Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Milagres X

Texto Original

Miraculis X

X - De quibusdam aliis miraculis diversimodi generis.

 

1 
1 In castro Galiani Valvensis dioecesis mulier erat quaedam, Maria nomine, quae Christo Iesu et sancto Francisco famulatu devoto subiecta, una dierum aestivo tempore exiit, ut manibus conquireret propriis necessarium victum. 
2 Cum igitur, fervente nimium aestu, sitis deficere coepisset ardoribus, omni privata beneficio poculi, pro eo quod in monte arido sola esset, quasi exanimis humi prostrata, patronum suum sanctum Franciscum invocabat pio mentis affectu. 
3 Dum autem perseveraret mulier in affectuosa et humili prece, labore, siti et aestu fatigata quam plurimum, paululum obdormivit. 
4 Et ecce, sanctus Franciscus adveniens et eam vocans ex nomine: ”Surge”, inquit, ”et bibe aquam, quae divino munere tibi ac pluribus exhibetur”. 
5 Ad huius vocis auditum surrexit mulier a somno, non modicum confortata, et accipiens filicem; quae iuxta se erat, radicitus evulsit a terra, effodiensque ligno parvulo circumquaque, viventem reperit aquam, quae cum primo videretur parvula stilla, subito divina virtute crevit in fontem (cfr. Est 10,6). 
6 Bibit itaque mulier et satiata oculos lavit, quos cum longa prius haberet aegritudine obumbratos, nova ex tunc sensit luce perfusos. 
7 Festinavit ad domum mulier, tam stupendum miraculum ad gloriam sancti Francisci denuntians universis. 
8 Concurrerunt undique multi ad miraculi famam, experientia magistra discentes mirabilem illius aquae virtutem, dum ad ipsius contactum, confessione praemissa, a variis morborum cladibus plurimi liberantur. 
9 Perseverat usque hodie fons ibi perspicuus, et in honorem beati Francisci ibidem oratorium est constructum.

 

2 
1 In Hispania apud Sanctum Facundum viri cuiusdam cerasum arefactam ad virorem frondium, florum et fructuum contra spem mirabiliter revocavit. 
2 Incolas quoque terrae apud Villam Silos a vermium peste corrodentium vineas circumquaque miraculoso suffragio liberavit. 
3 Sacerdotis cuiusdam iuxta Palentiam horreum quoddam, quod vermibus frumentariis repleri quolibet anno solitum fuerat, sibi fideliter commendatum penitus expurgavit. 
4 Terram quoque domini cuiusdam de Petramala in regno Apuliae sibi suppliciter commendatam ab odiosa peste bruchorum penitus servavit indemnem, cum tamen in circuitu omnia essent praedicta pestilentia devorata (cfr. Ier 21,14).

 

3 
1 Vir quidam, Martinus nomine, cum longe a castro suo boves minasset ad pascua, crus unius bovis casu quodam sic fuit desperate confractum, ut nihil esset sibi de remedio aliquo cogitandum. 
2 Dum autem pro decoriatione foret sollicitus et instrumentum, cum quo id faceret, non haberet, domum reversus, beato Francisco bovis curam reliquit ipsumque fideli Sancti custodiae fiducialiter commendavit, ne ante suum reditum devoraretur a lupis. 
3 Summo itaque mane ad bovem in silva relictum cum excoriatore reversus, pascentem ipsum ita reinvenit incolumem, quod nequaquam fractum crus ab altero discernebat. 
4 Gratias egit bono pastori (cfr. Ioa 10,11), qui diligentem de bove suo curam habuit (cfr. Luc 10,35) et medelam donavit. 
5 Succurrere novit humilis Sanctus omnibus invocantibus (cfr. Ps 85,5; 144,18) ipsum nec quantumcumque parvas necessitates hominum dedignatur. 
6 Nam viro cuidam de Amiterno iumentum restituit furto sublatum. 
7 Mulieri cuidam de Interduco catinum novam in multas partes casu divisum integre reparavit. 
8 Viro etiam cuidam de Monte Ulmi in Marchia consolidavit vomerem in frusta confractum.

 

4 
1 In Sabinensi dioecesi vetula quaedam octogenaria erat, cuius filia moriens lactentem infantulum dereliquit.
2 Cum igitur anus paupercula plena esset inopia et vacua lacte, nullaque esset mulier, quae sitienti parvulo lactis stillicidium, iuxta quod exigebat necessitas, erogaret, quo se verteret, vetula penitus ignorabat. 
3 Debilitato vero infantulo, nocte quadam omni humano destituta subsidio, ad beati Patris Francisci auxilium implorandum, lacrimarum imbre perfusa, tota se mente convertit. 
4 Affuit statim innocentis amator aetatis: ”Ego”, inquiens, ”sum Franciscus, o mulier, quem cum tantis lacrimis invocasti. 
5 Pone”, ait, ”mammas tuas in ore pueruli, quoniam abundanter tibi lac Dominus dabit”. 
6 Implevit anus Sancti mandatum, et statim octogenariae mammae lactis copiam effuderunt. 
7 Innotuit omnibus mirabile Sancti donum, multis tam viris quam mulieribus ac-celerantibus ad videndum. 
8 Et quia quod testabantur oculi, lingua impugnare non poterat, excitabantur omnes ad laudandum Deum in Sancti sui virtute mirabili et amabili pietate.

 

5 
1 Apud Scopletum vir et uxor, unicum habentes filium, quotidie illum velut hereditarium opprobrium deplorabant. 
2 Brachiis siquidem collo connexis, iunctisque genibus pectori, et pedibus natibus alligatis non hominis proles, sed monstrum quoddam potius videbatur. 
3 Vehementiore mulier ex hoc afflicta dolore, crebris gemitibus clamabat ad Christum sancti Francisci auxilium invocando, ut infelici sibi et in tali oprobrio constitutae succurrere dignaretur. 
4 Nocte igitur quadam, cum propter huiusmodi tristitiam tristis eam somnus arriperet, apparuit ei sanctus Franciscus, piis eam affatibus mulcens, insuper et suadens, quod ad locum propinquum suo nomini dedicatum defferet puerum, ut ex aqua putei loci illis in nomine Domine superfusos, plenam reciperet sosptatem. Negligente autem illa quoque apparens, mulierem cum puero usque ad ianuam dicti loci praeambulo ducatu perduxit. 
7 Supervenientes autem nobilis quaedam matronae devotionis causa ad locum praedictum, eis a muliere praefata diligenter exposita visione, na cum ipsa pueum fratribus praesentarunt, et haurientes aquam de puteo, earum nobilior propriis manibus lavit infantem. 
8 Statim puer, omnibus membris ad sua loca productis, sanus apparuit, et magnitudo miraculi omnibus admirationem induxit.

 

5a 
Additio posterior. 
l Apud Segusiam iuvenis quidam de Riparolio, Ubertinus nomine, Ordinem Fratrum Minorum ingressus, novitiatus sui tempore, horridi cuiusdam perturbatione pavoris incurrit amentiam totiusque dextrae partis paralysis morbo gravissimo auditum et linguam cum motu amisit et sensu. 
2 Cum autem sic miserabilis, non sine fratrum multa moestitia, per plures dies in lectulo decubasset, beati Francisci solemnitas supervenit, in cuius vigilia, concesso sibi aliquo lucido intervallo, pium patrem, licet voci informi, corde tamen fideli, prout poterat invocabat. 
3 Hora vero matutinali fratribus omnibus in ecclesia laudibus divinis intentis, ecce beatus pater, habitu fratrum indutus, in infirmariae loco praefato novitio adstitit, 
4 lumenque non modicum in habitaculo illo refulsit (cfr. Act 12,7). 
5 Et extensam manum super dextrum illius latus, a capite usque ad pedes suaviter contingendo deducens, digitos in auriculas misit (cfr. Mar 7,33), quodamque in dextro humero impresso charactere: 
6 ”Hoc tibi”, ait, ”signum erit, quod Deus per me, cuius exemplo ductus religionetn intrasti, plene te restituit sanitati”;
7 chordaque illum succingens, quia sine chorda iacebat, dixit ad eum: ”Surgens, ecclesiam intra, ut laudes Deo debitas cum fratribus devotus exsolvas!” 
8 Quibus dictis, cum puer ipsum manibus vellet contingere et pedum eius osculari vestigia, ut gratias ageret, ab eius adspectu beatus pater abscessit. 
9 Et iuvenis, recuperata sanitate corporis cum rationis industria, vivacitate sensuum et loquela, ecclesiam ingressus, cum multa fratrum et saecularium admiratione, qui tunc aderant et iuvenem paralyticum viderant et amentem, laudibus divinis interfuit et per ordinem narrato miraculo, multos ad Christi et beati Francisci devotionem accendit.

 

6 
1 In castro Chore Ostiensis dioecesis vir quidam crus sic ex toto perdiderat, ut nullo modo progredi vel movere se posset. 
2 Positus itaque in angustia vehementi et auxilio desperatus humano, coepit nocte quadam, ac si praesentem cerneret beatum Franciscum, talem coram eo assumere materiam querelandi: 
3 ”Adiuva me, sancte Francisce, recolens meum servitium et devotionem tibi impensam. 
4 Nam in asino meo te portavi, sanctos pedes tuos et sanctas manus osculatus fui, semper tibi devotus, semper benevolus exstiti, et ecce, morior doloris huius durissimo cruciatu”. 
5 His pulsatus querelis, statim affuit beneficiorum memor, devotioni gratus, et vigilanti viro cum uno fratre apparuit. 
6 Ad vocationem eius venisse se dixit et tulisse remedia sanitatis. 
7 Tetigit locum doloris cum baculo parvulo, qui figuram Thau in se habebat, et fracto mox apostemate, perfectam tribuit sanitatem. 
8 Et, quod mirabilius est, sacrum signum Thau impressum super locum sanati ulceris ad miraculi memoriam dereliquit. 
9 Hoc signo sanctus Franciscus suas consignabat litteras, quoties caritatis causa scriptum aliquod dirigebat.

 

7 
1 Sed, ecce, dum per diversa miracula gloriosi Patris Francisci mens narrationis varietate distracta decurrit, promerente ipso crucis glorioso signifero, in signum salutis Thau non sine divina directione pervenit, 
2 ut ex hoc possimus advertere, quod sicut crux militanti post Christum fuit sublimitas meriti ad salutem, sic et triumphanti cum Christo facta est firmitas testimonii ad honorem.

 

8 
1 Hoc quippe crucis mysterium magnum et mirum, in quo charismata gratiarum et merita virtutum et thesauri sapientiae et scientiae (cfr. Col 2,3) tam alta profunditate velantur, ut a mundi sapientibus et prudentibus sit occultum, tam plene fuit huic Christi parvulo revelatum (cfr. Mat 11,25), ut omnis vita ipsius non nisi crucis vestigia sequeretur (cfr. 1Pet 2,21), non nisi crucis dulcedinem saperet, non nisi crucis gloriam praedicaret. 
2 Vere namque in suae conversionis principio dicere cum Apostolo potuit: Mihi autem absit gloriari nisi in cruce Domini nostri Iesu Christi (Gal 6,14). 
3 Non minus etiam vere in conversationis progressu addere valuit: Quicumque hanc regulam secuti fuerint pax super illos et misericordia (Gal 6,16); 
4 verissime autem in consummatione potuit subinferre: Stigmata Domini Iesu in corpore meo porto (Gal 6,17). 
5 Sed et illud nos quotidie desideramus ab ipso audire: Gratia Domini nostri Iesu Christi cum spiritu vestro, fratres. Amen (Gal 6,18).

 

9 
1 Gloriare igitur iam secure in crucis (cfr. Gal 6,14) gloria, Christi signifer gloriose, quoniam a cruce incipiens, secundum crucis regulam processisti et tandem in cruce perficiens, per crucis testimonium, quantae gloriae sis in caelo, cunctis fidelibus innotescis. 
2 Secure iam te sequantur qui exeunt ex Aegypto (cfr. Ex 13,17; Ps 113,1), quia, per baculum crucis Christi mari diviso (cfr. Ps 135,13), deserta transibunt (cfr. Ps 67,8), in repromissam viventium terram (cfr. Act 7,5; Ps 141,6), Iordane mortalitatis transmisso (cfr. Deut 27,3), per ipsius crucis mirandam potentiam ingressuri. 
3 Quo nos introducat verus populi ductor et Salvator, Christus Iesus crucifixus (cfr. Gal 3,1), per merita servi sui Francisci, ad laudem et gloriam unius Dei et trini, qui vivit et regnat in saecula saeculorum. Amen (cfr. Apoc 10,6; 11,15). 

Expliciunt miracula post transitum beati Francisci ostensa.

Texto Traduzido

Miraculis X

X – Sobre alguns outros milagres de diversos tipos.

 

1 
1 No castro de Gagliano, na diocese de Valva, havia uma mulher, chamada Maria, dedicada ao devoto serviço de Cristo Jesus e de São Francisco. Num dia de verão saiu para ganhar com as próprias mãos o necessário para viver. 
2 Como o calor estava fervendo demais, começou a desfalecer pelo ardor da sede, pois não tinha nada para beber e estava sozinha em um monte árido. Prostrada no chão e quase desmaiada, invocava seu patrono São Francisco com piedoso afeto da mente. 
3 A mulher continuou a fazer sua prece afetuosa e humilde mas, muito cansada pelo trabalho, pelo calor e pela sede, dormiu um pouquinho. 
4 E eis que São Francisco chegou e a chamou pelo nome, dizendo: Levanta-te e toma a água que, por bondade de Deus, é dada a ti e a muitos”. 
5 Ouvindo essa voz, a mulher levantou-se do sono, não pouco confortada e pegando uma foice que estava perto dela, arrancou-a da terra pela raiz. Cavando, depois, ao redor com um pauzinho, encontrou água viva, que no começo parecia uma pequena gota mas, de repente, pela virtude divina, transformou-se numa fonte. 
6 A mulher bebeu e, quando ficou saciada, lavou os olhos, que antes tinha obscurecidos por longa doença, e então sentiu iluminados por uma nova luz. 
7 Ela foi correndo para casa, contando a todo mundo tão estupendo milagre, para a glória de São Francisco.
8 Com a fama do milagre, muita gente correu para lá, e a experiência lhes ensinou a admirável virtude daquela água, pois muitos foram libertados de vários problemas de doenças quando, depois de ter confessado, tocaram na água. 
9 A fonte ainda pode ser vista até hoje, e foi construído nesse lugar um oratório em honra de São Francisco.

 

2 
1 Em Sahagun, na Espanha, o santo fez reverdecer milagrosamente, contra toda esperança, uma cerejeira que, estando completamente seca, cobriu-se de folhas, flores e frutos. 
2 Também libertou com uma ajuda milagrosa os habitantes de Vila Silos de uma peste de vermes que corroíam suas vinhas por toda parte. 
3 Perto de Palência, limpou completamente o celeiro de um sacerdote que se encomendou fielmente a ele, porque todos os anos os vermes do trigo costumavam enchê-lo. 
4 As terras de um certo senhor de Petramala, no reino da Apúlia, a ele suplicemente recomendadas foram completamente salvas da terrível peste, embora, ao redor, todas tivessem sido devoradas por essa pestilência.

 

3 
1 Um homem chamado Martinho tinha levado seus bois a pastar longe de seu castro. Numa queda, a perna de um dos bois ficou tão desesperadamente quebrada, que não dava para pensar em nenhum remédio para ele. 
2 Como quis tirar-lhe o couro e não tinha o instrumento para faze-lo, voltou para casa, confiando o cuidado do boi ao bem-aventurado Francisco, ao qual pediu que o guardasse confiantemente, para que não fosse devorado pelos lobos antes de sua volta. 
3 Voltou de manhã bem cedo com um esfolador ao encontro do boi deixado no mato, mas encontrou-o pastando e tão sadio que não dava para distinguir uma perna da outra. 
4 Deu graças ao bom pastor, que tomou bom cuidado de seu boi e lhe deu remédio. 
5 O humilde santo sabia socorrer todos os que o invocavam e não achava pouco dignas mesmo as pequenas necessidades das pessoas. 
6 Pois a um homem de Amiterno restituiu um jumento roubado. 
7 A uma mulher de Antrodoco consertou completamente uma travessa nova que se quebrara em muitas partes. 
8 Também a um homem de Montolmo, na Marca, consertou um arado que já não servia por estar quebrado.

 

4 
1 Na diocese de Sabina, havia uma velha octogenária, cuja filha, ao morrer, deixou um pequenino que ainda mamava. 
2 Como a velha era pobrezinha, sem leite, e não houvesse uma mulher que desse de mamar ao pequenino sedento, como exigia a necessidade, a senhora não sabia a quem recorrer. 
3 Como a criança se enfraqueceu, certa noite, faltando-lhe toda ajuda humana, recorreu de todo coração ao socorro do bem-aventurado pai Francisco, banhada em lágrimas. 
4 Apresentou-se imediatamente aquele que ama a idade inocente, e disse: “Eu sou Francisco, ó mulher, a quem invocaste com tantas lágrimas. 
5 Põe tuas mamas na boca do menininho, porque o Senhor vai te dar leite abundante”. 
6 A velhinha cumpriu o que o santo disse e logo as mamas octogenárias deram muito leite. 
7 O dom admirável do santo ficou conhecido por todos e muitos homens e mulheres a correram para ver. 
8 E como aquilo que é testemunhado pelos olhos a língua não pode negar, todos se animavam a louvar a Deus na virtude admirável e na amável piedade de seu santo.

 

5 
1 Em Scoppito, marido e mulher, tendo um só filho, deploravam-no todos os dias como o opróbrio hereditário da família. 
2 Pois tinha os braços ligados ao pescoço e os joelhos junto ao peito, com os pés grudados nas nádegas: não parecia filho de humanos mas um monstro. 
3 A mulher, que sofria uma dor maior por causa disso, clamava a Cristo com contínuos gemidos, invocando o auxílio de São Francisco, para que se dignasse socorrê-la, tão infeliz naquela vergonha. 
4 Uma noite, tendo ela dormido muito aborrecida por essa tristeza, apareceu-lhe São Francisco, falando-lhe com palavras piedosas e persuadindo-a a que levasse o menino a um lugar próximo dedicado ao seu nome, para que fosse banhado com a água do poço daquele lugar, em nome do Senhor, e recebesse a completa saúde. 
5 Como ela negligenciou cumprir o mandato do santo, ele o repetiu uma segunda vez. 
6 Quando apareceu na terceira vez, conduziu a mulher com o menino até a porta do referido lugar. 
7 Tendo chegado, então, algumas matronas nobres, por devoção, ao referido lugar, a mulher contou-lhes diligentemente a visão, e apresentaram juntas o menino aos frades. Tiraram então água do poço e a mais nobre delas lavou o menino com suas mãos. 
8 Na mesma hora, com todos os membros no seu lugar, ele ficou curado, e a grandeza do milagre deixou todos admirados.

 

5a 
Acréscimo posterior. 
l Em Susa, um jovem de Rivarollo, chamado Hubertino, tendo ingressado na Ordem dos Frades Menores, durante o tempo de seu noviciado, por causa de um grande susto, ficou enlouquecido, com toda a parte direita paralisada por uma doença gravíssima, tendo perdido o ouvido e também o sentido e o movimento da língua. 
2 Tendo o coitado passado assim muitos dias na cama, com muita tristeza dos frades, chegou a solenidade do bem-aventurado Francisco, em cuja vigília, tendo-lhe sido concedido um intervalo de lucidez, invocava o piedoso pai como podia, com a voz incerta mas com o coração fiel. 
3 De manhã, quando todos os frades estavam na igreja ocupados com os louvores divinos, eis que o bem-aventurado pai, vestido com o hábito dos frades, foi visitar o noviço na enfermaria. 
4 Brilhou não pequena luz naquele quartinho. 
5 E estendendo a mão sobre o seu lado direito, foi tocando suavemente desde a cabeça até os pés, colocou os dedos nos seus ouvidos e lhe deixou um sinal particular no ombro direito, dizendo: 
6 “Isto será para ti um sinal de que Deus te restituiu plenamente a saúde, servindo-se de mim, por cujo exemplo entraste na religião”. 
7 Cingindo-o com um cordão, pois estava deitado sem cordão, disse-lhe: “Levanta-te, entra na igreja e reza com os frades os louvores a Deus devidos!”. 
8 Dito isso, como o jovem quisesse pegar suas mãos e beijar os vestígios de seus pés, para agradecer, o bem-aventurado pai desapareceu de sua visão. 
9 E o moço, tendo recuperado a saúde do corpo com o uso da razão, a vivacidade dos sentidos e a fala, entrou na igreja, com muita admiração dos frades e dos seculares, que então estavam presentes, e tinham-no visto paralítico e demente. Tomou parte nos louvores divinos e, contando em ordem todo o milagre, inflamou muitos na devoção a Cristo e ao bem-aventurado Francisco.

 

6 
1 No castro de Cori, na diocese de Óstia, um homem tinha perdido a tal ponto o uso de uma perna que não podia andar nem se locomover. 
2 Fortemente angustiado e sem esperança no auxílio humano, começou, certa noite, a discutir com São Francisco como se o tivesse presente: 
3 “Ajuda-me, São Francisco, lembrando do meu serviço e da devoção que tenho por ti. 
4 Pois eu te carreguei no meu burro. Beijei tuas santas mãos e teus santos pés, sempre fui teu devoto, sempre fui bondoso, e agora estou morrendo com o sofrimento desta dor duríssima”. 
5 Movido por essas queixas, apresentou-se logo aquele que se lembrava dos benefícios, estava agradecido pela devoção, e apareceu ao homem acordado, junto com um frade. 
6 Disse que tinha vindo chamado por ele e que trazia os remédios para a saúde. 
7 Tocou o lugar da dor com um bastãozinho que tinha forma de um Tau e, tendo aberto, na hora, o tumor, deu-lhe uma saúde perfeita. 
8 E, o que é mais de admirar, deixou o sagrado sinal do Tau impresso no lugar da ferida curada, para recordação do milagre. 
9 São Francisco assinava suas cartas com esse sinal, todas as vezes que tinha que enviar algum escrito por caridade.

 

7 
1 Mas, eis que, enquanto a mente passou distraída pelos diversos milagres do glorioso pai Francisco, veio dar, por mérito do glorioso portador da cruz, não sem ajuda divina, no Tau, sinal de salvação. 
2 Isso é para que possamos advertir que, como a cruz foi, para quem militou no seguimento de Cristo, uma sublimidade de mérito para a salvação, da mesma forma é, para quem triunfa com Cristo, o mais firme testemunho de sua honra.

 

8 
1 Certamente este grande e admirável mistério da cruz, em que os carismas das graças e os méritos das virtudes, assim como os tesouros da sabedoria e da ciência escondem-se em tão grande profundidade, que ficam ocultos aos sábios e prudentes deste mundo, mas foi tão plenamente revelado a este pequeno de Cristo que toda a sua vida não seguiu senão os vestígios da cruz, não saboreou senão a doçura da cruz, não pregou senão a glória da cruz. 
2 Pois, de verdade, pôde dizer desde o princípio de sua conversão, com o Apóstolo: Longe de mim gloriar-me a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo (Gl 6,14). 
3 E com não menos verdade pôde acrescentar mo progresso de sua vida: Paz e misericórdia aos que seguirem esta regra (Gl 6,16); 
4 e com muito maior verdade ainda pôde concluir na consumação de sua vida: Carrego os estigmas do Senhor Jesus em meu corpo (Gl 6,17). 
5 Mas nós queremos ouvir dele todos os dias: A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja com vosso espírito, irmãos. Amém. (Gl 6,18).

 

9 
1 Gloria-te pois com segurança na glória da cruz (cfr. Gl 6,14), glorioso porta-bandeira de Cristo, porque, começando com a cruz, fizeste o teu processo segundo a regra da cruz e, no fim, terminando na cruz, manifestas pelo testemunho da cruz a todos os fiéis quanta glória tens no céu. 
2 Seguramente já te seguem os que saem do Egito, porque, dividido o mar pelo bastão de Cristo, vão atravessar os desertos e, passado o Jordão da mortalidade, pelo admirável poder de sua cruz vão ingressar na terra prometida dos viventes. 
3 Que Cristo Jesus crucificado, verdadeiro condutor do povo, lá nos introduza pelos méritos de seu servo Francisco, para louvor e glória do Deus uno e trino, que vive e reina pelos séculos dos séculos. Amém. 

Terminam os milagres manifestados depois do trânsito do bem-aventurado Francisco.