Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo LXVII

Texto Original

Caput LXVII

Qualiter, dicente fr. Egidio: Virgo ante partum, Virgo in partu, Virgo post partum, orta sunt tria lilia.

 

1 Tempore quo vivebat fr. Egidius, fuit quidam magnus magister de Ordine Predicatorum, qui per multos annos passus est dubitationem maximam de virginitate Matris Cristi benedicti; nam videbatur sibi impossibile quod mater esset et virgo. 2 Verumtamen, tanquam vere fidelis, de tali sua dubitatione dolebat et cupiebat ab aliquo illuminato homine de tali dubio liberari. Et ideo, cum audisset quod fr. Egidius erat homo multum illuminatus a Deo, ita quod frequenter in mentis rapiebatur excessu, determinavit in corde suo ad ipsum accedere, confidens a dicto dubio per talem hominem divinum firmiter liberari.
3 Cum ergo veniret ad eum, fr. Egidius, adventum et propositum et pugnam illius presentiens in spiritu, antequam ille sibi quidquam diceret, obviavit ei et, tenens baculum in manu, percutiens terram, dixit: “O fr. Predicator, Virgo ante partum!”. Et statim, ubi percussit cum baculo, ortum est pulcherrimum lilium. Et secundo percutiens terram, dixit: “O fr. Predicator, Virgo in partu!”. Et ortum est aliud. 5 Et tertio percutiendo similiter, dixit: “O fr. Predicator, Virgo post partum!”. Et confestim ortum est ibi tertium lilium. Et, hoc facto, aufugit.
6 Ille autem fr. Predicator illico liberatus est ab omni temptatione predicta, viso tam stupendo et novo miraculo; et cum didicisset illum fuisse fr. Egidium, tantam devotionem concepit ad ipsum quod tam eum quam Ordinem mirabiliter extollebat.
Ad laudem et gloriam D.n. Ihesu Cristi, qui est benedictus in secula. Amen (cfr. Rom 1,25).

Texto Traduzido

Caput LXVII

Como nasceram três lírios quando Frei Egídio disse: Virgem antes do parto, Virgem no parto, Virgem de­pois do parto.

 

1 No tempo em que Frei Egídio vivia, houve um grande mes­tre da Ordem dos Pregadores que por muitos anos sofreu uma dúvida muito grande a respeito da virgindade da Mãe do Cristo bendito, pois lhe parecia impossível que fosse mãe e tam­bém virgem. 2 Entretanto, como verdadeiramente fiel, doía-se dessa sua dúvida e desejava ser libertado dela por algum homem iluminado. Por isso, quando ouviu que Frei Egídio era muito iluminado por Deus, de modo que frequen­temente era arrebatado em êxtase, determinou em seu coração di­rigir-se a ele, confiando firmemente ser libertado da dita dúvida por esse homem divino.
3 Portanto, quando foi ter com ele, Frei Egídio, pressentin­do em espírito a chegada, o propósito e a luta dele, antes que ele lhe dissesse qualquer coisa, foi ao seu encontro com o bastão na mão e, batendo no chão, disse: “Ó Frade Pregador, Virgem antes do parto!” 4 E imediatamente onde bateu com o bas­tão nasceu um belíssimo lírio. E batendo no chão pela segunda vez, disse: “O Frade Pregador, Virgem no parto!” E nasceu outro. 5 E batendo igualmente pela terceira vez, disse: “Ó Frade Pre­gador, Virgem depois do parto!” E prontamente nasceu ali o ter­ceiro lírio. E, feito isto, retirou-se.
6 E aquele frade pregador foi imediatamente libertado da tentação, tendo visto tão estupendo e novo milagre; e quando ficou sabendo que aquele era Frei Egídio, passou a ter tanta devoção para com ele que exaltava de maneira maravilhosa tanto a ele quanto a Ordem.
Para o louvor e glória de Nosso Senhor Jesus Cristo,que é bendito pelos séculos. Amém (cf. Rm 1,25).