Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 7

Texto Original

Caput VII

De maximo labore et afflictione ipsius pro reparatione ecclesiae Sancti Damiani et qualiter coepit vincere seipsum eundo pro eleemosyna.

 

21. 
1 Servus igitur Dei Franciscus, nudatus ab omnibus quae sunt mundi (cfr. 1Cor 7,33), divinae vacat iustitiae propriamque visam contemnens divino servitio se mancipat modis omnibus quibus potest. 
2 Revertensque ad ecclesiam Sancti Damiani gaudens et fervens, fecit sibi quasi heremiticum habitum, et sacerdotem illius ecclesiae confortavit eodem sermone quo ipse fuerat ab episcopo confortatus. 
3 Deinde, surgens et introiens civitatem coepit per plateas et vicos (cfr. Cant 3,2), tanquam ebrius spiritu, Dominum collaudare. 
4 Finita vero huiusmodi collaudatione Domini, ad acquirendos lapides pro reparatione dictae ecclesiae se convertit 
5 dicens: “Qui mihi dederit unum lapidem, unam habebit mercedem. 
6 Qui autem duos dederit, duas habebit mercedes. 
7 Qui vero tres, totidem mercedes habebit”. 
8 Sic et multa alia verba simplicia in fervore spiritus loquebatur, quia idiota et simplex, electus a Deo, non in doctis humanae sapientiae verbis, sed (cfr. 1Cor 2,13) simpliciter in omnibus se habebat. 
9 Multi autem deridebant eum putantes ipsum insanum, alii vero, pietate commoti, movebantur ad lacrimas videntes eum de tanta lascivia et saeculi vanitate ad tantam ebrietatem divini amoris tam cito venisse. 
10 At ipse, derisiones contemnens, in spiritus fervore Deo gratias referebat. 
11 Quantum vero laboraverit in opere supradicto, longum et difficile esset narrare, ipse enim, qui tam delicatus fuerat in domo paterna, proprtis humeris lapides ferebat in Dei servitio multipliciter se affligens.

 

22. 
1 Sacerdos autem praedictus, considerans eius laborem quod scilicet tam ferventer ultra vires divino se obsequio manciparet, licet esset pauperculus, procurabat pro eo fieri aliquod speciale ad victum, sciebat autem ipsum delicate vixisse in saeculo. 
2 Quippe, ut ipse vir Dei postea confessus est, frequenter electuariis et confectionibus utebatur et a cibis contrariis abstinebat. 
3 Cum autem die quadam advertisset quod faciebat sacerdos pro ipso, ad se conversus ait: “Invenies tu hunc sacerdotem quocumque ieris qui tibi tantam praestet humanitatem? 
4 Non est haec vita pauperis hominis quem eligere voluisti. 
5 Sed, sicut pauper vadens ostiatim portat in manu paropsidem, et necessitate coactus diversa in ea cibaria coadunat, ita voluntarie oportet te vivere, amore illius qui pauper natus pauperrimus vixit in saeculo ac remansit nudus et pauper in patibulo sepultusque in alieno sepulcro”. 
6 Surgens igitur quadam die accepit paropsidem, et ingressus civitatem ivit petendo eleemosynam ostiatim. 
7 Cumque diversa cibaria poneret in scutella, mirabantur multi qui sciebant eum tam delicate vixisse, videntes ipsum ad tantum sui contemptum sic mirabiliter transmutatum. 
8 Quando autem voluit comedere illa diversa cibaria simul posita, horruit primo quia non solum comedere sed nec velle videre talia consueverat. 
9 Tandem vincens seipsum coepit comedere, et visum est illi quod in comedendo aliquod electuarium nunquam sic fuerit delectatus: 
10 Proinde tantum cor eius in Domino exultavit quod caro ipsius, licet debilis et afflicta, corroborata est ad quaecumque aspera et amara laetanter pro Domino toleranda. 
11 Gratias insuper egit Deo quod amarum sibi in dulce mutaverat et eum multipliciter confortaverat. 
12 Dixit ergo illi presbytero quod de cetero pro se aliqua cibaria non faceret nec fieri procuraret.

 

23. 
1 Pater vero ipsius videns eum in tanta vilitate positum dolore nimio replebatur. 
2 Quia enim multum dilexerat ipsum, verecundabatur et dolebat tantum super eum, videns carnem illius quasi mortuam ex afflictione nimia et algore, quod ubicumque reperiebat ipsum maledicebat ei. 
3 Vir autem Dei, maledictiones patris attendens, hominem quemdam pauperculum et despectum assumpsit sibi in patrem et ait illi: “Veni mecum et dabo tibi de eleemosynis quae mihi dabuntur. 
4 Cum autem videris patrem meum maledicentem mihi, ego quoque dixero tibi: benedic mihi, pater (cfr. Gen 27,34). Signabis me ac benedices mihi vice illius”. 
5 Sic igitur benedicente sibi paupere illo, dicebat vir Dei ad patrem: “Non credis quod Deus possit mihi dare patrem benedicentem mihi contra maledictiones tuas?”. 
6 Praeterea multi deridentes eum videntesque ipsum sic derisum patienter omnia sustinere stupore nimio mirabantur.
7 Unde, tempore hiemali cum orationi quodam mane insisteret contectus pauperculis indumentis, frater eius carnalis prope ipsum transiens cuidam suo concivi dixit ironice: “Dicas Francisco quod saltem unam numma tam de sudore vendat tibi”. 
8 Quod audiens, vir Dei gaudio salutari perfusus, in fervore spiritus gallice respondit: “Ego, inquit, Domino meo care vendam sudorem istum”.

 

24. 
1 Cum autem laboraret assidue in opere ecclesiae memoratae, volens in ipsa ecclesia luminaria iugiter esse accensa, ibat per civitatem oleum mendicando. 
2 Sed, cum prope quamdam domum venisset, videns ibi homines congregatos ad ludum, verecundatus coram eis eleemosynam petere, retrocessit. 
3 In seipsum vero conversus arguit se peccasse, currensque ad locum ubi ludus fiebat, dixit coram omnibus adstantibus culpam suam quod verecundatus fuerat petere eleemosynam propter eos. 
4 Et, fervente spiritu ad domum illam accedens, gallice petiit oleum amore Dei pro luminaribus ecclesiae supradictae. 
5 Cum aliis autem laborantibus in opere praefato persistens, clamabat alta voce in gaudio spiritus ad habitantes et transeuntes iuxta ecclesiam, dicens eis gallice: “Venite et adiuvate me in opere ecclesiae Sancti Damiani quae futura est monasterium dominarum, quarum fama et vita in universali ecclesia glorificabitur Pater noster caelestis (cfr. Mat 5,16)”. 
6 Ecce quomodo, spiritus prophetiae (cfr. Apoc 19,10) repletus, vere futura praedixit. 
7 Hic est enim locus ille sacer in quo gloriosa religio et excellentissimus ordo pauperum dominarum virginumque sacrarum, a conversione beati Francisci fere sex annorum spatio consummato, per eumdem beatum Franciscum felix sumpsit exordium, 
8 quarum vita mirifica et institutio gloriosa a sanctae memoriae domino papa Gregorio nono, tunc temporis Ostiensi episcopo, auctoritate Sedis apostolicae est plenius confirmata.

Texto Traduzido

Caput VII

De seu grande trabalho e aflição na restauração da igreja de São Damião, e como começou a vencer a si mesmo quando saiu para pedir esmola.

 

21. 
1 Assim, o servo de Deus, Francisco, despojado de todas as coisas que são do mundo, dedicou-se à justiça divina, e, desprezando a própria vida, entregou-se ao serviço divino por todos os modos possíveis. 
2 Voltando à igreja de São Damião, alegre e fervoroso, fez para si um hábito como de eremita e confortou o sacerdote daquela igreja com as mesmas palavras com que fora confortado pelo bispo. 
3 Depois, levantou, entrou na cidade e, como um ébrio do espírito, começou a louvar o Senhor pelas praças e becos. 
4 Mas quando acabou essa louvação do Senhor, voltou-se para adquirir pedras para a reparação da referida igreja 
5 dizendo: -- “Quem me der uma pedra terá uma recompensa, 
6 quem me der duas, terá duas recompensas, 
7 mas quem me der três, terá outras tantas recompensas”. 
8 Falava assim e com muitas outras palavras simples, porque era iletrado e simples, escolhido por Deus não por palavras doutas da sabedoria humana, mas portava-se em tudo simplesmente. 
9 Muitos zombavam dele, julgando-o louco; outros ainda, movidos pela piedade, eram levados às lágrimas, vendo como ele abandonara tão grandes lascívias e vaidades do século e se deixara tão rapidamente inebriar do amor divino. 
10 Mas ele, desprezando as caçoadas, dava graças a Deus, com todo fervor do espírito. 
11 Seria longo e difícil contar quanto trabalhou nessa obra. Ele mesmo, que fora tão delicado na casa paterna, carregava pedras nos próprios ombros, afligindo-se de muitas maneiras no serviço de Deus.

 

22. 
1 O sacerdote de que falamos, considerando seu trabalho, isto é, que se dedicava tão fervorosamente acima de suas forças ao serviço de Deus, embora fosse tão pobrezinho, cuidava que se fizesse para ele alguma coisa especial para comer, pois sabia que tinha vivido delicadamente no século. 
2 Com efeito, como o próprio homem de Deus confessou depois, muitas vezes servia-se de manjares delicados e pratos finos e abstinha-se dos alimentos que não eram de seu gosto. 
3 Mas quando percebeu, certo dia, o que o sacerdote fazia por ele, disse para si mesmo: - “Encontrarás acaso aonde quer que vás esse sacerdote para usar contigo de tanta cortesia? 
4 Não é esta a vida de homem pobre que quiseste escolher. 
5 Mas, como um pobre que vai de porta em porta leva um prato na mão, e forçado pela necessidade junta nele diversos alimentos, assim convém que vivas voluntariamente, por amor daquele que nasceu pobre, viveu paupérrimo no século, ficou nu e pobre no patíbulo e foi sepultado em sepulcro alheio”. 
6 Por isso, um dia levantou-se, pegou um prato e, entrando na cidade, foi pedindo esmola de porta em porta. 
7 Como pusesse diversas comidas na escudela, muitos que sabiam com quanta regalia ele vivera, admiravam-se, vendo-o incrivelmente transformado, com tanto desprezo de si mesmo. 
8 Mas quando quis comer aquelas comidas misturadas, no começo ficou horrorizado, pois não estava acostumado nem a comer nem mesmo a querer ver essas coisas. 
9 No fim, vencendo a si mesmo, começou a comer, e pareceu-lhe que nenhum outro manjar mais delicado lhe causasse tanto prazer na comida. 
10 Daí, tanto exultou o seu coração no Senhor, que a sua carne, embora fraca e aflita, fortaleceu-se para suportar com alegria pelo Senhor tudo que fosse áspero e duro. 
11 E ainda deu graças a Deus que havia mudado para ele o que era amargo em doce e o havia confortado de muitas maneiras. 
12 Por isso disse também àquele sacerdote que daí para frente não lhe fizesse nem mandasse fazer nenhuma comida.

 

23. 
1 Mas seu pai, vendo-o em tamanha vileza, enchia-se de uma dor enorme. 
2 E como o havia amado muito, envergonhava-se e doía-se tanto por ele, vendo sua carne quase morta, por causa da mortificação demasiada e pelo frio. E onde quer que o encontrasse, amaldiçoava-o. 
3 O homem de Deus, preocupado com a maldição paterna, tomou a si como pai certo homem pobrezinho e desprezível, e disse-lhe: “Vem comigo e eu te darei algumas das esmolas que me derem. 
4 Quando vires que meu pai me amaldiçoa, eu também te direi: 'Abençoa-me, pai', e tu farás sobre mim o sinal-da-cruz e abençoar-me-ás em seu lugar”. 
5 De modo que quando o pobre o abençoava, o homem de Deus dizia ao pai: “Não acreditas que Deus me pode dar um pai que me abençoa contra as tuas maldições?” 
6 Além disso, muitos que o escarneciam, vendo que, mesmo escarnecido, ele suportava tudo com paciência, ficavam extremamente admirados. 
7 Certa manhã, vestido com roupas pobrezinhas em tempo de inverno, estava ele entregue à oração, quando seu irmão carnal passou por aquele lugar e disse ironicamente a um concidadão: “Diz a Francisco que te venda pelo menos um tostão de suor”. 
8 Ouvindo isto o servo de Deus, cheio de gozo espiritual, em fervor de espírito, respondeu em francês: “Venderei ao meu Senhor, bem caro, este suor”.

 

24. 
1 Mas, quando trabalhava assiduamente na obra da mencionada igreja, desejando que nela estivessem as lamparinas sempre acesas, andava pela cidade mendigando azeite. 
2 Chegou perto de uma casa e viu lá homens reunidos, jogando. Envergonhado de pedir esmola na frente deles, voltou atrás. 
3 Mas caindo em si, censurou-se de haver pecado, e correndo ao lugar onde havia o jogo, declarou diante de todos os presentes a sua culpa por haver-se envergonhado de pedir esmola por causa deles. 
4 E em fervor de espírito, entrando naquela casa, pediu em francês e por amor de Deus óleo para as lâmpadas da mencionada igreja. 
5 Continuando com outras pessoas que também trabalhavam na referida obra, clamava em francês em alta voz, com grande alegria, aos habitantes e aos que passavam perto da igreja: “Vinde e ajudai na obra da igreja de São Damião, que futuramente será um mosteiro de senhoras por cuja fama e vida nosso Pai celeste será glorificado na Igreja universal”. 
6 Eis como, repleto do espírito de profecia, predisse verdadeiramente o futuro. 
7 Este é de fato aquele lugar sagrado, onde por intermédio do mesmo bem-aventurado Francisco, teve feliz início a religião e excelentíssima Ordem das Senhoras Pobres e Sagradas Virgens, quase seis anos após a conversão do bem-aventurado Francisco. 
8 Sua vida maravilhosa e sua instituição gloriosa foram plenamente confirmadas por autoridade da Sé apostólica pelo senhor papa Gregório nono, de santa memória, nesse tempo bispo de Óstia.