Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo V

Texto Original

Capítulo V

 

27.

1 Rogatus a fratribus eo tempore beatus Franciscus ut eos orare doceret, simpliciter illis huiusmodi formam tradidit dicens: “Cum orabitis dicite: Pater noster (Luc 11,2; Mat 6,9),

2 et ‘Adoramus te, Domine Iesu Christe, ad omnes ecclesias tuas, quae sunt in toto mundo, et benedicimus tibi, quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum’.

3 Quod ipsi fratres humiliter exsequentes et verbum simplex pro mandato obedientiae reputantes, se etiam ad ecclesias quas e longinquo prospicere poterant inclinabant, et proni in terra, prout instructi fuerant, adorabant.

4 Fratres quoque, tunc sacerdotes Ordinis non habentes, confitebantur saecularibus sacerdotibus indifferenter bonis et malis;

5 nec peccatum in aliquo considerabant, sed ad exemplum et doctrinam sancti patris maximam omnibus reverentiam exhibebant.

 

28.

1 Hoc enim ipse vir catholicus et totus apostolicus in praedicatione sua principaliter monuit, ut Romanae Ecclesiae fides inviolabiliter servaretur, et ob Dominici sacramenti quod ministerio sacerdotum conficitur, dignitatem, in summa sacerdotalis ordo reverentia teneretur.

2 Sed et divinae legis doctores et omnes ecclesiasticos ordines docebat summopere reverendos.

3 Erat autem tanta fratrum simplicitas, quod cum quidam sacerdos, qui non ignorabatur infamis, uni e fratribus diceret: “Vide, ne sis hypocrita!”, ipse frater se esse hypocritam certissime crederet, eo quod sacerdotem mentiri non posse putaret.

4 Cumque diu super hoc dictus frater gravissime turbaretur, ad sancti patris ignitum eloquium (Ps 118,140), quo frequenter omne nubilum a fratrum cordibus fugabatur, tendem consolationem recepit, qui verbum sacerdotis et intentionem sagaciter excusavit.

 

29.

1 Crebris quoque revelationibus fratrum simplicitas consolabatur tunc temporis, quas utique meruerunt recipere ex praesentia tanti patris.

2 Nam cum nocte quadam se beatus Franciscus a fratribus absentasset, ecce circa mediam noctis horam, quibusdam fratrum quiescentibus, aliis autem orantibus, currus igneus (cfr. 4Re 2,11) per ostiolum domus introiens huc illucque per domunculam pluries se convertit,

3 super quem globus non modicus, speciem solis habens, ipsas quoque sua claritate noctis tenebras effugavit.

4 Convenientibus ergo cunctis, et invicem quid hoc esset cum magno stupore quaerentibus, celebri memoria digna res accidit, quod videlicet ex virtute mirandi luminis alterius alteri conscientia nuda fuit.

5 Intellexerunt igitur hanc animam esse patris sanctissimi, quam ob praecipuam sui puritatem in filiorum solatium ipse sic meruerat transfiguratam ostendi.

6 Vere hic sanctus triplicis militiae, de qua supra dictum est, currus et auriga (cfr. 4Re 2,12; 13,14) digne dici promeruit, qui in solari specie, quadriga vectus ignea, adhuc vivens in carne mortali praerogativam transfigurationis obtinuit.

7 Reversus itaque corporaliter ad fratres suos vir Dei, coepit conscientiarum illorum subtiliter arcana rimari, quae et ipsum non latere fuerant crebro non inexperti.

8 O res utique nostris temporibus stuporis et gaudii plena, infirmum scilicet hominem alienarum mentium diiudicare secreta!

9 Multis namque cordium suorum occulta (cfr. 1Cor 14,25) vir iste gloriosus aperuit; absentium quoque fratrum multoties acta cognovit, aliis quidem in somnis, ne hoc vel hoc facerent prohibens, aliis autem istud vel illud agendum praecipiens.

10 Multorum etiam, qui boni in facie videbantur, mala damnabilia praevidens nuntiavit; sed et eorum, qui mali, dona gratiarum futura praedixit.

11 Vere duplex in ipso prophetarum spiritus (cfr. 4Re 2,9) requievit, qui et tantis, ut in parte patebit, in vita miraculis claruit, et de futuris, quorum pauca prosequimur, tanta praevidit.

 

30.

1 Saepius quoque fratribus suis vir Dei solatia gaudii spiritualis impendit, quibus ipse, corpore quidem absens, sed sptritu praesens (cfr. 1Cor 5,3) fuit.

2 Referam breviter unum de multis. Nam tempore quodam, fratre Iohanne de Florentia capitulum in Provincia celebrante, ubi a beato Francisco minister fuerat constitutus, intererat eidem capitulo venerabilis ille frater, qui nunc sanctus et gloriosus Christi confessor, Antonius.

3 Ubi dum sanctus iste, in exponendis divinarum Paginarum eloquiis sapientiae spiritu plenus (cfr. Act 6,3) super hac materia: “Iesus Nazarenus, Rex Iudaeorum (Ioa 19,19)” fratribus adunatis verbum exhortationis affectuose proponeret, frater quidam, Monaldus nomine, sacerdos, vir simplex et multarum virtutum ornatu praeclarus, faciem suam ad ostium domus convertit,

4 viditque corporeis oculis qualiter beatus Franciscus in aëre sublevatus, veluti manibus in cruce protensis, fratres qui aderant benedixit.

5 Tantumque subito singulis et universis gaudium spiritus est infusum, ut, quod idem sacerdos postea de ipsa visione narrabat, cunctis mirantibus ipsa faceret experientia fide dignum.

 

31.

1 Qualiter autem alienorum cordium saepius occulta pandebat, unum de plurimis enarrare sufficiat.

2 Frater quidam Richerius nomine, tam moribus quam genere nobilis, in tantum de beati Francisci meritis praesumebat, ut divinam profecto mereri gratiam crederet, si quis ipsius sancti dono benevolentiae potiretur, aut, si quis illa careret, Dei nihilominus iracundiam mereretur.

3 Cumque ad obtinendum familiaritatis ipsius beneficium vehementius aspiraret, timuit valde (cfr. Gen 32,7) ne quid in ipso vitii vir sanctus occulte forsitan deprehenderet, cuius occasione se ab illius gratia magis elongari contingeret.

4 Igitur huiusmodi timore iam dictum fratrem continue et graviter affligente, nec illo cogitationem suam cuiquam hominum revelante, accidit ipsum die quadam solito more turbatum ad cellulam, in qua beatus Franciscus orabat, accedere.

5 Cuius adventum simul et animum vir Dei cognovit, et benigne ad se vocato sic ait: “Nullus te timor de caetero, nulla te, fili, conturbet tentatio, quoniam carissimus mihi es et inter praecipue caros speciali caritate te diligo.

6 Securus ad me, cum tibi placuerit, venias, et a me libere pro tua voluntate recedas”.

7 Obstupuit non modicum et laetatus est frater in sermonibus sancti patris; et deinceps, de ipsius dilectione securus crevit etiam, sicut crediderat, in gratia Salvatoris (cfr. Tit 2,11).

Texto Traduzido

Capítulo V

Como ensinou os frades a orar, o que deviam crer e observar; a obediência e a simplicidade dos irmãos e as consolações que eles tiveram através dele; sua transfiguração e seu espírito profético.

 

27.

1 Nesse tempo, rogado pelos irmãos que os ensinasse a orar, ele simplesmente lhes indicou esta forma: “Quando orardes dizei: Pai nosso” (Lc 11,2; Mt 6,9),

2 e “Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, em todas as vossas igrejas que estão no mundo inteiro, e vos bendizemos, porque pela santa cruz remistes o mundo”.

3 Pondo isso em prática com humildade e consi­derando uma ordem a obedecer o que ele dissera com simplicidade, e, como lhes fora ensinado, incli­navam-se também para as igrejas que podiam ver ao longe e ado­ravam, prostrados por terra.

4 Além disso, não tendo então sacerdotes da Ordem, os frades se confessavam aos sacerdotes seculares, bons e maus, indiferentemente;

5 e não consideravam o pecado de algum deles, mas, a exemplo e ensinamento do santo pai, tinham para com todos com a maior reverência.

 

28.

1 Na sua pregação, este homem católico e todo apostólico admoestava, sobretudo, a conservar inviolável a fé da Igreja ro­mana e a maior reverência pela ordem sacerdotal, pela dignidade do Sacramento do Senhor, que é realizado pelo ministério dos sacerdotes.

2 E ensinava também que deviam ser profundamente reverenciados os doutores da lei divina e todas as ordens eclesiásticas. ­

3 E era tão grande a simplicidade dos frades que, quando um sacerdote que não tinha boa fama disse a um dos irmãos: “Trata de não seres hipócrita!”, o frade achou que era hipócrita com toda certeza, porque achava que um sacerdote não podia men­tir.

4 Como o frade ficou perturbado durante muito tempo por causa disso, acabou recebendo do santo, que desculpou sabiamente a intenção do sacerdote, a consolação de uma palavra ardente (Sl 118, 140), que afugentava freqüentemente todas as nuvens dos corações dos ir­mãos.

 

29.

1 Naquele tempo, a simplicidade dos frades era consolada por freqüentes revelações, que mereceram receber pela presença de tão grande pai.

2 De fato, em uma noite em que o bem-aventurado Francisco se ausentara dos irmãos, pela meia-noite, enquanto alguns frades descansavam e.outros rezavam, eis que um carro de fogo (2Rs 2,11) entrou pela portinha da casa e deu voltas para cá e para lá pela choupana.

3 Em cima dele havia um globo nada pequeno, parecido com o sol, e afugentou as trevas da noite com sua claridade.

4 Quando eles se reuniram todos e perguntaram com grande espanto que seria aquilo, aconteceu uma coisa digna de grande memória: em virtude da luz admirável desnudou-se a consciência de um para o outro.

5 Compreenderam que era a alma do pai santíssimo que, por sua especial pureza, mereceu mostrar-se transfigurada, para consolo de seus filhos.

6 De fato, este santo mereceu realmente ser chamado carro e condutor (2Rs 2,12; 13,14) da tríplice milícia de que se falou acima, porque, vivendo ainda na carne mortal, pôde mostrar-se transfigurado em forma de sol, levado no carro de fogo.

7 Quando o homem de Deus regressou corporalmente a seus irmãos, começou a perscrutar sutilmente os segredos de suas consciências; o que tinham experiência freqüente de que não lhe era escondido.

8 Como é admirável para os nossos tempos e cheio de espanto e alegria que um homem fraco julgue os segredos das outras mentes!

9 Pois este homem glorioso revelou para muitos as coisas ocultas do coração (1Cor 14,25) deles, conheceu também muitas vezes os atos de irmãos ausentes e, para alguns, em sonhos, proibiu fazerem isto ou aquilo e a outros mandou que fizessem uma ou outra coisa.

10 Também anunciou males condenáveis de alguns que tinham cara de bons e prenunciou futuros bens de graças dos maus.

11 Verdadeiramente repou­sou sobre ele o duplo espírito dos profetas (2Rs 2,9), que brilhou em tantos milagres realizados em vida, como em parte se mostrará, e prevendo tantas coisas futuras, de vamos apresentar umas poucas.

 

30.

1 Mais vezes ainda, o homem de Deus comunicou a seus irmãos consolações de alegrias espirituais, ausente de cor­po, mas presente com o espírito (1Cor 5,3).

2 Vou contar, rapidamente, um entre tantos. Uma vez, quando Frei João de Floren­ça celebrava o Capítulo na Provença, onde fora feito ministro pelo bem-aventurado Francisco, es­tava presente nesse mesmo capítulo o venerável Frei Antônio, que agora é san­to e glorioso confessor de Cristo.

3 Enquanto este santo, cheio do Espírito de sabedoria (At 6,3), expunha as palavras das divinas Páginas sobre o tema: Jesus Nazareno, Rei dos Judeus (Jo 19,19) e afetuosamente propunha aos irmãos reunidos uma palavra de exortação, um certo irmão chamado Monaldo, sacerdote, homem simples e preclaro por suas muitas virtudes, virou o rosto para a porta da casa,

4 e viu com os olhos corporais como bem-aventurado Francisco, suspenso no ar e com as mãos estendidas em cruz, abençoar os irmãos que estavam presentes.

5 Foi imediatamente infundida em cada um e em todos um grande gozo de espírito, de modo que, quando esse sacerdote contava depois a sua visão, para admiração de todos sua experiência tornava-o digno de fé.

 

31.

1 Basta contar um caso entre muitos para mostrar como ele manifestava os segredos dos corações dos outros.

2 Certo ir­mão, chamado Ricério, nobre de família e de costumes, confiava tanto nos méritos do bem-aventurado Francisco, que acreditava que se alguém tivesse a benevolência do san­to mereceria certamente também a graça divina, e se alguém não a tivesse, também mereceria a ira de Deus.

3 E como desejava fortemente alcançar o beneficio da amizade com ele, temia muito (Gn 32,7) que o santo pudesse descobrir nele algum vício escondido, o que o afastaria mais de sua graça.

4 Por isso, estando esse frade já continua e gravemente aflito por esse temor, e sem revelar a nenhuma pessoa o que pensava, aconteceu que um dia, perturbado como de costume, foi à pequena cela em que o bem-aventurado Francisco orava.

5 O homem de Deus pressentiu tanto a sua chegada quanto o estado de ânimo e o chamou com bondade, dizendo: “Desde agora não tenhas medo, meu filho, nenhuma tentação te perturbe, porque és muito querido por mim e eu te amo com especial amor entre os mais queridos.

6 Quan­do quiseres, vem aqui e podes ir livremente quando quiseres”.

7 O frade ficou não pouco espantado e se alegrou com as palavras do santo pai. Depois disso, seguro de seu afeto, ele acreditou também, como antes, na graça do Salvador (Tt 2,11).