Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XLII

Texto Original

CAPITOLO XLII

Di belli miracoli, che fece Iddio per li Santi Frati, Frate Bentivoglia, Frate Pietro da Monticello, Frate Currado da Offida: e come Frate Bentivoglia portò un lebbroso quindici miglia in pochissimo tempo; e all’altro parlò S. Michele; e al l’altro venne

 

La Provincia della Marca d’Ancona fu anticamente, a modo ch’l cielo di stelle, adornata di santi ed esemplari Frati; li quali, a modo che luminari di cielo hanno alluminato e adornato l’Ordine di Santo Francesco e il mondo con esempli e con dottrina. Tra gli altri furono in prima Frate Lucido Antico, il quale fu veramente lucente per santitade, ardente per caritade divina; la cui gloriosa lingua informata dallo Spirito Santo, facea maravigliosi frutti in predicazioni. Un altro fu Frate Benivoglia da Santo Severino, il quale fu veduto da Frate Masseo essere levato in aria per grande spazio, istando egli in orazione nella selva; per lo quale miracolo il devoto Frate Masseo, essendo allora Piovano, lasciò il Piovanato, e fecesi Frate Minore; e fu di tanta santitade, che fece molti miracoli in vita e in morte, ed è riposto il corpo suo a Murro. Il sopraddetto Frate Bentivoglia, dimorando una olta a Trave Bonanti solo, a guardare e a servire un lebbroso, essendogli in comandamento del Prelato di partirsi indi e andare ad un altro luogo, lo quale era di lungi quindici miglia, non volendo abbandonare quello lebbroso, con grande fervore i caritade sì lo prese e puoselosi in sulla spalla, e portollo dalla aurora insino al levare del sole tutta quella via di quindici miglia, insino al detto luogo dov’elli era mandato, che si chiamava Monte Sancino; il quale viaggio, se fusse istato aquila, non avrebbe potuto in così poco tempo volare: e di questo divino miracolo fu grande istupore, e ammirazione in tutto quello paese. Un altro fu Frate Pietro da Monticello, il quale fu veduto da Frate Servodio d’Urbino (allora essendo Guardiano nel luogo vecchio d ‘Ancona) levato da terra corporalmente cinque, ovvero sei braccia, insino appiè del Crocifisso della chiesa, dinanzi al quale stava in orazione. E questo Frate Pietro, digiunando una volta la quaresima di S. Michele Arcangelo con grande divozione, e l‘ultimo dì di quella Quaresima istandosi in chiesa in orazione, fu udito da uno Frate giovane (il quale istudiosamente istava nascoso sotto l’altare maggiore, per vedere qualche atto della sua santitade) parlare con Santo Michele Arcangelo; e le parole che diceano, erano queste. Diceva Santo Michele: Frate Pietro, tu ti se’ affaticato fedelmente per me, e in molti modi hai afflitto il tuo corpo: ecco io sono venuto a consolarti, e acciocchè tu domandi qualunque grazia tu vuogli, e io te la voglio impetrare da Dio. Rispondea Frate Pietro: Santissimo Prencipe della milizia celestiale, e fedelissimo zelatore dello amore divino, e piatoso protettore delle anime, io t’addomando questa grazia; che tu m’impetri da Dio la perdonanza delli miei peccati. Rispuose Santo Michele: Chiedi altra grazia, che questa t’accatterò io agevolissimamente. E Frate Pietro non comandando nessuna altra cosa; e l’Arcangelo conchiuse: Io per la fede e divozione, la quale tu hai in me, ti procaccio cotesta grazia, che tu addimandi, e molte altre. E compiuto il loro parlare, il quale durò per grande ispazio, l’Arcangelo Santo Michele si partì, lasciandolo sommamente consolato. Al tempo di questo santo Frate Pietro, fu il santo Frate Currado da Offida; il quale essendo insieme di famiglia nel luogo di Forano nella custodia d’Ancona, il detto Frate Currado se ne andò un dì nella selva a contemplare di Dio, e Frate Pietro segretamente andò dietro a lui, per vedere ciò che gli addivenisse. E Frate Currado cominciò a stare in orazione a pregare divotissimamente la Vergine Maria con grande pietà, ch’ella gli accattasse questa grazia dal suo benedetto Figliuolo, ch’egli sentisse un poco di quella dolcezza, la quale sentì Santo Simeone il dì della Purificazione, quand’elli portò in braccio Gesù Salvatore benedetto. E fatta questa orazione, lei; misericordiosa Vergine Maria lo esaudì. Eccoti, ch’apparve la Reina del cielo col suo Figliuolo benedetto in braccio, con grandissima chiarità di lume e appressandosi a Frate Currado, sì gli puose in braccio quello benedetto Figliuolo, il quale egli ricevendo divotissimamente abbracciandolo e baciandolo, e strignendolosi al petto, tutto si struggeva e risolvea in amore divino, e inesplicabile consolazione: e Frate Pietro simigliantemente, il quale dil nascoso vedea ogni cosa, sentie nell’anima sua grandissima dolcezza e consolazione. E partendo la Vergine Maria da Frate Currado, Frate Pietro in fretta si ritornò al luogo, per non esser veduto da lui: ma poichè quando Frate Currado tornava tutto allegro e giocondo, gli disse Frate Pietro: O cielico, grande consolazione hai avuto oggi. Dicea Frate Currado: Che è quello che tu dici, Frate Pietro? e che sai tu quello che io m’abbia avuto? 
Ben so io, ben so, dicea Frate Pietro, come la Vergine Maria col suo benedetto Figliuolo t’ha visitato. Allora Frate Currado; il quale, come veramente umile, disiderava d’essere segreto nelle grazie di Dio; sì lo pregò, che non lo dicesse a persona, e fu si grande l’amore d’allora innanzi infra loro due, che un cuore e una anima parea che fusse infra loro in ogni cosa. E ‘l detto Frate Currado una volta, nel luogo di Siruolo, colle sue orazioni liberò una femmina indemoniata, orando per lei tutta una notte, e apparendo alla madre sua, la mattina si fuggì, per non essere trovato e onorato dal popolo.

Texto Traduzido

CAPITOLO XLII

Dos belos milagres que Deus fez pelos santos frades, Frei Bentivoglia, Frei Pedro de Monticello e Frei Conrado de Ofida e como Frei Bentivoglia levou um leproso por quinze milhas em muito pouco tempo, e a outro falou São Miguel, e para um outro, a Virgem

 

A província de Marca de Ancona foi adornada antigamente, como o céu de estrelas, por frades santos e exemplares que, como luminares no céu, iluminaram e a adornaram a Ordem de São Francisco e o mundo com exemplos e com doutrina. Entre outros, destacou-se primeiro Frei Lúcido antigo, que foi verdadeiramente luminoso pela santidade e ardente pela caridade divina. Sua gloriosa língua, formada pelo Espírito Santo, fazia frutos maravilhosos na pregação. 
Um outro foi Frei Bentivoglia de San Severino, que Frei Masseo de San Severino viu ser levantado no ar por grande espaço de tempo quando estava em oração no bosque. Por esse milagre, o devoto Frei Masseo, sendo então pároco, deixou sua paróquia, fez-se frade Menor, e foi tão santo que fez muitos milagres em vida e depois de morto. E seu corpo repousa em Murro. 
O sobredito Frei Bentivoglia, morava uma vez sozinho em Trave Bonanti, a vigiar e servir um leproso. Como o prelado mandou que saísse daí e fosse para outro lugar, que estava a quinze milhas de distância, não querendo abandonar o leproso, com grande fervor de caridade pegou-o, colocou-o nas costas e o carregou desde a aurora até o levantar do sol por todo aquele caminho de quinze milhas, até o referido lugar, aonde tinha sido mandado, que se chamava Monte Sancino. Mesmo que fosse águia não poderia ter feito essa viagem em tão pouco tempo. Foi grande o estupor e admiração por esse milagre divino, em toda aquela região. 
Um outro foi Frei Pedro de Monticello, que foi visto por Frei Servódio de Urbino (que então era guardião do antigo lugar de Ancona) levantado da terra corporalmente cinco ou seis braças, até o pé do crucifixo da igreja, diante do qual estava em oração. E esse Frei Pedro, jejuando uma vez na quaresma de São Miguel Arcanjo, com grande devoção, e estando no último dia da quaresma em oração na igreja, foi ouvido por um frade jovem, que estava escondido a propósito embaixo do altar mor para ver algum ato da sua santidade, e ouviu que estava falando com São Miguel Arcanjo, e as palavras que diziam eram estas. Disse São Miguel: “Frei Pedro, tu te cansaste fielmente por mim, e afligistes de muitos modos o teu corpo. Eis que eu vim para te consolar, de modo que tu peças qualquer graça queiras e eu a vou impetrar de Deus por ti”. Frei Pedro respondeu: “Santíssimo príncipe da milícia celestial e fidelíssimo zelador do amor divino, e piedoso protetor das almas, eu te peço esta graça, que tu me impetres diante de Deus o perdão de meus pecados”. Respondeu São Miguel: “Pede outra graça, porque essa eu já vou te conseguir com muita facilidade”. E como Frei Pedro não lhe pediu nenhuma outra coisa, o Arcanjo concluiu: “Eu, pela fé e devoção que tens em mim, te consigo essa graça que pedes e muitas outras”. E quando acabaram de falar, o que durou um bom tempo, o arcanjo São Miguel foi embora, deixando-o sumamente consolado. 
No tempo desse santo Frei Pedro, viveu o santo Frei Conrado de Offida, que, estando junto, de família, no lugar de Forano, da custódia de Ancona, um dia o dito Frei Conrado foi para o bosque contemplar Deus, e Frei Pedro foi secretamente atrás dele, para ver o que lhe ia acontecer. E Frei Conrado começou a ficar em oração e a rezar muito devotamente à Virgem Maria com grande piedade, que ela lhe conseguisse esta graça do seu bendito Filho, que ele sentisse um pouco daquela doçura que São Simeão sentiu no dia da Purificação, quando carregou nos braços Jesus Salvador bendito. 
E, feita essa oração, a misericordiosa Virgem Maria o atendeu: eis que apareceu a Rainha do céu com seu Filho bendito nos braços, com a luz de uma enorme claridade. E, aproximando-se de Frei Conrado, colocou-lhe nos braços aquele bendito Filho, que, ao receber, abraçando-o e beijando-o e apertando-o no peito, se derretia e consumia inteiro em amor divino e em inexplicável consolação. E Frei Pedro semelhantemente, o qual via tudo escondido, sentiu na sua alma uma enorme doçura e consolação. E quando a Virgem Maria se afastou de Frei Conrado, Frei Pedro voltou depressa para o lugar, para não ser visto por ele. Mas, quando Frei Conrado estava voltando todo alegre e feliz, disse-lhe Frei Pedro: “Ó cidadão do céu, tiveste hoje uma grande consolação”. E então Frei Conrado disse: “Que estás dizendo, Frei Pedro? E que sabes do que aconteceu comigo?”. “Bem que eu sei, bem que eu sei, dizia Frei Pedro, como a Virgem te visitou com o seu bendito filho”. Então Frei Conrado, que como verdadeiro humilde desejava ficar em segredo nas graças de Deus, pediu-lhe que não dissesse nada a ninguém. E foi tão grande o amor entre os dois depois disso, que parecia que tinham um só coração e uma só alma em todas as coisas. 
E o dito Frei Conrado, uma vez, no lugar de Sirolo, libertou com suas orações uma mulher endemoninhada, orando por ela durante toda a noite e aparecendo para sua mãe; de manhã, fugiu para não ser encontrado e honrado pelo povo. 
Para louvor de Jesus Cristo e do pobrezinho Francisco. Amém.