Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XXIX

Texto Original

Caput XXIX

De conversione latronum per b. Franciscum, qui intraverunt Ordinem et sanctissime conversati sunt.

 

1 B.p.n. Franciscus, cupiens omnes perducere ad salutem, mundum per diversas provincias circuibat; et quocumque ibat, quia divino Spiritu ducebatur, novam familiam Domino acquirebat. 2 Unde, sicut vas electum a Domino balsamum gratie infundendo, perrexit in Sclavoniam, in Marchiam Trivisinam, in Marchiam Anconitanam in Apuleam, in Saraceniam et in multis provinciis aliis, ubique multiplicando servos D.n. Ihesu Cristi.
Unde cum transiret per Montem Casalem, castrum quod est in districtu Burgi S. Sepulcri, recepit ibi unum iuvenem nobilem de Burgo predicto. Qui cum venisset ad s. Franciscum, dixit ei: Pater, ego vellem libentissime effici frater vester”. Sanctus vero Franciscus respondit: “Fili, tu es iuvenis, delicatus et nobilis; forte paupertatem et asperitatem nostram non poteris substinere”. 
5 Cui ille vero ait: “Pater, nonne vos estis homines sicut ego? Sicut ergo vos, qui estis mei similes, substinetis, et ego etiam cum adiutorio Dei potero substinere!”.
6 Que responsio multum placuit s. Francisco; et statim recepit eum, et benedixit, et fr. Angelum vocavit. Qui ita gratiose se habuit, quod paulo post s. Franciscus eundem in predicto loco Monte Casali guardianum instituit.
7 In illis autem diebus erant tres famosi latrones, qui undique multa maleficia perpetrabant. Hii quadam die ad locum predictum venerunt, rogantes fr. Angelum guardianum, ut eis de comestibilibus provideret. 8 Guardianus vero, illos rigida reprehensione redarguens, dixit: “Vos fures et sevissimi homicide, non solum non erubescitis labores aliorum predari, sed insuper presumitis, ut effrontes, elemosinas servis Dei exhibitas devorare! 9 Cum non sitis digni quod vos terra substineat! Quod nullum hominem reveremini et Deum, qui vos creavit, contempnitis. Ite ergo pro factis vestris et huc amplius nunquam accedatis!”. 
10 Illi vero turbati valde cum indignatione maxima recesserunt. Et ecce eodem die s. Franciscus ad locum rediit, portans de questa quam cum socio fecerat unam tascam panis et batillum vini. 
11 Cum autem fr. Angelus qualiter illos repulserat retulisset, s. Franciscus dure redarguit ipsum, dicens quod impie gesserit, quia peccatores melius reducuntur cum dulcedine pietatis quam cum increpatione crudeli. 12 Nam magister noster Cristus, cuius evangelium servare promisimus: Non, inquit, est opus valentibus medicus, sed male habentibus; et: Non veni vocare iustos, sed peccatores (cfr. Mat 9,12.13); et ideo frequenter cum peccatoribus manducabat (cfr. Mat 9,11).
13 Quia ergo contra caritatem et contra exemplum Cristi benedicti fecisti, per obedientiam precipio tibi quod statim accipias totam tascam istam panum et vini vasculum quod acquisieram, 14 et sollicite per montes et valles dictos latrones queras donec invenias; et panes istos omnes et dictum vinum ex parte mea presentabis eisdem; et post hec, coram illis genuflectens, de crudelitate tua dices humiliter culpam tuam. 15 Et roga illos ex parte mea, quod amplius mala non faciant, sed Deum timeant et proximos non offendant. Et si hec fecerint, ego promitto eis de necessariis pro ipsorum corporibus providere continue. Et cum hec illis dixeris humiliter, revertaris”.
16 Interim autem s. Franciscus pro illis orabat ad Dominum, ut corda eorum ad penitentiam emolliret. 17 Unde factum est quod, cum illi elemosinas illas a s. Francisco transmissas comederent, ad invicem conferre ceperunt et dicere:
18 “Heu nos, miseros infelices, quos durus et infernalis cruciatus expectat! Qui pergimus, non solum predando proximos et homines vulnerando, sed etiam occidendo! Et tamen de tam horrendis sceleribus nullo Dei timore aut compunctione conscientie stimulamur. 19 Et ecce iste s. frater qui venit ad nos; propter aliqua verba valde iusta, propter nostram malitiam irrogata, se coram nobis humiliter accusavit, et insuper cum pane et vino attulit beneficium caritatis ac s. patris tam liberale promissum retulit de nobis necessariis exibendis. 20 Vere isti sunt sancti Dei, qui celestem patriam promerentur. Nos vero, filii perditionis eterne, qui flammas ultrices cotidie nobis nostris nefandis sceleribus cumulamus! 21 Nescio utrum de patratis facinoribus et commissis flagitiis possimus a Deo misericordiam invenire?”. Uno vero illorum predicta vel similia dicente, reliqui duo dixerunt: “Quid ergo faciendum est nobis?”. 
22 Et ille: “Eamus, inquit, ad s. Franciscum; et si ipse nobis confidentiam tribuat quod possimus de magnis peccatis nostris misericordiam invenire a Domino, quicquid ipse mandaverit faciamus, ut possimus animas nostras de infernali baratro liberare”. 23 In quo consilio tres illi concorditer consenserunt; et venerunt festinantes ad s. Franciscum, dicentes: “Pater, nos propter multa et mala scelera non confidimus posse Dei misericordiam invenire; 24 sed, si tu confidis quod Deus nos ad suam misericordiam recipiat, ecce parati sumus tecum penitentiam facere”. 
25 Quos s. Franciscus benigne et caritative recipiens, exemplis eos multiplicibus exortando, certos de invenienda Dei misericordia reddidit, et insuper se illis acquisiturum a D. Ihesu Cristo misericordiam repromisit; 26 instruens etiam illos quomodo divine misericordie immensurabilis magnitudo cuncta, etiam si essent infinita, peccata nostra, precellit, et quomodo, testante evangelio et s. Paulo apostolo, Cristus benedictus venit in hunc mundum pro peccatoribus redimendis.
27 Propter que salubria hortamenta tres dicti latrones abrenuntiaverunt mundo et, recepti a s. patre, sibi tam habitu quam animo adheserunt. Duo autem illorum, parum viventes, post mutationem laudabilem de presenti seculo, vocante Domino, migraverunt. 28 Tertius vero superstes, considerans in multis et magnis peccatis que fecerat, tali penitentie se subiecit, quod per quindecim annos, exceptis communibus quadragesimis quas sicut alii faciebat, continue ter in septimana panem et aquam tantummodo manducabat. 29 Et contentus tantum una tunicula, incedebat discalciatus continue, et post matutinum nunquam dormiebat. Infra vero illud tempus annorum quindecim s. Franciscus transivit ex hoc mundo ad Patrem.
30 Cum autem dictus frater hanc districtionem penitentie annos plurimos continue tenuisset, et ecce quadam nocte post matutinum tanta temptatio sompnolentie supervenit, quod nullis argumentis poterat sompno resistere nec, prout consueverat, vigilare. 31 Qui cum reluctare nequiret nec valeret orare, temptationi succubens, ivit ad lectum ut dormiret. Statim autem ut posuit caput in lecto, fuit ductus in spiritu in montem excelsum valde (cfr. Mat 4,8), in quo erat profundissima ripa et hinc inde saxa prerupta et diversi scopuli inequaliter prominentes. 
32 Ille vero a quo ducebatur impulit dictum fratrem de cacumine dicte ripe; qui in preceps ruendo per saxa et collisiones de rupibus in rupibus substinendo, quando ad fundum ripe pervenit, omnia videbantur sua membra disrupta et ossa confracta. 33 Qui dum iaceret sic male collisus, a suo ductore vocatur ut surgeret, quia magnum adhuc iter illum facere oporteret. Cui frater respondit: “Durus homo et indiscretus videris, qui, cum videas me usque ad mortem usquequaque conteritum, et tamen dicis quod surgam!”. 
34 Qui accedens et tangens eum, statim ab omni membrorum collisione perfecte sanavit. Et tunc ostendit ei magnam planitiem plenam acutis lapidibus et spinis et tribulis et lutosis atque aquosis labinulis; unde illum discalciatum oportebat incedere et ad finem planitiei illius accedere, ubi erat quedam fornax ignita que a longe videbatur, in quam ille debebat intrare. 35 Cum autem planitiem illam cum multa angustia pertransisset et ad fornacem illam pervenisset, dixit angelus ad illum: “Ingredere fornacem istam, quia sic est necessarium fieri”.
36 Et ille respondit: “Heu, quam durus ductor es, qui, cum videas me per istam angustiosam planitiem tam penaliter tribulatum, quod maxima quiete indigeam; et dicis: intra in fornacem!”. 37 Cum autem aspiceret circa fornacem, ecce vidit undique demones cum furcis astantes, quem differentem intrare in fornacem cum ipsis furcis subito impulerunt. 38 Qui cum in ipso igne intrasset, invenit ibi quemdam suum compatrem, qui totus ardebat; et exclamans dixit: “O infelix compater, et quomodo huc venisti?”. Qui ait: “Procede aliquantulum in hoc igne, et invenies uxorem meam, conmatrem tuam, que tibi causam mee dampnationis narrabit”. Cum ergo aliquantulum processisset per ignem, et ecce apparuit ipsa conmater ignita, totaliter sedens, in quadam mensura frumenti constricta. Et ille ait: “O conmater infelix et misera, et quare in tale supplicium corruisti?”. Que respondit: “Quia tempore magne famis, quam b. Franciscus venturam predixerat, cum ego et vir meus venderemus frumenta, mensuram falsavimus; et propterea in ista mensura angustata comburor”. Et hiis dictis, angelus expulit eum extra ignem, dicens: “Prepara te ad iter, quia adhuc habes horribile pertransire”. 
39 Cui ille dicebat: “O durissime ductor, qui nulla compassione moveris; vides quia sum quasi totus combustus, et dicis: Veni adhuc ad horribile periculum!”. 
40 Angelus vero tetigit eum et perfecte sanavit. Et duxit illum ad quemdam pontem, qui transvadari non poterat absque ingenti periculo, quia erat nimis extremus et excessive politus. 41 Sub ponte vero fluvius terribilis defluebat serpentibus et draconibus, scorpionibus et bubonibus et horrendis fetoribus plenus. Dixit autem angelus: “Transi pontem istum, quia penitus convenit te transire”. 
42 Ille autem respondit: “Et quomodo potero pertransire, quin cadam in tam periculosum fluvium?”. Respondit angelus: “Venies post me, et pones pedem tuum ubi videris poni meum, et bene transibis”. 43 Qui incedens post angelum, pedem suum ponendo ubi precedens ponebat, pervenit usque ad pontis medium cum salute. 44 Cum vero essent in medio pontis, angelus volando recessit et ascendit in altum ad quoddam habitaculum valde mirabile et in altissimis collocatum; et ille bene notavit quomodo angelus advolavit.
45 Sed cum ipse remansisset absque duce in ponte et illa terribilia animalia fluminis iam capita elevarent ad devorandum illum si caderet, stabat in tanto terrore quod nullo modo sciebat quid faceret, quia nec poterat retro nec ante procedere. 46 Unde in tanta tribulatione et periculo positus, inclinavit se et amplexatus est pontem; et videns quod non erat refugium nisi Dei, cepit ex intimis cordis invocare D. Ihesum Cristum, ut per suam sanctissimam ac piissimam misericordiam sibi succurrere dignaretur. 47 Et facta oratione, visum est illi quod ipse mitteret alas; de quo valde gavisus, expectavit donec crescerent ale, sperans ultra fluvium ad locum quo volaverat angelus transvolare.
48 Sed cum nimis festinasset volare, quia ale non plene creverant, a volatu deficiens, cecidit supra pontem, et omnes penne insuper ceciderunt. Qui territus valde, iterum pontem amplectens, Cristi misericordiam lacrimabiliter implorabat. 49 Et iterum visum est sibi ut mitteret alas; sed, sicut prius, ante perfectionem alarum ad volandum festinans, secundo cecidit super pontem, et penne, ut prius, similiter ceciderunt. 
50 Qui attendens quod per festinantiam perfecte volare non poterat, dixit in corde suo (cfr. Ps 9,6.11 (9,27.32)): “Si alas tertio misero, tamdiu expectabo quod non deficiam amplius a volatu”. 51 Et visum est sibi quod inter primam et secundam et tertiam missionem alarum per annos centum quinquaginta et amplius expectasset. 52 Cum autem videretur sibi quod alas optime complevisset, hac tertia vice levavit se valenter in altum, et usque ad predictum habitaculum quo volaverat angelus advolavit.
53 Cum vero ad illius admirabilis habitationis ianuam pervenisset, dixit illi portarius: “Quis es tu, qui huc venisti?”. Qui respondit: “Ego sum fr. Minor”. “Expecta, inquit, ut ducam s. Franciscum, si te recognoscit”. 54 Cum autem ille iret pro s. Francisco, iste incepit muros illius civitatis mirabilis respicere; et ecce muri illi erant tanta claritate perspicui, quod cuncta que intus fiebant et choros sanctorum mirabiles qui intus erant clare cernebat. 
55 Et cum respiceret, ecce b. Franciscus, et s. fr. Bernardus, et fr. Egidius, et post s. Franciscum tanta multitudo sanctorum et sanctarum Dei, qui secuti fuerant illius vestigia, quod quasi innumerabilis videbatur.
56 Et cum s. Franciscus venisset ad eum, dixit portario: “Permittas eum ingredi, quia de fratribus meis est”. Et tunc s. Franciscus duxit eum interius, multa illi mirabilia ostendendo. 57 Statim vero quod illuc ingressus est, tantam consolationem et dulcedinem sensit, quod oblitus est omnium tribulationum que ante precesserant, ac si nunquam in mundo fuisset. 
58 Post hec dixit s. Franciscus: “Oportet te, fili, redire ad mundum et septem diebus morari, in quibus prepara te omni preparatione qua vales; quia post septem dies ego pro te veniam, et tunc mecum venies ad locum istum mirabilem beatorum”.
59 S. vero Franciscus erat clamidatus clamide toto stellis pulcherrimis decorato, et quinque stigmata eius erant sicut quinque splendidissime stelle, que tanta luce fulgebant quod videbantur totam civitatem illam radius illustrare. 60 Fr. vero Bernardus habebat in capite coronam stellarum (cfr. Apoc 12,1) pulcherrimam; fr. Egidius erat etiam totus mirando lumine decoratus; et multos alios sanctos fratres Minores ibidem cum b. Francisco gloriosos, quos nunquam viderat, recognovit.
61 Licentiatus ergo dictus frater, quamvis cum tedio, ad mundum rediit. Et cum rediisset, fratres pulsaverunt ad Primam; et non plus temporis fluxerat, nisi a post Matutinum ad eiusdem noctis auroram, quamvis sibi videretur stetisse per plurimos annos. 62 Ipse autem frater predictam visionem et terminum septem dierum guardiano suo per ordinem recitavit, et statim febricitare cepit. 
63 In septimo vero die veniens s. Franciscus cum gloriosa comitiva sanctorum, animam illius fratris, in visione predicta angelo ducente purgatam, duxit ad gaudia beatorum.
Ad laudem D.n. Ihesu Cristi. Amen.

Texto Traduzido

Caput XXIX

Como São Francisco converteu os ladrões, que entraram na Ordem e nela viveram muito santamente.

 

1 Querendo levar todos para a salvação, nosso bem-aventurado pai Francisco percorria o mundo pelas diversas províncias. Onde quer que fosse, como era conduzido pelo Espírito divino, aumentava a família do Senhor. 2 Por isso, infundindo a graça de Deus como uma vaso escolhido pelo Senhor, foi à Eslavônia, à Marca de Treviso, à Marca de Ancona, à Apúlia, ao país dos sarracenos e a muitas outras províncias, multiplicando em toda parte os servos de nosso Senhor Jesus Cristo.
3 Quando passou por Monte Casale, uma aldeia que fica no distrito de Borgo San Sepolcro, recebeu aí um jovem nobre desse burgo. 4 Chegando a São Francisco, ele lhe disse: “Irmão, eu gostaria de me tornar um de seus irmãos, com a maior boa vontade”. São Francisco respondeu: “Filho, tu és jovem, delicado e nobre, pode ser que não consigas suportar nossa pobreza e aspereza”.
5 O moço disse: “Pai, vós não sois homens como eu? Se vós, que sois semelhantes a mim, suportais, eu também poderei suportar, com a ajuda de Deus”.
6 Essa resposta agradou muito a São Francisco, que o recebeu e abraçou imediatamente, dando-lhe o nome de Frei Ângelo. Ele procedeu tão bem que, pouco depois, São Francisco colocou-o como guardião do lugar de Monte Casale.
7 Naquele tempo, havia três ladrões famosos, que perpetravam muitos males. Um dia eles foram ao lugar e rogaram ao guardião Frei Ângelo que arranjasse comida para eles. 8 Mas o guardião repreendeu-os rigidamente, dizendo: “Vós, ladrões e cruéis homicidas, não apenas não tendes vergonha de roubar o trabalho dos outros mas ainda, por cima, tendes a pretensão de devorar descaradamente as esmolas que foram dadas aos servos de Deus! 9 Não sois dignos de que a terra os sustente, porque não respeitais homem nenhum e desprezais a Deus, que vos criou. Ide cuidar de vossa vida e nunca mais venhais aqui!”.
10 Eles ficaram muitos perturbados e foram embora com a maior indignação. No mesmo dia, São Francisco voltou para o lugar, trazendo, das esmolas que pedira com seu companheiro, uma sacola de pão e um barrilete de vinho.
11 Quando Frei Ângelo contou como os tinha expulsado, São Francisco repreendeu-o com dureza, dizendo que tinha agido sem piedade, porque os pecadores convertem-se melhor com a doçura da piedade do que com uma correção cruel. 12 Porque Cristo nosso mestre, a quem prometemos observar o evangelho,disse: Não são os que estão com saúde que precisam de médico mas os que estão passando mal e Não vim chamar os justos mas os pecadores (cfr. Mt 9,12.13); e por isso comia freqüentemente com os pecadores (cfr. Mt 9,11).
13 Mas, porque agistes contra a caridade e contra o exemplo de Cristo bendito, eu te mando por obediência que pegues imediatamente este saco de pão e a vasilha de vinho que eu ganhei 14 e procures solicitamente por montes e vales os ladrões, até os encontrares. E lhes ofereças de minha parte todos estes pães e o vinho, ajoelhando-se diante deles e confessando humildemente a culpa de tua crueldade. 15 E pede-lhes, da minha parte, que não façam mais males mas temam a Deus e não ofendam o próximo. Se eles fizerem isso, eu prometo que haverei de prove-los continuamente das coisas necessárias para o seu corpo. Depois de lhes dizer humildemente essas coisas, voltarás”.
16 Nesse meio tempo, São Francisco ficou rezando por eles ao Senhor, para que abrandasse seus corações para a penitência. 17 Por isso, aconteceu que, quando eles comeram aquelas esmolas mandadas por São Francisco, começaram a conversar, dizendo:
18 “Ai de nós, pobres infelizes, que tormento duro e infernal nos espera! Nós vivemos não só depredando os outros e ferindo as pessoas, e até matando-as! E não nos deixamos mover por nenhum temor de Deus ou compunção da consciência por crimes tão horrorosos. 19 E esse frade santo vem a nós. Por causa de algumas palavras muito justas, pronunciadas por causa da nossa maldade, acusa-se humildemente diante de nós e ainda trouxe, com o pão e o vinho, o benefício da caridade, falando de tão liberal promessa do santo pai e cuidar das nossas necessidades. 20 Na verdade, eles são os santos de Deus, que merecem a pátria celeste. Mas nós somos filhos da perdição eterna, pois aumentamos todos os dias as chamas vingadoras por nossas obras nefandas!. 21 Não sei se poderemos encontrar a misericórdia de Deus pelos crimes praticados e as infâmias cometidas!” Quando um deles disse isso ou algo parecido, os outros dois disseram: “Então, o que temos que fazer?”.
22 Ele disse: “Vamos ter com São Francisco. Se ele nos garantir que podemos obter a misericórdia do Senhor por nossos grandes pecados, vamos fazer tudo que ele mandar, para podermos libertar nossas almas do abismo do inferno”. 23 Os três concordaram com esse plano e foram correndo dizer a São Francisco: “Pai, nós não confiamos que vamos ter a misericórdia de Deus por nossos muitos e maus crimes; 24 mas, se tu esperas que Deus nos receba em sua misericórdia, estamos preparados para fazer penitência contigo”.
25 São Francisco recebeu-os bondosa e caridosamente, exortando-os com muitos exemplos, e lhes garantiu que teriam a misericórdia de Deus, prometendo até que ele mesmo ia conseguir a misericórdia do Senhor Jesus Cristo. 26 Também lhes explicou que toda a grandeza sem medidas da divina misericórdia é maior do que todos os nossos pecados, mesmo que eles fossem infinitos e que, como atestam o evangelho e São Paulo apóstolos, Cristo bendito veio a este mundo para remir os pecadores.
27 Por causa dessas exortações salutares, os três ladrões renunciaram ao mundo e, recebidos pelo santo pai, uniram-se a ele tanto pelo hábito como pelo ânimo. Dois deles viveram pouco e, depois da salutar mudança, migraram deste século, chamados pelo Senhor. 28 O terceiro, que sobreviveu, considerando tantos e tão grandes pecados que fizera, entregou-se a tal penitência que, durante quinze anos, com exceção das quaresmas comuns, que fazia como os outros, continuamente tomava só pão e água três vezes por semana. 29 Contente só com uma túnica pequena, andava sempre descalço, e nunca dormia depois de matinas. Dentro desses quinze anos, São Francisco passou deste mundo para o Pai,
30 Quando esse frade já tinha mantido o rigor dessa penitência por muitos anos seguidos, eis que, uma noite, depois de matinas, teve uma tentação tão forte de sonolência que não conseguia resistir de modo algum ao sono, nem vigiar como estava acostumado. 31 Como não conseguia resistir nem podia orar, sucumbiu à tentação e foi para a cama dormir. Mas, logo que pôs a cabeça na cama, foi conduzido no espírito para um monte muito alto (cfr. Mt 4,8), onde havia um despenhadeiro profundíssimo, onde havia, aqui e ali, rochas talhadas e muitos escolhos que sobressaíam de maneira desigual.
32 Quem o estava levando empurrou o frade lá do alto do despenhadeiro. Precipitado-se por entre escolhos e colisões de rocha em rocha, quando chegou ao fundo do abismo parecia estar com todos os membros despedaçados e com os ossos quebrados. 33 Prostrado e contundido, foi chamado por seu guia para levantar-se, porque ainda tinha que fazer um longo caminho. O frade respondeu: “Pareces uma pessoa dura e indiscreta, porque, vendo que estou arrebentado até a morte, dizes para eu me levantar!”.
34 O outro veio, tocou-o e o curou perfeitamente, na hora, de todas as colisões. Mostrou-lhe, então uma grande planície cheia de pedras agudas, espinhos, abrolhos, com buracos de lama e água. Ele teria que passar descalço por ali, chegando ao fim da planície, onde havia uma fornalha ardente que se via de longe, na qual ele devia entrar. 35 Depois que atravessou com muita angústia a planície e chegou à fornalha, disse-lhe o anjo: “Entra nessa fornalha porque é preciso fazer isso”.
36 Ele respondeu: “Ai, que duro condutor tu és. Estás vendo que eu passei por essa angustiosa planície tão atribulado pela pena, precisando do maior descanso, e dizes: “Entra na fornalha” ! 37 Quando olhou em torno da fornalha viu que estava cercada de todos os lados por demônios armados de forcados que, quando viram que ele estava demorando para entrar na fornalha, empurraram-no com os forcados. 38 Entrando no próprio fogo, lá encontrou um seu compadre, que estava ardendo inteiro, e exclamou: “Ó infeliz compadre, como vieste para cá?”. Ele disse: “Anda mais um pouquinho neste fogo que vais encontrar minha esposa, tua comadre, que vai te contar a causa da minha condenação”. Quando andou um pouco pelo fogo, a comadre apareceu toda em fogo, sentada e entalada numa medida de trigo. Ele disse: “Ó comadre infeliz e miserável, como caíste neste suplício?”. Ela respondeu: “Porque no tempo da grande fome, que fora predita pelo bem-aventurado Francisco, eu e meu marido vendíamos trigo e falsificamos a medida. É por isso que estou queimando apertada nesta medida”. Dito isso, o anjo jogou-o para fora do fogo, dizendo: Prepara-te para o caminho, porque ainda tens que passar por uma coisa horrível”.
39 Dizia-lhe: “Ó guia duríssimo, que não te deixas mover por nenhuma compaixão. Vês que estou quase todo queimado e me dizes: Vem para mais um perigo horrível!”.
40 O anjo tocou-o e o curou perfeitamente. E o levou para uma ponte que não podia ser atravessada sem um perigo enorme, porque era estreita demais e excessivamente lisa. 41 Embaixo da ponte corria um rio terrível, cheio de serpentes, dragões, escorpiões e corujas, com um fedor horrendo. O anjo disse: “Atravessa esta ponte porque tens que passá-la de qualquer jeito”.
42 Ele respondeu: “Como vou poder passar sem cair nesse rio tão perigoso?”. Disse o anjo: “Vem atrás de mim, pondo teu pé aonde vires que eu ponho o meu, e vais atravessar bem”. 43 Ele foi andando atrás do anjo, pondo o pé onde o outro o punha, chegando salvo até o meio da ponte. 44 Mas, quando estavam no meio da ponte, o anjo foi embora voando e subiu lá no alto para uma morada bem admirável, colocada nas alturas. Ele notou bem como o anjo voou.
45 Como ele ficou sem guia naquela ponte e os animais terríveis do rio já estavam levantando a cabeça para devorá-lo se ele caísse, estava tão aterrorizado que não sabia absolutamente o que fazer, porque não podia ir nem para trás nem para frente. 46 Por isso, posto em tamanha tribulação e perigo, abaixou-se e abraçou a ponte. Vendo que não havia outro refúgio a não ser Deus, começou a invocar do fundo do coração o Senhor Jesus Cristo, para que, por sua santíssima e piedosíssima misericórdia, se dignasse socorre-lo. 47 Depois que rezou, pareceu-lhe que estava criando asas. Ficou muito contente com isso, esperou que as asas crescessem pensando em atravessar o rio e ir para lugar aonde o anjo tinha voado.
48 Mas, como teve muita pressa de voar, porque as asas ainda não estavam bem crescidas, caiu em cima da ponte, e todas as penas caíram também. Ficou aterrorizado, abraçando de novo a ponte e implorando em lágrimas a misericórdia de Cristo. 49 Pareceu-lhe que estava criando asas outra vez. Mas, como antes, teve muita pressa de voar e caiu de novo em cima da ponte. Como antes, as penas caíram outra vez.
50 Percebendo que não podia voar bem por causa da precipitação, disse em seu coração (cfr. Sl 9,6.11 (9,27.32)): “Se eu criar asas uma terceira vez, vou esperar tanto tempo que não vou falhar no vôo”. 51 Pareceu-lhe que, entre a primeira, a segunda e a terceira vez que criou asas, tinha esperado mais do que cento e cinqüenta anos. 52 Quando lhe pareceu que as asas estavam otimamente prontas, elevou-se nessa terceira vez valentemente no alto, e voou até a morada para onde o anjo tinha voado.
53 Mas, quando chegou à porta da casa admirável, disse-lhe o porteiro: “Quem és tu, que chegaste até aqui?”. Respondeu: “Sou um frade menor”. Ele disse: “Espera que vou trazer São Francisco, para ver se te reconhece”. 54 Mas, enquanto o outro foi buscar São Francisco, ele começou a olhar os muros daquela cidade admirável. Os muros tinham uma claridade tão grande que ele enxergava claramente tudo que faziam lá dentro e os admiráveis coros dos anjos que lá estavam.
55 Quando estava olhando, viu o bem-aventurado Francisco, o santo Frei Bernardo, Frei Egídio e tamanha multidão de santos e santas de Deus que tinham seguido os seus vestígios, que parecia não ter número.
56 Quando São Francisco chegou perto dele, disse ao porteiro: “Deixa-o entrar, porque é um de meus frades”. E São Francisco levou-o lá para dentro, mostrando-lhe muitas maravilhas. 57 Logo que entrou, sentiu tanta consolação e doçura que se esqueceu de todas as tribulações que tinham acontecido antes, como se nunca tivesse estado no mundo.
58 Depois disso, São Francisco disse: “Filho, tens que voltar para o mundo e ficar lá sete dias, nos quais prepara-te o melhor que puderes. Porque, depois de sete dias, eu irei te buscar, e então virás comigo para este lugar admirável dos bem-aventurados”.
59 São Francisco estava vestido com um manto todo enfeitado de belíssimas estrelas, e seus cinco estigmas eram como cinco esplendidíssimas estrelas, que refulgiam de tanta luz que pareciam iluminar toda aquela cidade com os seus raios. 60 Frei Bernardo tinha na cabeça uma coroa de estrelas (cfr. Ap 12,1) belíssima. Frei Egídio também estava todo enfeitado com uma luz admirável. E reconheceu lá, gloriosos com o bem-aventurado Francisco, muitos outros santos frades menores, que nunca vira.
61 Quando foi dispensado, o frade voltou para o mundo, ainda que de má vontade. Quando voltou, os frades estavam tocando para Prima. Não tinha passado tempo maior que das matinas à aurora da mesma noite, ainda que lhe parecesse que lá estivera por muitos anos. 62 O próprio frade falou ordenadamente da visão e do termo de sete dias para o seu guardião. E logo começou a ficar com febre.
63 No sétimo dia, São Francisco veio com uma gloriosa comitiva de santos e levou para o gozo dos bem-aventurados a alma do frade, purificada na visão sob a direção do anjo.
Para o louvor de nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.