Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Conversação V

Texto Original

Collatio V

De primitiva puritate fratrum

 

27. Primitias autem Spiritus habentes fratres illius temporis, non humanis constitutionibus, sed liberis suae devotionis affectionibus, regula tantum contenti et paucissimis aliis statutis, quae post confirmationem regulae eodem anno primitus emanaverant, Domino serviebant.

Haec autem fuit prima constitutio quam sanctus Franciscus fecit post regulam bullatam, sicut dixit bonae memoriae frater Albertus, scilicet quod fratres inter saeculares non comederent, nisi tres bolos carnis propter observantiam sancti evangelii (Lc 10,8; RNB3,13; RB 3,14); quia venerat ad eum rumor, quod fratres avide comedebant.

Fratres igitur silentium usque ad tertiam tenere consueverunt et in oratione tam assidui esse, ut vix esset aliqua hora per totam noctem, in qua non essent aliqui fratres in oratione in oratorio. In praecipuis quoque solemnitatibus tanto fervore cantaverunt, ut per totam noctem nonnunquam durarent vigiliae; et cum non essent nisi tres vel a quatuor aut ut multum sex, cum nota solemniter cecinerunt.

Tanta quoque fuit simplicitas eorum tantaque puritas, ut de pollutione nocturna in capitulo coram omnibus dicerent culpas suas. Inoleverat etiam inter eos tam religiosa consuetudo, ut nihil penitus iurarent, sed simpliciter dicerent: “Sciatis”. Quam cito quisquam vel a superiore vel socio fuisset increpatus, statim respondit: “Mea culpa”, et frequenter etiam prostratus. Unde magister praedicatorum bonae memoriae frater Jordanus dixit, quod diabolus, cum aliquando ei apparuisset, dixerat ei, quod ”mea culpa” abstulit ei quidquid lucrari credidit inter fratres minores, quia scilicet dicebant culpas suas invicem, si quis alium offendisset.

Texto Traduzido

Collatio V

A primitiva pureza dos primeiros frades

 

27. Gozando das primícias do Espírito, os frades daquele tempo serviam ao Senhor não com constituições humanas, mas com o livre afeto de sua devoção, contentes apenas com a regra e  pouquíssimos estatutos que elaboraram  no começo, no mesmo ano após a confirmação da regra.

Esta foi a primeira constituição que São Francisco fez depois da Regra Bulada, como disse Frei Alberto, de feliz memória: que os frades não comessem mais do que três pedaços de carne entre os seculares, por causa da observância do santo Evangelho (Lc 10,8; RNB 3,13; RB 3,14), porque chegara a ele o boato de que os irmãos comiam com avidez.

Os frades costumavam manter o silêncio até Terça e ser tão assíduos na oração que dificilmente havia alguma hora durante toda noite em que não estivessem alguns frades em oração na capela. Também nas principais solenidades cantavam com tanto fervor que, por vezes, as vigílias se prolongavam por toda noite; e mesmo sendo só três ou quatro ou quando muito seis, cantavam solenemente com música.

Tanta era sua simplicidade e tanta a pureza que, no capítulo, diante de todos, confessavam suas culpas em relação à poluição noturna. Arraigara-se também entre eles tão religioso costume que não juravam por nada, mas diziam simplesmente: “Sabei”. Logo que alguém era repreendido pelo superior ou pelo companheiro, respondia: Foi minha culpa, e frequentemente também se prostrava. Por isso, o mestre dos Pregadores, Frei Jordão, de feliz memória, disse que o demônio, uma vez que lhe aparecera, tinha dito que esse Foi minha culpa lhe roubava tudo que tinha pensado que ia lucrar entre os frades menores, porque eles confessavam as culpas reciprocamente, quando um ofendia o outro.