Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 27

Texto Original

Caput XXVII

De claritate et constantia mentis eius et de praedicatione coram domino Papa Honorio,et quomodo se et fratres commisit domino Hugoni, episcopo Ostiensi.

 

71. 
1 Vir Dei (cfr. 1Re 9,6.10) Franciscus doctus erat non sua quaerere, sed quae aliorum saluti praecipue cerneret expedire: super omnia tamen desiderabat dissolvi, et esse cum Christo (cfr. Phip 1,23). 
2 Propterea summum eius studium erat ab omnibus quae in mundo sunt (cfr. 1Ioa 2,15), liber exsistere, ne vel ad horam contagione alicuius pulveris, mentis eius serenitas turbaretur. 
3 Insensibilem omnibus quae perstrepunt exterius se reddebat, et totis visceribus undique sensus exteriores recolligens ac motus animi cohibens, soli vacabat Deo; in foraminibus petrae nidificabat, et in caverna maceriae (cfr. Cant 2,14) habitatio eius. 
4 Felici certe devotione circuibat caelibes mansiones, et in vulneribus Salvatoris, exinanitus totus, diutius residebat. 
5 Eligebat proinde frequenter solitaria loca, ut ex toto animum in Deum posset dirigere, nec tamen pigritabatur, cum tempus cerneret opportunum, se negotiis ingerere ac saluti libens intendere proximorum. 
6 Nam eius tutissimus portus erat oratio, non unius exsistens momenti, vacuave aut praesumptuosa, sed longa tempore, plena devotione, humilitate placida: si sero incipiebat, vix mane finiebat; ambulans, sedens, comedens et bibens, orationi erat intentus. 
7 In ecclesiis derelictis et in deserto positis solus ad orandum nocte pergebat, in quibus, divina gratia protegente, multos timores multasque angustias animi superavit.

 

72. 
1 Manu ad manum (Cfr. Ez 21,24) cum diabolo confligebat, cum in eiusmodi locis non solum tentationibus ipsum pulsaret interius, verum etiam exterius ruinis et subversionibus deterreret. 
2 Sed sciens fortissimus miles Dei, Dominum suum ubique omnia posse, terroribus non cedebat, sed aiebat in corde suo: “Nihil amplius, o malevole, potes in me malitiae tuae arma excutere, quam si in publico coram omnibus maneremus”. 
3 Revera constantissimus erat valde et in nullo, nisi quod erat Domini (cfr. 1Cor 7,32), attendebat. 
4 Nam cum inter multa millia hominum verbum Dei saepissime praedicaret, ita securus erat ac si cum familiari socio loqueretur. 
5 Populorum maximam multitudinem quasi virum unum cernebat, et uni quasi multitudini diligentissime praedicabat. 
6 De puritate mentis providebat sibi securitatem dicendi sermonem, et non praecogitatus, mira et inaudita omnibus loquebatur. 
7 Si quando vero aliqua meditatione praeveniret sermonem, congregatis populis, et meditata quandoque non recordabatur, et loqui alia ignorabat: absque rubore aliquo confitebatur populis, se multa precogitasse, quorum nihil penitus poterat recordari; 
8 sicque de subito tanta eloquentia replebatur, ut in admirationem converteret animos auditorum. 
9 Quandoque vero nihil sciens loqui, benedictione data, ex hoc solo maxime praedicatos populos dimittebat.

 

73. 
1 Sed et cum tempore quodam, causa religionis poscente, ad urbem Romam venisset, loqui coram domino papa Honorio et venerabilibus cardinalibus plurimum sitiebat. 
2 Quod intelligens dominus Hugo, gloriosus episcopus Ostiensis, qui sanctum Dei singulari venerabatur affectu, timore ac laetitia est repletus, admirans sancti viri fervorem et simplicem intuens puritatem. 
3 Sed confidens de misericordia Omnipotentis (cfr. 2Mac 8,18), quae pie se colentibus necessitatis tempore (cfr. Sir 8,12) numquam deest, eum coram domino papa et reverendis cardinalibus introduxit. 
4 Qui coram tantis principibus assistens, licentia et benedictione suscepta, intrepidus loqui coepit (cfr. Luc 7,15). 
5 Et quidem cum tanto fervore spiritus loquebatur, quod non se capiens prae laetitia, cum ex ore verbum proferret, pedes quasi saliendo movebat, non ut lasciviens, sed ut igne divini amoris ardens, non ad risum movens sed planctum doloris extorquens. 
6 Multi enim ipsorum corde compuncti sunt (cfr. Act 2,37), divinam gratiam et tantam viri constantiam admirantes (cfr. Act 4,13). 
7 Verum venerabilis dominus episcopus Ostiensis timore suspensus erat, totis visceribus orans ad Dominum, ne beati viri contemneretur simplicitas, quoniam in eum sancti gloria resultabat et dedecus, eo quod erat pater super eius familiam constitutus (cfr. Luc 12,42).

 

74. 
1 Adhaeserat ei namque sanctus Franciscus, tamquam filius patri et unicus matri suae (cfr. Luc 7,12), securus in sinu clementiae suae dormiens (cfr. 2Re 12,3) et quiescens. 
2 Pastoris certe ille implebat vicem et faciebat opus, sed sancto viro pastoris reliquerat nomen. 
3 Beatus pater necessaria praevidebat, sed felix ille dominus provisa effectui mancipabat. 
4 O quanti, maxime in principio cum haec agerentur, novellae plantationi (cfr. Ps 143,12) ordinis insidiabantur ut perderent! 
5 O quanti electam vineam (cfr. Ier 2,21), quam dominica manus benignissime novam in mundo plantabat, praefocare studebant! 
6 Quam multi primos et purissimos eius fructus furari et consumere nitebantur! 
7 Qui omnes tam reverendi patris et domini gladio interfecti et ad nihilum sunt redacti (cfr. Act 5,36). 
8 Erat enim rivus eloquentiae, murus Ecclesiae, veritatis assertor et amator humilium. 
9 Benedicta proinde ac memorabilis dies illa, in qua sanctus Dei tam venerabili domino se commisit. 
10 Cum enim tempore quodam dominus iste legatione, sicut saepe solebat, pro Sede Apostolica in Tuscia fungeretur, beatus Franciscus, non multos adhuc fratres habens et volens in Franciam ire, devenit Florentiam, ubi iam tunc dictus episcopus morabatur. 
11 Nondum alter alteri era praecipua familiaritate coniunctus, sed sola fama beatae vitae mutua eos et affectuali iunxerat charitate.

 

75. 
1 Caeterum quia moris erat beati Francisci, cum aliquam civitatem vel terram ingrederetur, ad episcopos vel sacerdotes accedere, audiens de praesentia tanti pontificis, magna cum reverentia eius se clementiae praesentavit. 
2 Quem dominus episcopus videns, humili devotione suscepit, sicut et semper omnibus sacram religionem praetendentibus faciebat, et illis praecipue, qui beatae paupertatis et sanctae simplicitatis insigne nobile deferebant. 
3 Et quoniam sollicitus erat pauperum supplere inopiam (cfr. 2Cor 8,14) et ipsorum negotia specialiter pertractare, causam adventus ipsius diligenter quaesivit, et eius propositum benignissime intellexit. 
4 Quem cum cerneret supra caeteros terrena omnia contemnentem et illo igne ferventem, quem Iesus misit in terram (cfr. Luc 12,49), anima sua ex tunc animae illius conglutinata est (cfr. 1Re 18,1), devote pius petens orationem et gratissime suam ei offerens in omnibus protectionem. 
5 Monuit proinde ipsum coeptum non perficere iter, sed ad curam et custodiam eorum quos Dominus Deus sibi commiserat, sollicite vigilare. 
6 Videns autem sanctus Franciscus tam reverendum dominum sic pium gerere animum, affectum dulcem, sermonem efficacem, gavisus est gaudio magno valde (cfr. Mat 2,11), et exinde procidens ad pedes eius (cfr. Act 10,25), se ipsum et fratres suos devoto ei animo tradidit et commisit.

Texto Traduzido

Caput XXVII

Da clareza e firmeza do pensamento de São Francisco, de sua pregação diante do senhor papa Honório, e como confiou a si mesmo e a seus irmãos nas mãos do senhor Hugolino, bispo de Óstia.

 

71. 
1 O varão de Deus, Francisco, tinha aprendido a buscar não os seus interesses mas o que lhe parecesse servir melhor à salvação dos outros. Acima de tudo, porém, desejava aniquilar-se para estar com Cristo. 
2 Por isso, seu esforço maior era manter-se livre de todas as coisas que estão no mundo, para que seu pensamento não tivesse a serenidade perturbada por uma hora sequer de contágio com essa poeira. 
3 Tornou-se insensível a todo ruído exterior e se empenhou com todas as forças a dominar os sentidos e coibir as paixões, entregando-se unicamente a Deus. Tinha “sua morada nas fendas das rochas e nas cavidades dos penhascos”. 
4 Com verdadeira devoção, recolhia-se em casas abandonadas e, todo esvaziado de si mesmo, residia por mais tempo nas chagas do Salvador. 
5 Procurava frequentemente os lugares desertos para poder dirigir-se de toda alma a Deus mas quando o tempo lhe parecia oportuno não tinha preguiça de se pôr em atividade e de cuidar com boa vontade da salvação do próximo. 
6 Seu porto seguro era a oração, que não era curta, nem vazia ou presunçosa, mas demorada, cheia de devoção e tranquila na humildade. Se começava à tarde, mal a podia acabar pela manhã. Andando, sentado, comendo ou bebendo, estava entregue à oração. 
7 Gostava de passar a noite rezando sozinho em igrejas abandonadas e construídas em lugares desertos, onde, com a proteção da graça de Deus, venceu muitos temores e muitas angústias.

 

72. 
1 Lutava corpo a corpo com o demônio, porque nesses lugares não só o tentava interiormente mas também procurava desanimá-lo com abalos e estardalhaços exteriores. 
2 Mas o valente soldado de Cristo sabia que o seu Senhor tinha todo o poder, e não cedia às amedrontações, dizendo em seu coração: “Malvado, as armas da tua malícia não me podem ferir mais aqui do que se estivéssemos em público, na frente de todo mundo”. 
3 Na verdade, ele era muito constante e em tudo só queria fazer o que era de Deus. 
4 Pregando freqüentemente a palavra de Deus a milhares de pessoas, tinha tanta segurança como se estivesse conversando com um companheiro. 
5 Olhava a maior das multidões como se fosse uma só pessoa e falava a cada pessoa com todo o fervor como se fosse uma multidão. 
6 A segurança que tinha para falar era resultado de sua pureza de coração, pois, mesmo sem se preparar, falava coisas admiráveis, que ninguém jamais tinha ouvido. 
7 Se, diante do povo reunido, não se lembrava do que tinha preparado e não sabia falar de outra coisa, confessava candidamente que tinha preparado muitas coisas e não estava conseguindo lembrar nada. 
8 De repente, enchia-se de tanta eloquência que deixava admirados os ouvintes. 
9 Mas houve ocasiões em que não conseguiu dizer nada, deu a bênção e, só com isso, despediu o povo com a melhor das pregações.

 

73. 
1 Uma vez teve que ir a Roma por causa da Ordem e sentiu muita vontade de falar diante do Papa Honório e dos veneráveis cardeais. 
2 Sabendo disso, Dom Hugolino, o glorioso bispo de Óstia, que tinha uma especial amizade pelo santo de Deus, ficou cheio de temor e de alegria, porque admirava o fervor do santo mas também sabia como era simples. 
3 Apesar disso, confiando na misericórdia do Todo-poderoso, que no tempo da necessidade nunca falta aos que o veneram com piedade, apresentou-o ao Papa e aos eminentíssimos cardeais. 
4 Diante dos importantes príncipes, o santo pediu a licença e a bênção e começou a falar com toda a intrepidez. 
5 Falava com tanta animação que, não se podendo conter de alegria, dizia as palavras com a boca e movia os pés como se estivesse dançando, não com malícia mas ardendo no fogo do amor de Deus: por isso não provocou risadas, mas arrancou o pranto da dor. 
6 De fato, admirados pela graça de Deus e a segurança desse homem, muitos deles ficaram compungidos de coração. 
7 Entretanto, receoso, o venerável bispo de Óstia rezava fervorosamente ao Senhor para que a simplicidade do santo homem não fosse desprezada, porque isso resultaria em desonra para ele, que tinha sido constituído pai de sua família.

 

74. 
1 Porque São Francisco se ligara a ele como um filho ao pai e como um filho único à sua mãe, achando que em seus braços podia descansar e dormir tranqüilo. 
2 Ele assumira e exercia o cargo de pastor, e deixava o título para o santo. 
3 O bem-aventurado pai cuidava do que era necessário, mas o hábil senhor fazia com que tudo fosse realizado. 
4 Quantas pessoas, especialmente no princípio, tentaram acabar com a implantação da Ordem! 
5 Quantos procuraram sufocar a vinha escolhida que a mão do Senhor tinha plantado havia pouco neste mundo! 
6 Quantos tentaram roubar e consumir seus primeiros e melhores frutos! 
7 Mas todos foram vencidos e desbaratados pela espada de tão reverendo pai e senhor. 
8 Ele era um verdadeiro rio de eloquência, bastião da Igreja, defensor da verdade e protetor dos humildes. 
9 Bendito e memorável o dia em que o santo se confiou a tão venerável senhor. 
10 Numa das muitas vezes em que o cardeal foi mandado como legado da Sé Apostólica à Toscana, São Francisco, que ainda não tinha muitos frades e queria ir à França, passou por Florença, onde morava nesse tempo o referido bispo. 
11 Ainda não estavam unidos por especial amizade, mas a fama de uma vida santa tinha unido os dois em mútuo afeto.

 

75. 
1 De resto, como era costume de São Francisco visitar os bispos e padres logo que chegava a alguma cidade ou região, quando soube da presença de um bispo tão importante, apresentou-se com a maior reverência. 
2 O bispo o recebeu com muita devoção, como fazia sempre com todos os que pretendiam viver a vida religiosa e principalmente com os que levavam o estandarte da santa pobreza e humildade. 
3 Como era solícito em ajudar as necessidades dos pobres e se interessava pessoalmente por seus problemas, quis saber atenciosamente os motivos da visita do santo e escutou com muita bondade as seus projetos. 
4 Ao vê-lo desprendido como ninguém dos bens terrenos e tão abrasado no fogo que Jesus trouxe ao mundo, seu coração se juntou desde esse momento ao coração dele, pediu-lhe orações com devoção e lhe ofereceu com prazer sua proteção. 
5 Aconselhou-o por isso a desistir da viagem encetada para cuidar de guardar aqueles que o Senhor lhe confiara, com vigilante solicitude. 
6 Quando viu toda essa generosidade, bondade e decisão em tão ilustre personagem, São Francisco teve uma alegria enorme, lançou-se a seus pés e lhe confiou devotamente sua própria pessoa e os seus frades.