Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Milagres II

Texto Original

Miraculis II

II - De mortuis suscitatis.

 

1 
1 In castro Montis Marani prope Beneventum mulier quaedam sancto Francisco peculiari devotione cohaerens, viam universae carnis intravit (cfr. Ios 23,14). 
2 Convenientibus autem clericis nocte ad exsequias et vigilias cum Psaltertis decantandas, subito cunctis cernentibus, erexit se mulier super lectum et unum de adstantibus sacerdotem, patrinum videlicet suum, vocavit dicens: “Volo confiteri, pater, audi peccatum meum! 
3 Ego enim mortua duro eram carceri mancipanda, quoniam peccatum, quod tibi pendam, necdum confessa fueram. 
4 Sed orante”, inquit, ”pro me sancto Francisco, cui, dum viverem, devota mente servivi, redire nunc ad corpus indultum est mihi, ut, illo revelato peccato, sempiternam promerear vitam. 
5 Et ecce, vobis videntibus, postquam illud detexero, ad promissam requiem properabo”. 
6 Trementer ergo sacerdoti trementi confessa, post absolutionem receptam quiete se in lecto collegit et in Domino feliciter obdormivit (cfr. Act 7,60).

 

2 
1 In castro Pomarico in montanis Apuliae posito, patri et matri unica erat filia in tenera aetate tenere praedilecta. 
2 Qua infirmitate gravi ad mortem perducta, parentes eius successionem aliam non sperantes, se in illa quasi mortuos reputabant. 
3 Convenientibus ergo consanguineis et amicis ad flebile nimis funus, iacebat mater infelix ineffabilibus completa doloribus et absorpta suprema tristitia, de his quae fiebant nihil penitus advertebat. 
4 Interim sanctus Franciscus, uno tantum socio comitatus, apparens desolatam visitare dignatus est feminam, quam sibi senserat esse devotam et piis eam affatus alloquiis: 
5 “Noli flere (cfr. Luc 7,13)”, inquit, ”nam lucernae tuae lumen, quod deploras exstinctum, mea tibi est intercessione reddendum”. 
6 Surrexit continuo mulier, et quae sibi dixerat Sanctus omnibus manifestans, non permisit exstinctum corpus efferri, 
7 sed cum magna fide sancti Francisci nomen invocans et mortuam filiam apprehendens, vivam et incolumem, cunctis videntibus et mirantibus, allevavit.

 

3 
1 Cum fratres de Noceria peterent quoddam plaustrum a quodam viro, Petro nomine, quo aliquantulum indigebant, stulte respondit eis, pro petito subsidio irrogando convicium, et pro eleemosyna ad honorem sancti postulata Francisci, in nomen ipsius blasphemiam iaculando. 
2 Poenituit hominem statim insipientiae suae, divino super eum irruente pavore, ne forte ultio Domini sequeretur, sicut et fuit protinus subsecuta. 
3 Nam infirmatus continuo primogenitus eius, parvo elapso spatio, spiritum exhalavit. 
4 Volutabatur per humum pater infelix et sanctum Dei Franciscum invocare non cessans, cum lacrimis exclamabat: 
5 ”Ego sum, qui peccavi (cfr. 2Re 24,17), ego, qui inique locutus sum; me in persona propria flagellare debuisti. 
6 Redde, Sancte, iam poenitenti quod abstulisti impie blasphemanti! 
7 Tibi me reddo, tuis me obsequiis semper expono; nam et devotum sacrificium laudis (cfr. Ps 49,14) pro tui honore nominis semper offeram Christo”. 
8 Mira res! Ad haec verba surrexit puer, et planctum prohibens, se morientem, eductum de corpore, per beatum Franciscum deductum asseruit et reductum.

 

4 
1 Cuiusdam urbis Romae notarii puerulus vix septennis matrem ad ecclesiarn Sancti Marci euntem puerili more sequi desiderans, dum remanere domi compelleretur a matre, per fenestram palatii se proiecit, et ultima quassatione collisus, continuo exspiravit. 
2 Mater vero, quae nondum longe discesserat, ad sonitum corruentis praecipitium pignoris suspicata, celeriter rediit filiumque reperiens tam miserabili casu repente subtractum, protinus sibi ipsi manus iniecit ultrices ac dolorosis clamoribus totam excitavit viciniam ad lamentum. 
3 Frater vero quidam, nomine Raho de ordine Minorum, illuc se ad praedicandum conferens, propinquavit ad puerum et fide plenus ait ad patrem: 
4 “Credisne sanctum Dei Franciscum posse filium tuum a mortuis suscitare (cfr. Act 17,31) propter amorem quem semper ad Christum habuit, pro reddenda vita hominibus crucifixum?”. 
5 Quo respondente, se firmiter credere et fideliter confiteri servumque Sancti in perpetnum se esse futurum, si tantum a Deo munus per ipsius merita recipere mereretur, prostravit se frater ille cum fratre socio in oratione, ceteros, qui aderant, excitans ad orandum. 
6 Quo facto, coepit puer aliquantulum oscitare, et apertis oculis brachiisque levatis, se ipsum erexit et statim coram omnibus ambulavit incolumis, per mirandam Sancti virtutem vitae simul redditus et saluti.

 

5 
1 In civitate Capuae, dum puer quidam circa ripam Vulturni fluminis cum pluribus iocaretur, incautus cecidit in profundum, quem fluminis impetus (cfr. Ps 45,5) celeriter vorans, sub sabulo mortuum sepelivit. 
2 Proclamantibus autem pueris, qui cum eo luserant circa flumen, populosa illic multitudo convenit. 
3 Cumque universus populus suppliciter et devote beati Francisci merita invocaret, ut devotorum sibi parentum fidem aspiciens, prolem a mortis periculo dignaretur eripere, natator quidam procul adstans, clamoribus auditis, accessit. 
4 Et post inquisitionem, invocato tandem beati Francisci subsidio, locum invenit, in quo limus in modum sepulcri pueri cadaver obtexerat; quem effodiens et extra deportans, dolens defunctum inspexit. 
5 Licet autem populus, qui adstabat videret iuvenem mortuum, nihilominus tamen flens et eiulans proclamabat: ”Sancte Francisce; redde puerum patri suo!”. 
6 Sed et Iudaei, qui venerant, naturali pietate commoti, dicebant: ”Sancte Francisce, redde puerum patri suo!”. 
7 Subito puer, laetantibus et mirantibus cunctis, exsurgens incolumis, duci se ad ecclesiam beati Francisci suppliciter postulavit, ut gratias illi devotus exsolveret, cuius se noverat virtute mirabiliter suscitatum.

 

6 
1 In civitate Suessa, in vico, qui ”Ad columnas” dicitur, repente quaedam corruens domus unum absorbuit invenem et subito interemit. 
2 Viri autem et mulieres ruinae sonitu excitati, undique accurrentes, elevaverunt hinc inde ligna et lapides et miserae matri mortuum filium reddiderunt. 
3 Illa vero amarissimis repleta singultibus, sicut poterat, dolorosis vocibus exclamabat: ”Sancte Francisce, sancte Francisce, redde mihi filium meum!”. 
4 Non solum autem illa, sed et omnes, qui aderant beati Patris praesidium flagitabant. 
5 Sed cum non esset neque vox neque sensus, cadaver posuerunt in lectulo, ad sepeliendum ipsum diem crastinum exspectantes. 
6 Mater vero fiduciam habens in Domino per merita Sancti eius votum emisit, nova se sindone beati Francisci operturam altare, si filium suum sibi revocaret ad vitam. 
7 Et ecce, circa mediam noctis horam coepit iuvenis oscitare, et calescentibus membris vivus exsurgens et sanus, in laudis verba prorupit. 
8 Sed et clerum qui convenerat, et populum universum excitavit ad laudes et gratias Deò et beato Francisco cum mentis laetitia persolvendas.

 

7
1 Iuvenis quidam, Gerlandinus nomine, de Ragusia oriundus, vindemiarum tempore ad vineas exiens, cum in vase vinario, ut utres impleret, sub torculari se mitteret, repente praegrandes lapides, motis in se lignorum struibus, caput ipsius letali percussione quassarunt. 
2 Festinavit continuo pater ad filium et desperans obrutum non adiuvit, sed eum sub onere, sicut corruit, sic reliquit. 
3 Accurrerunt expeditius vinitores magni clamoris vocem lugubrem audientes multoque cum patre pueri dolore completi, extraxerunt iuvenem iam mortuum a ruina. 
4 Pater vero ipsius, Iesu pedibus provolutus, humiliter precabatur, ut filium suum unicum per sancti Francisci merita, cuius tunc imminebat solemnitas, sibi reddere dignaretur. 
5 Ingeminabat preces, vovebat officia pietatis, et sancti viri corpus se visitaturum cum filio, si suscitaretur a mortuis, promittebat. 
6 Mirum certe! Continuo puer, qui toto fuerat corpore conquassatus, restitutus vitae et integrae sospitati, gaudens coram omnibus exsurrexit, plangentes obiurgans et sancti Francisci suffragiis vitae se redditum asseverans.

 

8 
1 Quendam alium mortuum in Alemania suscitavit, de quo dominus Papa Gregorius tempore translationis ipsius Sancti fratres omnes, qui ad translationem et Capitulum convenerant, per apostolicas litteras certos reddidit et gaudentes. 
2 Miraculi huius seriem, quia ignoravi, non scripsi, credens, papale testimonium omnis assertionis excellere instrumentum.

Texto Traduzido

Miraculis II

II – Sobre os mortos ressuscitados.

 

1 
1 No castro de Monte Marano, perto de Benevento, uma mulher muito devota de São Francisco, entrou no caminho de toda carne. 
2 Mas quando se reuniram os clérigos, de noite, para cantar as exéquias e vigílias com os Saltérios, de repente, diante da vista de todos, a mulher levantou-se na cama e chamou um dos presentes, que era sacerdote e seu padrinho, dizendo: Quero me confessar, padre, ouve o meu pecado! 
3 Pois eu morri e devia ser presa num duro cárcere, porque ainda não tinha confessado o pecado, que vou te manifestar. 
4 Mas São Francisco, a quem servi devotamente enquanto vivi, orou por mim, e me foi concedido voltar agora ao corpo para que, revelado aquele pecado, mereça a vida sempiterna. 
5 E eis que, diante de vós, depois que me confessar, vou partir para o descanso prometido”. 
6 Tremendo, o sacerdote confessou-a também a tremer e, depois de recebida a absolvição, recolheu-se sossegadamente em seu leito e dormiu felizmente no Senhor.

 

2 
1 No castro de Pomarico, situado nas montanhas da Apúlia, um pai e uma mãe tinham uma filha muita amada, em tenra idade. 
2 Como ela foi levada à morte por uma doença grave, e seus pais não esperavam outra para sucede-la, achavam-se, nela, quase mortos. 
3 Quando vieram os parentes e amigos ao funeral tão choroso, jazia a infeliz mãe cumulada de dores inefáveis e absorta pela suprema tristeza, sem nem perceber o que estava sendo feito. 
4 Nesse ínterim, apareceu São Francisco, acompanhado por um só companheiro, e se dignou visitar a mulher desolada, a que conhecera como sua devota, e lhe disse com palavras piedosas: 
5 “Não chores, pois a luz de teus olhos, que deploras apagada, vai ser devolvida a ti por minha intercessão”.
6 A mulher levantou-se na mesma hora e contou a todos o que o santo lhe dissera, não permitindo que o corpo fosse levado embora. 
7 Mas, com grande confiança, invocou o nome de São Francisco e, pegando a filha morta, levantou-a viva e incólume, enquanto todos viam e admiravam.

 

3 
1 Certa vez, os frades de Nocera, pediram uma carroça a um homem chamado Pedro, pois precisavam dela por um certo tempo. Mas ele respondeu-lhes estupidamente, soltando um insulto no lugar do favor pedido e em vez da esmola pedida em honra de São Francisco, disse uma blasfêmia contra o seu nome. 
2 Mas o homem se arrependeu na mesma hora de sua burrice, pois caiu sobre ele o pavor divino, se por acaso não viesse uma vingança do Senhor, como veio, e foi logo. 
3 Pois logo em seguida seu primogênito ficou doente e, pouco tempo depois, exalou o espírito. 
4 O infeliz pai rolava pelo chão, sem deixar de invocar Francisco, o santo de Deus, e exclamava com lágrimas:
5 “Fui eu que pequei, fui eu que falei mal, devias flagelar a mim, em pessoa. 
6 Devolve, Santo, ao que já está penitente, o que tiraste quando estava blasfemando impiamente! 
7 Eu me entrego a ti, ponho-me sempre a teu serviço; pois vou oferecer sempre a Cristo um devoto sacrifício de louvor em honra do teu nome”. 
8 Que coisa admirável! Ditas essas palavras, o menino levantou-se, proibiu que chorassem e afirmou que tinha sido tirado do corpo, levado e trazido de volta por São Francisco.

 

4 
1 O filhinho de um notário da cidade de Roma, de apenas sete anos, queria acompanhar sua mãe que ia à igreja de São Marcos, como fazem todas as crianças, mas teve que ficar em casa, obrigado pela mãe. Jogou-se pela janela e, batendo-se com um último golpe, expirou imediatamente. 
2 A mãe, que ainda não tinha ido longe, correu ao ouvir o ruído e, suspeitando da queda de seu querido, voltou depressa e vendo que o filho lhe tinha sido tirado de repente por situação tão miserável, levantou contra si mesma as mãos vingadoras e, com dolorosos clamores, despertou toda a vizinhança para o lamento.
3 Um frade chamado Raho, da Ordem dos Menores, estava indo para lá para pregar, aproximou-se do menino e, cheio de confiança, disse ao pai: 
4 “Acreditas que o santo de Deus, Francisco, pode ressuscitar teu filho dos mortos, pelo amor que sempre teve por Cristo, que foi crucificado para dar a vida aos homens? 
5 Ele respondeu que acreditava firmemente e confessava fielmente, e que seria servo do santo para sempre, se merecesse receber tamanho dom pelos seus merecimentos. Então o frade se ajoelhou em oração com o seu irmão companheiro, animando os outros presentes a orar. 
6 Feito isso, o menino começou a bocejar um pouco, abriu os olhos, levantou os braços, levantou-se sozinho e, diante de todos, andou incólume, devolvido à vida e à saúde pela admirável virtude do santo.

 

5 
1 Na cidade de Cápua, enquanto um menino brincava com outros na margem do rio Volturno, descuidou-se e caiu no mais profundo, e a correnteza do rio, devorando-o rapidamente, sepultou-o sob o lodo. 
2 Aos gritos dos meninos que estavam brincando com ele perto do rio, juntou-se numerosa multidão. 
3 Como todo o povo invocou suplicante e devotamente os méritos do bem-aventurado Francisco, para que olhasse a fé dos devotos pais, e se dignasse tirar o filho do perigo da morte, um nadador, que estava longe, ouvindo os clamores, aproximou-se. 
4 Depois de se informar, invocou afinal a ajuda de São Francisco, encontrou o lugar em que o lodo tinha coberto como um sepulcro o cadáver do menino. Cavou, tirou fora e, condoído, examinou o defunto. 
5 Mas, mesmo vendo que o jovem estava morto, o povo que ali estava, chorando e gemendo gritava: “São Francisco, devolve o menino ao seu pai!”. 
6 Até os judeus, que tinham comparecido por natural piedade, diziam comovidos: “São Francisco, devolve o menino ao seu pai!”. 
7 De repente, para alegria e admiração de todos, o menino levantou-se incólume, suplicou que fosse levado à igreja de São Francisco, para lhe agradecer com devoção, pois sabia que tinha sido milagrosamente ressuscitado por sua virtude.

 

6 
1 Na cidade de Sessa, num bairro chamado Alle Colonne, uma casa ruiu de repente, encobrindo um jovem e matando-o na mesma hora. 
2 Homens e mulheres que tinham ouvido o barulho, correram de todas as partes, levantaram aqui e ali tábuas e pedras, devolvendo o corpo à coitada da mãe. 
3 Ela, porém, sem parar de dar soluços muito amargos, exclamava como podia com voz dolorosa: “São Francisco, São Francisco, devolve o meu filho!”. 
4 Não só ela, mas todos os presentes pediam a ajuda do bem-aventurado pai. 
5 Mas como não havia voz nem sentido, colocaram o cadáver numa cama, esperando para sepultá-lo no dia seguinte, 
6 Mas a mãe, tendo confiança no Senhor pelos méritos do santo, fez um voto de dar uma toalha nova para cobrir o altar do bem-aventurado Francisco, se chamasse seu filho de volta à vida. 
7 E eis que, lá pela meia noite, o jovem começou a bocejar e, quando se aqueceram seus membros, levantou-se vivo e sadio, e prorrompeu em palavras de louvor. 
8 Moveu também o clero que tinha vindo e todo o povo, para dar louvores e graças a Deus e ao bem-aventurado Francisco, com alegria interior.

 

7 
1 Um moço chamado Gerlandino, oriundo de Ragusa, tinha saído para as vinhas no tempo da vindima. Como se colocou embaixo do lagar, no tonel, para encher os odres, de repente cederam as armações de madeira e enormes pedras esmagaram sua cabeça com uma pancada mortal. 
2 O pai correu imediatamente para o filho mas, perdida a esperança, não ajudou mas deixou-o sob o peso, como tinha caído. 
3 Acorreram mais depressa os vinhateiros que ouviram a voz lúgubre de clamor, e compadecidos também com o pai do rapaz, tiraram o jovem já morto da ruína. 
4 Mas seu pai, jogando-se aos pés de Jesus, orava humildemente que, pelos méritos de São Francisco, cuja festa já estava tão perto, se dignasse devolver-lhe seu filho único. 
5 Gemia preces, fazia votos de ofícios de piedade e prometeu que iria com o filho visitar o corpo do santo homem, se o ressuscitasse dos mortos. 
6 Certamente admirável! Logo em seguida o rapaz, que tivera todo o corpo esmagado, foi restituído à vida e à saúde, levantou-se alegre no meio de todos, reprovou os prantos e garantiu que tinha voltado à vida pelos sufrágios de São Francisco.

 

8 
1 Ressuscitou um outro morto na Alemanha. Foi um fato que o papa Gregório IX certificou por uma carta apostólica, para alegria de todos no tempo da translação do corpo de São Francisco. 
2 Não fiz a descrição de como aconteceu esse milagre, porque não fiquei sabendo, mas o testemunho de um papa vale mais que qualquer outro documento.