Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 12

Texto Original

Caput XII

Qualiter beatus Franciscus cum undecim sociis ivit ad curiam papae ut notificaret ei suum propositum et faceret confirmari regulam quam scripserat.

 

46. 
1 Videns autem beatus Franciscus quod Dominus fratres suos numero et merito augmentaret, cum iam essent duodecim viri perfectissimi sentientes idipsum, dixit illis undecim, ipse duodecimus dux et pater eorum: “Video, fratres, quod Dominus congregationem nostram vult misericorditer augmentare. 
2 Euntes ergo ad matrem nostram sanctam romanam ecclesiam, notificemus summo pontifici quae Dominus per nos facere coepit, ut de voluntate et praecepto ipsius quod coepimus prosequamur”. 
3 Cumque placuisset aliis fratribus dictum patris et simul cum eo iter arripuissent ad curiam, dixit eis: 
4 “Faciamus unum ex nobis ducem nostrum et habeamus ipsum quasi vicarium Iesu Christi ut quocumque declinare voluerit declinemus, et quando hospitari voluerit hospitemur”. 
5 Et elegerunt fratrem Bernardum, primum post beatum Franciscum, et sicut pater dixerat servaverunt. 
6 Gaudentes igitur ibant et verba Domini loquebantur, non audentes aliquid loqui nisi quod ad laudem et gloriam Dei et ad utilitatem animae pertinebat, et frequenter orationi vacabant. 
7 Dominus autem semper eis praeparabat hospitium, faciens illis necessaria ministrari.

 

47. 
1 Cum autem venissent Romam et invenissent ibi episcopum civitatis Assisii, ab ipso cum ingenti gaudio sunt suscepti, nam Beatum Franciscum et omnes fratres speciali venerabatur affectu. 
2 Nesciens tamen causam adventus eorum, coepit turbari, timens ne patriam propriam vellent deserere, in qua Dominus per eos coeperat mirabilia operari. 
3 Gaudebat enim vehementer tantos viros in suo episcopatu habere, de quorum vita et moribus maxime praesumebat. 
4 Sed audita causa eorumque intellecto proposito gavisus est valde, spondens eis ad hoc consilium et iuvamen. 
5 Erat autem idem episcopus notus cuidam cardinali episcopo Sabinensi, qui dicebatur dominus Iohannes de Sancto Paulo, vere gratia Dei plenus, diligens plurimum servos Dei. 
6 Huic praefatus episcopus patefecerat vitam beati Francisci et fratrum suorum, propter quod ipse affectabat videre virum Dei et aliquos de fratribus suis. 
7 Audiens autem quod essent in Urbe, misit pro illis et suscepit eos cum magna reverentia et amore.

 

48. 
1 Paucis vero diebus morantes cum ipso, ita aedificaverunt eum sanctis sermonibus et exemplis, quod videns in opere fulgere quod de ipsis audieràt, recommendavit se eorum orationibus humiliter et devote, petivit etiam de gratia speciali quod volebat ex tunc sicut unus de fratribus reputari. 
2 Denique interrognas beatum Franciscum quare venisset, et audiens ab eo totum suum propositum et intentum, obtulit se procuratorem suum in curia. 
3 Perrexit ergo ad curiam dictus cardinalis et dixit domino papae Innocentio tertio: “Inveni virum perfectissimum qui vult secundum formam sancti evangelü vivere et evangelicam perfectionem in omnibus observare, per quem credo quod Dominus velit in toto mundo fidem sanctae ecclesiae reformare”. 
4 Quod audiens, dominus papa miratus est valde et eidem cardinali imposuit ut ad se duceret beatum Franciscum.

 

49. 
1 Sequenti ergo die, vir Dei a dicto cardinali est coram summo pontifice praesentatus, cui totum suum sanctum propositum patefecit. 
2 Ipse vero pontifex, cum esset discretione praecipua praeditus, votis sancti debito modo assensit, et exhortans ipsum ac fratres suos de multis, benedixit eis dicens: “Ite cum Domino, fratres, et sicut ipse vobis inspirare dignabitur omnibus poenitentiam praedicate. 
3 Cum autem omnipotens Deus vos multiplicaverit numero maiori et gratia, referetis nobis, et nos plura his concedemus ac maiora vobis securius committemus”. 
4 Volens autem dominus papa scire utrum concessa et concedenda essent secundum Domini voluntatem, priusquam sanctus ab ipso recederet, dixit ei et sociis: 
5 “Filioli nostri, vita vestra videtur nobis nimis dura et aspera, licet enim credamus vos esse tanti fervoris quod de vobis non oporteat dubitare, tamen considerare debemus pro illis qui secuturi sunt vos, ne haec via nimis ipsis aspera videatur”. 
6 Cumque videret eorum fidei constantiam et anchoram spei firmissime roboratam in Christo, ita ut nollent a suo fervore divertere, dixit beato Francisco: 
7 “Fili, vade et ora Deum ut tibi revelet si id quod quaeritis de sua voluntate procedit, quatenus nos scientes Domini voluntatem, tuis desideriis annuamus”.

 

50. 
1 Orante itaque sancto Dei, sicut ei suggesserat dominus papa, locutus est ei Dominus in spiritu per similitudinem dicens: “Quaedam mulier paupercula et formosa erat in quodam deserto, cuius pulchritudinem rex quidam magnus admirans concupivit eam accipere in uxorem, quia putabat ex ipsa pulchros filios generare”. 
2 “Contracto autem et consummato matrimonio, multi filü sunt geniti et adulti, quos mater sic alloquitur dicens: “Filü, nolite verecundari quia filii regis estis. 
3 Ite ergo ad curiam eius et ipse vobis omnia necessaria ministrabit”. 
4 Cum ergo venissent ad regem, miratus est rex eorum pulchritudinem, vidensque in eis suam similitudinem dixit illis: “Cuius estis filii?”. 
5 “Cui cum respondissent se esse filios mulieris pauperculae in deserto morantis, rex cum magno gaudio amplexatus est eos dicens: “Nolite timere (cfr. Luc 12,32; Mat 14,27) quia filii mei estis. 
6 Si enim de mensa mea nutriuntur extranei, multo magis vos qui estis mei legitimi”. 
7 Mandavit itaque rex mulieri praedictae ut omnes filios ex se susceptos ad suam curiam mitteret nutriendos”. 
8 His igitur sic ostensis per visum beato Francisco oranti, intellexit vir sanctus se per illam mulierem pauperculam designari.

 

51. 
1 Et oratione completa repraesentavit se summo pontifici et exemplum, quod ei Dominus ostenderat, sibi per ordinem intimavit. 
2 Dixitque: “Ego sum, domine, illa mulier paupercula quem Dominus amans per suam misericordiam decoravit et ex ipsa placuit sibi filios legitimos generare. 
3 Dixit autem mihi rex regum quod omnes filios quos ex me generabit nutriet, quia si nutrit extraneos, bene debet legitimos nutrire. 
4 Si enim Deus peccatoribus donat bona temporalia propter nutriendorum filiorum amorem, multo magis viris evangelicis, quibus haec debentur ex merito, largietur”. 
5 His auditis, dominus papa miratus est vehementer, maxime quia ante adventum beati Francisci viderat in visione quod ecclesia Sancti Iohannis Lateranensis minabatur ruinam et quidam vir religiosus, modicus et despectus (cfr. Is 16,14; 53,3) eam sustentabat, proprio dorso submisso. 
6 Evigilans vero stupefactus et territus, ut discretus et sapiens considerabat quid sibi vellet haec visto. 
7 Sed post paucos dies, cum venisset ad eum beatus Franciscus et ei suum propositum revelasset, ut dictum est, petissetque ab eo confirmari sibi regulam quem scripserat verbis simplicibus, utens sermonibus sancti evangelii ad cuius perfectionem totaliter inhiabat, 
8 respiciens eum dominus papa ita ferventem in Dei servitio, atque conferens de visione sua et de praedicto exemplo ostenso viro Dei, coepit intra se dicere: “Vere hic est ille vir religiosus et sanctus per quem sublevabitur et sustentabitur ecclesia Dei”. 
9 Et sic amplexatus est eum et regulam quam scripserat approbavit. 
10 Dedit etiam sibi licentiam praedicandi ubique poenitentiam ac fratribus suis, ita tamen quod qui praedicaturi erant a beato Francisco licentiam obtinerent. 
11 Et hoc idem postea in consistorio approbavit.

 

52. 
1 His ergo concessis, beatus Franciscus gratias egit Deo (cfr. Act 27,35), et genibus flexis promisit domino papae obedientiam et reverentiam humiliter et devote. 
2 Alii autem fratres, secundum praeceptum domini papae, beato Francisco similiter oboedientiam et reverentiam promiserunt. 
3 Suscepta itaque benedictione a summo pontifice et visitatis apostolorum liminibus, datisque tonsuris beato Francisco et aliis undecim fratribus sicut dictus cardinalis procuraverat, volens omnes illos duodecim esse clericos.

 

53. 
1 Reliquens Urbem, vir Dei cum dictis fratribus in orbem profectus est, mirans valde de suo desiderio sic facile adimpleto, crescensque quotidie in spe et fiducia salvatoris qui sanctis revelationibus suis quae gesta fuerant ei primitus demonstraverat. 
2 Nam antequam obtineret praedicta, quadam nocte cum se sopori dedisset, videbatur sibi quod per quamdam viam incederet iuxta quam erat arbor magnae proceritatis, pulchra, fortis (cfr. Dan 4,8) et grossa. 
3 Cumque appropinquaret ad eam et stans sub ipsa, eius celsitudinem et pulchritudinem miraretur (cfr. Iudt 10,14), subito ad tantam altitudinem devenit ipse sanctus quod cacumen arboris tangebat, eamque usque ad terram facillime inclinabat. 
4 Et revera sic actum est cum dominus Innocentius, arbor in mundo sublimior et pulchrior et fortior, eius petitioni et voluntati se tem benignissime inclinavit.

Texto Traduzido

Caput XII

Como o bem-aventurado Francisco, com os onze companheiros, foi à cúria do papa notificar-lhe seu propósito e conseguir a aprovação da Regra que havia escrito.

 

46. 
1 Vendo o bem-aventurado Francisco que Deus fazia crescer seus irmãos em número e mérito, sendo eles já doze homens perfeitíssimos e tendo os mesmos sentimentos, disse aos onze, ele que era o duodécimo, guia e pai deles: “Vejo, irmãos, que Deus, por sua misericórdia, quer que nossa congregação cresça. 
2 Vamos, pois, à nossa Mãe a Santa Igreja Romana, notifiquemos ao Sumo Pontífice o que o Senhor começou a fazer por nosso intermédio, a fim de que, conforme a sua vontade e ordem, continuemos o que começamos”. 
3 Como tivesse agradado aos outros frades o que foi dito pelo pai e tivessem começado com ele o caminho para a cúria, disse-lhes: 
4 - “Façamos um de nós como nosso guia, e o tenhamos como representante de Jesus Cristo. Aonde for, para lá iremos. Quando quiser se hospedar, nos hospedaremos”. 
5 Elegeram Frei Bernardo, o primeiro após o bem-aventurado Francisco, e observaram o que o pai lhes dissera. 
6 Caminhavam contentes, falando palavras do Senhor, não se atrevendo a falar outra coisa a não ser o que fosse para louvor e glória de Deus e utilidade da alma, e freqüentemente se entregavam à oração. 
7 O Senhor sempre lhes preparava hospedagem, fazendo com que lhes dessem o necessário.

 

47. 
1 Mas quando chegaram a Roma e ali encontraram o bispo da cidade de Assis, foram recebidos por ele com grande alegria, pois o venerava o bem-aventurado Francisco e todos os frades com especial afeto. 
2 Não conhecendo a razão da sua vinda, começou a perturbar-se, pensando que quisessem abandonar a sua pátria, onde o Senhor começara, através deles, a operar maravilhas. 
3 De fato, ficava muito contente de ter em sua diocese tais homens, de cuja vida e costumes esperava o máximo. 
4 Mas tendo ouvido o motivo e entendido seu propósito, muito se alegrou, prometendo-lhes conselho e auxílio no empreendimento. 
5 Era esse bispo conhecido de certo cardeal, bispo de Sabina, que se chamava Dom João de São Paulo, verdadeiramente cheio da graça de Deus, muito amigo dos servos de Deus. 
6 O bispo de Assis contara-lhe a vida do bem-aventurado Francisco e de seus irmãos, e por isso desejava ardentemente ver o homem de Deus e alguns de seus companheiros. 
7 Ouvindo que estavam em Roma, mandou chamá-los e os recebeu com grande reverência e amor.

 

48. 
1 Nos poucos dias que moraram com ele, de tal modo o edificaram pelas santas palavras e exemplos, que, vendo resplandecer nas ações o que deles havia ouvido, recomendou-se humilde e devotamente às suas orações. Pediu também, como uma graça especial, que desejava ser considerado, desde aquele momento, como um dos irmãos. 
2 Enfim, perguntando ao bem-aventurado Francisco por que viera, e ouvindo dele todo seu propósito e intenção, ofereceu-se como seu procurador na Cúria. 
3 Dirigiu-se, pois, o referido cardeal à Cúria e disse ao Senhor Papa Inocêncio III: -- “Encontrei um homem perfeitíssimo que pretende viver segundo a forma do santo Evangelho e observar em tudo a perfeição evangélica. Creio que por meio dele Deus quer reformar no mundo inteiro a fé da Santa Igreja”. 
4 Ouvindo isto, o Senhor Papa ficou muito admirado e mandou ao cardeal que lhe trouxesse o bem-aventurado Francisco.

 

49. 
1 No dia seguinte, o homem de Deus foi apresentado pelo cardeal ao Sumo Pontífice, a quem tornou patente todo seu santo propósito. 
2 O Pontífice, como era notável por sua discrição, concordou, no devido modo, com os desejos do santo e, exortando a ele e aos seus irmãos acerca de muitas coisas, abençoou-os dizendo: “Ide com o Senhor, irmãos, e assim como ele se dignar inspirar-vos, pregai a penitência a todos.
3 E quando Deus onipotente vos multiplicar com maior número e graça, no-lo referireis, e nós vos concederemos mais do que isso, encarregando-vos de coisas mais importantes”. 
4 Desejando, porém, o Senhor Papa saber se o que havia concedido e o que havia de conceder era conforme a vontade do Senhor, antes que o santo se despedisse, disse a ele e aos seus companheiros: 
5 - “Filhinhos nossos, a vossa vida nos parece muito dura e áspera, embora acreditemos que tendes tamanho fervor que não podemos duvidar de vós, mas temos que pensar naqueles que haverão de seguir-vos, para que esse caminho não lhes pareça áspero demais”. 
6 Vendo que, pela constância de sua fé e pela âncora da esperança firmemente robustecida em Cristo, não queriam retroceder em seu fervor, disse ao bem-aventurado Francisco: 
7 “Filho, vai e pede a Deus que te revele se o que vós procurais procede de sua vontade, porquanto, sabendo a vontade do Senhor, daremos nosso consentimento aos teus desejos”.

 

50. 
1 Orando o santo de Deus, conforme o papa lhe havia sugerido, falou-lhe o Senhor Deus em espírito por esta semelhança: “Certa mulher pobrezinha e formosa vivia num deserto. Um grande rei, admirando-lhe a beleza, desejou recebê-la como esposa, julgando que teria lindos filhos dela”. 
2 “Contraído e consumado o matrimônio, nasceram e ficaram adultos muitos filhos, aos quais a mãe falou: 'Filhos, não vos envergonheis, porque sois filhos do rei! 
3 Ide pois a sua corte e ele vos dará tudo o que vos é necessário’. 
4 Quando chegaram diante do rei, este ficou admirado com a sua beleza, e reconhecendo neles a própria semelhança, perguntou-lhes: 'De quem sois filhos?' 
5 “Quando responderam que eram filhos da mulher pobrezinha que morava no deserto, o rei abraçou-os com grande júbilo, e disse-lhes: ‘não temais, pois vós sois meus filhos. 
6 Se em minha mesa alimentam-se estranhos, muito mais vós que sois meus filhos legítimos'. 
7 E mandou dizer à mulher que enviasse a sua corte todos os filhos que dele tivera, para serem alimentados”. 
8 Como essas coisas foram mostradas em visão ao bem-aventurado Francisco, que estava em oração, o homem santo entendeu que ele era designado por aquela mulher pobrezinha.

 

51. 
1 Quando acabou de rezar, apresentou-se de novo ao Sumo Pontífice e contou-lhe em ordem o exemplo que o Senhor lhe mostrara. 
2 E disse: “Eu sou, senhor, aquela mulher pobrezinha que Deus, amando, tornou formosa por sua misericórdia e houve por bem gerar dela filhos legítimos. 
3 Disse-me, pois, o Rei dos reis que alimentará a todos os filhos gerados por meu intermédio, porque, se ele nutre os estranhos, bem que tem que nutrir os filhos legítimos. 
4 Se, de fato, Deus dá os bens temporais aos pecadores por amor dos filhos que eles devem nutrir, muito mais dará em abundância aos homens evangélicos, aos quais se devem estas coisas por seu mérito”. 
5 Ao ouvir isso, o Senhor Papa muito se admirou, especialmente porque, antes da vinda do bem-aventurado Francisco, ele tivera uma visão na qual a igreja de São João do Latrão ameaçava ruir e um homem religioso, franzino e desprezível, a sustentava com seus ombros. 
6 Despertando, estupefato e amedrontado, como homem sábio e prudente que era, considerava o significado da visão. 
7 Mas, poucos dias depois, quando veio a ele o bem-aventurado Francisco e lhe revelou seu propósito, como foi dito, e lhe pediu que confirmasse a Regra que havia escrito com palavras simples e usando expressões do santo Evangelho, pois aspirava plenamente à perfeição, 
8 o Senhor Papa, vendo-o tão fervoroso no divino serviço e fazendo uma comparação entre a sua visão e a parábola que o homem de Deus lhe havia contado, começou a refletir: “Na verdade, este é o homem religioso e santo, por meio do qual a Igreja de Deus será levantada e sustentada”. 
9 E assim abraçou-o e aprovou-lhe a Regra que havia escrito. 
10 Concedeu também a Francisco e a seus irmãos permissão para pregar a penitência em qualquer lugar. Aqueles, porém, que desejassem pregar deveriam primeiro obter a licença do bem-aventurado Francisco. 
11 E mais tarde aprovou isso mesmo num consistório.

 

52. 
1 Depois de alcançar essas coisas, o bem-aventurado Francisco deu graças a Deus e, de joelhos, prometeu ao Senhor Papa obediência e reverência, humilde e devotamente. 
2 Os outros irmãos, conforme o preceito do Senhor Papa, prometeram da mesma forma obediência e reverência ao bem-aventurado Francisco. 
3 Assim, tendo recebido a bênção do sumo pontífice e visitado os túmulos dos Apóstolos, Francisco e os onze irmãos receberam a tonsura, como predispusera o cardeal de quem acima se falou, pois queria que todos os doze fossem clérigos.

 

53. 
1 Deixando Roma, o homem de Deus partiu para o mundo com seus irmãos, muito admirado da fácil consecução de seu desejo e crescendo todos os dias na esperança e na confiança do salvador que, por suas santas revelações, tinha-lhe mostrado primeiro o que foi feito. 
2 Pois, antes de obter o que dissemos, certa noite, quando se entregou ao sono, pareceu-lhe caminhar por uma estrada, junto à qual havia uma árvore de grande porte, bela, forte e robusta. 
3 Quando chegou perto e ficou embaixo dela, admirando sua altura e beleza, de repente o próprio santo ficou tão alto que tocava a ponta da árvore e a inclinava com muita facilidade até o chão. 
4 Na realidade assim acontecera, pois o Senhor Papa Inocêncio, a árvore mais sublime, mais bela e mais forte no mundo, se inclinara tão benignamente ao seu pedido e à sua vontade.