Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo LVIII

Texto Original

Caput LVIII

De fr. Iohanne de Penna et angelica locutione eiusdem.

 

1 Fr. Iohannes de Penna, unus de luminaribus provincie Marchie, cum adhuc in mundo esset puerulus, quidam pulcherrimus puer vocavit eum de nocte, dicens: 2 “O Iohannes, vadas ad S. Stephanum, ubi predicabit unus de fratribus meis; cuius doctrine crede et verbis attende, cum ego miserim eum; tu autem habes facere magnam viam, et postea venies ad me”.
3 Qui statim surrexit et sensit mirabilem mutationem in anima; et, vadens ad locum nominatum, invenit ibi maximam multitudinem hominum et mulierum, qui ex diversis terris convenerant ad verbum Domini audiendum. Ille autem qui predicare debebat vocabatur fr. Philippus; qui surgens predicavit, non in doctis humane sapientie verbis, sed in virtute spiritus (cfr. 1Cor 2,4.13) Cristi, annuntians regnum Dei. Erat autem ipse fr. Philippus quasi de primis fratribus qui venerant in Marchia de Anchona, et adhuc pauca loca capta erant in Marchia. Finita vero predicatione, ivit fr. Iohannes predictus ad fr. Philippum et dixit: “Pater, si placet tibi me recipere ad Ordinem, vellem libenter penitentiam facere et D. Ihesu Cristo benedicto servire”. 5 Ille vero, cum esset sanctus et illuminatus homo, videns iuvenem mirabilem innocentiam et promptitudinem voluntatis habere, dixit ad eum: “Venias ad me tali die ad civitatem Rachaneti et ego te faciam recipi”. Debebat enim ibi tunc celebrari capitulum.
6 Iuvenis vero, ut erat purissimus, cogitavit in corde suo, dicens: “Hec erit illa magna via michi revelata, quam debeo facere et postea ad celum ire”. Ivit ergo et, statim receptus ad Ordinem, credidit ad Deum ire. Minister autem dixit in capitulo: “Quicumque vellet ire in provinciam Provincie, ob meritum s. obedientie ego mittam eum”. Fr. autem Iohannes, ut hec audivit, desideravit ire, cogitans in corde suo quod forte illa erat via magna quam debebat facere; sed pre verecundia erubescebat alicui dicere. 8 Et confidens in fr. Philippo, qui eum fecerat recipi, perrexit ad eum, dicens: “Rogo te, pater, ut acquiras michi istam gratiam, quod possim ire in provinciam Provincie ad morandum”.
9 Fratres autem tunc temporis optabant ad provincias extraneas pergere, ut essent peregrini et advene (cfr. 1Pet 2,11) in hoc seculo, et cives sanctorum et domestici Dei (cfr.  Eph 1,19) in celo. 10 Frater autem Philippus, videns puritatem et s. intentionem eius, acquisivit sibi licentiam eundi in provinciam predictam. Frater vero Iohannes credebat quod, illa via eompleta, pergeret ad celum. 11 Stetit autem in dicta provincia viginti quinque annis, vivens in exemplari et maxima sanctitate; et omni die sperabat sibi adimpleri promissum. 12 Cum autem in omni morum honestate et sanctitatis excresceret et esset carus et dilevctus in tota illa província tam a fratribus quam a secularibus, desiderium tamen suum minime cernere adimpleri potuit.
13 Quadam die orans et flens coram Domino eo quod incolatus eius, ut sibi videbatur, esset nimium prolongatus (cfr. Ps 119,5)ecce apparuit sibi Cristus benedictus; ad cuius conspectum liquefacta est anima eius. 14 Et dixit ei Cristus: “Fili, pete a me quod vis!”. Qui respondit. “Domine mi, nescio quid dicam! Quia nolo aliud nisi te; sed hoc solum rogo ut parcas michi et dimittas omnia peccata mea, et des michi gratiam iterum te videre quando michi fuerit maior necessitas”. 15 Et Dominus ad eum: “Exaudita est, inquit, oratio tua (cfr. Act 10,31)”. Et ab oculis eius elapsus est; et ipse remansit in Domino totaliter confortatus.
16 Tandem fratres de Marchia, audientes famam eius, fecerunt cum Generali ut reverteretur in Marchiam. Qui, cum vidisset obedientiam, cogitavit in corde suo, dicens: “Hec est via longa, qua completa pergam ad Deum”.
17 Reversus autem ad provinciam, a nullo consanguineorum fuit recognitus. Ipse vero de die in diem expectabat Dei misericordiam et promissionem sibi factam compleri. Sed adhuc via eius prolongata est: nam stetit bene per triginta annos post reversionem suam in Marchiam, et in isto tempore guardiani officium habuit; et operatus est Dominus per eum multa miracula, et habuit, inter alia multa dona, spiritum prophetie. 18 Nam quodam tempore, dum ipse de loco recederet, unus suus novitius fuit impugnatus a demone ut apostataret ab Ordine; consensit autem temptatori hoc pacto ut, cum fr. Iohannes reverteretur ad locum, statim viam egressionis arriperet. 19 Cum autem fr. Iohannes fuisset reversus, statim vocavit ad se dictum novitium, dicens: “Audi me, fili; prius volo quod confitearis”. Et cum iret, dixit fr. Iohannes: “Audi me, fili, prius”. Et tunc retulit sibi totam temptationem suam. 
20 Et dixit: “Quia expectasti me et noluisti recedere sine benedictione mea, Deus fecit tibi hanc gratiam quod nunquam de isto Ordine exibis, et in isto Ordine cum benedictione Domini morieris”. 21 Et tunc dictus novitius confirmatus est in bona voluntate et effectus est sanctus frater. Et omnia predicta retulit michi Hugolino ipse fr. Iohannes.
22 Erat autem fr. Iohannes semper tranquillo animo et quieto, et raro loquebatur. Erat etiam homo magne orationis et devotionis, et singulariter post matutinum nunquam revertebatur ad cellam.
23 Dum autem quadam nocte post matutinum staret in oratione, apparuit sibi angelus Domini et dixit ei: “Fr. Iohannes, completa est via tua, quam fuisti in tam longo tempore prestolatus. 24 Unde annuncio tibi ex parte Dei, ut petas quamcumque gratiam cupis; insuper quod eligas tibi vel unum diem naturalem in purgatorio vel septem (cfr. 2Re 24,12.13) dies afflictionis in hoc mundo”.
25 Qui cum elegisset septem dies afflictionis, subito infirmatus est infirmitate multiplici: nam cum febribus, necnon doloribus et podagra et cyrragra, tortionibus yliorum et angustiis viscerum, et multis aliis languoribus torquebatur. 26 Sed quod peius omnibus hiis erat, quidam malignus spiritus ante faciem eius stabat, qui tenebat magnam cartam, scriptam cum omnibus suis culpis et defectibus; et dicebat ei: “Propter ista mala que cogitasti et dixisti et fecisti dampnatus es”. 27 Et ipse infirmus oblitus erat omnis boni quod fecerat, nec recordabatur quod esset vel fuisset unquam in Ordine; sed ita se estimabat dampnatum, sicut ille malignus spiritus dicebat. 28 Unde, cum interrogaretur ab aliquo quomodo se haberet, respondebat: “Male, quia sum dampnatus!”.
29 Fratres autem, hoc audientes, miserunt pro fr. Matheo antiquo de Monte Rubiano, qui fuit valde sanctus homo; et hic fr. Iohannem intime diligebat. Venit autem ad eum septimo die tribulationis sue et, salutans eum, dixit: “Quomodo est tibi, carissime?” 30 Respondit ille: “Male, quia sum dampnatus!”. Dixit autem fr. Matheus fr. Iohanni: “Non recordaris tu quod frequenter michi confessus fuisti et ego te integre absolvi? Non recordaris etiam quod multis annis in Ordine Deo servivisti? 31 Preterea non recordaris quod divina misericordia excedit omnia mundi peccata et quod Cristus, Salvator noster benedictus, solvit pro nobis pretium infinitum? Ideo secure confidas quod tu eris salvatus et non dampnatus”.
32 Et tunc, quia completus erat purgationis terminus, recessit temptatio et venit benedictio; et cum letitia magna dixit: “Fr. Mathee, quia fatigatus es et hora est iam quiescendi, rogo te quod vadas pausatum”. 33 Et cum fr. Iohannes remansisset solus cum servitore ecce Cristus sibi apparuit cum maxima luce et suavitate odoris, sicut sibi promiserat in opportuno tempore ei iterum apparere.
34 Et ille, iunctis manibus, gratias illi agens, ipsi capiti suo quod semper amaverat semperque optaverat D. suo Ihesu Cristo tanquam membrum electum eternaliter est unitus; et sic letificatus et consolatus, transivit ad Dominum; et requiescit in loco Penne S. Iohannis.
Ad laudem D.n.I.C. Amen.

Texto Traduzido

Caput LVIII

Frei João de Penna e sua conversa com um anjo.

 

1 Frei João de Penna, um dos luminares da província das Mar­cas, quando ainda era menino no mundo, foi chamado de noite por um menino muito bonito que dizia: 2 "Ó João, vai a Santo Estevão onde um dos meus frades vai pregar. acredita na doutrina dele e presta atenção nas palavras, pois fui eu que o enviei. Terás que fazer um longo caminho e depois virás a mim”.
3 Ele se levantou imediatamente e sentiu admirável mudança na alma; e indo ao lugar indicado,encontrou ali grande multidão de homens e mulheres que de diversas regiões se reuniram para ouvir a palavra do Senhor. E aquele que devia pregar se chamava Frei Filipe que, levantando-se, pregou não com palavras doutas da sabedoria humana, mas na virtude do espírito (cf. 1Cor 2,4.13) de Cristo, anunciando o reino de Deus. E o mesmo Frei Filipe era quase dos primeiros frades que chegaram à Marca de Ancona, e ainda eram poucos os lugares recebidos nas Mar­cas. E, terminada a pregação, o predito Frei João foi ter com Frei Filipe e disse: “Pai, se te aprouver receber-me na Ordem, de bom grado eu gostaria de fazer penitência e servir ao Senhor Jesus Cristo bendito”. 5 E ele, como que era homem santo e iluminado, vendo que o moço tinha admirável inocência e prontidão de vontade, disse-lhe: “Vem ter comigo tal dia na cidade de Recana­ti, e eu farei com que sejas recebido. Pois lá devia ser celebrado o Capítulo.
6 O moço, como era muito puro, pensou em seu coração, di­zendo: “Esta vai ser a grande viagem que me foi revelada, que devo fazer e depois ir para o céu”. Portanto, ele foi e, recebi­do imediatamente à Ordem, acreditou que ia para Deus. 7 No en­tanto, o ministro disse no Capítulo: “Quem quiser ir para a pro­víncia da Provença, eu o enviarei pelo mérito da santa obediên­cia”. E Frei João, quando ouviu estas coisas, desejou ir, pensando em seu coração que talvez fosse aquela a grande viagem que de­via fazer; mas por timidez tinha vergonha de dizê-lo a alguém. 8 E, confiando em Frei Filipe que fizera com que ele fosse recebi­do, dirigiu-se a ele, dizendo: “Rogo-te, pai, que me obtenhas esta graça: que eu possa ir para a província da Provença para morar”.
9 Os frades naquele tempo optavam por dirigir-se às provín­cias estrangeiras para serem peregrinos e forasteiros (cf. 1Pd 2,11) neste mundo e cidadãos dos santos e familiares de Deus (cf. Ef 2,19) no céu. 10 Então Frei Filipe, vendo a pureza e santa intenção dele, obteve para ele a licença de ir para a predita pro­víncia. E Frei João acreditava que, terminada aquela viagem, iria para o céu. 11 Esteve, no entanto, na dita província por vinte e cin­co anos, vivendo na maior e mais exemplar santidade; e todo dia espe­rava que se cumprisse o prometido. 12 E ao crescer em toda honestidade de costumes e no cume da santidade e ser querido e amado em toda aquela província, tanto pelos irmãos quanto pelos seculares, não pôde absolutamente ver cumprir-se o seu desejo.
13 Certo dia, rezando e chorando diante do Senhor pelo fato que o seu exílio, como lhe parecia, se prolongava (cf. Sl 119,5) muito, eis que lhe apareceu o Cristo bendito; na presença dele, derreteu-se sua alma. 14 E Cristo disse: “Filho, pede-me o que quiseres!” Ele respondeu: “Meu Senhor, não sei o que direi! Porque não quero outra coisa, senão a vós; mas, peço-vos somente isto, que me poupeis e que perdoeis todos os meus pecados e me concedais a graça de ver-vos novamente, quando eu tiver maior necessidade”. 15 E o Senhor disse: “A tua oração foi atendida” (cf. At 10,31). E o desapareceu de seus olhos; e ele ficou totalmente confortado no Senhor.
16 Finalmente, os frades das Marcas, ouvindo sua fama, fizeram, com o geral, que ele voltasse para as Marcas. Ele, quando viu a obediência, pensou em seu coração, dizendo: “Esta é a longa viagem, terminada a qual, irei para Deus”.
17 Tendo retornado à província, não foi reconhecido por nenhum dos consanguíneos. E ele, dia após dia, esperava a misericórdia de Deus e que se cumprisse a promessa que lhe fora feita. Mas a sua viagem ainda foi prolongada, pois viveu bem por trinta anos depois de sua volta às Marcas; e, neste tempo, exerceu o oficio de guar­dião; e o Senhor operou por ele muitos milagres, e ele teve, entre muitos outros dons, o espírito de profecia. 18 Pois, numa ocasião, quando esteve fora do lugar, um noviço seu foi atacado pelo demônio para que apostatasse da Ordem; e consentiu com o tentador contanto que, quando Frei João voltasse ao lugar, ele tomaria imedia­tamente o caminho da saída. 19 Quando Frei João voltou, chamou logo o dito noviço, dizendo-lhe: “Ouve-me, filho, primeiramente quero que te confesses”. Quando ele ia indo, Frei João disse: “Ouve-me primeiro, filho”. E então, relatou-lhe toda a sua tentação.
20 E disse: “Porque me esperaste e não quises­te partir sem minha bênção, Deus te concedeu esta graça: que nunca sairás da Ordem e nesta Ordem com a bênção do Senhor morrerás”. 21 E então, o noviço foi confirmado na boa vonta­de e tomou-se um santo irmão. E o próprio Frei João relatou-me a mim, Hugolino, todas estas coisas.
22 Frei João, no entanto, estava sempre de ânimo tranqüilo e sereno e raramente falava. Era também homem de grande oração e devoção e, especialmente depois das Matinas, nunca voltava para a cela.
23 E enquanto numa noite, depois das Matinas, estava em oração, apareceu-lhe o anjo do Senhor e disse: “Frei João, completou-se a tua caminhada que aguardaste por tão longo tem­po. 24 Então te anuncio da parte de Deus que peças a graça que desejas. Além disso, que escolhas para ti ou um dia natural no pur­gatório ou sete (cf. 2Sm 24,12.13) dias de aflição neste mundo”.
25 Depois de haver escolhido sete dias de aflição, de repente adoeceu com diversas enfermidades; pois era torturado por febres, bem como por dores e gota nos pés e nas mãos, cãibras dos lados e contrações das vísceras, e muitas outras doenças. 26 Mas, o pior do que todas estas enfermidades, é que um espíri­to maligno estava diante da sua face e tinha um grande car­taz escrito com todas as suas culpas e defeitos; e dizia-lhe: “Por causa destes males que pensaste, disseste e fizeste, estás conde­nado”. 27 E o próprio doente se esquecera de todo o bem que fi­zera e não se lembrava de que estava na Ordem ou de que um dia nela estivera; mas se julgava condenado, assim como o espí­rito maligno dizia. 28 Então, quando alguém perguntava como estava respondia: “Mal, porque estou condenado!”
29 E os frades, ouvindo isso, mandaram procurar o velho Frei Mateus de Monte Rubbiano que foi homem muito santo; este amava intimamente a Frei João. Veio a ele no sétimo dia de sua tribulação e, saudando-o, disse: “Como estás, caríssimo?” 30 Ele respondeu: “Mal, porque estou condenado!” Mas Frei Mateus disse a Frei João: “Não te recordas que muitas vezes te confessaste a mim e eu te absolvi integralmen­te? Não te recordas também que por muitos anos serviste a Deus na Ordem? 31 Além disso, não te recordas que a divina miseri­córdia é maior do que todos os pecados do mundo e que Cristo, nosso bendito Salvador, pagou por nós um preço infinito? Por isso, confia com segurança que serás salvo e não condenado”.
32 E então, como estava concluído o prazo da purificação, a tentação se afastou, e veio a bênção; e, com grande alegria, ele disse: “Frei Mateus, porque te fatigaste e já é hora de descansar, peço-te que vás repousar”. 33 E, como Frei João tivesse ficado sozinho com aquele que o servia, eis que Cristo lhe apareceu com grande luz e um perfume suave como lhe tinha prometido que ia aparecer de novo em tempo oportuno.
34 E ele, juntando as mãos e dando-lhe graças, uniu-se eternamente, como membro eleito, à sua cabeça, o seu Senhor Jesus Cristo, que ele sempre amara e sempre desejara; e assim, repleto de alegria e consolado, passou para o Se­nhor; e repousa no lugar de Penna de São João.
Para o louvor de Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.