Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

12. A casa mandada construir pelo ministro

Texto Original

.

1 Alio tempore, minister generalis volebat ibi facere quandam parvam domum pro fratribus illius loci, ubi possent quiescere et dicere horas suas, 
2 maxime quia illis temporibus ad illum locum omnes fratres de Religione et qui veniebant ad Religionem recurrebant et veniebant, propter quod multum fatigabantur fratres illi quasi cotidie; 
3 et etiam propter multitudinem fratrum convenientium in loco illo non habebant locum ubi possent quiescere et dicere horas suas ita quod oportebat dare illis loca sua ubi iacebant. 
4 Et ex hoc multas tribulationes multotiens patiebantur, quia post multum laborem non poterant quasi satisfacere necessitati corporis et utilitati anime providere. 
5 Cumque iam quasi illa domus esset edificata, ecce reversus est ad locum illum beatus Franciscus, et dum quiesceret in quadam cellula in nocte quadam audivit in mane tumultum fratrum qui—] laborabant ibi, cepit mirari quid hoc esset; 
6 unde interrogavit socium suum dicens:”Quis est hic tumultus? (cfr. 1Re 4,14) Quid operantur illi fratres?” 
7 Socius eius narravit ei omnia sicut erant. 
8 Qui statim fecit vocari ministrum dicens illi: “Frater, iste locus est forma et exemplum totius Religionis; 
9 unde magis volo quod fratres istius loci sustineant tribulationes et necessitates amore Domini Dei, ut fratres totius Religionis qui huc veniunt reportent bonum exemplum paupertatis in locis suis, quam si haberent suas satisfactiones et consolationes, 
10 et alii fratres de Religione sumerent exemplum hedificandi in locis suis dicentes: 
11 In loco Sancte Marie de Portiuncula, qui est primus locus fratrum, talia et tanta hedificia hedificantur, bene possumus hedificare in locis nostris, quia non habemus aptum locum ad manendum”.

Texto Traduzido

.

1 Em outra ocasião, o ministro geral queria fazer aí uma casa pequena para os frades daquele lugar, onde pudessem descansar e dizer suas Horas, 
2 principalmente porque naqueles tempos todos os frades da religião e os que vinham à Religião vinham e recorriam àquele lugar, pelo que aqueles frades se cansavam muito quase todos os dias. 
3 Também por causa da multidão de frades que se reuniam naquele lugar não tinham um espaço onde pudessem descansar e dizer suas Horas, pois tinham que ceder aos outros os lugares onde se deitavam. 
4 Por isso passavam muitas vezes por muitas tribulações, porque, depois de muito trabalho, quase não podiam satisfazer à necessidade do corpo e à utilidade da alma. 
5 Quando essa casa já estava quase construída, eis que voltou ao lugar o bem-aventurado Francisco e, enquanto estava descansando em uma pequena cela, de noite, ouviu de manhã o tumulto dos frades que lá trabalhavam, e começou a ficar admirado do que seria.
6 Perguntou a seu companheiro: “Que barulho é esse? O que estão fazendo aqueles frades?”. 
7 O companheiro contou-lhe tudo como era. 
8 Ele mandou chamar imediatamente o ministro, dizendo: -- “Irmão, este lugar é forma e exemplo de toda a religião; 
9 por isso prefiro que os frades deste lugar suportem as tribulações e necessidades por amor de Deus, para que os frades de toda a religião, que vêm aqui, contem o bom exemplo de pobreza em seus lugares, em vez de falarem de suas satisfações e consolações; 
10 e os outros frades da Religião o tomassem como exemplo para edificar em seus lugares, dizendo: 
11 No lugar de Santa Maria da Porciúncula, que é o primeiro lugar dos frades, edificam-se tais e tantos edifícios, que bem podemos edificar em nossos lugares, porque não temos um lugar adequado para ficar”.