Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 8

Texto Original

Caput VIII

Qualiter auditis et intelleetis consillis Christi in Evangelio, statim mutavit habitum exteriorem et induit novum habitum perfectionis interius et exterius.

 

25. 
1 Beatus itaque Franciscus, ecclesiae Sancti Damiani perfecto iam opere, habitum heremiticum portabat, baculumque manu gestans pedibus calciatis et cinctus corrigia incedebat. 
2 Audiens autem quadam die inter missarum solemnia ea quae Christus discipulis ad praedicandum missis loquitur, ne scilicet aururn vel argentum, nec sacculum vel peram, nec panem, nec virgam portent in via, nec calciamenta nec duas tunicas (cfr. Mat 10,9-10; Luc 9,3; 10,4) habeant, 
3 intelligensque haec postea clarius ab ipso presbytero, indicibili repletus gaudio: “Hoc, inquit, est quod cupio totis viribus adimplere”. 
4 Igitur cunctis quae audierat commissis memoriae laetanter his adimplendis innititur, duplicibusque sine mora dimissis ex tunc iam virga, calciamentis, sacculo vel pera (cfr. Mat 10,9-10) non utitur; 
5 faciens autem sibi tunicam valde contemptibilem et incultam, reiecta corrigia, pro cingulo funem sumpsit. 
6 Omnem quoque sollicitudinem cordis novae gratiae verbis apponens qualiter illa posset opere perficere, coepit, instinctu divino, evangelicae perfectionis annunciator exsistere poenitentiamque simpliciter in publicum praedicare (cfr. Mar 6,12; Luc 24,47). 
7 Erant autem verba etus non inania nec risu digna, sed virtute Spiritus sancti plena (cfr. Luc 4,1; Act 6,5), cordis medullas penetrantia, ita ut in stuporem vehementer converterent audientes.

 

26. 
1 Sicut autem ipse postmodum testatus est, huiusmodi salutationem Domino revelante didicerat, videlicet: “Dominus det tibi pacem (Num 6,26; 2The 3,16)!” 
2 Et ideo in omni praedicatione sua, pacem annuntians populum in praedicationis exordio salutabat. 
3 Et mirum certe, nec sine miraculo admittendum, quod ad hanc salutationem annunciandam, ante suam conversionem habuerat quemdam praecursorem qui frequenter iverat per Assisium salutando in hunc modum: “Pax et bonum! pax et bonum (cfr. Is 52,7)!”. 
4 De quo creditum est firmiter quod sicut Iohannes Christum praenuntians Christo incipiente praedicare defecit, ita et iste velut alter Iohannes beatum Franciscum praecessit in annuntiatione pacis qui etiam post adventum ipsius non comparuit sicut prius. 
5 Subito ergo, vir Dei Franciscus, spiritu prophetarum perfusus iuxta sermonem propheticum, statim post dictum suum praeconem annuntiabat pacem, praedicabat salutem (cfr. Is 52,7), eiusque salutaribus monitis plurimi verae paci foederabantur qui discordes a Christo extiterant a salute longinqui.

 

27. 
1 Innotescente autem apud multos beati Francisci tam simplicis doctrinae veritate quam vitae, coeperunt post duos annos a sua conversione viri quidam ipsius exemplo ad poenitentiam animari, et eidem, reiectis omnibus, habitu vitaque coniungi, quorum primus extitit frater Bernardus sanctae memoriae. 
2 Qui considerans constantiam et fervorem beati Francisci in divino servitio, quomodo scilicet cum multo labore destructas reparabat ecclesias asperamque vitam ducebat, cum sciret ipsum delicate vixisse in saeculo, proposuit in corde suo omnia quae habebat erogare pauperibus et illi, vita et habitu, firmiter adhaerere. 
3 Quadam ergo die secreto ad virum Dei accedens, ei suum propositum revelavit, condixitque cum illo ut tali sero veniret ad eum. 
4 Beatus autem Franciscus, gratias agens Deo tanquam nullum adhuc socium habens, gavisus est valde, maxime quia dominus Bernardus erat homo aedificationis magnae.

 

28. 
1 Venit ergo beatus Franciscus ad domum eius statuto sero cum magna cordis exultatione et cum illo tota illa nocte permansit. 
2 Cui, inter alia, dixit dominus Bernardus: “Si quis a domino suo haberet multa vel pauca quae tenuisset per multos annos et nollet ea amplius retinere, quid de ipsis agere posset quod melius esset?”. 
3 Beatus Franciscus respondit quod ea domino suo deberet reddere (Ps 115,18) a quo eadem recepisset. 
4 Et dominus Bernardus ait: “Ergo, frater, omnia mea bona temporalia volo erogare amore Domini mei qui contulit ea mihi, sicut tibi videbitur melius expedire”. 
5 Cui sanctus dixit: “Summo mane ad ecclesiam ibimus et per evangeliorum codicem cognoscemus quomodo Dominus discipulos suos docuit”. 
6 Surgentes igitur mane, cum quodam alio Petro nomine qui etiam cupiebat fieri frater, venerunt ad ecclesiam Sancti Nicolai iuxta plateam civitatis Assisii. 
7 Quam ad orationem ingressi, quia simplices erant et nesciebant invenire verbum evangelii de renuntiatione saeculi, Dominum rogabant devote ut in prima libri apertione voluntatem suam eis ostendere dignaretur.

 

29. 
1 Oratione autem finita, beatus Franciscus accipiens librum clausum, flexis genibus coram altari aperuit ipsum. 
2 Et in prima eius apertione occurrit illud consilium Domini: “Si vis perfectus esse, vade et vende omnia quae habes et da paupertbus et habebis thesaurum in caelo (Mat 19,21; cfr. Luc 18,22)”. 
3 Quo comperto, beatus Franciscus gavisus est valde et gratias egit Deo. 
4 Sed quia verus cultor Trinitatis, trino voluit testimonio confirmari. Secundo et tertio librum aperuit. 
5 Et in secunda apertione occurrit illud: “Nihil tuleritis in via (cfr. Luc 9,3), etc.”. 
6 In tertia vero illud: “Qui vult venire post me abneget semetipsum (cfr. Mat 16,24; Luc 9,23), etc.”. 
7 Beatus ergo Franciscus, in qualibet apertione libri gratius Deo exhibitis pro confirmatione sui propositi et desiderii dudum concepti tertio divinitus sibi exhibita et monstrata, dixit praedictis viris, scilicet Bernardo et Petro: 
8 “Fratres, haec est vita et regula nostra et omnium qui voluerint nostrae societati coniungi. Ite igitur, et sicut audistis implete”. 
9 Abiit itaque dominus Bernardus qui erat dives valde, et venditis omnibus quae habuerat multaque pecunia congregata, pauperibus (cfr. Luc 18,22) civitatis distribuit universa. 
10 Petrus etiam pro posse divinum consilium adimplevit. 
11 Distractis autem omnibus, habitum, quem paulo ante sanctus assumpserat postquam reliquit heremiticum habitum, ambo pariter susceperunt, et ab illa hora simul cum ipso vixerunt secundum formam sancti evangelii a Domino illis ostensam. 
12 Et ideo beatus Franciscus dixit in testamento suo: “Ipse Dominus mihi revelavit ut deberem vivere secundum formam sancti evangelii”.

Texto Traduzido

Caput VIII

Como, ouvidos e entendidos os conselhos de Cristo no Evangelho, imediatamente mudou o hábito exterior e vestiu um novo hábito de perfeição, interior e exteriormente

 

25. 
1 O bem-aventurado Francisco, tendo assim concluído a obra da igreja de São Damião, vestia um hábito de eremita, levava na mão um cajado, tinha os pés calçados e cingia uma correia. 
2 Certo dia, porém, durante a celebração da santa missa, ouvindo o que Cristo recomendava aos discípulos enviados a pregar: que não levassem no caminho nem ouro nem prata, nem sacola nem alforje, nem pão nem cajado, e não usassem nem calçados nem duas túnicas, 
3 e entendendo isso melhor, depois da explicação do sacerdote, repleto de indizível contentamento, disse: “É isto que eu quero cumprir com todas as minhas forças”. 
4 Retendo pois em sua memória tudo o que ouvira, tratou de cumprir alegremente aquelas palavras. Despojou-se logo do que tinha em dobro e, desde aquele momento, já não usava nem bordão, nem calçados, nem sacola ou alforje. 
5 Fez para si uma túnica bem desprezível e rústica, abandonou a correia e cingiu-se com uma corda. 
6 Colocando também toda solicitude do coração nas palavras da nova graça, para poder pô-las em prática, começou, por instinto divino, a ser um anunciador da perfeição evangélica e a pregar a penitência em público com simplicidade. 
7 Suas palavras não eram vazias nem ridículas mas, cheias da força do Espírito Santo, penetravam tão profundamente a medula dos corações que deixavam muito admirados os ouvintes.

 

26. 
1 Como ele mesmo mais tarde atestou, por revelação divina, havia aprendido esta saudação: “O Senhor te dê a paz”. 
2 Por isso, no início de qualquer pregação sua, saudava o povo anunciando a paz. 
3 E é certamente admirável, para admitir como milagroso, que antes de sua conversão tinha tido um precursor no anúncio dessa saudação, que andara freqüentemente por Assis saudando deste modo: “Paz e Bem! Paz e Bem!" 
4 Por isso se acreditou com firmeza que como João, prenunciando Cristo, parou quando Cristo começou a anunciar, assim esse homem, como um outro João precedeu o bem-aventurado Francisco na anunciação da paz e depois de sua vinda não compareceu mais como antes. 
5 Pois, de repente, Francisco, o homem de Deus, penetrado do espírito dos profetas de acordo com a palavra profética, logo depois daquele seu precônio, anunciava a paz, pregava a salvação, e com as suas salutares admoestações, muitos daqueles que tinham discordado de Cristo e estavam longe da salvação uniam-se na verdadeira paz.

 

27. 
1 Quando muita gente começou a conhecer a verdade da doutrina e da vida tão simples de Francisco, alguns homens começaram, dois anos depois de sua conversão, a animar-se para a penitência pelo seu exemplo e, deixando tudo, a unir-se a ele pelo hábito e pela vida, sendo que o primeiro deles foi Frei Bernardo, de santa memória. 
2 O qual, considerando a constância e o fervor do bem-aventurado Francisco no serviço divino, isto é, como reparava igrejas com muito trabalho e a vida áspera que levava, sabendo que no século ele tinha levado uma vida delicada, propôs em seu coração dar aos pobres tudo que tinha e juntar-se firmemente a ele, pela vida e pelo hábito. 
3 Assim, certo dia, aproximou-se ocultamente do homem de Deus, revelou-lhe seu propósito e combinou com ele que em certa noite fosse a sua casa. 
4 O bem-aventurado Francisco, dando graças a Deus, porque até então não tinha nenhum companheiro, muito se alegrou, especialmente porque o Senhor Bernardo era homem de vida bem edificante.

 

28. 
1 Na noite combinada, foi o bem-aventurado Francisco à casa de Bernardo, com grande alegria no coração, e permaneceu com ele toda aquela noite. 
2 Entre outras coisas, o senhor Bernardo disse: - “Se alguém recebesse de seu patrão muito ou pouco, e conservasse esses bens por muitos anos e não quisesse mais retê-los, o que era melhor que fizesse com eles?” 
3 O bem-aventurado Francisco respondeu que deveria devolvê-los ao patrão de quem os recebera. 
4 E o senhor Bernardo disse: “Portanto, irmão, todos os meus bens temporais quero distribuir, por amor do meu Senhor, de quem os recebi, conforme te parecerá mais conveniente. 
5 O santo disse: “Amanhã, bem cedinho, iremos à igreja, e pelo códice dos Evangelhos saberemos como o Senhor ensinou a seus discípulos”. 
6 Por isso, levantando-se cedo, foram à Igreja de São Nicolau, perto da praça da cidade de Assis, com um outro chamado Pedro, que também queria ser irmão. 
7 Entrando nela para orar, como eram simples e não sabiam achar a passagem do Evangelho a respeito da renúncia do século, devotamente rogavam ao Senhor que se dignasse mostrar-lhes a sua vontade na primeira vez que abrissem o livro.

 

29. 
1 Terminada a oração, o bem-aventurado Francisco, tomando o livro fechado, de joelhos diante do altar, abriu-o.
2 Ao abrir a primeira vez, encontrou este conselho do Senhor: “Se queres ser perfeito, vai e vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu”. 
3 Descobrindo isso, o bem-aventurado Francisco ficou muito contente e deu graças a Deus. 
4 Mas como era um verdadeiro adorador da Santíssima Trindade, quis que isto fosse confirmado com um tríplice testemunho. E abriu o livro pela segunda e pela terceira vez. 
5 Na segunda abertura apareceu isto: “Não leveis nada no caminho... etc”. 
6 E na terceira, isto: “Quem quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, etc.”. 
7 O bem-aventurado Francisco, tendo dado graças a Deus em cada uma das aberturas do livro pela confirmação de seu propósito e de seu desejo então concebido, que lhe foi exibida e demonstrada três vezes divinamente, disse aos referidos varões, Bernardo e Pedro: 
8 - “Irmãos, esta é nossa vida e regra e de todos que quiserem unir-se à nossa sociedade. Ide, pois, e fazei como ouvistes”. 
9 Então o senhor Bernardo, que era muito rico, foi e, tendo vendido tudo que possuía e tendo ajuntado muito dinheiro, distribuiu tudo aos pobres da cidade. 
10 Pedro também cumpriu o conselho divino como pôde. 
11 Despojando-se de tudo, ambos tomaram o hábito, que o santo assumira pouco antes, após ter deixado o hábito de eremita. Desde então, viveram juntamente com ele, segundo a forma do santo Evangelho, que o Senhor lhes havia manifestado. 
12 Foi por isso que São Francisco disse em seu Testamento: “O próprio Senhor revelou-me que deveria viver segundo a forma do santo Evangelho”.