Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XVI

Texto Original

Caput XVI

Qualiter Deus revelavit s. Clare et fr. Silvestro quod s. Franciscus deberet predicare.

 

1 Tempore quo s. Franciscus in sue conversionis principio, cum iam plures socios aggregasset, positus fuit in magne dubitationis agone, an scilicet vacaret orationi continue, an predicationi aliquando intenderet.
2 Et cupiebat valde scire quod amplius placeret D. Ihesu Cristo. Et s. humilitas s. Franciscum non permittebat de seipso presumere; ideo ad aliorum refugium se convertit, quorum orationibus divinum beneplacitum inveniret.
3 Unde vocavit fr. Masseum et ait illi: “Carissime, vade ad Claram et dicas ei ex parte mea quod ipsa cum aliqua de spiritualibus sociabus suppliciter Deum roget, ut indicet michi an aliquando predicem, an vacem orationi continue. 4 Vadas etiam ad fr. Silvestrum, qui moratur in monte Subasio, et dicas ei similiter”. Iste fuit ille dompnus Silvester, qui crucem auream vidit procedentem ex ore Francisci in longum usque ad celos et in latum usque ad mundi fines. Qui erat tante devotionis et gratie, quod quicquid postulabat, statim exaudiebatur a Deo.
5 Singulariter Spiritus sanctus etiam fecerat eum dignum divino eloquio; propterea s. Franciscus magnam devotionem et fidem habebat in eo. Morabatur ipse fr. Silvester solus in loco predicto.
6 Fr. vero Masseus, prout a s. Francisco sibi fuerat imperatum, primo b. Clare et postea fr. Silvestro ambasiatam predictam imposuit. 
Fr. autem Silvester statim ad orandum perrexit; et cum oraret, statim habuit divinum responsum. 8 Et statim exivit ad fr.Masseum, dicens: “Hec dicit Deus: ut dicas fr. Francisco quod ipsum non propter se solum vocavi, sed ut fructum faciat animarum et multos per eum lucretur”. 
9 Post hec fr. Masseus rediit ad s. Claram, ut sciret quid a Domino impetrasset. Que respondit quod tam ipsa quam socia responsum habuerunt a Domino responsioni fr. Silvestri per omnia simile.
10 Rediit ergo fr. Masseus ad s. Franciscum.Quem sanctus in caritate recipiens, pedes abluendo refectionemque parando; sumpto cibo, fr. Masseum vocavit in silvam, 11 et, nudato capite cancellatisque manibus, genuflexit, interrogavit, dicens: “Quid iubet D.n. Ihesus Cristus ut faciam?”. Respondit fr. Masseus quod tam fr. Silvestro quam sorori Clare et socie una fuit Cristi benedicti responsio: 12 scilicet quod vult ut vadas ad predicandum, quia non vocavit te propter te solum sed propter salutem etiam aliorum.
13 Et tunc facta est manns Domint super (cfr.  Ez 1,3) s. Franciscum; et in fervore spiritus surgens, totus ignitus virtute Altissimi, dixit: “Eamus in nomine Domini!”.
14 Et assumpsit sibi in socios fr. Masseum et fr. Angelum, sanctos viros; et cum iret quasi fulgur in impetu spiritus, non attendens ad viam vel ad semitam, pervenerunt ad castrum quod dicitur Cannarium, 15 et predicavit ibi in tanto fervore et miraculo yrundinum que ad eius imperium tacuerunt, quod omnes illi de Cannario, mares et mulieres, volebant ire, relicto castro, post eum. 
16 Sanctus vero Franciscus ait illis: “Non festinetis, et ego ordinabo quid pro salute vestra facere debeatis”. Et ex tunc cogitavit facere Ordinem tertium, ut salutem omnium universaliter procuraret.
17 Et dimittens illos valde consolatos et ad penitentiam dispositos, recessit inde et venit inter Cannarium et Bevanium. 
18 Et transiens per territorium illud in dicto fervore cum sociis antedictis, respexit quasdam arbores iuxta viam in quibus residebat tanta multitudo avium diversarum, quod nunquam in partibus illis fuit visa similis multitudo. In campo insuper iuxta predictas arbores multitudo maxima diversarum avium residebat. 
19 Quam multitudinem s. Franciscus prospiciens et admirans, facto super se Spiritu Dei, dixit sociis: “Vobis hic in via me expectantibus, ibo et predicabo sororibus meis aviculis”. Et intravit in campum ad aves que residebant in terra. 
20 Et statim quod predicare incepit, omnes aves in arboribus residentes descenderunt ad eum et simul cum illis de campo immobiles permanserunt, cum tamen s. Franciscus iret inter eas plurimas tunica contingendo. 21 Et nulla earum penitus movebatur, sicut recitavit fr. Iacobus de Massa, sanctus homo, qui omnia supradicta habuit ab ore fr. Massei, qui in illo miraculo erat socius s. patris.
22 Quibus avibus s. Franciscus ait: “Multum tenemini Deo, sorores mee aves, et debetis eum semper et ubique laudare propter liberum quem habetis ubique volatum, propter vestitum duplicatum et triplicatum, propter habitum pictum et ornatum, 23 propter victum sine vestro labore paratum? propter cantum a Creatore vobis intimatum, propter numerum ex Dei benedictione multiplicatum, propter semen vestrum a Deo in arca Noe reservatum, propter elementum aeris vobis deputatum.
24 Vos non seminatis, nec metitis, et Deus vos pascit (cfr. Luc 12,24), et dat flumina et fontes ad potum, montes et colles, sassa et ibices ad refugium et arbores altas ad nidum; et cum nec filare nec nere sciatis, prebet tam vobis quam vestris filiis necessarium indumentum. 25 Unde multum diligit vos Creator, qui vobis tot beneficia contulit. Quapropter cavete, vos mee avicule, ne sitis ingrate, sed semper laudare Deum studete”. 
26 Ad hec sanctissimi verba patris omnes ille aves ceperunt aperire rostra, expandere alas et extendere colla, et reverenter usque ad terram flectere capita, et suis cantibus et gestibus demonstrare quod verba que dixerat s. pater eas multipliciter delectabant.
27 Et s. vero pater, similiter cum hec aspiceret, mirabiliter in spiritu exultabat; et mirabatur de tanta multitudine avium et de varietate pulcherrima, de ipsarum etiam affectione et familiaritate concordi; 28 et propterea ipse in eis laudabat mirabiliter Creatorem et ipsas ad Creatoris laudem dulciter invitabat.
29 Completa vero predicatione et laudis Dei exhortatione, fecit omnibus illis avibus signum crucis et, eas licentians, de laude Dei instanter admonuit. 30 Tunc omnes ille aves simul in altitudine se levaverunt et in aere simul fecerunt magnum et mirabilem cantum; et, completo cantu, secundum crucem a s. patre factam se cruciformiter diviserunt et in partes quatuor iter direxerunt.
31 Et quelibet pars in altum cum cantu mirabili se levando, ad unam de quatuor partibus mundi se direxit: una versus orientem, alia versus occidentem, tertia versus meridiem et quarta versus aquilonem; 32 ostendentes quod, sicut eis erat predicatum a sanctissimo et futuro s. crucis signifero, sic se in crucis modum diviserunt; cantando vero cruciformiter per quatuor mundi partes volabant; 33 innuentes quod crucis predicatio, per patrem sanctissimum renovata, per totum mundum per eius fratres erat portanda: qui more avium nichil proprium possidentes in terra, solius Dei providentie se committunt. 
34 Et ideo tales per Cristum aquile appellantur, cum dixit: “Ubicumque fuerit corpus, illic congregabuntur et aquile (Mat 24,28)”. Qui sancti qui sperant in Domino assumunt pennas ut aquile, volabunt ad Dominum et non deficient (cfr. Is 40,31) in eternum.
Ad laudem et gloriam D.n. Ihesu Cristi. Amen.

Texto Traduzido

Caput XVI

Como Deus revelou a Santa Clara e a Frei Silvestre que São Francisco devia pregar.

 

1 No tempo em que São Francisco estava no começo de sua conversão, quando já tinha reunido diversos companheiros, ficou na agonia de uma grande dúvida: se devia entregar-se à oração contínua ou se devia, de vez em quando, cuidar da pregação.
Tinha muito desejo de saber o que mais agradaria ao Senhor Jesus Cristo. E a santa humildade não permitia a São Francisco ser presunçoso; refugiou-se, então, no auxílio dos outros para descobrir o beneplácito divino por suas orações.
Então chamou Frei Masseu e lhe disse: “Caríssimo, vai a Clara e dize, da minha parte, que rogue suplicantemente a Deus com uma de suas companheiras espirituais para que me mostre se devo pregar de vez em quando, ou se tenho que me entregar à oração contínua. Vai também a Frei Silvestre, que mora no monte Subásio e dize-lhe o mesmo”. Este foi aquele senhor Silvestre, que viu uma cruz de ouro saindo da boca de Francisco chegando até o céu no comprimento e até os confins do mundo na largura. Ele era de tão grande devoção e graça que, tudo que pedia era imediatamente atendido por Deus.
5 O Espírito Santo também o fizera, de maneira singular, digno do elóquio divino; por isso São Francisco tinha muita e devoção e fé por ele. Frei Silvestre morava sozinho no referido lugar.
6 Como lhe fora mandado por São Francisco, Frei Masseu levou aquela embaixada primeiro a Santa Clara e depois a Frei Silvestre.
7 Frei Silvestre pôs-se imediatamente em oração e, quando estava orando, recebeu imediatamente a resposta divina. 8 Foi logo falar com Frei Masseu, dizendo: “Isto diz o Senhor: que digas a Frei Francisco que não o chamei só para ele mas para que produza frutos das almas e que muitos sejam conquistados através dele”.
Depois, Frei Masseu voltou a Santa Clara, para saber o que tinha recebido do Senhor. Ela respondeu que tanto ela como a companheira tinham recebido do Senhor uma resposta em tudo semelhante à de Frei Silvestre.
10 Então Frei Masseu voltou para São Francisco. O santo recebeu-o com toda caridade, lavando seus pés e preparando-lhe uma refeição. Depois que Frei Masseu comeu, chamou-o para o bosque, 11 e, descobrindo a cabeça e com as mãos cruzadas, ajoelhou-se e perguntou: “Que é que nosso Senhor Jesus Cristo manda que eu faça?”. Frei Masseu respondeu que tanto para Frei Silvestre quanto para a Irmã Clara e sua companheira, a reposta de Cristo bendito foi a mesma: 12 Ele quer que vás pregar, porque não te chamou só por ti mas também pela salvação dos outros.
13 Manifestou-se, então, a mão de Deus (cfr. Ez 1,3) sobre São Francisco; ele se levantou no fervor do espírito, todo incendiado pela virtude do Altíssimo, e disse: Vamos, em nome do Senhor!”.
14 E tomou como companheiros Frei Masseu e Frei Ângelo, santos homens. Caminhando como um relâmpago no ímpeto do Espírito, sem olhar o caminho ou vereda, chegaram a um castelo chamado Cannara, 15 e aí pregou com tanto fervor e fez o milagre das andorinhas, que se calaram quando ele mandou, de modo que todas as pessoas de Cannara, homens e mulheres, queriam ir atrás dele, abandonando o castelo.
16 Mas São Francisco lhes disse: “Não vos apresseis, e eu vos direi o que tendes que fazer pela vossa salvação”. A partir daí pensou em criar uma terceira Ordem, para promover universalmente a salvação de todos.
17 Despedindo-os muito consolados e dispostos à penitência, saiu de lá e chegou a um lugar entre Cannara e Bevagna.
18 Nesse fervor, atravessando aquele território com os referidos companheiros, olhou para umas árvores junto da estrada em que morava tamanha multidão de passarinhos variados que, naqueles lados, nunca tinha sido vista semelhante multidão. Além disso, no campo junto daquelas árvores, estava a maior multidão de aves variadas.
19 São Francisco estava olhando e admirando aquela multidão quando, descendo sobre ele o Espírito de Deus, disse aos companheiros: “Esperai-me aqui na estrada que eu vou pregar a meus irmãos passarinhos”, E entrou no campo, dirigindo-se para as aves que estavam no chão.
20 Logo que começou a pregar, todos os passarinhos que estavam nas árvores desceram para ele e junto com as outras aves do campo ficaram imóveis, enquanto São Francisco ia pelo meio delas, tocando em muitas com sua túnica. 21 E nenhuma delas se moveu nada, como contou Frei Tiago de Massa, homem santo, que soube tudo isso pela boca de Frei Masseu, que era companheiro do santo pai quando aconteceu o milagre.
22 São Francisco disse às aves: “Minhas irmãs aves, tendes muitas obrigações para com Deus, e deveis louvá-lo sempre e em toda parte por causa da liberdade que tendes para voar por onde quereis, por causa de vossa roupa dupla e tripla, pela roupa colorida e enfeitada, 23 pelo alimento que tendes sem o preparar, pelo canto que o Criador colocou em vosso íntimo, pelo vosso número multiplicado pela bênção de Deus, pela vossa semente reservada por Deus na arca de Noé, pelo elemento do ar, que vos foi destinado.
24 Vós não semeais nem colheis, e Deus vos alimenta (cfr. Lc 12,24), e vos dá rios e fontes para beber, montes e colinas, rochas e plantas para vos refugiardes, árvores altas para fazer o ninho. E como não sabeis fiar nem coser, oferece a roupa necessária tanto a vós quanto aos vossos filhos. 25 Por isso o Criador vos ama muito, se vos fez tantos benefícios. Então tomai cuidado, meus passarinhos, para não serdes ingratos, mas tratai de louvar sempre a Deus”.
26 Diante dessas palavras do pai santíssimo, todos aqueles pássaros começaram a abrir os bicos, a expandir as asas, a estender o pescoço e a dobrar reverentemente a cabeça até o chão, demonstrando com seus cantos e gestos que as palavras ditas pelo santo pai eram um múltiplo prazer para eles.
27 Também o pai santo, vendo isso, exultava admiravelmente em seu espírito. E ficava admirado por ser uma multidão tão grande de aves, com uma variedade belíssima, e também porque eram concordes na afeição e na familiaridade. 28 Por isso, louvava admiravelmente ao Criador por elas, e as convidava docemente a louvar ao Criador.
29 Quando acabou a pregação e a exortação ao louvor de Deus, fez o sinal da cruz para todas aquelas aves e, dispensando-as, aconselhou insistentemente ao louvor de Deus. 30 Então todas aquelas aves voaram juntas para o alto e cantaram juntas no ar um canto forte e admirável. Quando acabaram de cantar, de acordo com a cruz que o santo pai tinha feito, dividiram-se em cruz e se dirigiram para as quatro partes.
31 E cada uma das partes, levantando-se para o alto com um canto admirável, dirigiu-se para um dos pontos do mundo: uma para o Oriente, outra para o Ocidente, a terceira para o Sul e a quarta para o Norte; 32 mostrando que, como lhes tinha sido pregado pelo santíssimo e futuro porta-estandarte da santa cruz, assim se dividiriam em forma de cruz; e foi cantando em forma de cruz que voaram para as quatro partes do mundo, 33 dando a entender que a pregação da cruz, renovada pelo pai santíssimo, devia ser levada a todo o mundo pelos seus frades: que, como as aves, não têm nada de próprio na terra e se entregam só à providência divina.
34 E por isso são chamados de águias por Cristo, quando diz: Onde estiver o corpo, lá vão se ajuntar as águias (Mt 24,28)”. Estes santos, que esperam no Senhor, tomam asas como as águias, voarão para o Senhor e não hão de faltar (cfr. Is 40,31) para sempre.
Para o louvor e a glória de nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.