Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo IV

Texto Original

Caput IV

Qualiter a Papa regulam et praedicandi auctoritatem accepit; in solitudine refectus est; perpetuo pauper esse et proximis proficere statuit; et quam districta se et suos vigilantia custodivit.

 

21.

1 Cernens igitur beatus Franciscus passim accrescere numerum fratrum, plenius illis exposuit cordis sui propositum, necnon et divinae revelationis arcanum.

2 Brevi ergo regulam sermone conscripsit, interpositis in illa sacris Evangelii verbis, ad cuius perfectionem, quantum poterat, anhelavit.

3 Desiderans autem quae scripserat a summo Pontifice confirmari, undecim quos habuit secum fratres assumpsit (cfr. Mar 14,33; Luc 18,31) et Romam cum illis duodecimus ipse perrexit.

4 Quo perveniens, ad quemdam ex episcopis cardinalibus, virum probatum et discretum, accessit, eique per ordinem adventus sui causam plenius explanavit.

5 Qui, diligenter audito pauperum Christi negotio, etsi propositum tam laudabile non immerito commendaret, in primis tamen illi suggessit, ut ad vitam eremiticam sive monasticam se transferret.

6 Sed famuli Christi constantia coepto perseveranter insistens, persuasiones huiusmodi quanto poterat humilius non admisit.

7 Qui et usque adeo tandem Domino cooperante (cfr. Mar 16,20) praevaluit, donec, eodem episcopo fideliter procurante, ad summi Pontificis audientiam res pervenit.

8 Concomitabatur quoque beatum virum divina providentia in omnibus quae agebat, et securum per crebras revelationes visionesque reddebat.

9 Vidit etiam tunc temporis visionem, suo domini Papae consensum proposito pollicentem: quamdam videlicet arborem magnam miracque proceritatis (cfr. Dan 4,7), cuius ipse cacumen manibus leviter ad terram usque deflexit.

10 Quod utique rei exitus evidenter postmodum comprobavit, dum se ad condescendendum viro pauperi vir excellentissimus et magnanimus, dominus videlicet Innocentius papa tertius, qui tunc Ecclesiae praeerat, inclinavit.

11 Dans igitur duodenario fratrum pium summus Pontifex de regula confirmanda consensum, dans et eisdem de poenitentia praedicanda mandatum, cum gaudio illos data benedictione dimisit;

12 sed et eisdem adhuc ampliora multiplicatis in posterum compromisit.

 

22.

1 Beatus igitur Franciscus magnum non immerito reputans tanta se a Christi vicario beneficia consecutum, divinae super omnibus clementiae gratias egit;

2 et visitatis principis Apostolorum liminibus et oratione completa, gaudenter cum suis ab Urbe recessit.

3 Movebat eum protinus dati ratio, ne forsitan remaneret ingratus, piaque cum fratribus incepit tractare consilia, qualiter in observando regulam primum in semetipsis per virtutum incrementa proficerent, dehinc qualiter aedificando proximos in mna sibi credita Domino foenerarent.

4 Haec et his similia pie conferentibus illis, accidit ut in quemdam locum desertum, iam hora (cfr. Mat 14,15) diei progrediente, venirent, ubi humano destituti videbantur auxilio, cum refectione corporis prae labore itineris indigerent.

5 Sed pauperibus suis providentia divina non defuit, quae mirabiliter illis panem per quemdam inopinate venientem et subito disparentem porrexit.

6 Comedentes itaque pariter et mirantes, gratias Domino retulerunt; et non modicum confortati in coepto itinere processerunt.

7 Venerunt ergo ad locum quemdam solitarium prope civitatem Ortensem, ubi quibusdam eorum in eadem civitate mendicantibus, in magna necessariorum penuria fere per dies quadraginta manserunt,

8 ibique cum ingenti gaudio sanctae paupertatis initia renovantes, pacto illam perpetuo firmaverunt.

 

23.

1 Post haec vallem Spoletanam intrantes, pium novae iustitiae zelatores habuere tractatum, utrum in locis solitariis an potius inter homines foret illis morandum.

2 At vero sanctus vir Dei, veluti de sua diffisus industria, devotis orationum studiis negotia cuncta praeveniens, ibi quid ageret infallibiliter didicit, zeloque ductus divino proximorum lucris intendere quem sibi soli vivere praeelegit.

3 Tunc sanctus Franciscus, in Domino confortatus, ex auctoritate apostolica fiducialius agere (cfr. Act 9,28) coepit, et per civitates villasque et castella circuiens (cfr. Mat 9,35), poenitentiam constantissime praedicavit.

4 Curabat praecipue semetipsum irreprehensibilem in omnibus exhibere (cfr. Tob 10,13), ne veritatem cogeretur verbis adulatoriis palliare.

5 Mirabantur viri litterati eius, quem non homo docuerat, verborum virtutem, videntes ad ipsum nobiles et ignobiles, divites et egenos turmatim confluere, eique, veluti novo sideri in tenebris orienti sollerter intendere.

6 Omni namque ordini, conditioni, aetati et sexui congruenter documenta salutis impendit;

7 omnibus vivendi regulam tribuit, cuius hodie felicem ducatum in utroque sexu sequentium triumphare se gaudet Ecclesia triplici militia salvandorum.

8 Tres enim, ut supra tetigimus, Ordines ordinavit; quorum primum ipse professione simul et habitu super omnes excellentissime tenuit, quem et Ordinem Fratrum Minorum, sicut in Regula scripserat, appellavit.

9 Secundus etiam, qui supra memoratus est, pauperum Dominarum et virginum felix ab eo sumpsit exordium.

10 Tertius quoque non mediocris perfectionis Ordo Poenitentium dicitur, qui clericis et laicis, virginibus, continentibus coniugatisque communis, sexum salubriter utrumque complectitur.

 

24.

1 Verum qualiter ipse beatus Franciscus Ordinem Fratrum Minorum in omni virtutum culmine magnifice supererogando servaverit, qualiterve ad omnia, quae sunt verae religionis, suos fratres et filios informaverit, quis enarrare per singula poterit?

2 Nam in omnibus, quae perfecta sunt doctrice Spiritus sancti gratia sufficienter instructus, omnem in semetipso perfectionem voluit experientia teste cognoscere;

3 et sic fratres omnia primum factis edocuit, quae et postmodum ipsos frequentia melliflui sermonis admonuit.

4 Qualiter autem et fratres, sub tanto duce personaliter militantes, ad illius exemplum et doctrinam in omni perfectione profecerint, potius arbitror subticendum, quem diminute etiam cum sermonis prolixitate dicendum.

5 Summa namque vigilantia vir beatus super suam suorumque custodiam stabat (cfr. Is 21,8);

6 summa continue diligentia praecavebat, ne non solum forsitan aliquem manifestum peccati paterentur incursum, verum etiam neque latens cogitatio germinaret in vitium,

7 sed et ne quis sub virtutis specie vel necessitatis occasione se dolus ingereret, aut per incautas exteriorum sensuum aperturas ad interiorem forsitan hominem mors intraret.

8 Non est passus in se vel in aliis, ut quidquam disciplina plectendum impune transiret, ne forte remissa manus negligentiae torporem induceret.

9 Tantum quippe in seipso iustitiae rigorem exercuit, quod, si quando, ut assolet, tentatio carnis surreperet, hiemali tempore in locum glacie vel nivibus plenum usque ad illiciti motus abscessum se mergeret.

 

25.

1 Provocabantur quoque fratres alli similia facere, videntes illum sub tanta se districtione tenere.

2 Tanto itaque, ut dictum est, vir Dei non solum carnis incentiva rigore repressit, verum etiam corporis sensus, ne quidquam vanitatis haurirent, summae cautelae repagulis obfirmavit.

3 Nam, cum moram in loco qui dicitur Rigus Tortus prope Assisium faceret, accidit ut Romae coronandus imperator Otto cum magno illuc comitatu et pompa transiret.

4 Beatus vero Franciscus, cum secus viam cum suis fratribus moraretur, ad videndum imperatorem nec ipse nec aliquis suorum egredi saltem vel aspicere de tugurio voluit, praeter unum solum ex ipsis,

5 cui huiusmodi gloriam modicum duraturam eidem imperatori constanter nuntiare praecepit.

 

26.

1 Recollegerat autem se verissimus ille paupertatis zelator cum fratribus suis in quoddam praedicti loci domicilium derelictum, ut ibidem se utcumque ab aestu pluviaque defenderent;

2 quod videlicet adeo strictum fuit, ut etiam commode in illo requiescere non valerent.

3 Sed tamen loci angustia cordis latitudinem non artavit, quin ibidem laetanter in summa penuria viverent et in continua gratiarum actione et laude (cfr. Is 51,3) persisterent.

4 Scribebat quoque vir sanctus per signa domunculae nomina fratrum, ne quis alterum quiescere vel orare volentem inquietare vel modicum posset, sed locum sibi deputatum unusquisque cognosceret.

5 Quadam vero die vir quidam cum asino venit ad locum; et ad umbram fortasse quaerendam volens introire tugurium, ut sine repulsa liberius intraret sic allocutus est asinum: “Ingredere, quia loco huic benefaciemus adhuc”.

6 Sed homo Dei verbum viri et intentionem graviter ferens (qui videlicet eos illic pro domibus aedificandis et dilatando vel appropriando sibi locello credidit adunatos), domicilium mox reliquit,

7 et ad locum, qui Portiuncula dicitur, ubi gloriosae Virginis ecclesiam reaedificaverat, transmigravit.

Texto Traduzido

Caput IV

Como recebeu do papa a Regra e a autoridade para pregar; é reconfortado na solidão; decidiu viver perpetua­mente pobre e a serviço do próximo; e a vigilância estrita com que guardou a si mesmo e aos seus.

 

21.

1 Vendo o bem-aventurado Francisco que o número de frades crescia com freqüência, expôs melhor para eles qual o propósito de seu coração e também o segredo da revelação divina.

2 Por isso, escreveu em poucas palavras uma Regra, intercalando nela palavras sagradas do Evangelho, cuja perfeição desejava com todas as suas forças.

3 Mas como desejava que o que escrevera fosse confirmado pelo Sumo Pontífice, tomou consigo (Mc 14,33; Lc 18,31) os onze ir­mãos que tinha e, como décimo segundo, partiu para Roma.

4 Lá chegando, dirigiu-se a um cardeal-bispo, homem provado e dis­creto, e lhe explicou melhor, em ordem, o motivo de sua vinda.

5 Este, tendo ouvido com benevolência o propósito dos pobres de Cristo, embora com razão aprovasse tão louvável propósito, sugeriu-lhe primeiro que se passasse para a vida eremíti­ca ou monástica.

6 Mas, insistindo perseverantemente a constância do servo de Cristo no que tinha iniciado, não aceitou esses conselhos com toda a humildade possível.

7 E as­sim foi até que, com a cooperação do Senhor (Mc 16,20), acabou prevalecendo e o causa chegou ao Sumo Pontífice com ajuda fiel do bispo.

8 A divina Providência acompanhava o bem-aventurado homem em tudo que fazia e tornava-o seguro por freqüentes revela­ções e visões.

9 Naquela ocasião também teve uma visão que ante­cipava o consenso do senhor papa ao seu propósito: uma ár­vore grande, de admirável altura (Dn 4,7), cuja ponta ele dobrou facilmente com até o chão, com as mãos.

10 Isso foi confirmado depois evidentemente pelo fato, quando aquele ex­celentíssimo e magnânimo homem, o senhor Papa Inocêncio III, que então governava a Igreja, se inclinou condescendente para o pobre.

11 Dando o Sumo Pontífice seu consentimento para a regra aos doze frades, dando-lhes também o mandato para pregarem a penitência, despediu-os com alegria, dando-lhes a bênção.

12 Mas também prometeu-lhes que, quando se multiplicassem, faria concessões mais amplas.

 

22.

1 Considerando o bem-aventurado Francisco, não sem razão, que tinha recebido um grande benefício do Vigário de Cristo, deu graças por tudo à divina clemência.

2 E, depois de visitar o túmulo do príncipe dos apóstolos, terminando a oração foi embora da cidade, cheio de alegria, com os seus.

3 Movia-o antes de tudo a natureza do dom, para não ser ingrato, e começou a conversar com os frades sobre como cresceriam eles mesmos primeiro na virtude observando a regra e como estariam comprometidos com o Senhor pela moeda a eles confiada, edificando o próximo.

4 Conversando piedosamente sobre isso e outras coisas parecidas, chegaram a um lugar deserto, em hora do dia já adiantada (Mt 14,15), onde parecia que não tinham possibilidade de auxílio humano, pois precisavam alimentar o corpo pelo cansaço da viagem.

5 Mas a Providência divina não faltou aos seus pobres: deu-lhes serviu-lhes milagrosamente um pão por meio de alguém que apareceu e logo desapareceu.

6 Comeram e também admirados, deram graças ao Senhor; e continuaram não pouco confortados o caminho iniciado.

7 Chegaram a um lugar solitário perto da cidade de Orte, onde ficaram por quase quarenta dias, passando grandes necessidades, enquanto alguns deles men­digavam na cidade.

8 Ali, com grande alegria, renovaram os inícios da santa pobreza e firmaram com ela um pacto perpétuo.

 

23.

1 Depois disso, entrando no vale de Espoleto, zelosos pela nova vida, fizeram uma piedosa reflexão sobre se deveriam em lugares solitários ou em meio aos ho­mens.

2 Mas o santo homem de Deus, desconfiando de sua in­teligência, entregando-se a devotos esforços de oração antes de qualquer decisão, nela compreendeu, com certeza, o que devia fazer e, guiado pelo zelo divino, decidiu dedicar-se ao bem do próximo mais do que a viver só para si.

3 Então São Francisco, confortado no Senhor, começou a agir com mais confiança por autoridade apostólica (At 9,28) e, andando pelas cidades, vilas e aldeias (Mt 9,35), pre­gou constantemente a penitência.

4 Cuidava, sobretudo, de se apresentar sempre irrepreensível (Tb 10,13), para não ter que disfarçar a verdade com palavras de adulação.

5 Os letrados maravilhavam-se da força de suas palavras, porque viam que a ele, não instruído por um homem, acorriam em bandos nobres não nobres, ricos e po­bres, atentos como a um astro novo despontado nas trevas.

6 E ele apresentou oportunos ensinamentos de salvação a pessoas de toda categoria, condição social, idade e sexo;

7 deu uma regra de vida a todos, de forma que hoje a Igreja se gloria daqueles que, de ambos os sexos, o seguem na tríplice milícia dos que deverão ser salvos.

8 De fato, como já dissemos, ele deu origem a três Ordens: a primeira, à qual ele mesmo observou melhor do que todos pela profissão e pelo hábito, à qual também deu o nome, como escreveu na Regra, de Ordem dos Frades Menores.

9 A segunda, também já recordada, das senhoras e das virgens pobres, que teve por ele o feliz início.

10 Também a terceira, de não medíocre perfeição, chama-se Ordem dos Penitentes e, sendo comum a clérigos e leigos, virgens, continentes e casados, congrega salutarmente ambos os sexos.

 

24.

1 Na verdade, quem poderia descrever em por­menores como o bem-aventurado Francisco pro­tegeu a Ordem dos Frades Menores, sobressaindo magnifica­mente no cume de todas as e educando seus irmãos e fi­lhos em tudo o que se refere à verdadeira vida religiosa?

2 Pois, instruído em tudo que é perfeito pelo ensino da graça do Espírito Santo, quis conhecer toda a perfeição, como o atesta a experiência;

3 e assim, ensinou os frades primeiro com fatos o que depois admoestou com freqüentes e doces palavras.

4 Mas como foi que esses frades, militando pessoalmente sob tão grande comandante, progrediram com seu exemplo e doutrina em toda a perfeição, acho melhor calar do que falar pouco mesmo usando muitas palavras.

5 Porque o bem-aventurado exercia a maior vigilância sobre a guarda de si mesmo e dos seus (Is 21,8; Hab 2,1);

6 e mantinha uma vigilância contínua não só para não caírem em algum pecado manifesto, mas também para que nenhum pensamento oculto degenerasse em vício;

7 e ainda para que não aparecesse nenhum engano com desculpa de virtude ou a pretexto de necessidade, nem entrasse a morte do homem interior por aberturas descuidadas dos sentidos exteriores.

8 Nem em si nem nos outros permitia que ficasse impune alguma coisa que devia ser subjugada pela disciplina, para que a mão tolerante não desse lu­gar ao torpor da negligência.

9 Impôs a si mesmo uma justiça tão rigorosa que, se houvesse uma tentação da carne, como acontece, mergulhava no inverno e, algum lugar cheio de gelo ou de neve até acabar com o impulso ilícito.

 

25.

1 Vendo-o manter tão grande severidade, também os frades eram provocados a fazer coisas semelhantes.

2 Porque, como dissemos, o homem de Deus não só reprimia com tanto rigor os impulsos da carne como também protegia com as trancas da maior cautela os sentidos corporais, para nada terem de vaidade.

3 Assim, quando morava num lugar chamado Rivo­torto, perto de Assis, aconteceu que o Imperador Oto passou por ali, com grande cortejo e pompa, para ser coroado em Roma.

4 Como morava com seus companheiros na beira da estrada (Mt 13,19), o bem-aventurado Francisco não quis que saíssem nem olhassem do tugúrio para ver o imperador nem ele nem os companheiros, a não ser a um deles,

5 ao qual ordenou que, com insistência, anunciasse ao imperador que sua glória duraria pouco.

 

26.

1 Verdadeiro observante da pobreza refugiou-se com seus irmãos numa casa abandonada do referido lugar para, de alguma forma, proteger-se do calor e da chuva.

2 Mas o lugar era tão apertado que nele nem podiam descansar comodamente.

3 Mas, o aperto do lugar não reduziu a largueza do coração a ponto de não poderem viver alegremente a maior penúria, persistindo em contínua ação de graças e louvor (Is 51,3).

4 E o santo também escreveu pelas traves da pequena casa os nomes dos irmãos, para que ninguém pudesse inquietar nem um pouquinho outro que quisesse descansar ou orar, podendo cada um saber o lugar a ele destinado.

5 Certo dia, porém, lá chegou um homem com um asno e, buscando talvez uma sombra, quis entrar no tugúrio. Para entrar melhor sem ser repelido, disse ao asno: “Entra, que ainda vamos deixar melhor este lugar!”

6 Mas o varão de Deus, levando a sério a intenção por essa palavra do homem (que achava que eles estavam reunidos ali para construir, ampliando e se apropriando do lugar) deixou logo o domicílio

7 e mudou-se para o lugar chamado Porci­úncula, onde tinha restaurado a igreja da gloriosa Virgem.