Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 11

Texto Original

Caput XI

De receptione aliorum quatuor fratrum et de ardentissima caritate: quam habebamt ad invicem primi fratres, et de sollicitudine laborandi et orandi, et de perfecta oboedientia ipsorum.

 

41. 
1 Videntes igitur homines quod fratres in suis tribulationibus exultabant, orationi sollicite et devote instabant et non recipiebant pecuniam nec portabant et maximam caritatem ad invicem habebant, per quam noscebantur vere esse discipuli (cfr. Ioa 13,35) Domini, multi corde compuncti veniebant ad eos, de offensis quas eis fecerant veniam postulantes. 
2 Ipsi vero ex corde remittebant dicentes: “Dominus parcat vobis”, atque eos de salute sua salubriter admonebant. 
3 Quidam autem ipsos fratres rogabant ut reciperent eos in societatem suam. 
4 Et quia omnes illi sex habebant auctoritatem recipiendi ad ordinem a beato Francisco propter paucitatem fratrum, in societatem suam aliquos receperunt cum quibus sic receptis, statuto termino, omnes ad Sanctam Mariam de Portiuncula sunt reversi. 
5 Quando autem se invicem revidebant, tanta iocunditate replebantur et gaudio ac si nihil recordarentur eorum quae passi fuerant ab iniquis. 
6 Solliciti erant quotidie orare et laborare manibus (cfr. 1Cor 4,12) suis ut omnem otiositatem animae inimicam a se penitus effugarent. 
7 Surgebant in media nocte solliciti et orabant devotissime cum immensis lacrimis et suspiriis. 
8 Amore intimo se invicem diligebant et serviebat unus alteri ac nutriebat eum sicut mater filium unicum et dilectum. 
9 Tantum caritas ardebat in eis quod facile ipsis videbatur tradere corpora sua morti, non solum pro Christi amore, sed etiam pro salute animae vel corporis suorum confratrum.

 

42. 
1 Unde quadam die cum duo ex ipsis fratribus simul irent, invenerunt quemdam fatuum qui coepit lapides iactare in eos. 
2 Videns ergo unus eorum lapides iactari in alterum, opposuit se statim ictibus lapidum, volens potius se percuti quem fratrem suum propter caritatem mutuam qua flagrabant: sicque parati erant unus pro altero ponere vitam cfr. 1Ioa 3,16) suam. 
3 Erant enim in humilitate et caritate fundati et radicati (cfr. Eph 3,17) intantum ut unus revereretur alterum quasi patrem et dominum, atque illi qui officio praelationis vel aliqua gratia praecellebant, humiliores et viliores caeteris viderentur. 
4 Omnes quoque se totos ad obediendum praebebant, ad praecipientis voluntatem se continuo praeparantes. 
5 Non discernebant inter iustum et iniustum praeceptum quia quidquid praecipiebatur putabant esse secundum Domini voluntatem. 
6 Et ideo implere praecepta erat eis facile et suave. 
7 A carnalibus autem desideriis abstinebant (cfr. 1Pet 2,11), semetipsos sollicite iudicantes atque caventes ne unus alterum offenderet ullo modo.

 

43. 
1 Et si quando contingebat ut unus alteri diceret verbum quod posset illum turbare, tantum conscientia mordebatur quod non poterat quiescere donec dicebat culpam suam, prosternens se in terram humiliter ut pedem fratris turbati faceret poni super os suum. 
2 Quod si frater turbatus pedem super os alterius ponere nolebat, si erat praelatus ille qui turbaverat alterum praecipiebat illi ut pedem poneret super os suum, si vero erat subditus faciebat hoc illi praecipi a praelato. 
3 Sicque studebant ut omnis rancor et malitia fugaretur ab eis et perfecta inter ipsos semper dilectio servaretur, satagentes pro posse singulis vitiis singulas virtutes opponere, praeveniente et coadjuvante eos gratia Iesu Christi. 
4 Nihil insuper sibi proprium vindicabant, sed libris et aliis collatis eisdem utebantur communiter (cfr. Act 2,44; 4,32) secundum formam ab apostolis traditam et servatam. 
5 Cum autem in eis et inter eos esset vera paupertas, erant tamen liberales et largi de omnibus sibi pro Deo collatis, libenter dantes amore ipsius omnibus petentibus et maxime pauperibus eleemosynas eis datas.

 

44. 
1 Quando vero ibant per viam et inveniebant pauperes petentes aliquid ab eis amore Dei, cum non habebant aliud quod praeberent, dabant aliquam partem de vestibus suis licet vilibus. 
2 Quandoque enim dabant caputium dividentes ipsum a tunica, quandoque manicam quandoque partem aliam dissuentes ipsam a tunica ut evangelicum illud implerent: “Omni petenti te tribues”. 
3 Quadam autem die venit quidam pauper ad ecclesiam Sanctae Mariae de Portiuncula, apud quam fratres aliquando morabantur, et eleemosynam petiit. 
4 Erat autem ibi quaedam clamis quem quidam frater habuerat saecularis. 
5 Cui cum dixisset beatus Franciscus ut eam illi pauperi daret, libenter et velociter dedit ei. 
6 Statimque propter reverentiam et devotionem quam habuerat frater ille in dando clamidem illi pauperi, visum est ei quod eleemosyna illa in caelum ascendisset et sensit novo gaudio se perfundi.

 

45. 
1 Quando vero declinabant divites huius mundi ad eos, recipiebant illos alacriter et benigne, studentes eos revocare a malo et ad poenitentiam provocare. 
2 Sollicite etiam petebant ne mitterentur ad terras unde erant oriundi ut fugerent familiaritatem et conversationem consanguineorum suorum, verbumque servarent propheticum: “Extraneus factus sum fratribus meis et peregrinus filiis matris meae (cfr. Ps 68,9)”. 
3 In paupertate plurimum laetabantur quia non concupiscebant divitias, sed omnia transitoria spernebant quae possunt a mundi huius amatoribus concupisci. 
4 Praecipue vero pecuniam quasi pulverem pedibus conculcabant, et sicut a sancto fuerant edocti, ipsam cum stercore asini aequali pretio et pondere ponderabant. 
5 Gaudebant in Domino continue, non habentes inter se nec intra se unde possent aliquatenus contristari. 
6 Quanto enim a mundo magis erant divisi, tanto magis erant Deo coniuncti. 
7 Per viam crucis et semitas iustitiae incedentes, de arcta via poenitentiae et observationis evangelicae offendicula removebant, ut posteris iter planum fieret et securum.

Texto Traduzido

Caput XI

Da recepção de outros quatro frades e da ardentíssima caridade que tinham entre si os primeiros frades, e da solicitude para trabalhar e rezar, e de sua perfeita obediência.

 

41. 
1 Quando as pessoas viam que os frades exultavam em suas tribulações, insistiam solícita e devotamente na oração e não recebiam nem levavam dinheiro, e tinham o maior amor entre si, pelo qual eram reconhecidos como verdadeiros discípulos do Senhor, muitos ficavam de coração compungido e os procuravam para pedir desculpas pelas ofensas feitas. 
2 Eles os perdoavam de todo o coração, dizendo: “Deus vos poupe”, e os admoestavam saudavelmente acerca de sua salvação. 
3 Alguns rogavam aos irmãos que os recebessem em sua companhia. 
4 Como todos aqueles seis tinham autoridade concedida pelo bem-aventurado Francisco de aceitar novos irmãos na Ordem, porque os frades eram poucos, receberam alguns em sua companhia, e com todos a Santa Maria da Porciúncula. 
5 Ao se encontrarem de novo, ficavam cheios de tanto prazer e contentamento, como se já não se lembrassem dos sofrimentos que os maus lhes haviam infligido. 
6 Todos os dias eram solícitos para orar e trabalhar com as próprias mãos para afastar absolutamente toda ociosidade, inimiga da alma. 
7 Levantavam-se dedicadamente à meia-noite e oravam com muita devoção, com imensas lágrimas e suspiros. 
8 Amavam-se com entranhado amor e cada qual servia e nutria o outro como uma mãe com seu filho único e dileto. 
9 Ardia neles tanta caridade, que lhes parecia fácil entregar seus corpos à morte, não só por amor de Cristo, mas também pela salvação da alma ou do corpo de seus confrades.

 

42. 
1 Por isso, um dia, quando dois desses irmãos iam juntos, encontraram um louco, que começou a atirar-lhes pedras. 
2 Vendo um deles que as pedras iam ferir o outro, logo se colocou na frente das pedradas, preferindo que elas o atingissem e não ao outro irmão, por causa da mútua caridade em que ardiam: assim estavam prontos a dar a vida um pelo outro. 
3 Estavam tão fundamentados e arraigados na humildade e na caridade, que um reverenciava o outro como pai e senhor, e aqueles que se destacavam por ofício do cargo ou por algum dom natural, pareciam mais humildes e vis que os outros. 
4 Todos também ofereciam-se inteiros para obedecer, preparando-se sempre para a vontade de quem mandava. 
5 Não faziam distinção entre preceito justo ou injusto, porque tudo o que era ordenado julgavam conforme à vontade do Senhor. 
6 Assim, observar os preceitos era para eles fácil e suave. 
7 Abstinham-se dos desejos carnais, julgando cuidadosamente a si mesmos e tomando cuidado para que um não ofendesse ao outro de modo algum.

 

43. 
1 E se acontecia alguma vez de um dizer ao outro qualquer palavra que o pudesse perturbar, tanto lhe remordia a consciência, que não podia descansar até que não dissesse a sua culpa, prostrando-se no chão, humildemente, a fim de que o irmão ofendido lhe pusesse o pé sobre a boca. 
2 Se o irmão ofendido não quisesse pôr o pé sobre a boca do ofensor, este, sendo prelado, ordenava-lhe em nome da obediência; mas se o ofensor era súdito, ele mesmo fazia com que tal lhe fosse ordenado pelo prelado. 
3 Assim esforçavam-se por afastar todo rancor e malícia, para que fosse conservada a perfeita caridade entre eles, empenhando-se quanto podiam por opor a cada vício uma virtude, com o impulso e o auxílio da graça de Jesus Cristo. 
4 Além disso, nada reivindicavam como próprio, mas usavam em comum os livros e outras coisas recebidas, segundo a forma transmitida e mantida pelos apóstolos. 
5 Embora houvesse verdadeira pobreza neles e entre eles, eram contudo liberais e pródigos com todas as coisas que Deus lhes concedia, dando de boa vontade por seu amor a todos que pedissem e especialmente aos pobres as esmolas a eles oferecidas.

 

44. 
1 Quando iam pela estrada e encontravam pobres pedindo alguma coisa por amor de Deus, não tendo o que oferecer, davam alguma parte de suas roupas, embora de nenhum valor. 
2 Pois às vezes davam o capuz, separando-o da túnica, outras vezes a manga e alguma vez outra parte, descosturando-a da túnica para cumprirem aquilo do Evangelho: “Darás a todo que te pedir”. 
3 Certa dia chegou um pobre à igreja de Santa Maria da Porciúncula, onde, às vezes, os irmãos moravam, e pediu esmola. 
4 Havia um manto que um irmão usara quando secular. 
5 Quando São Francisco lhe disse para dá-lo ao pobre, deu-o de boa vontade e rapidamente. 
6 Pela reverência e devoção com que o irmão havia dado aquela esmola ao pobre, pareceu-lhe ver na mesma hora aquela esmola subindo ao céu e sentiu-se inundado de novo júbilo.

 

45. 
1 Quando os ricos deste mundo iam visitá-los, recebiam-nos alegre e bondosamente, procurando tirá-los do mal e provocá-los à penitência. 
2 Pediam também com insistência para não serem enviados às terras de onde eram oriundos, a fim de fugirem à familiaridade e convivência com seus consangüíneos, e observar a palavra profética: “Tornei-me um estranho para meus irmãos e peregrino para os filhos de minha mãe”. 
3 Muito se alegravam na pobreza, porque não cobiçavam riquezas, mas desprezavam tudo o que é transitório e objeto da cobiça dos amantes deste mundo. 
4 Especialmente o dinheiro, calcavam-no aos pés como poeira, e assim como haviam aprendido do santo, consideravam-no do mesmo valor e preço como se fosse esterco de asno. 
5 Regozijavam-se continuamente no Senhor pois não tinham dentro de si por que se contristar com alguma coisa. 
6 De fato, quanto mais separados do mundo, mais estavam unidos a Deus. 
7 Seguindo o caminho da cruz e as sendas da justiça, removiam os obstáculos do caminho estreito da penitência e os tropeços da observância evangélica, a fim de que se tornasse via plana e segura para os que viessem depois.