Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 29

Texto Original

Caput XXIX

De amore quem propter Creatorem in omnibus creaturis habebat et de descriptione utriusque hominis sui.

 

80. 
1 Longum esset nimis et impossibile omnia numerare ac recolligere, quae gloriosus pater Franciscus fecit et docuit, donec in carne vixit (cfr. Phip 1,22). 
2 Quis enim umquam posset summum eius affectum exprimere, quo in omnibus quae Dei sunt (cfr. Mat 22,21) ferebatur? 
3 Quis enarrare sufficeret (cfr. Sir 18,2) dulcedinem qua fruebatur, contemplans in creaturis sapientiam Creatoris, potentiam et bonitatem eius? 
4 Revera miro atque ineffabili gaudio ex hac consideratione saepissime replebatur, cum respiciebat solem, cum lunam cernebat, cum stellas et firmamentum intuebatur. 
5 O pietas simplex, et o simplicitas pia! 
6 Circa vermiculos etiam nimio flagrabat amore, quia legerat de Salvatore dictum: Ego sum vermis et non homo (Ps 21,7). 
7 Et idcirco eos colligebat de via, in tuto recondens loco, ne transeuntium vestigiis tererentur. 
8 Quid de aliis inferioribus creaturis dicam, cum et apibus in hieme, ne frigoris algore deficerent, mel sive optimum vinum faceret exhiberi? 
9 quarum efficaciam operum et ingenii excellentiam ad Domini gloriam tanto praeconio extollebat, ut diem unam plerumque in earum caeterarum creaturarum laudibus consummaret. 
10 Sicut enim olim tres pueri, in camino ignis ardentis positi, ad laudandum et glorificandum creatorem universitatis, elementa omnia invitabant, sic et iste vir, spiritu Dei plenus, in omnibus elementis et creaturis creatorem omnium ac gubernatorem glorificare, laudare ac benedicere (cfr. Dan 3,17.51) non cessabat.

 

81. 
1 Quantam putas eius menti exhilarationem florum speciositas importabat, cum eorum venustatis cerneret formam et suavitatis olentiam praesentiret? 
2 Statim ad illius floris pulchritudinem considerationis oculum deflectebat, qui, lucidus in vernali tempore de radice Iesse (cfr. Is 11,1) progrediens, ad odorem suum suscitavit innumera milia mortuorum. 
3 Cumque florum copiam inveniret, ita praedicabat eis et ad laudem eos dominicam invitabat ac si ratione vigerent. 
4 Sic et segetes et vineas, lapides et silvas et omnia speciosa camporum (cfr. Sir 24,19), irrigua fontium et hortorum virentia quaeque, terram et ignem, aerem et ventum sincerissima puritate ad divinum monebat amorem et libens obsequium hortabatur. 
5 Omnes denique creaturas fraterno nomine nuncupabat, et modo praecellenti atque caeteris inexperto, creaturarum occulta cordis (cfr. 1Cor 14,25) acie decernebat, utpote qui iam evaserat in libertatem gloriae filiorum Dei (cfr. Rom 8,21). 
6 Nunc in caelis, o bone Iesu, te admirabilem laudat cum angelis, qui certe in terra positus (cfr. Iob 20,4), amabilem omnibus te praedicabat creaturis.

 

82. 
1 Nam supra hominum intellectum afficiebatur, cum nomen tuum, sancte Domine (cfr. Ps 8,2; Is 6,3), nominaret, et totus exsistens in iubilo ac iucunditate castissima plenus, novus certe homo et alterius saeculi videbatur. 
2 Propterea ubicumque scriptum aliquid, sive divinum sive humanum, in via, in domo, seu in pavimento inveniebat, reverentissime colligebat illud et in sacro vel honesto reponebat loco, ea reverentia quidem, ne ibi esset nomen Domini, vel ad id pertinens scriptum. 
3 Enimvero cum a quodam frater quadam die fuisset interrogatus, ad quid etiam paganorum scripta et ubi non erat nomen Domini, sic studiose colligeret, respondit dicens: “Fili, quia ibi lit-terae sunt, ex quibus componitur gloriosissimum Domini Dei nomen (cfr. Deut 5,11). 
4 Bonum quoque quod ibi est, non pertinet ad paganos, neque ad aliquos homines, sed ad solum Deum, ‘cuius est omne bonum’. 
5 Et quod non minus est admirandum, cum litteras aliquas salutationis vel admonitionis gratia faceret scribi, non patiebatur ex eis deleri litteram aliquam aut syllabam, licet superflua saepe aut incompetens poneretur.

 

83. 
1 O quam pulcher, quam splendidus, quam gloriosus apparebat (cfr. 2Re 6,22) in vitae innocentia, in simplicitate verborum, in puritate cordis, in dilectione Dei, in charitate fraterna, in flagranti obedientia, in concordi obsequio, in aspectu angelico (cfr. Iud 13.6). 
2 Dulcis in moribus, natura placidus, affabilis in sermone, commodissimus in exhortatione, fidelissimus in com-misso (cfr. Prov 11,13), providus in consilio, in negotio efficax, gratiosus in omnibus (cfr.Est 2,15). 
3 Mente serenus, animo dulcis, spiritu sobrius (cfr. 2Tim 1,7), contemplatione suspensus, orationi assiduus et in omnibus fervens. 
4 Constans proposito, virtute stabilis, gratia perseverans, et in omnibus idem. 
5 Ad indulgendum velox, ad irascendum tardus (cfr. Iac 1,19), liber ingenio, memoria luculentus, subtilis in disserendo (cfr. Sap 7,22.23), circumspectus in eligendo et in omnibus simplex. 
6 Rigidus in se, pius in aliis, discretus in omnibus. 
7 Facundissimus homo, facie hilaris, vultu benignus, immunis ignaviae, insolentiae expers. 
8 Statura mediocris parvitati vicinior, caput mediocre ac rotundum, facies utcumque oblonga et protensa, frons plana et parva, mediocres oculi, nigri et simplices (cfr. Mat 6,22), fusci capilli, supercilia recta, nasus aequalis, subtilis et rectus, aures erectae sed parvae, tempora plana, 
9 lingua placabilis (cfr. Prov 15,4), ignea et acuta, vox vehemens, dulcis (cfr. Cant 2,14), clara atque sonora, dentes coniuncti, aequales et albi, modica labia atque subtilia, barba nigra, pilis non plene respersa, 
10 collum subtile, humeri recti, brevia brachia, tenues manus, digiti longi, ungues producti, crura subtilia, parvuli pedes, tenuis cutis, caro paucissima, aspera vestis, somnus brevissimus, manus largissima. 
11 Et quia erat humillimus, omnem mansuetudinem ostendebat ad homines (cfr. Tit 3,2), omnium moribus utiliter se conformans. Sanctior inter sanctos, inter peccatores quasi unus ex (cfr. Sap 4,10; Gen 3,22) illis.
12 Adiuva igitur peccatores, peccatorum amator, pater sanctissime, et quos cernis miserabiliter in delictorum sordibus iacere, dignare, quaesumus, misericordissime tuis gloriosissimis suffragiis relevare.

Texto Traduzido

Caput XXIX

Do amor que, pelo Criador, dedicava a todas as criaturas, e da descrição de sua personalidade e de seu aspecto exterior.

 

80. 
1 Seria muito longo e praticamente impossível enumerar e descrever tudo que o glorioso pai São Francisco fez e ensinou durante a sua vida. 
2 Como contar o afeto que tinha para com todas as coisas de Deus? 
3 Quem seria capaz de mostrar a doçura que sentia quando contemplava nas criaturas a sabedoria, o poder e a bondade do Criador? 
4 Ao ver o sol, a lua, as estrelas e o firmamento, enchia-se muitas vezes de alegria admirável e inaudita. 
5 Piedade simples, simplicidade piedosa! 
6 Tinha um amor enorme até pelos vermes, por ter lido sobre o Salvador: Sou um verme e não um homem. 
7 Recolhia-os por isso no caminho e os colocava em lugar seguro, para não serem pisados pelos que passavam. 
8 Que poderei dizer mais sobre as outras criaturas inferiores, se até para as abelhas, para que não desfalecessem no rigor do frio, fazia dar mel ou um vinho de primeira? 
9 A operosidade e o engenho das abelhas exaltavam-no a tão grande louvor de Deus que muitas vezes passou o dia louvando a elas e às outras criaturas. 
10 Como os três jovens de antigamente, colocados na fornalha em brasa, sentiram-se convidados por todos os elementos para louvar e glorificar o Criador de todas as coisas, também este homem, cheio do espírito de Deus, não cessava de glorificar, louvar e bendizer o Criador e Conservador do universo por meio de todos os elementos e criaturas.

 

81. 
1 Que alegria a sua diante das flores, ao admirar-lhes a delicada forma ou aspirar o suave perfume! 
2 Passava imediatamente a pensar na beleza daquela flor que brotou da raiz de Jessé no tempo esplendoroso da primavera e com seu perfume ressuscitou milhares de mortos. 
3 Quando encontrava muitas flores juntas, pregava para elas e as convidava a louvar o Senhor como se fossem racionais. 
4 Da mesma maneira, convidava com muita simplicidade os trigais e as vinhas, as pedras, os bosques e tudo que há de bonito nos campos, as nascentes e tudo que há de verde nos jardins, a terra e o fogo, o ar e o vento, para que tivessem muito amor e louvassem generosamente ao Senhor. 
5 Afinal, chamava todas as criaturas de irmãs, intuindo seus segredos de maneira especial, por ninguém experimentada, porque na verdade parecia já estar gozando a liberdade gloriosa dos filhos de Deus. 
6 Na certa, ó bom Jesus, ele que na terra cantava o vosso amor a todas as criaturas, estará agora a louvar-vos nos céus com os anjos porque sois admirável.

 

82. 
1 É impossível compreender quanto se comovia quando pronunciava vosso nome, Senhor santo! Parecia um outro homem, um homem de outro mundo, todo cheio de júbilo e do mais puro prazer. 
2 Por isso, onde quer que encontrasse algum escrito, de coisas divinas ou humanas, na rua, em casa ou no chão, recolhia-o com todo o respeito e o colocava em algum lugar sagrado ou decente, pensando que poderia referir-se ao Senhor ou conter seu santo nome. 
3 Um dia, um frade lhe perguntou por que recolhia com igual apreço os escritos dos pagãos, onde não estava o nome do Senhor, e ele respondeu: “Meu filho, contêm as letras com que se escreve o gloriosíssimo nome do Senhor. 
4 O que há de bom neles não pertence aos pagãos nem a ninguém em particular, mas somente a Deus, ‘de quem são todos os bens’”. 
5 Outra coisa admirável é que, quando mandava escrever alguma carta de cumprimentos ou conselhos, não permitia que se apagasse alguma letra ou sílaba, mesmo que fosse supérflua ou errada.

 

83. 
1 Como era bonito, atraente e de aspecto glorioso na inocência de sua vida, na simplicidade das palavras, na pureza do coração, no amor de Deus, na caridade fraterna, na obediência ardorosa, no trato afetuoso, no aspecto angelical! 
2 Tinha maneiras finas, era sereno por natureza e de trato amável, muito oportuno quando dava conselhos, sempre fiel em suas obrigações, prudente no julgar, eficaz no agir e em tudo cheio de elegância. 
3 Sereno na inteligência, delicado, sóbrio, contemplativo, constante na oração e fervoroso em todas as coisas. 
4 Firme nas resoluções, equilibrado, perseverante e sempre o mesmo. 
5 Rápido para perdoar e demorado para se irar, tinha a inteligência pronta, uma memória luminosa, era sutil ao falar, sério em suas opções e sempre simples. 
6 Era rigoroso consigo mesmo, paciente com os outros, discreto com todos. 
7 Muito eloquente, tinha o rosto alegre e o aspecto bondoso, era diligente e incapaz de ser arrogante. 
8 Era de estatura um pouco abaixo da média, cabeça proporcionada e redonda, rosto um tanto longo e fino, testa plana e curta, olhos nem grandes nem pequenos, negros e límpidos, cabelos castanhos, pestanas retas, nariz proporcional, delgado e reto, orelhas levantadas mas pequenas, têmporas achatadas, 
9 língua pacificadora, ardente e penetrante, voz forte, doce, clara e sonora, dentes unidos, alinhados e brancos, lábios pequenos e delgados, barba preta e um tanto rala, 
10 pescoço esguio, ombros retos, braços curtos, mãos delicadas, dedos longos, unhas compridas, pernas delgadas, pés pequenos, pele fina, enxuto de carnes. Vestia-se rudemente, dormia pouco e era muito generoso. 
11 E como era muito humilde, mostrava toda a mansidão para com todas as pessoas, adaptando-se a todos com facilidade. Embora fosse o mais santo de todos, sabia estar entre os pecadores como se fosse um deles. 
12 Pai santíssimo que amas os pecadores, ajuda-os! Com tua poderosa intercessão e cheio de misericórdia, digna-te levantar os que vês prostrados na abjeção dos pecados.