Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XX

Texto Original

Caput XX

De provisione divina in capitulo generali apud s. Mariam de Angelis, et quomodo fuit s. Dominicus cum VII fratribus suis in illo capitulo.

 

1 In quodam capitulo generali, quod fidelissimus Cristi servus Franciscus in planitie S. Marie de Angelis celebravit, congregati sunt ultra quinque mille fratres; affuit etiam ibi s. Dominicus, caput Ordinis Predicatorum, cum septem fratribus de Ordine suo. 
2 Affuit insuper ibi dominus cardinalis Hostiensis, valde devotus b. Francisco et fratribus eius, cui s. Franciscus predixit quod debebat esse papa; et ita fuit. Cum ergo curia domini pape esset tunc Perusii, dictus cardinalis studiose venit Assisium, et omni die veniebat ad videndum s. Franciscum et fratres; et quandoque cantabat missam, quandoque sermonem faciebat eisdem. 3 Cum autem veniebat visitare illud sacrum collegium, et videret illos in campo predicto turmatim ad sexaginta et ad centum et ad trecentos sedere aut in collocutione divina, aut in orationibus et lacrimis, aut in exercitus caritatis, et cum tanto silentio quod nullus erat ibi rumor vel strepitus, 4 admirans de tanta multitudine ut castrorum acies ordinata (cfr.  Cant 6,3.9)cum lacrimis et magna devotione dicebat: “Vere castra Dei sunt hec!”.
5 Non enim audebat aliquis inter eos fabulas dicere sive truffas, sed ubicumque congregabantur, vel orabant, vel plorabant, vel de salute anime loquebantur. Et habebant in illo campo tecta distincta per turmas de carticinis in circuitu et supra. 6 Unde propter hoc vocatus fuit campus de carticinis. Lecti vero erant vel terra vel modicum palea; cervicalia vero, lapides vel ligna.
7 Propter quod erat cunctorum tanta devotio, quod ex curia ibi propinqua multi comites et barones, duces et milites, cardinales etiam personaliter cum episcopis et clericis, etiam nobiles cum popularibus concurrebant, ut viderent tam sanctam congregationem et humilem, quam mundus nunquam habuit de tot sanctis hominibus similem; 8 ad videndum etiam venerabile caput ipsorum, Franciscum sanctissimum, qui tam pulcram predam mundo rapuerat et tam devotum gregem ad beata Cristi pascua dirigebat.
Congregatis autem omnibus, surrexit s. pastor et venerabilis dux Franciscus, et in fervore s. Spiritus illi beato gregi verbum vite proposuit voce altisona et tubali, quam sibi divina unctio infundebat.
10 Et istud thema proposuit: Magna promisimus, maiora nobis promissa sunt; servemus hec, spiremus ad illa; brevis voluptas, perpetua pena; modica passio, gloria infinita. 11 Et super hec verba devotissime predicando, hortabatur omnes ad obedientiam s. matris ecclesie, ad suavitatem caritatis fraterne, 12 ad orandum pro universo populo sancto Dei, ad patientiam in adversis, ad munditiam et castitatem angelicam, ad pacem et concordiam cum Deo et hominibus, ad humilitatem et mansuetudinem cum omnibus, ad mundi contemptum et ad ferventem zelum evangelice paupertatis, 13 ad sollicitudinem et vigilantiam orationis et divine laudis, ad iactandum totam curam (cfr. Ps 54,23) et sollicitudinem anime et corporis in pastorem bonum et nutritorem animarum et corporum, D. n. Ihesum Cristum benedictum. 
14 “Et propter hoc melius observandum precipio vobis, fratribus omnibus hic congregatis, in meritum obedientie salutaris, quod nullus vestrum curam aliquam vel sollicitudinem habeat de aliqua re comestibili vel potabili aut de aliquibus necessariis corpori; 15 sed tantummodo intendatis orationi et laudi Dei, omnem curam vestram proicientes in Cristum, quoniam ipsi est specialis cura de vobis”. Et ita fecerunt omnes, ylari animo ad orandum currentes.
16 Sanctus autem Dominicus, quia ad hoc erat presens, admirans de mandato quod fecerat s. Franciscus et reputans illum indiscrete procedere, eo quod precepisset in tam magna multitudine ut nullus haberet curam de rebus necessariis corpori, et estimabat in tanta multitudine inconvenientia debere contingere.
17 Sed D. Ihesus, volens ostendere quod ipse curam gereret de tam caris ovibus et suis pauperibus singularem, statim inspirando facta est manus Domini super Perusinos, Spoletanos, Fulsinenses, Spellenses, Assisinates et cunctas adiacentes terras. 18 Et veniebant cum asinis, mulis et equis, et curribus oneratis pane et vino (cfr. 1Re 25,18)fabis et caseo, et omnibus bonis, quibus putabant illos beatos pauperes indigere. 19 Insuper portabant tobaleas et vasa magna et parva, et quicquid utensilium opus esset; et beatum se reputabat ille qui devotius et attentius servire posset, et in omnibus illi beate moltitudini necessaria studiosissime providere.
20 Vidisses autem sanctorum illorum cetum milites et nobiles devotissime servientes; vidisses ibidem clericos devotos et fideles more domicellorum undique discurrentes; 21 vidisses ibi adolescentium floridam inventutem cum tanta reverentia etiam ministrantes, ut videretur non pauperculis fratribus sed apostolis D. Ihesu Cristi servire.
22 Que omnia cum s. Dominicus cerneret et divinam providentiam ibi vere cognosceret, humiliter redarguens semetipsum de iudicio indiscretionis predicte quod fecerat, genuflectens b. Francisco, dixit humiliter culpam suam et ait: 23 “Vere Deus habet curam de istis sanctis pauperculis, et ego nesciebam. Unde ex nunc promitto servare s. evangelicam paupertatem, et maledico ex parte Dei omnes fratres de Ordine meo, qui in Ordine ipso proprium habere presumpserint”.
24 Fuit igitur s. Dominicus valde edificatus de fide s. Francisci et de obedientia et paupertate tam ordinati et tam magni collegii, et de providentia divina et copia abundantissima omnis rei. 25 Nam sicut vere sanctus et sapiens Deum fidelissimum in omnibus verbis suis advertit; qui sicut ager virgulta crescere facit et lilia et sicut pascit celi volatilia, sic suis devotis pauperibus cuncta prebet necessaria.
26 In illo autem capitulo fuit dictum s. Francisco, quod multi portabant loricas ad carnem et circulos ferreos: propter quod aliqui infirmabantur et aliqui moriebantur et multi impediebantur orare.
27 Unde ipse, sicut discretissimus pater, precepit omnibus per obedientiam salutarem, quod quotquot habebant loricas et circulos, ipsos in conspectu eius deponerent. 28 Et invente sunt bene quingente lorice et circuli ferrei brachiorum et ventris in tanta quantitate quod fecerunt magnum acervum; qui fecit cuncta relinqui. 
29 Post hec s. pater, docens et consolans universos et instruens quomodo de presenti seculo nequam evaderent, cum benedictione Dei et cum letitia spirituali cunctos consolatos remisit in diversas mundi provincias.
Ad laudem D.n. Ihesu Cristi. Amen.

Texto Traduzido

Caput XX

Sobre a providência divina no capítulo geral de Santa Maria dos Anjos, e como São Domingos esteve com sete frades seus nesse capítulo.

Em certo capítulo geral, que Francisco, fidelíssimo servo de Deus, celebrou na planície de Santa Maria dos Anjos, reuniram-se mais de cinco mil frades, e também esteve presente São Domingos, cabeça da Ordem dos Pregadores, com sete frades de sua Ordem.
2 Também esteve presente o senhor cardeal de Óstia, muito devoto do bem-aventurado Francisco e dos seus frades, a quem São Francisco predisse que devia ser papa; e assim aconteceu. Como a cúria do senhor papa estava então em Perusa, o referido cardeal veio zelosamente a Assis, e vinha todos os dias ver São Francisco e os frades. Algumas vezes cantava a missa, e de vez em quando fazia-lhes um sermão. 3 Quando ele, porém, vinha visitar aquela santa reunião, e os via no campo em turmas de sessenta, de cem e de trezentos, sentados em um diálogo divino, ou em orações e lágrimas, ou em exercícios de caridade, e com tanto silêncio que não havia ali rumor nem estrépito, 4 admirado com tamanha multidão, ordenada como a linha dos acampamentos (cfr. Ct 6,3.9)dizia em lágrimas e com a maior devoção: “Na verdade, este é o exército de Deus!”.
5 Pois ninguém entre eles ousava contar fábulas ou brincadeiras mas, onde quer que se reuniam, ou oravam, ou choravam, ou falavam da salvação de sua alma. E tinham naquele campo abrigos separados por turmas, feitos de esteiras ao redor e em cima. 6 Por isso, foi chamado de campo das esteiras. Suas camas eram o chão ou um pouco de palha; e os travesseiros, pedras ou tocos.
7 Por esse motivo era tão grande a devoção de todos que, da corte ali vizinha, acorriam muitos condes e barões, comandantes e cavaleiros, bem como cardeais, pessoalmente, com bispos e clérigos, e também nobres e populares, para verem uma congregação tão santa e humilde que o mundo nunca teve nenhuma parecida, com tantos homens santos. Também para ver o venerável chefe deles, o santíssimo Francisco, que arrebatara ao mundo tão bela presa e dirigia aos bem-aventurados pastos de Cristo um rebanho tão devoto.
9 Quando todos estavam congregados, levantou-se o santo pastor e venerável comandante, Francisco, que, no fervor do Espírito Santo, propôs com palavras sonoras e solenes àquele rebanho bem-aventurado, a palavra da vida, que a unção divina lhe infundia.
10 Foi este o tema que propôs: Grandes coisas nós prometemos, maiores foram prometidas a nós; observemos estas, suspiremos por aquelas; o prazer é breve, perpétua é a pena; pouco é o sofrimento; infinita a glória. 11 Pregando com a maior devoção sobre essas palavras, exortava todos a obedecerem à santa mãe Igreja, à suavidade da caridade fraterna, 12 a orar por todo o povo santo de Deus, a ter paciência nas adversidades, à limpeza e castidade angélicas, à paz e à concórdia com Deus e com os homens, à humildade e mansidão com todos, ao desprezo do mundo e ao zelo fervoroso pela pobreza evangélica, 13 à solicitude e vigilância da oração e do louvor divino, a jogar todo cuidado (cfr. Sl 54,23) e solicitude da alma e do corpo para o bom pastor e nutridor das almas e dos corpos, nosso Senhor Jesus Cristo bendito.
14 “Para melhor observar isto, eu vos mando, frades todos que estais aqui congregados, pelo mérito da santa obediência salutar, que nenhum de vós tenha algum cuidado ou solicitude por alguma coisa de comer ou de beber, ou por algumas coisas necessárias ao corpo; 15 mas cuideis apenas da oração e do louvor de Deus, jogando todos os vossos cuidados em Cristo, porque ele tem um cuidado especial por vós”. E assim fizeram todos, correndo para orar com ânimo alegre.
16 São Domingos, que estava presente, ficou admirado pela ordem que São Francisco dera e achou que ele estava sendo imprudente - pois prescrevera que em tão grande multidão ninguém cuidasse das coisas necessárias para o corpo - porque imaginava que numa multidão tão grande algo de inconveniente podia acontecer.
17 Mas o Senhor Jesus, quis mostrar que ele mesmo ia cuidar singularmente de ovelhas tão queridas e de seus pobres. Imediatamente a mão do Senhor agiu sobre as pessoas de Perusa, de Espoleto, de Foligno, de Spello, de Assis e de todas as terras vizinhas. 18 Vinham com asnos, mulas, cavalos e carroças carregadas de pão e vinho (cfr. 1Re 25,18)favas e queijo, e todos os bens que achavam que podiam ser necessários para aqueles bem-aventurados pobres. 19 Além disso, levavam toalhas e vasilhas grandes e pequenas, e todos os utensílios de pudessem precisar. Feliz se achava quem podia servir mais devota e atentamente e providenciar com cuidado a tudo que fosse necessário para aquela bem-aventurada multidão.
20 Ah! Se visses cavaleiros e nobres servindo devotamente aquele grupo de santos, com toda a devoção; se visses os clérigos devotos e os fiéis correndo por todo lado para servir como domésticos; 21 se visses lá a flor da juventude dos adolescentes servindo também com tanta reverência, de modo que até parecia que não estavam servindo aos frades pobrezinhos mas aos apóstolos do Senhor Jesus Cristo.
22 Quando São Domingos viu todas essas coisas e reconheceu que a divina providência estava de fato presente, censurou-se humildemente pelo julgamento de irresponsabilidade que tinha feito. Ajoelhando-se diante do bem-aventurado Francisco, acusou humildemente sua culpa e disse: 23 “É verdade que Deus cuida destes santos pobrezinhos e eu não sabia. Por isso prometo observar de agora em diante a pobreza evangélica, e amaldiçôo da parte de Deus todos os frades da minha Ordem que tiverem a presunção de ter na Ordem alguma coisa de próprio”.
24 São Domingos ficou muito edificado com a fé de São Francisco e com a obediência e a pobreza de uma reunião tão grande e ordenada, e com a providência divina e tão abundante quantidade de tudo. 25 Pois, como quem é verdadeiramente santo e sábio percebe que Deus é fidelíssimo em todas as suas palavras. Como Ele faz florescerem no campo as ervas e os lírios, e como apascenta as criaturas que voam no céu, assim dá a seus devotos pobrezinhos tudo que é necessário.
26 Nesse capítulo, disseram a São Francisco que muitos levavam cilícios junto à carne e argolas de ferro, de modo que alguns adoeciam, outros morriam e muitos ficavam sem poder orar.
27 Então, como um pai muito discreto, ele mandou a todos, por obediência salutar, que depusessem diante dele tudo que tivessem de cilícios e argolas. 28 Encontraram-se bem uns quinhentos cilícios e argolas de ferro dos braços e do ventre, em tão grande quantidade que formaram um monte. Fez com que deixassem tudo.
29 Depois disso, o santo pai, ensinando e consolando a todos, e instruindo como escapar do presente século mau, com a bênção de Deus e alegria espiritual mandou-os todos consolados para as diversas províncias do mundo.
Para o louvor de nosso senhor Jesus Cristo. Amém.