Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Sobre as senhoras pobres

Texto Original

De pauperibus dominabus

Caput CLV - Quomodo volebat fratres conversari cum eis.

 

204 
1 Spiritualis aedificii memoriam, multo nobiliorem ab illa terrena quam beatus pater post illius materialis ecclesiae reparationem in augmentum civitatis supernae, Spiritu Sancto ductore (cfr. Is 63,14), illo in loco instituit, non expedit silentio praeterire. 
2 Non est credendum quod pro perituro et labenti opere reparando, de ligno crucis sibi locutus fuerit Christus, modo utique sic stupendo, qui audientibus timorem incutit (cfr. 2Mac 12,22) et dolorem immittit. 
3 Sed, sicut olim praedixerat Spiritus Sanctus (cfr. Act 1,16), Ordo sanctarum virginum ibi debebat institui, qui ad restaurationem caelestis domus, velut vivorum lapidum (cfr. 1Pet 2,5) expolita congeries, erat aliquando transferendus. 
4 Verum postquam in loco illo convenire coeperunt virgines Christi (cfr. 2Cor 11,2), et de diversis mundi partibus aggregari, summam profitentes perfectionem in observantia paupertatis altissimae (cfr. 2Cor 8,2) ac omnium virtutum decore (cfr. Iudt 10,4), licet pater illis paulatim suam praesentiam corporalem (cfr. 2Cor 10,10) subduxerit, affectum tamen in Spiritu Sancto (cfr. Mat 3,11) ad ipsarum curam extendit. 
5 Nam, cum per plura summae perfectionis argumenta probatas, sanctus eas cognoverit, omnem pro Christo (cfr. Phip 1,29) paratas sustinere iacturam et subire laborem, nec a sanctis mandatis velle aliquando declinare (cfr. Ps 118,21), promisit eis et aliis paupertatem in simili conversatione profitentibus firmiter suum et fratrum suorum auxilium et consilium perpetuo exhibere. 
6 Haec semper, dum vixit, diligenter exsolvit, et fieri semper, cum morti proximus esset, non negligenter mandavit: unum atque eumdem spiritum (cfr. 1Cor 12,11), dicens, fratres et dominas illas pauperculas de hoc saeculo (cfr. Gal 1,4) eduxisse.

 

205 
1 Mirantibus quandoque fratribus, quod tam sanctas Christi famulas sua praesentia corporali (cfr. 2Cor 10,10) non saepius visitaret, dicebat: “Non credatis, carissimi, quod eas perfecte non diligam. 
2 Si enim crimen esset eas in Christo fovere, nonne maius fuisset eas Christo iunxisse? 
3 Et quidem non eas vocasse nulla fuisset iniuria, non curare vocatas summa est inclementia. 
4 Sed exemplum do vobis, ut quemadmodum ego facio ita et vos faciatis (cfr. Ioa 13,15). 
5 Nolo quod aliquis ad visitandum eas spontaneum se offerat, sed invitos et plurimum renitentes iubeo ipsarum servitiis deputari, spirituales dumtaxat viros (cfr. Os 9,7), digna et longaeva conversatione probatos”.

Texto Traduzido

De pauperibus dominabus

Capítulo 155 - Como queria que os frades tratassem com elas.

 

204 
1 Não podemos deixar de lembrar aquele edifício espiritual que o bem-aventurado pai, levado pelo Espírito Santo, construiu depois da reparação de uma igreja material para o desenvolvimento da cidade eterna, muito mais nobre e colocado no mesmo lugar. 
2 Não podemos acreditar que Cristo tenha falado da cruz, de maneira tão estupenda que incutiu temor e dor aos que souberam, só para se referir àquela obra perecível que estava em ruínas. 
3 Como tinha sido predito pelo Espírito Santo noutra ocasião, ali deveria ser fundada uma Ordem de santas virgens, como uma reserva selecionada de pedras vivas, a serem transferidas depois para a restauração da casa lá do céu. 
4 De fato, depois que começaram a se reunir naquele lugar as virgens de Cristo, vindas de diversas regiões do mundo, professando a maior perfeição pela observância da altíssima pobreza e pelo decoro de todas as virtudes, o santo pai foi diminuindo aos poucos sua presença corporal, mas redobrou seu afeto no Espírito Santo para cuidar delas. 
5 Sabendo o santo que tinham passado por numerosas provas da maior perfeição e que estavam preparadas para suportar por Cristo qualquer dificuldade e a enfrentar qualquer trabalho, e que não queriam jamais se afastar do que lhes tinha sido mandado, prometeu com firmeza, a elas e às outras que viessem a professar essa vida, que lhes haveria de dar sempre auxílio e conselho, por si mesmo e por seus frades. 
6 Enquanto viveu cumpriu tudo isso diligentemente e, quando viu que estava para morrer, não descuidou de mandar que o fizessem sempre. Pois afirmava que um só e o mesmo Espírito tinha tirado deste século tanto os frades como aquelas senhoras pobrezinhas.

 

205 
1 Algumas vezes em que os frades se admiraram de que não fosse visitar mais vezes com sua presença corporal tão santas servas de Cristo, ele disse: “Não penseis, caríssimos, que não as ame com perfeição. 
2 Se fosse pecado ajudá-las em Cristo, não seria um pecado maior tê-las unido a Cristo? 
3 Não as haver chamado não seria mal nenhum, mas não cuidar delas agora que foram chamadas seria a maior maldade. 
4 Mas eu vos dou exemplo, para que façais como eu faço (cfr. Jo 13,15). 
5 Não quero que ninguém se ofereça espontaneamente para ir visitá-las, mas ordeno que só sejam destinados a atendê-las homens espirituais, provados por um comportamento digno e longo, contra sua vontade e só quando resistirem bastante”.