tam fratrum quam aliorum religiosorum et maxime pauperum Christi usque in finem vitae suae extitit benefactor praecipuus et defensor. 
5 Unde non immerito creditur ipsum esse sanctorum collegio sociatum.

Texto Traduzido

Caput XVI

Da eleição dos primeiros ministros e como foram enviados pelo mundo.

 

62. 
1 Quando se completaram onze anos desde o começo da religião e os frades se haviam multiplicado em número e mérito, elegeram-se ministros e foram enviados com alguns frades pelas diversas províncias do mundo em que a fé católica é cultivada e observada. 
2 Eram recebidos em algumas províncias, mas não se lhes permitia construir habitações; de outras eram expulsos na suposição de serem homens infiéis, porque, embora o Senhor Papa Inocêncio III tivesse aprovado a Ordem e a Regra, não as havia ainda confirmado por uma carta sua; por isso os irmãos sofreram muitas tribulações de clérigos e leigos. 
3 Por este motivo, os irmãos foram obrigados a fugir de várias províncias, e assim, angustiados e aflitos, e também espoliados e espancados por ladrões, voltaram com grande amargura ao bem-aventurado Francisco. 
4 Tinham sofrido isso em quase todas as regiões ultramontanas, como na Alemanha, na Hungria e em outras.
5 Quando isso foi notificado ao referido senhor cardeal, ele convocou o bem-aventurado Francisco e o levou ao senhor Papa Honório, pois o senhor Inocêncio já tinha morrido. 
6 E fez com que uma outra regra, composta pelo bem-aventurado Francisco por inspiração de Cristo, fosse solenemente confirmada pelo mesmo senhor Honório, com uma bula pendente. 
7 Nesta Regra se prolongou o tempo do capítulo, para facilitar aos irmãos que habitavam em remotas regiões.

 

63. 
1 O bem-aventurado Francisco se propôs também a pedir ao Senhor Papa Honório um dos cardeais da Igreja Romana que fosse como o papa de sua Ordem: o Senhor Bispo de Óstia, ao qual os irmãos pudessem recorrer em suas necessidades. 
2 De fato o bem-aventurado Francisco tivera uma visão que pode tê-lo induzido a pedir um cardeal e colocar a Ordem sob a proteção da Igreja Romana. 
3 Pois vira uma galinha pequena e preta com as pernas emplumadas, e as patas como as de uma pomba doméstica, com tantos pintinhos que não podia juntar a todos debaixo das asas, mas os que ficavam fora andavam ao redor da galinha. 
4 Acordando, pôs-se a pensar sobre o significado da visão, e logo, pelo Espírito Santo, soube que estava representado simbolicamente por aquela galinha, e disse: 
5 “Eu sou essa galinha, pequeno de estatura e negro por natureza, que tenho que ser simples como uma pomba e voar para o céu com os afetos alados. 
6 O Senhor, por sua misericórdia, deu-me e dar-me-á muitos filhos, que não poderei proteger só com minha força. 
7 Portanto, é necessário que os recomende à santa Igreja, que os proteja à sombra de suas asas e os governe.

 

64. 
1 Poucos anos depois desta visão, foi a Roma e visitou o Senhor Bispo de Óstia. Este ordenou-lhe que na manhã seguinte fosse com ele à Cúria, pois desejava que fizesse uma pregação diante do senhor Papa e dos cardeais e lhes recomendasse, devota e afetuosamente, sua Ordem. 
2 Embora o bem-aventurado Francisco se escusasse, dizendo que era simples e ignorante, teve que ir com ele à Cúria. 
3 Quando o bem-aventurado Francisco se apresentou diante do Senhor Papa e dos cardeais, foi visto por eles com grande alegria. Levantou-se e pregou-lhes como havia sido instruído unicamente por inspiração do Espírito Santo. 
4 Terminada a pregação, recomendou sua religião ao senhor Papa e a todos os cardeais. 
5 O senhor Papa e os cardeais ficaram enormemente edificados com a sua pregação e suas entranhas se moveram mais afetuosamente ao amor da religião.

 

65. 
1 Em seguida disse o bem-aventurado Francisco ao Sumo Pontífice: “Senhor, compadeço-me de vós pela solicitude e trabalho contínuo com que deveis velar sobre a Igreja de Deus, e muito me envergonho que tenhais tanta preocupação e solicitude por nós, irmãos menores. 
2 De fato, enquanto muitos nobres e ricos e numerosos religiosos não podem chegar a vós, grande deve ser o nosso receio e vergonha, pois que somos os mais pobres e desprezíveis entre todos os religiosos, já não digo por comparecer perante vós, mas por estar à vossa porta e ter a presunção de bater ao tabernáculo da fortaleza dos cristãos. 
3 Portanto, suplico humilde e devotamente a Vossa Santidade que vos digneis conceder-nos o Senhor Bispo de Óstia como pai, para que os irmãos possam recorrer a ele no tempo da necessidade, salva sempre a preeminência de vossa dignidade”. 
4 Este pedido agradou ao Senhor Papa, que concedeu ao bem-aventurado Francisco o Senhor Bispo de Óstia, instituindo-o sobre a sua religião como digníssimo protetor.

 

66. 
1 Este, recebendo o mandato do Senhor Papa, estendeu a mão como um bom protetor para defender os frades, escrevendo a muitos prelados que tinham feito perseguição aos frades para que não fossem mais contrários a eles, 
2 mas antes lhes dessem conselho e auxílio para pregar e morar em suas províncias, como a bons e santos religiosos aprovados pela autoridade da Sé Apostólica. 
3 Da mesma forma, muitos outros cardeais escreveram cartas com o mesmo objetivo. 
4 Por isso, no capítulo seguinte o bem-aventurado Francisco concedeu licença aos ministros para receberem irmãos na Ordem e enviou-os às mencionadas províncias, levando cartas dos cardeais juntamente com a Regra confirmada pela bula apostólica. 
5 Vendo tudo isto e conhecendo os testemunhos dados pelos irmãos, os prelados liberalmente concederam-lhes edificar, morar e pregar em suas províncias. 
6 Assim, com os frades morando e pregando naquelas províncias, muitos, vendo seu comportamento humilde e santo, e ouvindo suas palavras dulcíssimas que moviam e inflamavam as mentes para o amor de Deus e para fazer penitência, vieram a eles, 
7 e receberam o hábito de sua santa religião, com fervor e humildade.

 

67. 
1 Ao ver o bem-aventurado Francisco a confiança e o amor que o Senhor Bispo de Óstia tinha para com os irmãos, amava-o afetuosamente de todo coração. 
2 E como por prévia revelação de Deus sabia que ele seria sumo pontífice, sempre lhe prenunciava isso nas cartas que lhe escrevia, chamando-o pai de todo o mundo. 
3 Pois assim lhe escrevia: “Ao venerável em Cristo, Pai do mundo inteiro, etc...” 
4 Pouco tempo depois, tendo morrido o Senhor Papa Honório III, o Senhor de Óstia foi eleito Sumo Pontífice, chamado Gregório IX, o qual até o fim da vida foi o principal benfeitor e defensor dos irmãos e dos outros religiosos, especialmente dos pobres de Cristo. 
5 Por isso se crê, não sem razões, que tenha sido acolhido entre os santos.