Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 10

Texto Original

Caput X

Qualiter praedixit sex sociis suis omnia quse ventura erant illis euntibus per mundum, exhortans eos ad patientiam.

 

36. 
1 Sanctus autem Franciscus, cum iam plenus esset gratia Spiritus sancti (cfr. Act 6,5.8), convocans ad se dictos sex fratres praedixit illis quae ventura erant. 
2 “Consideremus, inquit, fratres carissimi vocationem nostram qua misericorditer vocavit nos Deus, non tantum pro nostra sed pro multorum salute, ut eamus per mundum exhortando omnes plus exemplo quam verbo ad agendam poenitentiam de peccatis suis et habendam memoriam mandatorum Dei. 
3 Nolite timere quia pusilli (cfr. Luc 12,32) et insipientes videmini, sed secure annuntiate simpliciter poenitentiam, confidentes in Domino qui vicit mundum (cfr. Ioa 16,33) quod spiritu suo loquitur per vos et in vobis (cfr. Mat 10,20) ad exhortandum omnes ut convertantur ad ipsum et eius mandata observent. 
4 “Invenietis autem quosdam homines fideles, mansuetos et benignos, qui cum gaudio vos et verba vestra recipient, aliosque plures, infideles, superbos et blasphemos (cfr. 2Timm 3,2), qui exprobrantes resistent vobis et his quae dicetis. 
5 Ponite ergo in cordibus vestris patienter et humiliter omnia tolerare”. 
6 Cumque fratres haec audissent, timere coeperunt. 
7 Ad quos sanctus ait: “Nolite timere quoniam non post multum tempus venient ad nos multi sapientes et nobiles (cfr. 1Cor 1,26), eruntque nobiscum praedicantes regibus et principibus et populis multis. 
8 Multi vero convertentur ad Dominum qui per universum mundum multiplicabit suam familiam et augebit”.

 

37. 
1 Et cum haec dixisset illis ac benedixisset, abierunt viri Dei devote eius monita observantes. 
2 Cum autem inveniebant aliquam ecclesiam sive crucem, inclinabant se ad orationem et devote dicebant: “Adoramus te Christe et benedicimus tibi propter omnes ecclesias tuas quae sunt in universo mundo, quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum”. 
3 Credebant enim semper invenire locum Dei ubicumque crucem vel ecclesiam invenissent. 
4 Quicumque autem eos videbant plurimum mirabantur eo quod habitu et vita dissimiles erant omnibus et quasi silvestres homines videbantur. 
5 Quocumque vero intrabant, civitatem scilicet vel castellum aut villam vel domum, annuntiabant pacem (cfr. Luc 8,1; 10,5), confortantes omnes ut timerent et amarent creatorem caeli et terrae eiusque mandata servarent. 
6 Quidam libenter eos audiebant, alii e contrario deridebant; plerique eos quaestionibus fatigabant, quibusdam dicentibus: “Unde estis?”, aliis quaerentibus quis esset ordo ipsorum. 
7 Quibus, licet esset laboriosum tot quaestionibus respondere, simpliciter tamen confitebantur quod erant viri poenitentiales de civitate Assisii oriundi. 
8 Nondum enim ordo eorum dicebatur religio.

 

38. 
1 Multi vero eos deceptores vel fatuos iudicabant et nolebant eos recipere in domum suam, ne tanquam fures res suas furtim auferrent. 
2 Propterea in multis locis, post illatas eis multas iniurias, hospitabantur in ecclesiarum porticibus vel domorum. 
3 Eodem tempore duo ex ipsis erant Florentiae qui per civitatem mendicantes hospitium non poterant invenire. 
4 Venientes autem ad quamdam domum habentem porticum et in porticu clibanum, dixerunt ad invicem: “Hic poterimus hospitari”. 
5 Rogantes ergo dominam domus ut eos reciperet intra domum et illa hoc facere recusante, dixerunt humiliter ut saltem iuxta clibanum permitteret eos quiescere illa nocte. 
6 Hoc autem concesso per illam, venit vir eius et invenit eos in porticu, et advocans uxorem dixit illi: “Quare istis ribaldis hospitium in nostra porticu contulisti?”. 
7 Respondit illa quod noluerat eos in domum recipere sed eis concesserat extra in porticu iacere, ubi non poterant nisi ligna furari. 
8 Noluit ergo vir quod daretur eis aliquod tegumentum, licet esset tunc magnum frigus, quia putabat eos esse ribaldos et fures. 
9 Illa autem nocte, cum usque ad matutinum satis sobrio somno iuxta clibanum quievissent calefacti solo calore divino et cooperti tegumento dominae paupertatis, iverunt ad viciniorem ecclesiam pro matutinali officio audiendo.

 

39. 
1 Et mane facto ivit illa mulier ad eamdem ecclesiam, et videns ibidem fratres illos in oratione devote persistere, dixit intra se: “Si homines isti essent ribaldi et fures, ut vir meus dicebat, non sic in oratione persisterent reverenter”. 
2 Cumque haec cogitaret, ecce vir quidam, Guido nomine, pauperibus in ipsa ecclesia manentibus eleemosynam tribuebat. 
3 Qui cum venisset ad fratres et vellet dare cuilibet eorum pecuniam sicut dabat aliis, recusaverunt illi pecuniam et accipere noluerunt. 
4 At ille dixit eis: “Quare vos, cum sitis pauperes, non accipitis denarios sicut alii?”. 
5 Respondit frater Bernardus: “Verum est quod pauperes sumus, sed nobis non est ita gravis paupertas sicut aliis pauperibus: nam per Dei gratiam, cuius consilium implevimus, voluntarie pauperes facti sumus”. 
6 Admirans vir ille super his et interrogans eos si unquam aliquid possedissent, audivit ab eis quod multa possederant, sed amore Dei omnia pauperibus dederant. 
7 Hic namque qui sic respondit fuit ille frater Bernardus, a beato Francisco secundus, quem sanctissimum patrem hodie veraciter credimus. 
8 Qui primo pacis et poenitentiae legationem amplectens post sanctum Dei cucurrit, venditis omnibus quae habebat et erogatis pauperibus (cfr. Luc 18,22) secundum perfectionis evangelicae consilium, perseverans usque in finem in sanctissima paupertate. 
9 Considerans ergo dicta mulier quod fratres denarios noluissent, accedens ad eos dixit quod libenter eos reciperet intra domum suam si vellent illuc accedere gratia hospitandi.
10 Cui fratres humiliter re-sponderunt: “Dominus tibi retribuat (cfr. 2Re 2,6) pro bona voluntate”. 
11 Praedictus autem vir, audiens quod fratres non potuetant invenisse hospitium, duxit eos in domum suam dicens: “Ecce hospitium vobis a Domino praeparatum. Manete in eo secundum beneplacitum vestrum”. 
12 At illi, gratias Deo agentes, manserunt apud illum diebus aliquot, aedificando eum tam exemplo quam verbo in timore Domini, ita quod postea multa pauperibus erogavit.

 

40. 
1 Licet autem sic benigne tractarentur ab isto, apud alios tamen intantum vilissimi habebantur ut multi, parvi et magni, exprobarent et iniuriarentur eis, auferentes illis quandoque etiam vestimenta vilissima quae habebant. 
2 Cumque servi Dei remanerent nudi, quia secundum formam evangelii unam tantum tunicam (cfr. Mat 10,10) portabant, non repetebant ablata sibi restitui. 
3 Si qui vero, pietate moti, reddere volebant eis ablata, libenter recipiebant. 
4 Quidam autem lutum super eos iactabant, alii vero ponentes taxillos in manibus eorum invitabant ipsos si ludere volebant, alii capientes capucia eorum a tergo post dorsum suum sic suspensos eos portabant. 
5 Haec et similia faciebant illis, reputantes eos tam viles quod audacter affligebant eos sicut volebant. 
6 Insuper, infame et siti et frigore et nuditate (cfr. 1Cor 11,27) immensas tribulationes et angustias tolerabant. 
7 Quae omnia constanter et patienter, ut a beato Francisco fuerant moniti, sustinentes non tristabantur nec turbabantur nec maledicebant inferentibus eis mala. 
8 Sed, sicut viri perfecte evangelici et in magno lucro positi, exultabant vehementer in Domino, omne gaudium existimantes cum in tentationes et tribulationes huiusmodi incidebant (cfr. Iac 1,2), atque, iuxta verbum evangelii, pro suis persecutoribus orabant (cfr. Mat 5,44) sollicite et ferventer.

Texto Traduzido

Caput X

Como predisse a seus seis companheiros o que aconteceria quando fossem pelo mundo, exortando-os à paciência.

 

36. 
1 Já repleto da graça do Espírito Santo, São Francisco chamou a si os referidos seis irmãos e lhes predisse o que haveria de acontecer. 
2 “Consideremos, irmãos caríssimos, a nossa vocação, pela qual Deus nos chamou com misericórdia, não só para a nossa salvação, mas para a de muitos, a fim de irmos pelo mundo, exortando a todos, mais com o exemplo que com a palavra, a fazer penitência de seus pecados e lembrar-se dos mandamentos de Deus. 
3 Não tenhais medo por parecerdes poucos e ignorantes, mas com firmeza e simplicidade anunciai a penitência, confiando no Senhor, que venceu o mundo, porque por seu Espírito falará por meio de vós e em vós para exortar a todos que se convertam a Ele e observem seus mandamentos. 
4 “Encontrareis alguns homens fiéis, mansos e bondosos, que com alegria receberão a vós e as vossas palavras, e muitos outros sem fé, soberbos e blasfemos, que, injuriando-vos, resistirão a vós e a tudo aquilo que disserdes. 
5 Ponde, pois, em vossos corações tolerar tudo com paciência e humildade”. 
6 Ouvindo isso, os frades começaram a ter medo. 
7 Disse-lhes o santo: “Não temais, porque não passará muito tempo e virá a nós um grande número de sábios e nobres, que ficarão conosco pregando aos reis e aos príncipes e a incontáveis povos. 
8 Muitos converter-se-ão ao Senhor, e pelo mundo inteiro multiplicará e aumentará a sua família”.

 

37. 
1 Tendo-lhes dito isso, abençoou-os. E os homens de Deus foram devotamente, e observando suas advertências. 
2 Quando encontravam alguma igreja ou cruz, ajoelhavam-se para rezar e devotamente diziam: “Nós te adoramos, ó Cristo, e te bendizemos, por causa de todas as tuas igrejas que estão no mundo inteiro, porque pela tua santa cruz remiste o mundo”. 
3 Pois achavam que estavam sempre encontrando um lugar de Deus onde quer que encontrassem uma cruz ou uma igreja. 
4 Todos que os viam admiravam-se muito porque, no hábito e no modo de viver eram tão diferentes dos outros e quase pareciam homens do mato. 
5 Onde quer que entrassem, fosse cidade ou aldeia, povoado ou casa, anunciavam a paz, exortando a todos para que temessem e amassem o Criador do céu e da terra e observassem seus mandamentos. 
6 Uns, de boa vontade, os escutavam, outros, ao contrário, riam-se deles; muitos os cansavam interrogando-os: “De onde sois?” Outros perguntavam que Ordem seria a deles. 
7 Embora lhes custasse muito responder a todas essas perguntas, com simplicidade confessavam que eram homens de penitência, oriundos da cidade de Assis. 
8 Pois sua ordem ainda não se chamava religião.

 

38. 
1 Muitos os julgavam enganadores e loucos e não queriam admití-los em casa para que, como ladrões, tirassem furtivamente as suas coisas. 
2 Por este motivo, em muitos lugares, após terem recebido um sem-número de injúrias, abrigavam-se sob os pórticos das igrejas ou das casas. 
3 Nesse mesmo tempo, dois deles estavam em Florença, onde tinham percorrido a cidade mendigando mas não tinham conseguido onde se hospedar. 
4 Chegando a certa casa que tinha um pórtico, e dentro do pórtico um forno, disseram: -- “Aqui poderemos hospedar-nos”. 
5 Pediram à dona da casa que os recebesse dentro de casa, mas como ela recusasse, rogaram humildemente que pelo menos lhes permitisse descansar por aquela noite junto ao forno. 
6 Isso foi concedido por ela, mas o marido chegou e encontrando-os no pórtico. Chamou a esposa e lhe disse: -- :Por que Ela consentiu. Mas chegou o marido e os encontrou no pórtico e chamando a mulher disse-lhe: “Por que deste hospedagem em nosso pórtico a estes vagabundos?” 
7 Ela respondeu que não quisera recebê-los em casa, mas lhes concedera que ficassem no pórtico, onde nada podiam roubar a não ser a lenha. 
8 Não quis o marido que lhes fosse dado qualquer agasalho, embora fizesse frio intenso naquele tempo, porque julgava que fossem vagabundos e ladrões. 
9 Naquela noite, tendo repousado até o alvorecer junto ao forno, com um sono breve e sóbrio, só aquecidos pelo calor divino e cobertos com o manto da Senhora Pobreza, foram para a igreja mais próxima para ouvir o ofício da manhã.

 

39. 
1 Na mesma manhã, aquela mulher foi por acaso à igreja e vendo ali aqueles irmãos persistindo tão devotamente na oração, pensou consigo: -- “Se esses homens fossem vagabundos e ladrões, como meu marido disse, não ficariam assim aqui rezando reverentemente”. 
2 Enquanto pensava isso, um homem, chamado Guido, distribuía esmola aos pobres que permaneciam naquela igreja. 
3 Quando chegou aos frades e quis dar a cada um uma moeda, como dava aos outros, eles se recusaram e não quiseram receber o dinheiro. 
4 Ele lhes disse: -- “Por que vós, sendo pobres, não recebeis dinheiro como os outros?” 
5 Respondeu Frei Bernardo: -- “É verdade que somos pobres, mas para nós a pobreza não pesa tanto como para os outros pobres, pois por graça de Deus, cujo desígnio estamos cumprindo, nos fizemos pobres voluntariamente”. 
6 O homem ficou admirado do que ouvia e perguntou-lhes se já tinham possuído algo. Responderam-lhe que haviam possuído muitas coisas, mas por amor de Deus tinham dado tudo aos pobres. 
7 Esse que assim respondeu foi aquele Frei Bernardo, segundo depois do bem-aventurado Francisco, que hoje acreditamos ser um pai santíssimo. 
8 Foi o primeiro que abraçou a delegação da paz e da penitência e correu atrás do santo de Deus, tendo vendido tudo que tinha e dado aos pobres segundo o conselho da perfeição evangélica, e perseverando até o fim na santíssima pobreza. 
9 A referida mulher, vendo que os irmãos não haviam aceito o dinheiro, aproximando-se disse-lhes que de boa vontade os receberia em sua casa, se quisessem ir lá para se hospedar. 
10 Os irmãos humildemente responderam: “Deus te recompense pela boa vontade”. 
11 Mas o referido varão, ouvindo que os irmãos não haviam podido encontrar hospedagem, levou-os para sua casa, dizendo: -- “Eis a hospedagem preparada por Deus para vós. Ficai aqui conforme vos aprouver”. 
12 Mas eles, dando graças a Deus, permaneceram junto dele alguns dias, edificando-o por seu exemplo e palavra, no temor de Deus, de maneira que, depois, ele deu muitas esmolas aos pobres.

 

40. 
1 Mas ainda que tenham sido tratados bondosamente por esse, por outros eram tidos como vilíssimos, de modo que muitos, pequenos e grandes, os reprovavam e injuriavam, tirando deles, às vezes, até as roupas paupérrimas que tinham. 
2 Como os servos de Deus ficavam nus, porque só vestiam uma túnica, conforme o conselho do santo Evangelho, não reclamavam que devolvessem o que tinham tirado. 
3 Mas se alguns, movidos pela piedade, queriam devolver-lhes o que tinham levado, eles as recebiam de boa vontade.
4 Alguns jogavam barro neles; outros, pondo dados nas suas mãos, convidavam-nos a jogar; outros, agarrando-os pelo capuz, carregavam-nos suspensos nas costas. 
5 Faziam-lhes estas e outras coisas semelhantes, considerando-os tão desprezíveis, que ousadamente os atormentavam como queriam. 
6 Além disso, na fome e na sede, no frio e na nudez, toleravam tribulações e angústias imensas. 
7 Suportavam tudo isto com paciência e constância, como tinham sido aconselhados pelo bem-aventurado Francisco, sem se entristecer, nem se perturbar, nem amaldiçoar os que os maltratavam. 
8 Mas como homens perfeitamente evangélicos, resolvidos a conseguir grande lucro, exultavam fortemente no Senhor, tendo toda alegria quando se encontravam nessas tentações e tribulações, e, de acordo com a palavra do Evangelho, rezavam solicita e fervorosamente por seus perseguidores.