Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 6

Texto Original

Caput VI

Qualiter primo fugit persecutiones patris et propinquorum, stando cum sacerdote Sancti Damiani in cuius fenestra proiecerat pecuniam.

 

16. 
1 Ex dicta igitur visione et allocutione Crucifixi gavisus surrexit signo crucis se muniens, et ascendens equum assumensque pannos diversorum colorum, ad civitatem quae dicitur Fulgineum pervenit, atque ibi venditis equo et omnibus quae portaverat, ad ecclesiam Sancti Damiani continuo est reversus. 
2 Et invento illic sacerdote pauperculo, cum magna fide et devotione osculans manus eius, obtulit illi pecuniam quam portabat et propositum suum per ordinem enarravit. 
3 Obstupefactus sacerdos, et subitam eius conversionem miratus, recusabat haec credere, et sibi putans illudi, noluit apud se illius pecuniam retinere. 
4 At ipse pertinaciter insistens, verbis suis fidem facere nitebatur et sacerdotem orabat enixius ut eum secum permitteret commorari. 
5 Acquievit tendem sacerdos de mora illius, sed timore parentum pecuniam non recepit. 
6 Quare verus pecuniarum contemptor in quamdam fenestram proiciens ipsam, velut pulverem vilipendit. 
7 Moram igitur faciente (cfr. Mat 25,5) ipso in loco praefato, pater ipsius ut sedulus explorator circuivit quaerens (cfr. 1Pet 5,8) quid actum sit de filio suo. 
8 Et cum audisset eum sic mutatum in loco iam dicto taliter conversari, tactus dolore cordis intrinsecus (Gen 6,6) et ad subitum rerum eventum turbatus, convocatis amicis et vicinis (cfr. Luc 15,6) citissime cucurrit ad eum. 
9 Ipse autem, quia erat novus miles Christi (cfr. 2Tim 2,3), ut audivit minas persequentium eorumque adventum praescivit, dedit locum irae (cfr. Rom 12,19) paternae et ad quamdam occultam caveam quam ad hoc sibi paraverat accedens, ibi per mensem integrum latitavit. 
10 Quae cavea, uni tantum de domo patris erat cognita, ubi cibum sibi quandoque oblatum edebat occulte, orans iugiter lacrimarum imbre perfusus ut Dominus liberaret eum a persecutione nociva et ut pia vota ipsius benigno favore compleret.

 

17. 
1 Cumque sic in ieiunio et fletu (cfr. Ioel 2,12) ferventer et assidue Dominum exorasset, de sua diffidens virtute et industria, spem suam totaliter iactavit in Dominum (cfr. Ps 54,23; 36,5), qui eum licet in tenebris manentem perfuderat quadam ineffabili laetitia et illustraverat mirabili claritate. 
2 Ex qua nimirum totus ignitus, fovea relicta, iter arripuit versus Assisium, impiger festinus et laetus. 
3 Et fiduciae Christi armis munitus divinoque calore succensus, seipsum arguens de pigritia et vano timore, manibus et ictibus persequentium se exposuit manifeste. 
4 Quem videntes illi qui prius noverant eum sibi miserabiliter exprobrabant insanumque ac dementem clamantes, lutum platearum et lapides proiciebant in eum (cfr. Ps 17,43; Ioa 8,59). 
5 Cernentes enim eum sic a pristinis moribus alteratum et carnis maceratione confectum, totum quod agebat exinanitioni et dementiae imputabant. 
6 Sed miles Christi (cfr. 2Tim 2,3), in his omnibus ut surdus pertransiens nulla fractus aut mutatus iniuria, Deo gratias referebat. 
7 Cum autem rumor huiusmodi fieret per plateas et vicos civitatis (cfr. Cant 3,2) de ipso, tandem pervenit ad patrem, qui audiens talia in ipsum a concivibus fieri, statim surgit quaerere ipsum, non ad liberandum sed potius ad perdendum. 
8 Nulla enim moderatione servata, currit tanquam lupus ad ovem, et torvo oculo ac hirsuta facie illum respiciens iniecit impie manus in ipsum. 
9 Pertrahens autem illum ad domum et per plures dies in carcere tenebroso recludens, nitebatur eius animum verbis et verberibus flectere ad saeculi vanitatem.

 

18. 
1 Ipse vero, nec motus verbis nec vinculis aut verberibus fatigatus, patienter omnia portans, ad sanctum propositum exsequendum promptior et validior reddebatur. 
2 Patre namque ipsius recedente a domo causa necessitatis urgente, mater eius quae sola cum illo remanserat, factum viri sui non approbans, blandis sermonibus alloquitur filium. 
3 Quem, cum a sancto proposito revocare non posset, commotis eius visceribus super (cfr. 3Re 3,26) ipsum, confregit vincula eumque liberum abire permisit. 
4 At ipse, gratias omnipotenti Deo referens, ad locum ubi fuerat prius revertitur, et maiori libertate utens tanquam daemonum tentationibus probatus et tentationum documentis instructus, recepto animo securiori ex iniuriis, liberior et magnanimior incedebat. 
5 Interea pater revertitur et non invento filio, peccata peccatis accumulans, intorquet convicia in uxorem.

 

19. 
1 Deinde cucurrit ad palatium communitatis conquerens de filio coram consulibus civitatis postulansque ut pecuniam, quem exspoliata domo asportaverat, facerent sibi reddi. 
2 Consules autem videntes eum ita turbatum, Franciscum, ut coram eis compareat, citant sive advocant per praeconem. 
3 Qui praeconi respondens dixit se per Dei gratiam iam factum liberum et consulibus amplius non teneri, eo quod esset solius altissimi Dei servus. 
4 Consules vero nolentes ei vim facere dixerunt patri: “Ex quo servitium Dei est aggressus, de potestate nostra exivit”.
5 Videns ergo pater quod coram consulibus nihil proficeret, eamdem querimoniam proposuit coram episcopo civitatis. 
6 Episcopus vero, discretus et sapiens, vocavit eum debito modo, ut compareret super patris querimoniam responsurus.
7 Qui respondit nuntio dicens: “Ad dominum episcopum veniam quia est pater et dominus animarum”. 
8 Venit igitur ad episcopum et ab ipso cum magno gaudio est receptus. 
9 Cui episcopus ait: “Pater tuus est contra te turbatus et scandalizatus valde. 
10 Unde, si tu vis Deo servire, redde illi pecuniam quam habes, quae, quoniam forte est de iniustis acquisitis, non vult Deus ut eroges eam in opus ecclesiae, propter peccata patris tui cuius furor mitigabitur ea recepta. 
11 Habeas ergo, fili, fiduciam in Domino et viriliter age, nolique timere quia ipse erit adjutor tuus (cfr. Deut 31,6) et pro ecclesiae suae opere abundanter tibi necessaria ministrabit”.

 

20. 
1 Surrexit igitur vir Dei, laetus et confortatus in verbis episcopi, et coram ipso portans pecuniam ait illi: “Domine, non tantum pecuniam quae est de rebus suis volo ei reddere gaudenti animo, sed etiam vestimenta”. 
2 Et intrans cameram episcopi exuit omnia vestimenta sua et, ponens pecuniam super ipsa, coram episcopo et patre aliisque adstantibus, nudus foras exivit, 
3 et dixit: “Audite omnes et intelligite (cfr. Is 6,9). Usque modo Petrum Bernardonis vocavi patrem meum, sed, quia Deo servire proposui, reddo illi pecuniam pro qua erat turbatus et omnia vestimenta quae de suis rebus habui, volens amodo dicere: Pater noster qui es in caelis (cfr. Mat 6,9), non pater Petre Bernardonis”. 
4 Inventus est autem vir Dei tunc cilicium habere ad carnem sub vestibus coloratis. 
5 Surgens ergo pater eius, nimio dolore et furore succensus, accepit denarios et omnia vestimenta. 
6 Quae dum portaret ad domum, illi qui ad hoc spectaculum fuerant indignati sunt contra eum, quia nihil de vestimentis filio reliquerat. 
7 Super Franciscum vero, pietate commoti, coeperunt fortiter lacrimari. 
8 Episcopus autem, animum viri Dei diligenter attendens atque fervorem et constantiam eius vehementer admirans, ipsum inter brachia sua recollegit, operiens eum pallio suo. 
9 Intelligebat enim aperte facta ipsius ex divino esse concilio et agnoscebat ea quae viderat non parvum mysterium continere. 
10 Sicque ex tunc factus est eius adiutor (cfr. Ps 29,11), exhortando et fovendo ipsum ac dirigendo et amplexando in visceribus caritatis.

Texto Traduzido

Caput VI

Como fugiu pela primeira vez das perseguições do pai e dos parentes, ficando com o sacerdote de São Damião, em cuja janela jogara o dinheiro.

 

16. 
1 Após a mencionada visão e fala do Crucificado, levantou-se alegre, fazendo o sinal da cruz, montou a cavalo e pegou panos de diversas cores, indo para a cidade de Foligno e, tendo aí vendido o cavalo e tudo que levara, voltou logo para a igreja de São Damião. 
2 Tendo encontrado aí aquele sacerdote pobrezinho, beijou sua mão com grande fé e devoção e lhe ofereceu o dinheiro que levava, contando direitinho o seu propósito. 
3 O sacerdote ficou estupefato e, admirado de sua súbita conversão, recusava-se a acreditar nisso; e achando que estava sendo enganado não quis ter aquele dinheiro consigo. 
4 Mas ele, insistindo com pertinácia, procurava fazer com que acreditasse em suas palavras e pedia mais fortemente ao sacerdote que lhe permitisse morar com ele. 
5 Afinal o sacerdote concordou quanto à morada, mas, por medo dos parentes, não recebeu o dinheiro. 
6 Por isso, verdadeiro desprezador do dinheiro, jogou-o em uma janela, dando-lhe o valor de pó. 
7 Enquanto ele morava nesse lugar, o pai, como cuidadoso explorador, dava voltas para saber o que tinha acontecido com o filho. 
8 Quando soube que ele estava tão mudado e morava de tal forma no referido lugar, foi tocado por uma dor interna no coração, e conturbado por aquela mudança inesperada, convocou amigos e vizinhos, e se dirigiu rapidamente para ele. 
9 Ele, porém, como era um novo soldado de Cristo, quando ouviu as ameaças dos perseguidores e percebeu que estavam chegando, deixou que a ira paterna extravasasse e foi para uma cova que tinha preparado para isso, e ficou escondido por um mês inteiro. 
10 A cova só era conhecida por uma pessoa da casa paterna, e lá ele comia escondido o alimento que lhe davam de vez em quando, orando continuamente, lavado por uma torrente de lágrimas, para que o Senhor o livrasse dessa perseguição nociva e para que cumprisse com bondoso favor os seus piedosos votos.

 

17. 
1 Enquanto orava assim ao Senhor, no jejum e no pranto, fervorosa e assiduamente, não confiando na sua força e habilidade, lançou sua esperança totalmente no Senhor, que, mesmo permanecendo ele nas trevas, banhara-o numa alegria inefável e o iluminara com uma claridade admirável. 
2 Todo aceso por essa luz, saiu da cova e tomou o caminho de Assis, sem preguiça, rápido e alegre. 
3 Munido das armas da confiança em Cristo e abrasado pelo calor divino, censurando-se pela preguiça e vão temor, expõe-se abertamente às mãos e aos golpes dos perseguidores. 
4 Quando o viram, aqueles que antes o haviam conhecido injuriavam-no sem compaixão, chamando-o de insano e demente, e jogavam contra o barro das praças e pedras. 
5 Vendo-o tão mudado dos antigos costumes e acabado pela mortificação da carne, atribuíam tudo o que fazia ao esgotamento e à loucura. 
6 Mas o soldado de Cristo passou como um surdo por tudo isso e, não quebrado nem mudado por nenhuma injúria, dava graças a Deus. 
7 Como corresse esse boato sobre ele pelas praças e becos da cidade, chegou finalmente ao pai, que ao ouvir que os seus concidadãos faziam tais coisas contra ele, levantou-se imediatamente para buscá-lo, não para libertá-lo, antes para perdê-lo. 
8 Sem observar moderação alguma, correu como um lobo contra a ovelha e, fixando-o com olhar turvo e rosto irado, lançou impiedosamente as mãos contra ele. 
9 Arrastando-o para casa, e mantendo-o, por muitos dias, trancado num cárcere tenebroso, esforçava-se, com palavras e açoites, por fazer seu ânimo se inclinar para a vaidade do século.

 

18. 
1 Ele, porém, sem se abalar por palavras, sem se cansar pelo cárcere ou pelos açoites, suportando tudo com paciência, tornava-se ainda mais pronto e mais forte para realizar seu santo propósito. 
2 Como seu pai saiu de casa por urgente necessidade, a mãe, que ficou sozinha com ele, não aprovando o procedimento de seu marido, dirigiu-se ao filho com meigas palavras. 
3 Não conseguindo demovê-lo de seu santo propósito, profundamente comovida com ele, quebrou as correntes e deixou que fosse embora, livre. 
4 Ele, dando graças a Deus onipotente, voltou ao lugar onde estivera antes, gozando maior liberdade, como quem fora provado pelas tentações do demônio, tirando delas maior experiência. E agora com ânimo mais firme pelas injúrias recebidas, caminhava mais livre e magnanimamente. 
5 Nesse meio tempo o pai voltou e, não encontrando o filho, acumulando mais pecados a seus pecados virou contra a esposa as suas injúrias.

 

19. 
1 Depois correu ao palácio da comuna queixando-se do filho diante dos cônsules da cidade, e pedindo que o obrigassem a restituir o dinheiro que levara, espoliando a casa. 
2 Os cônsules, vendo-o tão perturbado, por meio de mensageiro, intimam ou convocam Francisco a comparecer diante deles. 
3 Ele, respondendo ao mensageiro, disse que pela graça de Deus já tinha sido libertado e não se submetia mais aos cônsules, porque só era servo do Deus Altíssimo. 
4 Os cônsules, por sua vez, não querendo forçá-lo, disseram ao pai: “Desde que se pôs ao serviço de Deus, subtraiu-se ao nosso poder”. 
5 Vendo o pai que nada conseguia junto aos cônsules, propôs a mesma reclamação diante do bispo da cidade. 
6 O bispo, porém, discreto e sábio, chamou-o o modo devido para comparecer a fim de responder à demanda do pai. 
7 Ele respondeu ao enviado: “Ao Senhor Bispo irei, porque ele é pai e senhor das almas”. 
8 Foi, então, ao bispo, que o recebeu com grande alegria. 
9 E o bispo disse: “Teu pai está muito irritado e escandalizado contigo. 
10 Por isso, se queres servir a Deus, devolve-lhe o dinheiro que tens. O qual, como provém provavelmente de bens injustamente adquiridos, Deus não quer que o empregues em obras da igreja, por causa dos pecados de teu pai, cujo furor vai se acalmar quando o receber. 
11 Tem pois, filho, confiança no Senhor, e comporta-te varonilmente; não tenhas medo porque Ele será o teu auxílio e para as obras de sua igreja dar-te-á abundantemente o que for necessário”.

 

20. 
1 O homem de Deus levantou-se alegre e confortado pelas palavras do bispo e, apresentando-lhe o dinheiro, disse: “Senhor, quero devolver-lhe com alegria não somente o dinheiro que lhe pertence, mas também as roupas”. 
2 Entrando na sala do bispo, tirou todas as suas roupas e, colocando o dinheiro em cima delas, diante do bispo, do pai e dos outros presentes, saiu nu 
3 e disse: “Ouvi todos e entendei: até agora chamei de pai a Pedro de Bernardone, mas, como me propus servir a Deus, devolvo-lhe o dinheiro, pelo qual estava perturbado, e todas as roupas, que dele recebi de suas coisas, pois agora quero dizer: Pai nosso que estás nos céus, e não pai Pedro de Bernardone”. 
4 Viu-se então que o servo de Deus tinha um cilício junto à carne, por baixo das roupas coloridas. 
5 O pai levantou-se, extremamente magoado e enfurecido, e recebeu o dinheiro e todas as vestes. 
6 Enquanto as levava para casa, os que tinham assistido à cena indignaram-se contra ele, por não ter deixado ao filho nada de suas roupas. 
7 Mas, movidos de compaixão começaram a chorar fortemente por Francisco. 
8 O bispo, porém, dando diligente atenção ao ânimo do homem de Deus e admirando muito seu fervor e constância, acolheu-o entre seus braços, cobrindo-o com seu manto. 
9 Pois percebia abertamente que os seus gestos provinham de um conselho divino e reconhecia que o que vira continha um mistério não pequeno. 
10 Assim, desde então fez-se um auxiliador dele, exortando-o e animando-o, dirigindo-o e abraçando-o nas entranhas da caridade.