Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

33. Visita do Cardeal Hugolino à Porciúncula

Texto Original

.

1 Item dicebat quod fratres ita humiles et honestas mensas habere deberent, ut inde seculares possent hedificari; et si aliquis pauper invitaretur a fratribus, posset sedere iuxta eos, non pauper in terra et fratres in alto. 
2 Unde dominus papa Gregorius, cum esset episcopus Hostiensis et veniret ad locum fratrum apud Sanctam Mariam de Portiuncula, intravit domum fratrum et ivit ad videndum dormitorium fratrum, quod erat in eadem domo, cum multis militibus et monachis et aliis clericis, qui venerant secum. 
3 Et cum videret quod fratres iacebant in terra (cfr. Iudt 14,16) et nichil haberent subtus nisi modicum de palea et capitalia nulla et quasdam cultras pauperculas et quasi fractas totas et dissipatas, cepit multum lacrimari coram omnibus, dicens: 
4 “Ecce hic dormiunt fratres; nos vero miseri tot superfluitatibus in omnibus utimur. Quid ergo erit de nobis? (cfr. Mat 19,27)”. 
5 Unde ipse et alii multum inde fuerunt hedificati. 
6 Mensam nullam ibi vidit, quia fratres comedebant in terra. 
7 Et quamvis ille locus ab inceptione, quando fuit hedificatus, magis frequentaretur per longum tempus a fratribus totius Religionis quem aliquis locus fratrum, quoniam omnes qui veniebant ad Religionem induebantur ibi, semper fratres illius loci comedebant in terra, sive pauci sive multi essent, 
8 et quandiu vixit sanctus pater, exemplo suo et voluntate, fratres illius loci sedebant in terra ad comedendum.

Texto Traduzido

.

1 Também dizia que os frades deviam ter mesas tão humildes e simples que, por isso, os seculares pudessem ficar edificados; e se algum pobre fosse convidado pelos frades, pudesse sentar-se com eles, não o pobre no chão e os frades lá em cima. 
2 Por isso o senhor papa Gregório, quando era bispo de Óstia e foi ao lugar dos frades em Santa Maria da Porciúncula, entrou na casa dos frades e foi ver o seu dormitório, que havia nessa casa, com muitos cavaleiros, monges e outros clérigos, que tinham vindo com ele. 
3 Quando viu que os frades dormiam no chão e não tinham por baixo a não ser um pouco de palha, sem travesseiro, com algumas cobertas pobrezinhas, rasgadas e gastas, começou a chorar muito diante de todos, dizendo: 
4 “Vejam aqui como dormem os frades; mas nós, miseráveis, usamos tantas coisas supérfluas para tudo. Que vai ser de nós?”. 
5 Pelo que ele e os outros ficaram muito edificados com isso. 
6 Não viu lá nenhuma mesa, porque os frades comiam no chão. 
7 E embora aquele lugar, desde o começo, quando foi edificado, fosse frequentado por longo tempo pelos frades de toda a Religião mais do que qualquer outro lugar dos frades, porque todos os que vinham para a Religião eram ali revestidos, sempre os frades do lugar comiam no chão, fossem poucos ou muitos, 
8 e enquanto viveu o santo pai, por seu exemplo e vontade, os frades desse lugar sentavam-se no chão para comer.