Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Como cortou umas campainhas do frontal do altar e as deu a uma mulher pobrezinha

Texto Original

Qualiter campanellas in frontali altaris dependentes dedit pauperculae mulieri.

21 Cum autem semel in festo Nativitatis Domini in conventu Assisii ad preces sacristae altare ornatissimum custodiret, ipso in ecclesia iuxta altare altum meditationibus occupato, quaedam paupercula mulier ab ipso eleemosynam postulavit. Cui respondit: “Venias, et videbo, si in isto altari ita ornato aliquid pro te potero invenire”. Erat autem ibi pretiosum frontale, ex quo campanellae argenteae dependebant. Cum autem dictus frater Iuniperus hinc inde ornatus altaris respiceret, videns dictas campanellas argenteas dixit: “Ad quid sunt istae campanellae positae nisi ad superfluitatem”? Et cum gladio omnes amovens dedit illi pauperculae mulieri.

Texto Traduzido

Qualiter campanellas in frontali altaris dependentes dedit pauperculae mulieri.

21 Uma vez, a pedido do sacristão, na festa do Natal na cidade de Assis, ficou tomando conta de um altar muito enfeitado, ocupado em meditações na igreja, diante do altar mor. Uma mulher pobrezinha pediu-lhe esmola. Respondeu-lhe: “Vem, vou ver se neste altar tão enfeitado consigo encontrar alguma coisa para ti”. E lá estava um frontal precioso, do qual pendiam campainhas de prata. Olhando para cá e para lá, Frei Junípero viu as campainhas de prata e disse:  “Para que servem essas campainhas colocadas só por superfluidade? Removeu todas com uma faca e as deu à mulher pobrezinha.