Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 121

Texto Original

Caput CXXI

Lamentum ad eum de otiosis et gulosis.

 

162 
1 Liceat, sancte pater, pro illis qui tui dicuntur, in excelsum hodie levare lamentum. 
2 Odio sunt virtutum exercitia multis, qui ante laborem volentes quiescere, filios se non Francisci sed Luciferi probant. 
3 Plus infirmantibus quam militantibus abundamus, cum tamen ad laborem nati (cfr. Iob 5,7), militiam vitam (cfr. Iob 7,1) suam reputare deberent. 
4 Non placet actione proficere; contemplatione non possunt. 
5 Cum omnes singularitate turbaverint, plus fauce quam manibus operantes, odiunt corripientem in porta (cfr. Am 5,10), nec summis patiuntur digitis attrectari. 
6 Illorum tamen, iuxta verbum beati Francisci, magis impudentiam miror, qui domi non nisi cum sudore (cfr. Gen 3,19) vixissent, et nunc absque labore, pauperum sudore pascuntur. 
7 Mira prudentia! Cum nihil agant, semper eos existimes occupatos. 
8 Horas cognoscunt ad epulum, et si quando fames urget, solem dormisse causantur. 
9 Tua gloria, bone pater, monstra haec hominum digna crediderim? Sed nec tunica quidem! 
10 Tu semper hoc tempore lubrico et fugaci docuisti meritorum divitias quaerere, ne in futuro contingeret mendicare. 
11 Hi vero nec patria perfruuntur, in exsilium postmodum transituri. 
12 Viget hic morbus in subditis, quoniam praelati dissimulant, quasi possibile sit, quorum sustinent vitium, non lucrari supplicium.

Texto Traduzido

Caput CXXI

Lamento a ele sobre os ociosos e gulosos.

 

162 
1 Seja-me permitido, pai santo, elevar hoje ao céu a minha lamentação por aqueles que se dizem teus. 
2 São muitos os que detestam o exercício das virtudes e preferem descansar em vez de trabalhar, provando que não são filhos de Francisco mas de Lúcifer. 
3 Temos mais doentes que militantes quando, nascidos para o trabalho, deveriam ver sua vida como um combate. 
4 Não gostam de ser úteis pela ação, e pela contemplação não o conseguem. 
5 Perturbam a todos com sua singularidade, trabalham mais com a boca que com as mãos, odeiam quem os repreende na porta e não se deixam tocar nem com a ponta dos dedos. 
6 O que mais me escandaliza são aqueles que, como dizia o bem-aventurado Francisco, em sua casa só conseguiam viver com o suor e agora, sem trabalhar, alimentam-se com o suor dos pobres. 
7 Admirável prudência! Não fazem nada mas dirias que estão sempre ocupados. 
8 Sabem as horas das refeições e, quando a fome aperta, dizem que o sol é que está atrasado. 
9 Será que posso acreditar, pai bondoso, que as monstruosidades dessas pessoas vão ser dignas de tua glória? Não merecem nem o hábito! 
10 Sempre ensinaste que, neste tempo passageiro e fugaz, precisamos nos enriquecer de méritos, para não ter que mendigar no futuro. 
11 Mas esses frades, destinados ao exílio, não estão aproveitando nem a pátria. 
12 E essa doença grassa entre os súditos porque os prelados se omitem, como se fosse possível virem a escapar do suplício desses frades cujos vícios eles sustentam.