Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XLVII

Texto Original

Caput XLVII

Qualiter quidam magnus tirannus, videns unum de sociis b. Francisci elevatum in aere usque ad culmen palatii sui, conversus fuit et factus fr. Minor ad predicationem eiusdem fratris.

 

1 Hoc fuit signum evidentissimum quod Ordo b. Francisci fuit fundatus a Deo, quia statim quod multiplicari cepit, quasi usque ad fines terre pervenit. Unde s. Franciscus, studens se Cristo in omnibus conformare, mittebat fratres suos binos ad predicandum per universas provincias, 3 et tam mira per eos Dominus faciebat, quod quasi in omnem terram exivit sonus eorum et in fines orbis terre verba eorum (Ps 18,5).
Unde accidit semel quod duo de illis novellis b. patris discipulis, ad ignotas partes pergentes, pervenerunt ad quoddam castrum pessimis hominibus plenum. In quo etiam erat quidam magnus tirannus, multum crudelis et impius, quasi caput et dux omnium illorum pessimorum et predonum. Erat tamen genere nobilis, sed moribus pessimus et ignobilis. 
6 Ad quod castrum cum dicti duo fratres, afflicti fame et frigore et labore, quasi agni inter lupos (cfr. Luc 10,3),de sero simpliciter pervenissent, rogaverunt per internuntium illum tirannum, dominum castri, quod ipsos reciperet in hospitio illa nocte amore D. Ihesu Cristi. 7 Quos ille, a Deo inspiratus, gratanter suscepit et multam compassionem illis et curialitatem exibuit. Nam fecit illis fieri ignem magnum et parari mensam more nobilium.
Discumbentibus vero fratribus et aliis cunctis, unus illorum fratrum, qui erat sacerdos, habens gratiam loquendi de Deo singularem, videns quod nullus illorum discumbentium de Deo aliquid vel de salute anime tractaret aut loqueretur, sed solum de predationibus et occisionibus et de aliis malis multis que hinc inde perpetraverant; et gaudebant in rebus pessimis et de impietatibus quas usquequaque commiserant.
10 Unde, refectione finita corporali, cupiens ille frater hospitem suum et ceteros celesti cibo reficere, dixit domino illi: “Domine, magnam curialitatem et caritatem nobis exibuistis; et ideo multum essemus ingrati, si non vobis aliqua bona secundum Deum rependere studeremus. 11 Propterea rogamus quod faciatis totam familiam congregari, ut pro beneficiis corporalibus a nobis receptis spiritualia rependamus”. Quorum rogaminibus assentiens, dictus dominus fecit omnes congregari coram fratribus.
12 Et frater ille incepit de gloria paradisi loqui: quomodo ibi est letitia sempiterna, ibi societas angelorum, securitas beatorum, ibi gloria infinita, ibi copia celestium thesaurorum, ibi vita perpetua, lux inenarrabilis, pax impertubabilis, sanitas incorruptibilis, ibi Dei presentia et omne bonum et nullum malum. 13 Et homo propter peccata et miseriam suam perdit tot et tanta bona, et acquirit infernum, ubi dolor est et tristitia sempiterna, societas demonum, serpentium et draconum, ubi miseria infinita et vita sine vita, tenebre palpabiles et Luciferi presentia, 14 ubi turbatio et ira, sempiternus ignis et glacies, vermes et rabies, fames et sitis, ubi mors sine morte, gemitus et lacrime, stridor dentium (cfr. Mat 8,12) et eternitas tormentorum; ibi omne malum et carentia omnis boni!
15 “Et, ut comprehendi, omnes vos ad tanta mala curritis festinanter; nam nichil boni operis vel sermonis in vobis apparet. 16 Unde consulo et admoneo vos, carissimi, quod pro vilibus rebus mundi et voluptatibus carnis, que omnia transeunt velut umbra (cfr. Sap 5,9),nolitis perdere illa summa et in eternum duratura celestia bona; nec sic currere festinetis ad tam magna et acerba tormenta”.
17 Et hiis dictis in virtute Spiritus sancti a fratre predicto, dominus castri, tactus intrinsecus et corde compunctus, procidit ad pedes fratris; et ipse cum aliis omnibus cepit amarissime flere, rogans et petens a fratre ut ipsum in viam salutis dirigeret. 18 Et confessione cum multis lacrimis et intima compunctione eidem fratri facta, dixit ei frater quod oporteret eum in redemptionem suorum peccatorum peregrinari per sanctuaria, macerari per ieiunia, in orationibus vigilare et insistere largissimis helemosinis et aliis operibus pietatis.
19 Dominus vero ille respondit: “Pater carissime, ego nunquam istam provinciam exivi; Pater noster nec alias orationes scio dicere; et ideo aliam michi penitentiam iniungatis”. 20 Ille vero s. frater ait: “Carissime, ego volo fideiubere pro te et ex caritate Dei pro peccatis tuis intercedere ad D. Ihesum Cristum, ut anima tua non pereat. 21 Et nunc ad presens nolo quod aliam penitentiam facias nisi quod hoc sero tuis propriis manibus portes michi de paleis, ubi ego et socius quiescamus”.
22 Qui cum gaudio paleas portavit et lectum diligenter paravit in una camera ubi lumen ardebat. Et videns prefatus dominus quod frater ille tam sancta et virtuosa verba protulerat, concepit quod esset homo sanctus, 23 et posuit in corde suo explorare diligenter quid faceret illa nocte. Et vidit quod dictus frater de sero se posuit in lecto; 24 sed, cum putaret omnes profunde dormire, surrexit in tempeste noctis silentio, et pro fideiussione facta expandens manus ad Dominum et orans pro illo, indulgentiam pro ipsius peccatis postulabat.
25 Et ecce in ipsa oratione elevatus est frater in aere usque ad culmen palatii, et ibi in aere fecit tam magnum lamentum et fletum, pro peccatis dicti domini indulgentiam postulando, quod vix unquam fuit visus homo, qui caros suos consanguineos seu amicos defunctos tam cordialiter fleret sicut iste frater pro peccatis illius. 26 Et fuit illa nocte ter elevatus in aere semper cum pio lamento et lacrimis compassivis. Et ille dominus, latenter observans omnia predicta, videbat et audiebat caritativum lamentum et compassivos lacrimarum singul­tus.  27 Unde statim de mane ad pedes procidit dicti fratris et cum lacrimis compunctionis rogabat ut ipsum in viam salutis dirigeret, paratum firmiter ad omnia que iuberet.
28 Fratre sancto igitur consulente, vendidit cuncta que habuit, et restituenda restituit, et cetera pauperibus (cfr. Luc 19,8) secundum s. evangelium cuncta distribuit et semetipsum Deo offerens, Ordinem fratrum Minorum intravit et cum laudabili perseverantia, propositum servans, in sancta vita finivit. 29 Ceteri etiam antiquarum iniquitatum illius satellites et sodales, compuncti corde, vitam in melius mutaverunt. Sic fructificavit sancta illorum fratrum simplicitas, non de auctoribus vel de Aristotile predicans, sed de penis inferni et gloria paradisi cum brevitate sermonis, sicut regula sancta dicit.
Deo gratias! Amen.

Texto Traduzido

Caput XLVII

Como um grande tirano, vendo um dos compa­nheiros do bem-aventurado Francisco elevado no ar até o alto de seu palácio, se converteu e se tornou frade menor pela prega­ção desse irmão.

 

1 Este foi um sinal evidentíssimo de que a Ordem do bem-aven­turado Francisco foi fundada por Deus, porque, logo que come­çou a multiplicar-se, chegou quase até aos confins da terra. 2 Por isso, São Francisco, esforçando-se por conformar-se a Cristo em tudo, enviava seus irmãos dois a dois a pregarem em todas as regiões, e o Senhor fazia por meio deles coisas tão admiráveis que quase por toda a terra se estendeu a voz deles, e as suas palavras até aos confins do orbe terrestre (SI 18,5).
4 Por isso, aconteceu uma vez que, dois daqueles novéis discí­pulos do bem-aventurado pai, dirigindo-se a regiões desco­nhecidas, chegaram a uma aldeia cheia de homens péssimos. 5 Nela havia. também um grande tirano, muito cruel e ímpio, como chefe e comandante de todos aqueles péssimos e assal­tantes. Ele era, até, nobre de nascimento, mas péssimo e ignó­bil de costumes.
6 Como os dois ditos irmãos, aflitos pela fome, pelo frio e pelo cansaço, em sua simplicidade, tinham chegado tarde ao castelo, como cordeiros entre lobos (cf. Lc 10,3), pediram por um mensageiro ao tirano, senhor do castelo, que os recebesse na hospedaria naquela noite por amor do Se­nhor Jesus Cristo. 7 Ele, inspirado por Deus, recebeu-os bem e demonstrou muita compaixão e, cortesia. Mandou acender para eles um grande fogo e preparar a mesa à moda dos nobres.
Estando os irmãos e todos os outros à mesa, um dos frades, que era sacerdote e que tinha especial dom de falar de Deus, deu-se conta de que ninguém dos que ali estavam sentados tratava ou falava algo de Deus ou da salvação da alma, 9 mas apenas de assaltos, mortes e muitos outros males que tinham perpetrado em tal ou tal lugar; e que se rejubilavam pelas piores coisas e pelas impiedades cometidas por toda parte.
10 Por isso, terminada a refeição corpo­ral, o frade, desejando restaurar seu hospedeiro e os de­mais com o alimento do céu, disse ao senhor: “Senhor, mostrastes-nos grande cortesia e caridade; e por isso, seríamos muito ingratos, se não tratássemos de vos retribuir com algumas coisas que são boas diante de Deus. 11 Pedimos, então, que mandeis reunir a família inteira para que nós, pelos benefícios corporais recebidos, recompensemos com bens espirituais”. Consentindo com os pedidos deles, o dito senhor mandou que to­dos se reunissem diante dos frades.
12 E o frade começou a falar da glória do paraíso: como há lá uma alegria eterna, a companhia dos anjos, a segurança dos bem-aventurados, a glória infinita, a profusão dos tesouros celestes, a vida perpétua, a luz inenarrável, a paz imperturbável, a salvação incorruptível, a presença de Deus, todo bem e ne­nhum mal. 13 Mas o homem, por causa dos pecados e de sua miséria, perde tantos e tão grandes bens e, conquista o inferno, onde há dor e tris­teza eterna, a companhia dos demônios, das serpentes e dos dra­gões, onde há miséria infinita e a vida sem vida, trevas palpáveis e a presença de Lúcifer, 14 onde há perturbação e ira, fogo eterno e gelo, vermes e raivas, fome e sede, onde há morte sem morte, ge­midos e lágrimas, ranger de dentes (cf. Mt 8,12) e eternidade de tormentos; aí todo o mal e a ausência de todo bem!
15 "E, segundo entendi, todos vós correis precipitadamente para tão grandes ma­les; pois em vós não aparece nada de boa obra ou de boa palavra. 16 Por isso eu vos aconselho e admoesto, caríssimos, a que, pelas coisas vis do mundo e pelos prazeres da carne - coisas todas que passam como sombra (cf. Sb 5,9) — não percais aqueles sumos bens celestes que vão durar para sempre, e a que não vos precipiteis nessa corrida para tão grandes e acerbos tormentos”.
17 E, dito isso pelo frade na virtude do Espíri­to Santo, o senhor do castelo, tocado interiormente e compungido no coração, prostrou-se aos pés do irmão; e ele, com todos os ou­tros, começou a chorar muito amargamente, rogando e pedindo ao irmão que o dirigisse no caminho da salvação. 18 Confessou-se ao frade com muitas lágrimas e íntima compunção, e o frade disse que era necessário, para redenção de seus pecados, peregrinar pelos santuários, macerar-se por jejuns, fazer vigília na oração e insistir em esmolas bem generosas e outras obras de piedade.
19 O senhor disse: “Pai caríssimo, eu nunca saí desta região, não sei rezar o Pai-nosso nem outras orações; impõe-me outra peni­tência”. 20 O santo frade respondeu: “Caríssimo, quero ser teu fiador e, pela caridade de, Deus interceder por teus pecados ao Senhor Jesus Cristo, para que tua alma não pereça. 21 Neste momento, não quero que faças outra penitência a não ser trazer, com tuas próprias mãos e nesta noite, um pouco de palha onde eu e meu companheiro possamos descansar”.
22 Ele trouxe a palha com alegria e preparou cuidadosamente o leito em um quarto onde ardia a luz. E, vendo esse senhor que aquele irmão proferira palavras tão santas e virtuosas, com­preendeu que era um homem santo, 23 e resolveu em seu coração investigar diligentemente o que ele faria naquela noite. E viu que o dito irmão, de noite, se pôs na cama, 24 mas, ao julgar que todos dormiam profundamente; levantou-se no opor­tuno silêncio da noite e, estendendo as mãos ao Senhor — pela fi­ança feita — e rezando por ele, pedia indulgência por seus pecados.
25 E eis que durante a oração o irmão foi elevado até o alto do palácio e aí, no ar, fez tão grande lamento e pranto, pe­dindo indulgência pelos pecados referido senhor, que dificilmente se viu, algum dia, homem que chorasse tão cordialmente seus ca­ros consanguíneos ou amigos defuntos como este irmão pelos pecados dele. 26 E, naquela noite, foi elevado três vezes no ar; sempre com piedoso lamento e com lágrimas de compai­xão. E o senhor, observando às escondidas todas essas coisas, via e ouvia o caridoso lamento e os compassivos soluços das lágrimas. 27 Por isso, logo de manhã, prostrou-se aos pés do frade e com lágrimas de compunção rogava que o dirigisse ao caminho da salvação, firmemente preparado para tudo o que mandasse.
28 Então, a conselho do santo frade, vendeu tudo o que tinha, restituiu o que devia ser restituído e distribuiu todos os demais bens aos pobres (cf. Lc 19,8), segundo o santo Evangelho, e, ofe­recendo-se a Deus, entrou na Ordem dos Frades Meno­res e com louvável perseverança, observando o propósito, morreu numa vida santa. 29 Também os seus camaradas e companheiros das antigas iniquidades, compungidos no coração, mudaram a vida para melhor. Assim frutificou a santa simplicidade daqueles frades, não pregando sobre autores ou sobre Aristóteles, mas sobre as penas do inferno e a glória do paraíso, com brevidade de pala­vra, como diz a santa regra.
Graças a Deus! Amém.