Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 24

Texto Original

Caput XXIV

Quomodo mulierem caecam illuminavit et apud Eugubium aliam contractam extendit.

 

67. 
1 Mulier quaedam civitatis supradictae, oculorum caecitate percussa, signum crucis a beato Francisco super oculos suos suscipiens, statim lumen meruit recipere concupitum. 
2 Apud Eugubium mulier erat, quae manus ambas contractas habens, nihil cum eis poterat operari. 
3 Quae, cum cognovisset sanctum Franciscum civitatem intrasse, statim cucurrit ad eum et facie miserabili moestitiaque plena, contractas ei manus ostendens, coepit rogare ipsum ut eas tangere dignaretur. 
4 Qui pietate permotus, manus eius tetigit ac sanavit. 
5 Statimque mulier domum rediens laetabunda, caseatam unam propriis manibus fecit, ipsamque obtulit sancto viro. 
6 Ipse vero parumper ex eadem caseata charitative susci-piens, reliquum iussit mulierem cum familia manducare.

Texto Traduzido

Caput XXIV

Como restituiu a vista a uma cega e como curou, em Gúbio, uma mulher com as mãos encolhidas.

 

67. 
1 Uma mulher cega da mesma cidade mereceu receber a cura desejada logo que São Francisco lhe fez o sinal da cruz sobre os olhos. 
2 Em Gúbio, havia uma mulher que tinha as duas mãos contraídas, sem poder fazer nada com elas. 
3 Quando soube que São Francisco estava na cidade, correu para ele e, com o rosto aflito e cheio de tristeza, mostrando as mãos contraídas, começou a pedir que se dignasse tocá-las. 
4 Com pena, ele lhe tocou e curou as mãos. 
5 Na mesma hora, voltou toda alegre para casa, fez uma fogaça de queijo com as próprias mãos e a deu de presente ao santo. 
6 Bondoso, ele aceitou um pedaço e mandou que a mulher comesse o resto com a família.