Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Sobre as devoções especiais do santo

Texto Original

De specialibus devotionibus sancti

Caput CXLVIII - Qualiter afficiebatur audiens amorem Dei.

 

196 
1 Speciales devotiones sancti Francisci brevibus pertransire, fortassis nec inutile nec indignum erit. 
2 Cum enim vir iste devotus esset in omnibus, utpote qui fruebatur Spiritus unctione (cfr. Luc 4,18), speciali tamen affectu movebatur circa specialia quaedam. 
3 Inter alia verba, quorum usus esset in communi sermone, amorem Dei non sine quadam sui immutatione (cfr. Iob 14,14) valebat audire. 
4 Subito namque, ad auditum amoris Dei, excitabatur, afficiebatur, inflammabatur, quasi plectro vocis extrinsecae chorda cordis interior tangeretur. 
5 Talem pro eleemosynis censum offerre nobilem prodigalitatem dicebat, et eos qui minus ipsum quam denarios reputarent, esse stultissimos. 
6 Ipse vero propositum, quod mundanis adhuc immixtus fecerat, de non faciendo repulsam ulli pauperi petenti propter amorem Dei, usque ad mortem infallibiliter observavit. 
7 Nam petenti semel pauperi propter amorem Dei, cum ipse nihil haberet, forficibus clanculo sumptis, tunicam partiri festinat. 
8 Fecisset hoc ipsum, nisi deprehensus a fratribus, alia compensatione fecisset pauperi provideri. 
9 “Eius”, inquit, “qui nos multum amavit, multum est amor amandus”.

Texto Traduzido

De specialibus devotionibus sancti

Capítulo 148 - Como se comovia ouvindo falar do amor de Deus.

 

196 
1 Acho que não é inútil nem indigno falar um pouco das devoções particulares de São Francisco. 
2 Apesar de ser um homem devoto em todos os pontos, pois gozava da unção do Espírito, tinha especial inclinação por algumas coisas especiais. 
3 Entre outras expressões usadas nas conversas comuns, não podia ouvir falar em “amor de Deus” sem uma mudança em si mesmo. 
4 Pois logo que ouvia falar em amor de Deus ficava fora de si, comovido, inflamado, como se suas cordas mais íntimas vibrassem com esse som exterior. 
5 Dizia que era uma prodigalidade de nobres pagar as esmolas com o amor de Deus, e que eram pessoas muito tolas as que davam menos valor a Ele que ao dinheiro. 
6 Ele mesmo observou sem nenhuma falha, até a morte, o propósito que tinha feito quando ainda estava no mundo, de jamais rejeitar um pobre que pedisse por amor de Deus. 
7 Pois uma vez um pobre lhe pediu por amor de Deus e, como ele não tinha nada, pegou escondido uma tesoura e ia dar-lhe um pedaço da própria roupa. 
8 Teria feito isso se não fosse surpreendido pelos frades, mas fez com que dessem outra coisa ao pobre. Disse: 
9 “O amor daquele que tanto nos amou tem que ser muito amado”.