Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

89. O irmão que desprezou um pobre

Texto Original

.

1 Cum beatus Franciscus ivisset ad quoddam heremitorium fratrum prope Roccam Britii, occasione predicandi hominibus illius provincie, accidit in illa die, qua debebat ibidem predicare, quod quidam homo pauperculus et infirmitius venit ad eum. 
2 Et, cum videret ipsum, cepit considerare paupertatem et infirmitatem eius, ita quod motus pietate, visa paupertate et infirmitate eius, cepit dicere cum socio suo de nuditate et infirmitate eius, illi compatiendo. 
3 Et dixit socius eius ad eum: “Frater, verum est quod iste satis pauper est, sed forsitan in tota provincia non est voluntate ditior illo”. 
4 Et reprehendit illum beatus Franciscus quod non bene dixisset, ita quod inde dixit suam culpam. 
5 Et ait ei beatus Franciscus: ”Vis inde penitentiam facere quam dixero tibi?”. Et respondit: “Libenter”. 
6 Et dixit ei: “Vade et exue te tunicam tuam, et vade nudus coram paupere, et proice te ad pedes eius (cfr. Mat 15,30) et dicas ei quomodo peccasti in ipso, quoniam detraxisti ei; 
7 et dicas ei ut oret pro te, ut Deus tibi indulgeat”. 
8 Ivit ergo ille et fecit omnia sicut dixerat ei beatus Franciscus; quo facto, elevavit se et induit se tunicam, et reversus est ad beatum Franciscum. 
9 Et ait ad eum beatus Franciscus: “Vis ut dicam tibi, quomodo peccasti in illo, immo in Christo?”. 
10 Et ait: “Cum vides pauperem debes considerare illum in cuius nomine venit, videlicet Christum, qui nostram paupertatem et infirmitatem assumere venit; 11 nam paupertas et infirmitas istius est quoddam speculum nobis, per quod speculari et considerare cum pietate debemus paupertatem et infirmitatem Domini nostri Iesu Christi quas in suo corpore pertulit pro salvatione humani generis”.

Texto Traduzido

.

1 Quando o bem-aventurado Francisco foi a eremitério dos frades perto de Rocca di Brizio, para pregar às pessoas daquela província, aconteceu naquele dia em que devia pregar que um homem pobrezinho e enfermiço veio a ele. 
2 Quando o viu, começou a considerar sua pobreza e enfermidade, de modo que, movido de piedade, vendo a pobreza e enfermidade dele, começou a conversar com seu companheiro sobre sua nudez e doença, com pena dele. 
3 E seu companheiro disse-lhe: “Irmão, é verdade que este homem é bem pobre, mas talvez em toda a província não haja outro mais rico que ele na vontade”. 
4 O bem-aventurado Francisco repreendeu-o porque não tinha falado bem, e por isso disse sua culpa. 
5 E o bem-aventurado Francisco lhe disse: “Queres fazer, por isso, a penitência que vou te indicar?”. Ele respondeu: “De boa vontade”. 
6 Disse-lhe então: “Vá tirar tua túnica, vá nu diante do pobre, lança-te aos pés dele e diz-lhe como pecaste contra ele, porque fizeste uma detração; 
7 e diz-lhe que ore por ti, para que deus te perdoe”. 
8 Por isso ele foi e fez tudo como lhe dissera o bem-aventurado Francisco; feito isso, levantou-se, vestiu a túnica e voltou para o bem-aventurado Francisco. 
9 E o bem-aventurado Francisco lhe disse: “Quer que te diga como pecaste contra ele, e até contra Cristo?”.
10 E disse: “Quando vês um pobre deves pensar naquele em cujo nome ele veio, isto é, Cristo, que veio assumir nossa pobreza e enfermidade; 
11 pois a pobreza e a doença deste homem é como um espelho para nós, no qual devemos espelhar e considerar com piedade a pobreza e enfermidade de nosso Senhor Jesus Cristo, que carregou em seu corpo pela salvação do gênero humano”.