Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Milagres VII

Texto Original

Miraculis VII

VII - De caecis illuminatis.

 

1 
1
 In conventu fratrum Minorum de Neapoli, cum quidam frater Robertus nomine, caecus annis plurimis exstitisset, crevit in oculis eius caro superflua, motum et usum impediens palpebrarum. 
2 Cum igitur fratres forenses, ad diversas mundi partes tendentes, ibidem plurimi convenissent, beatus Pater Franciscus speculum obedientiae sanctae, ut eos miraculi novitate hortaretur ad iter, praedictum fratrem ipsis praesentibus tali modo curavit. 
3 Iacebat nocte quadam frater Robertus praedictus aeger ad mortem, iamque sibi fuerat anima commendata, 
4 cum ecce, adstitit ei beatus Pater cum tribus fratribus omni sanctitate perfectis, videlicet sancto Antonio, fratre Augustino et fratre Iacobo de Assisio, qui sicut eum perfecte fuerant secuti, dum viverent, ita et ipsum alacriter comitabantur post mortem. 
5 Accipiens cultellum, sanctus Franciscus carnem superfluam resecavit, lumen restituit pristinum et a mortis eum fauce reduxit, 
6 dixitque illi: “Fili Roberte, gratia, quam tecum feci, signum est fratribus ad remotas nationes euntibus, quod ego praecedam eos et ipsorum dirigam gressus (cfr. Ps 39,3). 
7 Vadant”, inquit, ”gaudenter et iniunctam obedientiam alacri animo exsequantur”.

 

2 
1 Apud Thebas in Romania mulier caeca vigiliam sancti Francisci in pane tantum et aqua ieiunans, ad ecclesiam fratrum Minorum summo mane festivitatis a viro suo perducta est. 
2 Quae, dum Missa celebraretur, in elevatione corporis Christi oculos aperuit, clare vidit, devotissime adoravit. 
3 In ipsa vero adoratione voce magna proclamans: ”Gratias”, inquit, ”Deo et Sancto eius, quia video corpus Christi!”, omnibus, qui aderant in vocem exsultationis (cfr. Ps 46,2) conversis. 
4 Post sacrorum expletionem reversa est mulier in domum suam (cfr. Luc 1,56) cum gaudio spiritus et lumine oculorum. 
6 Exsultabat quidem mulier, non solum quia lucis corporeae recuperarat aspectum, verum etiam quia Sacramentum illud mirificum, quod est lumen animarum verum et vivum, respectu primario per beati Francisci merita, fidei suffragante virtute, meruerat intueri.

 

3 
1 In Campania puer quidam quatuordecim annorum de castro Pophis subita vexatus angustia, sinistrum oculum amisit ex toto. 
2 Passionis acerbitas sic de loco suo propulit oculum, quod per octo dies extra, nervo relaxato, longitudine digiti unius ad maxillas dependens, pene aridus est effectus. 
3 Sed cum sola superesset abscissio, et a medentibus foret penitus desperatus, pater eius ad auxilium beati Francisci tota se mente convertit. 
4 Non defuit ille indefessus miserorum adiutor precibus supplicantis. 
5 Nam oculum aridum mirabili virtute in locum suum pristinumque vigorem restituit et lucis optatae radiis illustravit.

 

4 
1 In eadem provincia apud Castrum magni ponderis lignum ex alto proruit, et cuiusdam sacerdotis caput gravissime quassans, sinistrum oculum excaecavit. 
2 Qui, humi deiectus, coepit alta voce sanctum Franciscum luctuose clamare, dicens: ”Succurre, Pater sanctissime, ut ad festum tuum ire valeam, sicut fratribus tuis ire promisi!”. 
3 Erat enim vigilia Sancti. 
4 Qui statim exsurgens, peroptime liberatus, in vocem prorupit laudis et gaudii, et circumstantes omnes, qui eius miseriae condolebant, in stuporem convertit et iubilum. 
Ivit ad festum, narrans omnibus, quam in se expertus fuerat clementiam et virtutem.

 

5 
1 Vir quidam de Monte Gargano, dum in vinea sua laborans, lignum quoddam ferro succideret, proprium percussit oculum et sic divisit per medium, ut quasi dimidia pars ipsius exterius dependeret. 
2 Cumque in tam desperato periculo desperaret sibi posse per hominem subveniri, ieiunaturum se in festo sancti Francisci, si ei succurreret, repromisit. 
3 Statim in loco debito viri oculum Sanctus Dei restituit sicque divisum reiunxit et lumine pristino decoravit, ut nullius laesionis vestigia remanerent.

 

6 
1 Filius cuiusdam nobilis viri a nativitate caecus meritis sancti Francisci lumen accepit optatum; qui, nomen ab eventu sortitus Illuminatus vocatus est. 
2 Assumpsit postea, cum in aetate esset, Ordinem beati Francisci, accepti beneficii non ingratus, tantumque profecit in lumine gratiae et virtutis, ut verae lucis filius videretur. 
3 Tandem beati Patris promerentibus meritis, sanctum initium fine sanctiore conclusit.

 

7 
1 In Zancato, quod est castrum iuxta Anagniam, miles quidam, Girardus nomine, oculorum lumen ex toto perdiderat. 
2 Accidit autem, ut duo fratres Minores ab exteris partibus venientes, ad domum ipsius hospitaturi diverterent. 
3 Suscepti itaque devote propter reverentiam sancti Francisci a familia tota et cum omni benignitate tractati, gratias agentes Deo et hospiti, ad locum fratrum devenere vicinum. 
4 Nocte igitur quadam beatus Franciscus uni fratrum illorum in somnis apparuit, dicens: ”Surge (cfr. Mat 2,16), festina cum socio ad domum hospitis vestri, qui Christum et me suscepit in vobis. 
5 Volo enim ei beneficia rependere pietatis. 
6 Caecus quidem effectus est, suis promerentibus culpis, quas poenitentiali non studuit confessione purgare”. 
7 Disparente quoque Patre, frater festinus surrexit, ut mandatum cum socio celeriter adimpleret, venientesque ad hospitis domum, cuncta, quae viderat alter, per ordinem narrarunt eidem. 
8 Stupuit vir ille non modicum, et universa quae dicebantur vera esse confirmans, compunctus ad lacrimas, confessus est libens. 
9 Tandem correctione promissa, interioreque homine taliter renovato, exteriorem continuo recuperavit aspectum. 
10 Huius miraculi fama circumquaque diffusa non solum ad reverentiam sancti, verum etiam ad confessionem humilem peccatorum et hospitalitatis gratiam plurimos incitavit.

 

7a Additio posterior. 
1 Quidam pro furti calumnia caecatus fuit rigore saecularis iustitiae apud Assisium, Othone milite per ministros publicos sententiam Octaviani iudicis de eruendis accusato oculis exsequente. 
2 Qui taliter deformatus, effossis oculis, praecisis nervis opticis etiam cum cultello, ductus ad altare beati Francisci, implorata ipsius Sancti clementia, et sua in praedicti criminis impositione innocentia allegata, Sancti ipsius merito infra triduum novos recepit oculos, minores quidem illis quibus orbatus fuerat, sed non minus limpide visus officium exercentes. 
3 Huius autem stupendi miraculi testis fuit praenominatus miles Otho, iuramento ad hoc adstrictus, coram domino Iacobo abbate Sancti Clementis, auctoritate domini Iacobi episcopi Tiburtini de ipso miraculo inquirente. 
4 Testis etiam exstitit eiusdem miraculi frater Guilielmus Romanus a fratre Hieronymo, generali Ministro Ordinis Fratrum Minorum, ad veritatem dicendam, quem circa hoc noverat, praecepto et excommunicationis sententia obligatus.
5 Qui taliter adstrictus coram pluribus Ministris provincialibus eiusdem Ordinis et aliis magni meriti fratribus affirmavit, se dudum, adhuc saecularem exsistentem, vidisse eum habentem oculos et postmodum actu excaecationis injuriam patientem, ac se excaecati oculos in terram proiectos curiose cum baculo revolvisse, et postmodum virtute divina eumdem, novae lucis receptis oculis, videntem clarissime conspexisse.

Texto Traduzido

Miraculis VII

VII – Sobre os cegos iluminados. 3 1 Na Campânia, um menino de quatorze anos do castro de Pofi, atacado de repente por uma angústia, perdeu de todo o olho esquerdo. 2 A violência da dor expulsou de tal forma o olho de seu lugar que, por oito dias, por u

 

1 
1
 No convento dos frades menores de Nápoles, havia um frade chamado Roberto, cego havia muitos anos. Cresceu em seus olhos uma carne supérflua, que impedia o movimento e o uso das pálpebras. 
2 Como se reunissem aí muitos frades de fora, que estavam partindo para diversas partes do mundo, o bem-aventurado pai Francisco, espelho da santa obediência, para animá-los a viajar com a novidade de um milagre, curou o referido frade quando eles estavam presentes, do seguinte modo: 
3 Uma noite, estava o referido Frei Roberto deitado, doente para morrer, e sua alma já fora encomendada. 
4 Mas eis que se apresentam a ele o bem-aventurado pai com três frades, perfeitos por toda santidade: Santo Antônio, Frei Agostinho e Frei Jacó de Assis, que o tinham seguido perfeitamente, enquanto viviam, e assim também o acompanhavam alegremente depois da morte. 
5 Pegando uma faca, São Francisco cortou a carne supérflua, restituiu a visão antiga e o arrancou da boca da morte. 
6 Depois, disse-lhe: “Filho Roberto, a graça que fiz contigo é um sinal para os frades que vão para nações remotas: eu vou à frente deles e vou dirigir seus passos”. 
7 E disse: “Ide com alegria e cumpri contentes a obediência imposta”.

 

2 
1 Em Tebas, na România, uma mulher cega fez a vigília de São Francisco jejuando só a pão e água e, de manhã bem cedinho, foi levada por seu marido à igreja dos frades. 
2 Durante a celebração da missa, ela abriu os olhos na elevação do corpo de Cristo, viu com clareza, adorou com a maior devoção. 
3 Mas na própria oração gritou proclamando: Graças a Deus e ao seu santo, porque estou vendo o corpo de Cristo!”, e todos que estavam presentes voltaram-se com vozes de exultação. 
4 No fim da celebração, a mulher voltou para casa com gozo do espírito e a luz dos olhos. 
6 Na verdade a mulher estava exultante não só porque recuperara a luz corporal mas também porque, com a ajuda da virtude da fé, merecera olhar o Sacramento admirável, que é a luz verdadeira e viva das almas, em primeiro lugar pelos méritos do bem-aventurado Francisco.

 

3 
1 Na Campânia, um menino de quatorze anos do castro de Pofi, atacado de repente por uma angústia, perdeu de todo o olho esquerdo. 
2 A violência da dor expulsou de tal forma o olho de seu lugar que, por oito dias, por um folga do nervo, o olho ficou pendurado no rosto com um dedo de distância, e quase ficou seco. 
3 Como a única coisa que restava era cortar, e os médicos não lhe davam nenhuma esperança, o pai voltou-se com toda a alma para o socorro de São Francisco. 
4 O incansável auxiliador dos míseros não faltou às preces do suplicante. 
5 Pois, com maravilhosa virtude, recolocou o olho seco no seu lugar e iluminou-o com os raios da desejada luz.

 

4 
1 Na mesma província, em Castro, caiu do alto uma viga muito pesada e, esmagando a cabeça de um sacerdote, cegou-lhe o olho esquerdo. 
2 Jogado no chão, ele começou a clamar angustiosamente por São Francisco, com gritos, dizendo: “Socorro, pai santíssimo! Para que eu possa ir à tua festa, como prometi aos frades!”. 
3 Pois era a vigília do santo. 
4 Levantou-se logo, muito bem curado, e prorrompeu em vozes de louvor, fazendo o espanto dos presentes, que se estavam condoendo de sua miséria, converter-se em júbilo. 
5 Foi à festa, contando a todos a clemência e a virtude que experimentara em si mesmo.

 

5 
1 Um homem de Monte Gargano, quando estava trabalhando em sua vinha, foi cortar um pau com um ferro e feriu o próprio olho, dividindo-o pelo meio, de modo que uma parte ficou pendurada para fora. 
2 Como perdeu a esperança de poder ser ajudado por alguma pessoa nessa situação desesperadora, prometeu que iria jejuar na festa de São Francisco, se o socorresse. 
3 Na mesma hora o santo de Deus recolocou o olho do homem no lugar, juntando o que estava dividido e devolvendo a visão anterior, de modo que não ficou nenhum vestígio da lesão.

 

6 
1 O filho de um nobre, cego de nascença, recebeu a visão desejada pelos méritos de São Francisco, e, por tal fato, deram-lhe o nome de Iluminato. 
2 Mais tarde, quando tinha idade, entrou na Ordem do Bem-aventurado Francisco, não ingrato pelo benefício recebido, e cresceu tanto na luz da graça e da justiça, que parecia um filho da verdadeira luz. 
3 No fim, pelos méritos do bem-aventurado Pai, concluiu o santo começo com um fim ainda mais santo.

 

7 
1 Em Zancato, que é um castro perto de Anagni, um cavaleiro, chamado Geraldo, tinha perdido completamente a luz dos olhos. 
2 Mas aconteceu que dois frades menores, vindos do exterior, foram à casa dele para se hospedar. 
3 Foram recebidos devotamente por toda a família, pela reverência a São Francisco, e foram muito bem tratados. Depois deram graças a Deus e ao hospedeiro e partiram para o lugar dos frades que ficava perto. 
4 Mas uma noite o bem-aventurado Francisco apareceu em sonhos a um deles, dizendo: “Levanta-te e vai depressa com teu companheiro à casa do vosso hospedeiro, que em vós recebeu a mim e a Cristo. 
5 Pois quero recompensá-lo pelo benefício da piedade.
6 Pois ele ficou cego por causa de suas culpas, que não cuidou de purificar pela penitência”. 
7 Quando o pai desapareceu, o frade levantou-se depressa, para cumprir o mandato rapidamente com o companheiro. Foram à casa do hospedeiro, e lhe contaram direitinho tudo que um deles tinha visto. 
8 O homem ficou não pouco admirado, confirmou que tudo que estavam dizendo era verdade, compungiu-se até as lágrimas e se confessou de boa vontade. 
9 Afinal, prometendo corrigir-se, com o homem interior de tal forma renovado, recuperou na mesma hora a visão exterior. 
10 A fama desse milagre espalhou-se por toda parte não só para reverência do santo mas também para animar muitos para a confissão humilde dos pecados e para a graça da hospitalidade.

 

7a Acréscimo posterior. 
1 Em Assis, um homem, caluniado de furto, foi cegado pelo rigor secular da justiça. O cavaleiro Otão executou por ministros públicos a sentença do juiz Otaviano: arrancar os olhos do acusado. 
2 Ele, assim deformado, com os olhos retirados, tendo os nervos óticos cortados com uma faca, foi levado ao altar do bem-aventurado Francisco, onde, depois de ter implorado a clemência do santo e alegado a sua inocência na imposição do referido crime, pelo mérito do santo dentro de três dias recebeu novos olhos, menores dos que tinha perdido mas não exercendo menos limpidamente a capacidade de ver. 
3 Foi testemunha do estupendo milagre o próprio cavaleiro Otão, que prestou juramento a respeito diante do senhor Jacó, abade de São Clemente, por autoridade de dom Tiago, bispo de Tívoli, que estava investigando sobre esse milagre. 
4 Foi testemunha do mesmo milagre também Frei Guilherme Romano, obrigado pelo ministro geral da Ordem dos Frades Menores, Frei Jerônimo, a dizer verdade do que sabia a respeito, por preceito e sentença de excomunhão. 
5 Ele, dessa forma obrigado, afirmou diante de muitos ministros provinciais da mesma Ordem e outros frades de grande mérito que, quando ainda era secular, viu o homem tendo olhos, viu quando sofreu a injúria do cegamento, que curiosamente mexeu no chão com um pau nos olhos do homem cegado, e depois viu como ele estava vendo clarissimamente com os olhos recebidos por virtude divina.