Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XLIX

Texto Original

Caput XLIX

Qualiter Cristus apparuit s. fr. Iohanni de Alver­na, et quomodo fuit raptus ipsum amplexando.

 

1 Quam gloriosus sit in conspectu Dei beatissimus p.n. Franciscus, apparet in electis filiis, quos in Ordine suo Spiritus sanctus aggregavit, ita quod vere gloria tanti patris sunt filii sapientes.
2 Inter quos singulariter effulsit s. fr. Iohannes de Firmo, qui alias dicitur de Alverna, qui in celo Ordinis tanquam stella notabilis splendore gratie rutilat. 3 Hic namque, cum in iuvenili etate gereret per sapientiam cor senile, penitentie viam, que custodit corporis et mentis munditiam, totis visceribus apprehendere cupiebat. 4 Unde, cum adhuc esset parvulus, loricam et circulum ferreum portabat ad carnem et abstinentie crucem cotidie baiulabat, 5 ita quod, dum in S. Petro de Firmo cum canonicis moraretur, antequam fratrum s. Francisci habitum assumpsisset, illis splendide viventibus, ipse se abstinentie mirande rigore refrenabat et inter malitias martirium abstinentie celebrabat. 6 Sed, cum ad suum studium angelicum obices suos socios multipliciter pateretur, in tantum ut loricam exuerent et abstinentiam impedirent, ipse, inspiratus a Deo, cogitavit mundum cum amatoribus eius relinquere et florem sue angelice iuventutis brachiis Crucifixi offerre.
8 Qui cum habitum fratrum Minorum puerulus assumpsisset et uni magistro commissus fuisset pro spiritualium disciplina, cum verba divina aliquando a magistro audiret, 9 cor eius, ut cera liquescens (cfr. Ps 21,15)tanta suavitate gratie in interiori homine replebatur, quod exterior homo discurrere coactus, aliquando per ortum, aliquando per silvam, aliquando per ecclesiam cursim undique circuibat, quemadmodum flamma interior impellebat.
10 Successu vero temporis hunc angelicum virum in diversis statibus et ordinatis sursum actionibus gratia divina subvexit. Quandoque namque ad splendores cherubicos, quandoque ad ignem seraphicum, quandoque ad angelica gaudia hunc mirabilem virum divina gratia rapiebat. 11 Et, quod plus est, quandoque ad divina oscula et excessivos amoris Cristi amplexus non solum internis gustibus sed etiam signis exterioribus tanquam amicum intimum assumebat.
12 Unde accidit sibi quodam tempore, quod bene per spatium trium annorum amoris Cristi igne succensus, recipiebat consolationes mirabiles et frequenter in tali ardore rapiebatur ad Deum. 
13 Sed quia Deus specialem curam de suis filiis gerit, nunc consolando prosperis, nunc exercendo adversis, dum fr. Iohannes predictus staret in quodam loco, subtractus est sibi ille radius et status ignitus; et remansit sine amore et lumine, et cum merore permaximo.
14 Propter quod, cum anima ipsius dilecti presentiam non sentiret, anxiabatur et circuibat per silvam; merens et anxius, querebat amicum, qui se modicum dispensative absconderat; sed nullo modo nulloque loco Cristi Ihesu benedicti dulcissimos amplexus et suavia, ymmo beata oscula, sicut consueverat, invenire valebat. 15 Et hanc tribulationem per dies plurimos sustinuit, eiulans, suspirans et lacrimans. Cum autem ambularet die per dictam silvam, in qua ipsemet semitam fecerat ad pergendum, et sic afflictus et desolatus ibi sederet adherens uni fago, facie lacrimosa in celum erecta:
16 Ecce ille qui sanat contritos corde et alligat contritiones eorum (cfr. Ps 146,3)D. Ihesus Cristus apparuit in eadem semita, nichil tamen dicendo. 17 Quem cum fr. Iohannes recognosceret, statim se proiecit ad pedes ipsius; et gemitibus inenarrabilibus (cfr. Rom 8,26) exorabat et humillime supplicabat, ut sibi succurrere dignaretur:
18 “Quia sine te, Salvator dulcissime, maneo in tenebris et merore; sine te, agne mitissime, maneo in angustiis et terrore; sine te, Fili Dei Altissime, maneo in confusionibus et rubore! Nam sine te sum cunctis bonis expoliatus; 19 sine te, sum in tenebris excecatus, quia tu es, Ihesus, lux vera mentium; sine te sum perditus et dampnatus, quia tu es vita animarum et vita vitarum; sine te sum sterilis et aridus, quia tu es fons gratiarum et donorum; 20 sine te sum totaliter desolatus, quia tu es Ihesus, nostra redemptio, amor et desiderium, panis indeficiens et vinum letificans choros angelorum et corda sanctorum omnium. 21 Illumina me, magister gratiotissime et pastor piissime, quia sum ovicula tua, quamvis indigna”.
22 Et quia desiderium quod differtur ad maiorem accendit amorem, Cristus benedictus adhuc recessit, incedens per semitam supradictam, nichil penitus sibi loquendo. 23 Fr. vero Iohannes, videns quod Cristus benedictus recedebat et eum non exaudiebat, surgens iterum cum s. importunitate, sicut egenus et pauper (cfr. Ps 69,6)iterum cucurrit ad Cristum et, ad pedes eius humiliter se prosternens, cum lacrimis devotissimis exorabat, dicens: 24 “O Ihesu dulcissime, miserere mei, quoniam tribulor (cfr. Ps 30,10)! Exaudi me in multitudine misericordie tue et in veritate salutis tue (cfr. Ps 68,14)et redde michi letitiam salutaris tui (cfr. Ps 50,14); quia misericordia tua plena est terra (cfr. Ps 32,5; 118,64)tu scis quia vehementer tribulor! Rogo ergo quod anime mee obtenebrate succurras velociter”.
25 Et iterum Salvator recessit, nichil loquens fr. Iohanni, et in nullo consolans. Videbatur velle recedere, vadens per semitam antedictam, faciens sicut mater cum puerulo, ut desiderium eius amplius inflammaret, 26 que cum filio lactenti se substraxerit, et ille latentem flendo quesierit, et post fletum, amplexans et osculans, illum recipit, in maiori dulcedine ignoscit. 27 Unde fr. Iohannes, tertio insecutus Cristum Ihesum benedictum, lacrimando vehementer pergebat, sicut lactens post matrem et parvulus post patrem et humilis discipulus post magistrum misericordem. 28 Cum autem pervenisset ad eum, Cristus benedictus faciem suam gratiosam ad fr. Iohannem convertit et expandit venerabiles manus suas more sacerdotis quando se vertit ad populum.
29 Tunc fr. Iohannes vidit radios lucis mirabiles de sacratissimo pectore Cristi egredientes, non solum totam silvam illuminantes exterius, sed etiam corpus et animam replentes divinis splendoribus. 30 Unde statim fr. Iohannes fuit doctus quem actum humilem et reverentem deberet tenere cum Cristo. Nam statim proiecit se ad pedes eius. Cristus vero benedictus pedes illos sanctissimos sibi clementer exibuit, 31 ubi tot lacrimas fr. Iohannes effudit quod quasi videbatur altera Magdalena, rogans quod ad peccata eius non respiceret, sed per suam sanctissimam passionem et aspersionem sanguinis gloriosi animam eius ressuscitare in divini amoris gratiam dignaretur: 32 “Cum hoc sit tuum mandatum, ut te toto corde et totis nostris viribus diligamus (cfr.  Luc 10,27; Deut 6,4.5): quod mandatum sine tuo adiutorio nullus valet perficere; adiuva ergo me, amantissime Ihesu Criste, ut totis viribus amem te”.
33 Dum autem fr. Iohannes sic instanter oraret, ad pedes dulcissimi Ihesu iacens, tantam ibi recepit gratiam quod totus extitit renovatus et, sicut Magdalena, pacificatus et consolatus. 34 Et tunc fr. Iohannes, tante gratie donum sentiens, cepit gratias agere Domino et pedes eius humiliter osculari, erigendo se ut Salvatorem cum gratiarum actione respiceret. Cristus benedictus manus suas sanctissimas eidem exhibuit ad osculandum et expandit. 35 In ipsa vero apertione manuum fr. Iohannes, se erigens, accessit ad pectus D. Ihesu; et amplexatus est Ihesum, et Ihesus benedictus amplexatus est eum.
36 Et deosculans fr. Iohannes sacratissimum pectus Cristi, sensit tantum odorem divinum quod, si omnia aromata mundi congregarentur in unum, respectu illius odoris divini fetor putridus putaretur. 37 Et insuper de ipso pectore Salvatoris egrediebantur radii supradicti, illuminantes mentem interius et exterius omnia circumquaque. 38 Et in hoc amplexu et odore ac luminibus, in ipso beato pectore Ihesu Cristi fui raptus fr. Iohannes et totaliter consolatus et mirabiliter illustratus. 39 Nam ex tunc, quia de sacro dominici pectoris fonte potaverat; et dono sapientie et gratia verbi Dei repletus, verba miranda et superenarrabilia frequentius eructabat. 40 Et quia de ventre eius fluebant flumina aque vive (cfr. Ioa 7,38)que potaverat de abisso pectoris D. Ihesu Cristi, ideo mentes audientium immutabat et fructus mirabiles faciebat.
41 Ille insuper odor predictus et splendor, quem ibi persensit, per plures menses in ipsius anima perdurarunt; et, quod plus est, in dicta semita silve unde dominici pedes perrexerunt per amplum spatium circumquaque eumdem odorem et splendorem et multa tempora sentiebat. 42 Rediens autem ad se fr. Iohannes post raptum predictum, cum Cristus benedictus disparuisset, ipse postmodum semper consolatus et illuminatus remansit.
43 Et tunc non invenit humanitatem Cristi, sicut recitavit michi ille qui ab ore fr. Iohannis habuit; sed invenit animam suam in abisso divinitatis sepultam; et hoc est multis et manifestis testimoniis approbatum. 44 Nam coram Romana curia, et coram regibus et baronibus, et coram magistris et doctoribus tam profunda et alta lumina eructabat, quod omnes in stuporem mirabilem convertebat. 45 Cum ipse fr. Iohannes esset homo quasi sine litteris, tamen questiones subtilissimas de Trinitate et aliis Scripture misteriis mirabiliter declarabat.
46 Quod autem, ut superius patet, fr. Iohannes prius ad pedes Cristi cum lacrimis, postea ad manus cum gratiis et postea ad pectus beatum cum raptu et radiis susceptus, sunt magna misteria que non possent verbis brevibus explicari; 47 sed qui cupit hoc scire, legat Bernardum in Canticis Canticorum, qui hos gradus ibi ponit per ordinem: scilicet incipientium ad pedes, proficientium ad manus, perfectorum vero ad osculum et amplexum. 48 Quod vero Cristus benedictus nichil loquendo fr. Iohanni tantam gratiam contulit, docuit quod, sicut optimus pastor, magis studebat animam divinis sensibus interius pascere quam auribus carnis exterioribus sonis instrepere; 49 quia non in exterioribus sed in intimis est regnum Dei. Omnis enim gloria eius ab intus (cfr. Ps 44,14)dicit psalmista.
Ad laudem et gloriam D.n. Ihesu Cristi Amen.

Texto Traduzido

Caput XLIX

Como Cristo apareceu ao santo Frei João do Alver­ne e como ele foi arrebatado quando o abraçou.

 

1 Quão glorioso é o nosso muito bem-aventurado pai Francisco diante de Deus está claro nos filhos escolhidos que o Espírito Santo congregou na sua Ordem, de modo que os filhos sábios são ver­dadeiramente a glória de tão grande pai.
2 Entre eles, brilhou de maneira especial o santo Frei João de Fermo, que também é chamado Frei João do Alverne, que brilha no céu da Ordem como estrela notável pelo esplendor da graça. Pois ele, visto que em idade jovem trazia pela sabedoria um co­ração de ancião, desejava com todas as entranhas aprender o caminho da penitência que guarda a pureza do corpo e da mente. 4 Por isso, sendo ainda pequeno, usava cilício e argola de ferro na carne e car­regava a cada dia a cruz da abstinência, de modo que, enquanto morava em São Pedro de Fermo com os cônegos, antes de ter re­cebido o hábito dos frades de São Francisco, vivendo eles es­plendidamente, ele se refreava com o rigor de admirável abstinên­cia e celebrava entre as malícias o martírio da abstinência. 6 Mas, como tinha que suportar de muitas maneiras os obstáculos de seus companheiros ao seu esforço angelical, a ponto de o des­pirem do cilício e de lhe impedirem a abstinência, 7 ele, inspirado por Deus, pensou em abandonar o mundo com os que o amam e ofe­receu a flor de sua angélica juventude aos braços do Crucificado.
8 Como recebeu ainda menino o hábito dos frades meno­res e foi confiado a um mestre para aprender as coisas espirituais, algumas vezes, quando ouvia do mestre palavras divinas, 9 seu coração, como cera derretendo (cf. Sl 21,15), enchia-se de tanta suavidade da graça no homem interior que o homem exterior, obrigado a correr, andava rapidamente por toda parte, uma vez pelo jardim, outra pelo bosque, outra ainda pela igreja, conforme o impelia a chama interior.
10 E, no suceder do tempo, a graça divina elevou este homem angélico em diversos estados e em ações ordenadas para o alto. Às vezes , a graça divina arrebatava este homem admirá­vel aos esplendores dos querubins, à vezes ao fogo dos serafins, às vezes às alegrias dos anjos. 11 E, o que é mais, às vezes o acolhia como amigo íntimo aos ós­culos divinos e aos imensos abraços do amor de Cristo não so­mente em sabores interiores, mas também em sinais exteriores.
12 Por isso aconteceu-lhe certa ocasião que, pelo es­paço de bem três anos, inflamado pelo fogo do amor de Cristo, recebia consolações admiráveis e freqüentes vezes em tal ardor era arreba­tado para Deus. 13 Mas, porque Deus nutre especial cuidado por seus filhos, ora consolando-os na prosperidade, ora exercitando-os nas adversidades , enquanto o predito Frei João estava em certo lugar, foi-lhe subtraído esse raio e sua situação acesa: ficou sem amor e sem luz e com enorme tristeza
14 Por isso, como sua alma não sentia a presença do amado, inquietava-se e circulava pelo bosque; triste e ansioso, procurando o amigo que se escondera como se um pouco o tivesse dispensado. Mas, de modo algum e em lugar algum, podia encontrar os dulcíssimos e suaves abraços, ou melhor, os felizes ósculos de Jesus Cristo bendito, como costumava. 15 E suportou esta tribula­ção por muitos dias, lamentando, suspirando e chorando. No en­tanto, ao andar de dia por esse bosque, em que abrira uma trilha para caminhar, aflito e desolado sentou-se aí encostado numa faia, com o rosto lacrimoso erguido para o céu:
16 Apareceu então aquele que cura os contritos de coração e enfaixa as suas feridas (cf. Sl 146,3), o Senhor Jesus Cristo, no mesmo trilho, mas sem dizer nada. 17 Quando Frei João o reconheceu, jogou-se aos seus pés. E, com gemidos inexprimíveis (cfr. Rm 8,26) pedia-lhe e suplicava-lhe com a maior humildade que se dignasse socorre-lo.
18 "Porque sem vós, dulcíssimo Salvador, fico nas trevas e na tristeza; sem vós, cordeiro mansíssimo, fico em angústias e no terror; sem vós, Filho Altíssimo de Deus, fico em confusões e na vergonha! Pois, sem vós sou despojado de todos os bens; 19 sem vós, estou cego nas trevas, porque vós, Jesus, sois a luz verdadeira das mentes; sem vós, estou perdido e condenado, porque vós sois a vida das almas e a vida das vidas; sem vós, sou estéril e árido, porque vós sois a fonte das gra­ças e dos dons; 20 sem vós estou totalmente desolado, porque vós sois, Jesus, nossa redenção, amor e desejo, pão que não falta e vi­nho que alegra os coros dos anjos e os corações de todos os santos. 21 Iluminai-me, graciosíssimo mestre e piíssimo pastor, porque sou vossa ovelhinha, ainda que indigna”.
22 E porque o desejo adiado inflama para um amor maior, o Cristo bendito ainda se retirou, andando pela referida trilha, sem lhe dizer absolutamente nada. 23 E Frei João, vendo que o Cris­to bendito se retirava e não o atendia, levantando-se de novo com santa importunação, como pobre e indigente (cf. SI 69,6), correu outra vez até Cristo e, prostrando-se humildemente aos seus pés, com devotíssimas lágrimas suplicava, dizendo: 24 “Ó dulcís­simo Jesus, tem misericórdia de mim, porque estou atribulado! (cf. Sl 30,10). Atende-me pela grandeza de vossa misericórdia e pela verdade de vossa salvação (cf. Sl 68, 14), e restitui-me a ale­gria de vossa salvação (cf. Sl 50,14), porque a terra está cheia de vossa misericórdia (cf. Sl 32,5; 118,64); Sabes que estou intensamente atribulado! Portanto, rogo que socorras depressa minha alma mergulhada nas trevas”.
25 E o Salvador se retirou outra vez, sem dizer nada a Frei João, sem lhe dar nenhuma consolação. Parecia querer retirar-se, andando pela trilha, fazendo, para mais inflamar-lhe o desejo, como uma mãe com o filhinho: 26 ela se esconde do filho que está amamentando, e quando chora procurando a escondida, ela o acolhe depois do choro, abraçando-o e beijando-o, reconhecendo-o na maior doçura. 27 Por isso, Frei João, seguindo o Cristo Jesus ben­dito pela terceira vez, andava chorando intensamente, como a criança atrás da mãe e o pequeno atrás do pai e o humilde discí­pulo atrás do misericordioso mestre. 28 Quando chegou até ele, o Cristo bendito voltou sua gra­ciosa face para Frei João e estendeu suas mãos veneráveis, como faz o sacerdote quando se volta para o povo.
29 Então, Frei João viu admiráveis raios de luz que saíam do sacratíssimo peito de Cristo, não só iluminando por fora todo o bosque, mas também enchendo corpo e alma com os divinos esplendores. 30 Por isso, Frei João aprendeu imediatamente a atitude humilde e reverente que deveria ter para com o Cristo. Pois logo se jogou aos pés dele. E o Cristo bendito mostrou-lhe, cheio de cle­mência, aqueles santíssimos pés 31 em que Frei João derramou tan­tas lágrimas que quase parecia outra Madalena, rogando que não olhasse para os seus pecados, mas se dignasse ressuscitar sua alma para a graça do amor divino por sua santíssima paixão e pela aspersão do sangue glorioso: 32 "Como é este o teu manda­mento, que te amemos com todo o coração e com todas as nossas forças (cf. Lc 10,27; Dt 6,4.5), mandamento que sem vossa ajuda ninguém consegue cumprir, ajudai-me, portanto, amantíssimo Je­sus Cristo, para que eu vos ame com todas as forças”.
33 Enquanto Frei João assim orava com insistência, prostra­do aos pés do dulcíssimo Jesus, recebeu aí tanta graça que ficou todo renovado, pacificado e consolado, como a Madalena. 34 Então, Frei João, sentindo o dom de tão grande graça, começou a dar graças ao Senhor e a beijar-lhe humildemente os pés, levan­tando-se para olhar o Salvador com ação de graças. O Cristo bendito apresentou-lhe e estendeu suas santíssimas mãos para beijar. 35 Mas nessa abertura das mãos. Frei João, ao levantar-se, encos­tou-se no peito do Senhor Jesus; e abraçou Jesus, e Jesus bendi­to o abraçou.
36 E Frei João, beijando o sacratíssimo peito de Cristo, sentiu tão grande odor divino que, se todos os aromas do mundo se unissem em um, seriam julgados um fedor podre em comparação com aquele odor divino. 37 Além disso, do próprio peito do Salvador saíam os mencionados raios que interiormente iluminavam a mente e exteriormente iluminavam tudo ao redor. 38 E neste abraço, odor e luzes, no próprio peito bem-aventurado de Jesus Cristo, Frei João foi arrebatado, totalmente consolado e admiravelmente ilumina­do. 39 Pois, desde então, porque bebera da sagrada fonte do pei­to do Senhor e ficara repleto do dom da sabedoria e da graça da palavra de Deus, mais freqüentemente. proferia palavras admiráveis e inenarráveis. 40 E porque do seu ventre jorravam rios de água viva (cf. Jo 7,38), que ele bebera do abismo do peito do Senhor Jesus Cristo, transformava as mentes dos ouvintes e pro­duzia admiráveis frutos.
41 Além disso, o mencionado odor e o esplendor, que ali sentiu, perduraram por muitos meses na sua alma; e, o que é mais, na trilha do bosque em que os pés do Senhor andaram, ele sentia, num amplo espaço ao redor e por muito tempo, o mes­mo odor e esplendor. 42 Quando Frei João voltou a si depois do arrebatamento, como o Cristo bendito tinha desaparecido, ficou  sempre consolado e iluminado.
43 E então, não encontrou a humanidade de Cristo, como me contou aquele que o ouviu da boca de Frei João, mas encontrou a sua alma sepultada no abismo da divinda­de; e isto é comprovado por muitos e manifestos testemunhos. 44 Pois, diante da Cúria Romana, diante de reis e barões e diante de mes­tres e doutores, proferia tão profundas e altas luzes que convertia todos a admirável estupefação. 45 Posto que o próprio Frei João era um homem quase sem instrução, no entanto, esclarecia admira­velmente as questões mais sutis sobre a Trindade e outros misté­rios da Escritura.
46 Mas que, como ficou demonstrado acima, Frei João foi primeiro recebido aos pés de Cristo com lágrimas, depois às mãos com graças e depois ao peito beato com arrebatamento e raios, são grandes mistérios que não poderiam ser explicados com bre­ves palavras; 47 mas quem desejar saber isto leia Bernardo sobre o Cânticos dos Cânticos, porque ali ele expõe esses graus em ordem: o dos iniciantes nos pés, o dos que progri­dem nas mãos e o dos perfeitos no ósculo e no abraço. 48 O fato de o Cristo bendito ter dado tão grande graça a Frei João sem dizer nada, em nada falando a Frei João, ensina que, como um ótimo pastor, tratava mais de apascentar a alma interiormente com os sentidos divinos do que de encher de barulho os ouvidos da carne com sons exte­riores; 49 porque o reino de Deus não está nas coisas exteriores, mas nas mais íntimas. Pois diz o salmista:toda a sua glória vem de dentro (cf. Sl 44,14).
Para o louvor e glória de Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.