Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 128

Texto Original

Caput CXXVIII

De apibus.

 

169 
1 In monte quodam quandoque cellula facta fuit, in qua servus Dei (cfr. Dan 14,36) quadraginta dierum numero rigidissime poenitentiam egit (cfr. Iudc 21,15). 
2 Qui cum, completo temporis spatio, inde recederet, velut in solitudine posita absque aliquo successore cella remansit. 
3 Vasculum terreum, cum quo sanctus bibere solebat, fuit ibidem relictum. 
4 Euntes autem homines quandoque ad locum illum, ob reverentiam sancti, vasculum illud apibus plenum inveniunt. 
5 In ipso autem vase mirabili arte favorum cellulas fabricabant, revera significantes contemplationis dulcedinem, quam ibi hauserat sanctus Dei (cfr. Mar 1,24).

Texto Traduzido

Caput CXXVIII

Sobre as abelhas.

 

169 
1 Construíram certa vez em uma montanha uma cabana em que o servo de Deus fez quarenta dias de rígida penitência. 
2 Quando terminou o tempo e ele saiu, a cela ficou abandonada e desocupada. 
3 Lá ficou largado o pequeno vaso de barro em que o santo tomava água. 
4 Quando algumas pessoas foram àquele lugar para reverenciar o santo, encontraram o vaso cheio de abelhas. 
5 Nele tinham construído seus favos com arte admirável, simbolizando a doçura da contemplação que o santo de Deus tinha bebido nesse lugar.