Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

20. Uma falsa vocação

Texto Original

.

1 Quodam tempore ibat predicando beatus Franciscus per provinciam Marchie. 
2 Accidit autem ut quadam die, dum cuiusdam castri populo predicasset, quidam homo venit ad ipsum dicens illi: “Frater, volo dimittere seculum et intrare Religionem tuam”. 
3 Dixit ad eum beatus Eranciscus: “Frater, si vis intrare Religionem fratrum, oportet te primo omnia tua secundum perfectionem sancti Evangelii pauperibus erogare et postea tuam voluntatem in omnibus abnegare”. 
4 Quibus auditis, ivit cum festinatione et ductus amore carnali, non spirituali, omnia sua suis consanguineis erogavit. 
5 Et reversus est ad beatum Franciscum dicens illi: “Frater, ecce me de omnibus meis expropriavi”. 
6 Dixit ad eum beatus Franciscus: “Quomodo fecisti?”. 
7 Cui dixit ille: “Frater, omnia mea quibusdam meis consanguineis, quibus necessaria erant, erogavi”. 
8 Beatus Franciscus statim cognoscens per Spiritum Sanctum quod homo carnalis erat, dixit ad eum: “Vade viam tuam, frater musca, quoniam tua erogasti consanguineis et vis vivere de helemosinis inter fratres”. 
9 Ille vero statim ivit viam suam, nolens aliis pauperibus sua erogare.

Texto Traduzido

.

1 Em certa ocasião, o bem-aventurado Francisco andava pregando pela província das Marcas. 
2 Aconteceu que um dia, quando estava pregando ao povo de uma vila, um homem se aproximou dele, dizendo: “Irmão, quero deixar o século e entrar na tua Religião”. 
3 O bem-aventurado Francisco disse-lhe: “Irmão, se queres entrar na Religião dos frades, primeiro é preciso que, de acordo com a perfeição do santo Evangelho, dês todas as tuas coisas aos pobres, e depois te livres de tua vontade em todas as coisas”. 
4 Ouvindo isso, ele foi rapidamente e, levado pelo amor carnal e não espiritual, deu todas as suas coisas aos seus parentes. 
5 E voltou ao bem-aventurado Francisco, dizendo-lhe: “Irmão, eu me desapropriei de tudo que era meu”. 
6 Disse-lhe o bem-aventurado Francisco: “Como fizeste? 
7 Ele respondeu: “Irmão, dei tudo que era meu a alguns parentes meus, que tinham necessidade”. 
8 O bem-aventurado Francisco, percebendo logo, pelo Espírito Santo, que o homem era carnal, disse-lhe: “Vai pelo teu caminho, Irmão Mosca, porque deste o que era teu aos parentes e queres viver de esmola entre os frades”. 
9 Ele pegou imediatamente o seu caminho, sem querer dar as suas coisas aos outros pobres.