Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

62. Frei Mosca, o parasita

Texto Original

.

1 Nam voluntas beati Francisci fuit, et etiam multotiens dixit, quod frater non deberet diu stare, quin iret pro helemosina, ut non verecundaretur postea ire. 
2 Immo quanto magis fuisset frater nobilis et magnus in seculo, tanto magis inde erat hedificatus et letabatur, cum iret pro helemosina et faceret huiusmodi servilia opera propter bonum exemplum. 3 Quod ita fiebat antiquo tempore. 
4 Unde in primordio Religionis, cum manerent fratres apud Rigum Tortum, erat quidam frater inter eos qui parum orabat et non laborabat et pro helemosina ire nolebat, quoniam verecundabatur, sed bene comedebat; 
5 quapropter considerans hoc beatus Franciscus cognovit per Spiritum Sanctum, quod erat carnalis homo; 
6 unde dixit ad eum: “Vade viam tuam, frater musca, quoniam vis comedere laborem fratrum tuorum, et vis esse otiosus in opere (cfr. 1Cor 15,58) Dei, sicut frater apun, qui non vult lucrari et laborare et comedit laborem et lucrum bonarum apum”. 
7 Et sic ivit viam suam; et quia carnalis erat misericordiam non imploravit.

Texto Traduzido

.

1 Pois era vontade do bem-aventurado Francisco, e ele disse isso muitas vezes, que um frade não devia passar muito tempo sem ir pedir esmolas, para que depois não ficassem envergonhado de ir. 
2 Até, quanto mais nobre e grande tivesse sido o frade no século, tanto mais ficava edificado e contente quando ia pedir esmolas e fazer esse tipo de obras servis, por causa do bom exemplo. 
3 Porque era assim que se fazia no tempo antigo. 
4 Por isso, no começo da Religião, quando os frades moravam em Rivotorto, havia um frade entre eles que orava pouco, não trabalhava e não queria ir pedir esmolas, porque ficava com vergonha; mas comia bem.
5 Por isso, levando em conta essas coisas, o bem-aventurado Francisco soube pelo Espírito Santo que se tratava de um homem carnal. 
6 Donde lhe disse; “Vá pelo teu caminho, irmão mosca, porque queres comer o trabalho de teus irmãos, e queres ser ocioso na obra de Deus, como o irmão zangão, que não quer produzir e trabalhar e come o trabalho e o lucro das boas abelhas”. 
7 E assim ele foi pelo seu caminho; e como era carnal, não implorou misericórdia.