Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Milagres III

Texto Original

Miraculis III

III - De iis quos a mortis periculo liberavit.

 

1 
1 In confinibus Urbis vir quidam nobilis, Radulfus nomine, cum Deo devota uxore fratres Minores suo recepit hospitio tam hospitalitatis gratia quam beati Francisci reverentia et amore. 
2 Nocte vero illa in summitate turris dormiens custos castri, cum iaceret super struem lignorum in ipsa muri positorum crepidine, ipsorum soluta compage, in tectum palatii corruit et exinde super terram. 
3 Excitata est ad sonitum casus tota familia, et custodis intellecta ruina, dominùs castri et domina cum fratribus accurrerunt. 
4 Is vero, qui ex alto corruerat, absorptus fuerat tam profundo sopore, ut nec ad casum evigilaret iteratae ruinae nec ad strepitum accurrentis familiae cum clamore. 
5 Trahentium tamdem et impellentium manibus excitatus, conqueri coepit, quod dulci fuisset quiete privatus, inter beati Francisci brachia suaviter asserens se dormisse. 
6 Cum vero de casu proprio doceretur ab aliis et in imo se videret qui in alto iacuerat, stupens, esse factum quod fieri non perceperat, poenitentiam se facturum ob reverentiam Dei et beati Francisci coram omnibus repromisit.

 

2 
1 In castro Pophis, quod in Campania positum est, sacerdos quidam, Thomas nomine, accessit ad reparandum ecclesiae molendinum. 
2 Deambulans autem incaute secus extrema canalis, quo gurges profundus copioso defluebat influxu, subito casu cavilloso ligno intrusus est, cuius impulsu volvitur molendinum. 
3 Cum igitur consertus iaceret in ligno, et super os ipsius, quia supinus erat, aquarum impetus inundaret, corde tantum, quia lingua non poterat, sanctum Franciscum flebiliter invocabat. 
4 Per magnum vero spatium sic illo iacente, ac de vita ipsius iam penitus sociis desperatis, in contrariam partem molam cum violentia revolverunt, et sic eiectus, sacerdos palpitans volutabatur in aquae meatu. 
5 Et ecce, quidam frater Minor, indutus tunica candida et fune succinctus, cum magna suavitate arreptum per brachium extra flumen eduxit, dicens: ”Ego sum Franciscus, quem invocasti”. 
6 Ille vero, sic liberatus, nimis obstupuit volensque pedum ipsius deosculari vestigia, huc atque illuc anxius discurrebat, quaerens a sociis: ”Ubi est ille? Quo abiit Sanctus? Qua via discessit?”. 
7 Viri autem illi tremefacti, proni ceciderunt in terram (cfr. Num 14,5), sublimis Dei gloriosa extollentes magnalia et virtuosa merita humilis servi eius.

 

3 
1 Iuvenes quidam de burgo Celani pro metendis herbis exierant ad campestria quaedam, in quibus vetus latebat puteus, herbis in summo ore virentibus obumbratus, qui quasi per passus quatuor aquarum altitudinem continebat. 
2 Segregatim igitur per campum discurrentibus pueris, unus ex improviso decurrit in puteum. 
3 Absorbente autem profunda fovea corpus, spiritus mentis sursum recurrebat ad beati Francisci suffragium, clamans in ipso lapsu fideliter et fidenter: ”Sancte Francisce, adiuva me!”. 
4 Ceteri huc et illuc se vertentes (cfr. 3Re 18,45), dum puer alius non comparet (cfr. Gen 37,30), clamore, circuitu et lacrimis requirebant eumdem. 
5 Comperto tandem, quod in puteum cecidisset, festinanter cum gemitu redierunt ad burgum, indicantes eventum, exposcentes auxilium. 
6 Redeuntibus autem illis cum multa hominum turba, demissus unus per funem in puteum, puerum respexit in aquarum superficie residentem, nihil passum penitus laesionis. 
7 Extractus vero de puteo puer dixit omnibus qui adstabant: 
8 “Quando subito cecidi, beati Francisci patrocinium invocavi, qui corruenti mihi statim praesentialiter affuit, et manum porrigens, leniter apprehendit nec unquam deseruit, donec una vobiscum de puteo me eduxit”.

 

4 
1 In ecclesia beati Francisci apud Assisium, dum, praesente Romana curia, praedicaret dominus episcopus Ostiensis, qui et postmodum Summus Pontifex exstitit Alexander, quidam lapis ponderosus et magnus incaute super pulpitum excelsum et lapideum derelictus, prae nimietate pressurae impulsus, super caput cuiusdam cecidit mulieris. 
2 Aestimantes igitur circumstantes, perfecte ipsam iam mortuam et caput eius totaliter conquassatum, cooperuerunt eam pallio, quo erat amicta, ut, sermone finito, educeretur extra ecclesiam lugubre funus. 
3 Ipsa vero se beato Francisco, ante cuius iacebat altare, fideliter commendavit. 
4 Et ecce, praedicatione finita, mulier coram omnibus adeo surrexit incolumis, ut nullius in ea laesionis vestigium appareret. 
5 Sed et, quod est amplius admirandum, cum per longa tempora usque ad horam illam dolorem capitis quasi continuum habuisset, plene fuit ex tunc ab omnis morbi molestia liberata, sicut ipsa postmodum testabatur.

 

5 
1 Apud Cornetum, cum in loco fratrum ad fusionem campanae viri quidam convenissent devoti, puerulus quidam octennis, Bartholomaeus nomine, exenium quoddam fratribus pro laborantibus apportavit. 
2 Et ecce, subito ventus vehemens, concussa domo (cfr. Iob 1,19), ostium portae grave quidem et magnum super ipsum puerulum ita valido proiecit impulsu, ut quem tam ingens pondus oppresserat letali crederetur collisione quassatus. 
3 Sic enim totaliter iacebat tumulatus sub pondere, ut nihil exterius appareret. 
4 Accurrerunt omnes, qui aderant, beati Francisci virtuosam dexteram invocantes. 
5 Sed et pater ipsius, qui, rigescentibus membris, se movere non poterat prae dolore, votis et voce sancto Francisco filium offerebat. 
6 Levatum est denique funestum pondus desuper puerum, et ecce, quem credebant mortuum, quasi suscitatus a somno, laetus apparuit, nullam in se prorsus praeferens laesionem. 
7 Igitur cum quatuordecim esset annorum, factus est frater Minor, vir postea litteratus et famosus praedicator.

 

6 
1 Homines de Lentino lapidem praegrandem absciderunt de monte, qui superponendus erat altari cuiusdam ecclesiae beati Francisci iam in proximo consecrandae. 
2 Cum autem fere quadraginta homines lapidem illum superponere vehiculo niterentur, repetitis saepius viribus, super quemdam hominem lapis cecidit et in modum sepulcri obtexit. 
3 Sed cum mente confusi, quid facerent, ignorarent, maior pars hominum desperata discessit. 
4 Porro viri decem, qui remanserant, lugubri voce sanctum invocantes Franciscum, ne in suo servitio sic horrende mori hominem pateretur; 
5 resumpto tandem corde, tanta facilitate lapidem amoverunt, ut nullus dubitaret, virtutem affuisse Francisci. 
6 Surrexit homo incolumis in omnibus membris, insuper et lumen recuperavit limpidum oculorum, quod prius habuerat obscuratum, ut sic omnibus daretur intelligi, quam in rebus desperatis beati Francisci merita validae sint virtutis.

 

7 
1 Simile quiddam accidit apud Sanctum Severinum in Marchia de Ancona. 
2 Dum enim lapis praegrandis, de Constantinopoli apportatus, ad basilicam beati Francisci multorum viribus traheretur, rapido lapsu est super quemdam trahentium devolutus. 
3 Cumque ille non solum crederetur defunctus, sed etiam totaliter comminutus, assistente sibi beato Francisco et lapidem sublevante, absque omni laesione sanus et incolumis, lapidis proiecto pondere, prosilivit.

 

8 
1 Bartholomaeus, Gaietanus civis, cum ad constructionem cuiusdam ecclesiae beati Francisci non modicum desudaret, ruente trabe quadam infirmiter posita eiusque opprimente cervicem, fuit graviter conquassatus. 
2 Ipse vero mortem sibi sentiens imminentem, uti erat vir fidelis et pius, a quodam fratre viaticum postulavit. 
3 Quod frater ille tam celeriter afferre non valens, quia mori subito credebatur, beati Augustini verbum protulit dicens ei: ”Crede, et manducasti”. 
4 Sequenti vero nocte beatus Franciscus cum undecim fratribus illi apparuit, et inter ubera portans agniculum, ad lectum eius accessit vocavitque illum ex nomine, dicens: ”Bartholomaee, noli timere (cfr. Gen 4,17; 15,1), quia non praevalebit adversum te (cfr. Ier 1,19) inimicus, qui te in meo servitio voluit impedire. 
5 Hic est Agnus, quem tibi dari petebas, quem et propter bonum desiderium suscepisti, cuius etiam virtute consequeris utriusque hominis sospitatem”. 
6 Et sic per vulnera manum ducens, ad opus, quod coeperat, eum redire praecepit. 
7 Qui valde mane consurgens, et his qui eum seminecem reliquerant, incolumis et laetus apparens, admirationem intulit et stuporem, 
8 sed et ipsorum mentes ad beati Patris reverentiam et amorem tam exemplo sui quam Sancti miraculo excitavit.

 

9 
1 Quidam de castro Ceperani, nomine Nicolaus, in manus inimicorum crudelium incidit (cfr. Iudc 15,18) die quadam. 
2 Qui crudelitate ferali vulneribus eum super vulnera concidentes, usque adeo super miserum saevierunt, donec vel exstinctum crederent, vel protinus exstinguendum. 
3 Clamaverat autem Nicolaus praedictus, cum primos ictus exciperet, alta voce: ”Sancte Francisce, succurre mihi! sancte Francisce, adiuva me!”. 
4 Hanc vocem a remotis audierunt quam plurimi, licet auxilium ferre non possent. 
5 Deportatus tandem domum, totus suo sanguine volutatus, fiducialiter asserebat, se mortem ex ilIis vulneribus non visurum (cfr. Luc 2,26) nec etiam se tunc sentire dolores, quoniam sanctus Franciscus sibi succurrerat, et ut poenitentiam ageret (cfr. Mar 6,12), a Domino impetrarat. 
6 Quod et sequens confirmavit eventus; nam lotus a sanguine, continuo contra humanam spem exstitit liberatus.

 

10 
1 Filius cuiusdam nobilis in Castro Sancti Geminiani, valido languore detentus omnique ulterius desperatus salute, ad extremum usque perductus est. 
2 Rivus etenim sanguinis emanabat ab oculis eius, sicut ex vena brachii assolet ebullire, ceterisque propinquae mortis veris indiciis in reliquo corpore apparentibus, indicabatur pro mortuo, sed et prae debilitate spiritus et virtutis sensus et motus usu privatus, visus est penitus emigrasse. 
3 Congregatis autem ex more ad planctum parentibus et amicis, ac de sola agentibus sepultura, pater ipsius, fiduciam habens in Domino, conciso gressu ad ecclesiam cucurrit beati Francisci, quae in eodem erat castro constructa, et cingulo suspenso ad guttur, cum omni humilitate se prostravit in terram (cfr. Iudt 10,20).
4 Sicque vota vovens et multiplicans preces (cfr. 1Re 1,11; Iob 40,22), suspiriis et gemitibus meruit apud Christum sanctum Franciscum habere patronum. 
5 Reversus itaque statim pater ad filium et sanitati restitutum inveniens, luctum in gaudium (cfr. Lam 5,15) commutavit.

 

11 
1 Simile quiddam meritis Sancti operatus est Dominus (cfr. Prov 16,4) circa puellam quamdam in Cathalonia de villa, nomine Thamarit, et circa aliam de Ancona, 
2 quas, cum essent prae nimietate aegritudinis in ultimo spiritu constitutae, beatus Franciscus, fideliter a parentibus invocatus, perfectae continuo restituit sanitati.

 

12 
1 Clericus quidam de Vico Albo, nomine Matthaeus, veneno mortifero bibito (cfr. Mar 16,19), in tantum fuit gravatus, quod loqui aliquo modo non valens, solum finalem exitum exspectabat. 
2 Sacerdos quidam, ut sibi confiteretur, admonuit et verbum unum ab eo extorquere non valuit. 
3 Ipse vero in corde (cfr. Ps 13,1) suo humiliter Christum orabat, ut per beati Francisci merita a mortis eum faucibus eripere dignaretur; 
4 moxque, ut confortatus a Domino, beati Francisci nomen fideli devotione deprompsit testibus qui aderant, veneno evomito, liberatori suo gratias egit.

Texto Traduzido

Miraculis III

III – Sobre aqueles que libertou do perigo da morte.

 

1 
1 Nos arredores de Roma, um nobre, chamado Radulfo, com sua esposa devota a Deus, recebeu como hóspedes alguns frades menores, não só pela graça da hospitalidade como pela reverência e amor ao bem-aventurado Francisco. 
2 Mas naquela noite o guarda do castelo estava dormindo em cima da torre, deitado sobre uma armação de madeira colocada bem no ressalto do muro. Desmanchando-se a armação, ele caiu no telhado do palácio e daí foi para o chão. 
3 A família inteira se acordou com o barulho da queda e, compreendendo a desgraça do guarda, acorreram o senhor do castelo e a senhora com seus irmãos. 
4 Mas o que caiu lá de cima tinha estado absorto em sono tão profundo que não acordou nem com os dois tombos nem com o barulho da família que veio gritando. 
5 Acordando finalmente pelas mãos dos que o puxavam e empurravam, começou a perguntar porque o tinham privado do doce descanso, afirmando que estava dormindo entre os suaves braços do bem-aventurado Francisco. 
6 Mas quando foi informado pelos outros sobre a sua queda e percebeu que tinha deitado em cima mas agora estava em baixo, o que nem tinha percebido, prometeu e reprometeu que iria fazer penitência por reverência a Deus e ao bem-aventurado Francisco.

 

2 
1 No castro de Pofi, que fica na Campânia, um sacerdote, chamado Tomás, foi reparar um moinho da igreja. 
2 Caminhando descuidadamente pela boca do canal pelo qual corriam águas abundantes formando um sorvedouro profundo, de repente caiu e ficou preso pela roda cujo impulso fazia girar o moinho. 
3 Preso pelas tábuas e com a boca inundada de água, pois estava virado para cima, invocava fracamente São Francisco, só com o coração, porque com a língua não podia. 
4 Como tinha ficado nessa situação por muito tempo e seus companheiros já não esperavam que pudesse ser salvo, viraram com violência a roda do lado contrário, e assim, expelido, o sacerdote, palpitando, ficou sendo revolvido nas correntes da água. 
5 E eis que um frade menor, vestido com um túnica branca e cingido com uma corda, puxou-o para fora do rio, com muita suavidade, dizendo-lhe: “Eu sou Francisco, que invocaste”. 
6 Assim libertado, ele ficou muito espantado, querendo beijar os vestígios de seus pés, e corria para cá e para lá perguntando aos companheiros: “Onde ele está? Para onde foi? Por onde saiu?”. 
7 Mas aqueles homens, tremendo, caíram no chão, inclinados, glorificando as grandes de Deus sublime e os virtuosos méritos de seu servo.

 

3 
1 Alguns jovens do burgo de Celano tinham saído para colher ervas em um campo, onde havia um velho poço escondido, que continha uns quatro passos de profundidade de água, mas estava com a boca coberta por plantas viçosas. 
2 Andando os rapazes separados pelo campo, de repente um deles caiu no poço. 
3 Com o corpo mergulhado no buraco profundo, o espírito recorreu ao auxílio do bem-aventurado Francisco, clamando durante todo o tempo com fidelidade e confiança: “São Francisco, ajuda-me!”. 
4 Os outros, andando para cá e para lá, como o outro rapaz não aparecia, começaram a dar voltas procurando-o, com gritos e lágrimas. 
5 Quando perceberam que tinha caído no poço, voltaram gemendo para o burgo, contaram o que tinha acontecido e pediram socorro. 
6 Quando voltaram com um grande grupo de homens, um deles desceu ao poço com um corda e viu que o rapaz estava parado na superfície, sem ter sofrido nenhuma lesão. 
7 Tirado para fora do poço, o moço disse a todos que estavam ao redor: 
8 “Quando caí de repente, invoquei o patrocínio de São Francisco, que logo se apresentou na hora em que eu estava caindo, estendeu-me a mão, pegou-me com cuidado e não me largou até que me tirou do poço junto convosco”.

 

4 
1 Na igreja do bem-aventurado Francisco em Assis, presente a Cúria Romana, quando estava pregando o senhor bispo de Óstia, que depois foi o sumo pontífice Alexandre, uma pedra pesada e grande, deixada descuidadamente em cima do púlpito, que era de pedra e alto, impelida por muita pressão, caiu na cabeça de uma mulher. 
2 Os circunstantes, achando que ela já estava com a cabeça esmagada e completamente morta, cobriram-na com o manto que ela se abrigava para que, terminado o sermão, levassem para fora o lúgubre corpo. 
3 Mas ela mesma tinha se encomendado a São Francisco, pois estava diante do seu altar. 
4 E eis que, acabada a pregação, a mulher levantou-se diante de todos tão incólume que nela não aparecia nenhum vestígio. 
5 Mas, o que é mais de admirar, como durante muito tempo até aquela hora ela tinha dores de cabeça quase contínuas, ficou completamente livre de qualquer incômodo da doença, como ela mesma atestava posteriormente.

 

5 
1 Em Corneto, tendo-se reunido alguns homens devotos para fundir um sino, um menino de oito anos, chamado Bartolomeu, levou algum alimento aos frades, para os trabalhadores. 
2 Mas, de repente, um vento muito forte abalou a casa e derrubou uma porta grande e pesada em cima do menininho, com um impulso tão grande, que acharam que quem tinha sido atingido por tão grande peso estaria esmagado pela colisão. 
3 Pois jazia tão enterrado totalmente pelo peso, que não aparecia n ada por fora. 
4 Acorreram todos que estavam presentes, invocando a virtuosa destra do bem-aventurado Francisco. 
5 Também o pai dele, que teve os membros enrijecidos e nem pôde se mover, oferecia o filho a São Francisco, com vozes e votos. 
6 Finalmente levantaram o funesto peso de cima do menino e eis que, aquele que criam morto, como se tivesse acordado do sono, apareceu alegre, não mostrando absolutamente nenhuma lesão. 
7 Por isso, quando tinha quatorze anos, fez-se frade menor, e foi mais tarde um homem famoso como letrado e pregador.

 

6 
1 Uns homens de Lentini cortaram uma pedra muito grande da montanha para colocá-la em cima do altar de uma igreja de São Francisco, que logo ia ser consagrada. 
2 Mas quando quase quarenta homens estavam se esforçando para colocar a pedra em cima de um veículo, tendo repetido muitas vezes o esforço, a pedra caiu em cima de um deles e o cobriu como um sepulcro. 
3 Confusos, sem saber o que fazer, a maior parte deles foi desesperada embora. 
4 Mas dez homens, que ficaram, invocaram São Francisco com voz lúgubre, que não deixasse morrer dessa forma horrorosa um homem que estava ao seu serviço. 
5 Quando, afinal, se reanimaram, removeram a pedra com tanta facilidade, que ninguém duvidou de que estivesse presente a virtude de Francisco. 
6 O homem levantou-se incólume em todos os membros, e além disso ainda recuperou a luz límpida dos olhos, que antes tinha obscurecida, para que assim se desse a entender a todos como são válidos os méritos da virtude do bem-aventurado Francisco nas coisas desesperadas.

 

7 
1 Algo semelhante aconteceu em São Severino, na Marca de Ancona. 
2 Pois quando uma pedra muito grande, trazida de Constantinopla, estava sendo carregada para a basílica de São Francisco pela força de muitos homens, num rápido escorregão, virou sobre um dos que a puxavam. 
3 Como se achou que ele estava não só morto mas todo esmagado, com a assistência do bem-aventurado Francisco, que levantou a pedra, livre do peso ele se levantou sem nenhuma lesão, são e incólume.

 

8 
1 Bartolomeu, cidadão de Gaeta, tendo suado não pouco na construção de uma igreja do bem-aventurado Francisco, ficou gravemente esmagado quando ruiu uma trave que estava mal colocada e oprimiu sua cabeça. 
2 Mas, ele, percebendo que a morte estava iminente, como era um homem fiel e piedoso, pediu o viático a um frade. 
3 O frade, achando que não ia conseguir trazer tão depressa, porque parecia que ele ia morrer logo, lembrou-lhe aquela palavra de Santo Agostinho: “Crê, e comeste”. 
4 Mas na noite seguinte o bem-aventurado Francisco lhe apareceu com onze frades, trazendo no peito um cordeirinho, foi para perto da cama e chamou-o pelo nome, dizendo: “Bartolomeu, não tenhas medo, porque o inimigo não vai prevalecer contra ti, que quer te impedir de trabalhar para mim. 
5 Este é o Cordeiro, que pediste para te darem, e que recebeste pelo bom desejo, e por cuja virtude vais conseguir a saúde exterior e interior”. 
6 E assim, passando a mão pelas feridas, mandou que voltasse para a obra que tinha começado. 
7 Ele levantou bem cedo e, alegre e incólume, causou admiração e estupor aos que o tinham deixado meio morto. 
8 Mas também, tanto pelo seu exemplo como pelo milagre do santo, animou-os a ter amor e reverência pelo bem-aventurado pai.

 

9 
1 Um dia, um homem do castro de Ceprano, chamado Nicolau, caiu na mão de inimigos cruéis. 
2 Os quais, com feroz crueldade, machucaram-no repetidamente e maltrataram tanto o miserável até que acharam que tinha morrido, ou ia morrer logo. 
3 Mas o referido Nicolau, quando recebeu os primeiros golpes, clamou em alta voz: “São Francisco, socorre-me! São Francisco, ajuda-me!”. 
4 Muitas pessoas ouviram de longe essa voz, embora não pudessem trazer auxílio. 
5 Levado para casa, todo ensanguentado, afirmava confiantemente que não iria morrer por aquelas feridas, e que nem sentia dores, porque São Francisco o socorrera e pedira a Deus que pudesse fazer penitência. 
6 Isso foi confirmado pelo que aconteceu depois, porque, lavado do sangue, contra a esperança humana, ficou continuamente libertado.

 

10 
1 O filho de um nobre do castro de San Geminiano, atacado por forte doença, e desesperado de qualquer ulterior salvação, foi levado ao extremo. 
2 Pois corria um rio de sangue de seus olhos, como costuma acontecer com uma veia do braço e apareceram outros sinais de morte próxima por todo o corpo. Davam-no por morto; além disso, privado do uso dos sentidos e do movimento, parecia mesmo que já tivesse emigrado. 
3 Reunidos, como é costume, seus parentes e amigos para o pranto, e só pensando na sepultura, seu pai, tendo confiança no Senhor, dirigiu-se rapidamente para a igreja de São Francisco, que tinha sido construída nesse mesmo castro e, com uma corda pendurada no pescoço, prostrou-se em terra com toda humildade. 
4 Tendo feito um voto e multiplicando as preces com suspiros e gemidos, mereceu ter São Francisco como patrono junto de Cristo. 
5 Por isso, quando o pai voltou depressa para o filho e o encontrou devolvido à saúde, mudou o luto em alegria.

 

11 
1 Algo semelhante foi feito pelo Senhor, pelos méritos do Santo, com uma menina chamada Tamarit, numa vila da Catalunha, e com outra de Ancona, 
2 as quais, como estavam muito doentes e chegaram ao último suspiro, tiveram a saúde perfeitamente restituída pelo bem-aventurado Francisco, invocado fielmente pelos pais.

 

12 
1 Um clérigo de Vicalvi, chamado Mateus, tendo tomado um veneno mortífero, ficou tão mal que, não podendo de maneira alguma falar, só esperava a saída final. 
2 Um sacerdote aconselhou-o a se confessar, mas não conseguiu tirar dele nenhuma palavra. 
3 Mas ele mesmo rezava a Cristo humildemente em seu coração, para que, pelos méritos do bem-aventurado Francisco, se dignasse arrancá-lo da boca da morte. 
4 De repente, como confortado pelo Senhor, pronunciou com fiel devoção o nome do bem-aventurado Francisco diante das testemunhas que estavam presentes, vomitou o veneno e deu graças ao seu libertador.