Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

92. Perseguição diabólica

Texto Original

.

1 Quodam tempore beatus Franciscus iverat Romam ad visitandum dominum Hugonem, episcopum Hostiensem, qui postea fuit papa, et mansit cum eo per aliquot dies, et licentiatus ab eo apostolico, visitavit dominum Leonem, cardinalem sancte Crucis. 
2 Erat enim ille cardinalis valde benignus et curialis homo, et libenter videbat beatum Franciscum et nimis venerabatur eum. 
3 Et rogavit ipsum cum omnimoda devotione ut maneret secum per aliquot dies, maxime quia tunc erat hiems et magnum frigus et quasi cotidie erant magni venti et pluvie, sicut solent esse illo tempore. 
4 Et dixit ad eum: “Frater, est ineptum tempus ad ambulandum. 
5 Volo, si tibi placet, ut maneas mecum usquedum erit bonum tempus ad ambulandum; cum cotidie pascam certos pauperes in domo mea, recipies victum a me vice unius pauperis”. 
6 Hoc autem dixit dominus cardinalis, quia sciebat beatum Franciscum propter suam humilitatem semper velle recipi ubicumque hospitaretur tamquam pauperculus, licet esset tante sanctitatis, ut a domino papa et cardinalibus et ab omnibus magnatibus huius seculi, qui cognoscebant ipsum, veneraretur ut sanctus. 
7 Item dixit: “Dabo tibi bonam domum remotam, ubi poteris orare et comedere, si volueris”. 
8 Erat autem cum domino cardinali frater Angelus de Tancredo, unus de .XII. primis fratribus. 
9 Qui dixit ad beatum Franciscum: “Frater, est prope hic in muro urbis una pulchra turris valde ampla et spatiosa interius et habet .IX. testudines, in quibus manere poteris remote quasi in heremitorio”. 
10 Et ait ei beatus Franciscus: “Eamus ad videndum eam”. 
11 Ut autem vidit eam placuit ei; et reversus est ad dominum cardinalem dicens ei: “Domine, forsitan manebo apud vos per aliquot dies”. 
12 Et gavisus est inde dominus cardinalis. 
13 Ivit ergo frater Angelus et aptavit eam, ut posset beatus Franciscus cum suo socio manere ibi de die et nocte. 
14 Nolebat enim inde descendere beatus Franciscus per diem et noctem, donec maneret apud dominum cardinalem. 
15 Nam proposuit frater Angelus beato Francisco et socio eius cotidie de foris portare comestionem, quoniam nec ipse nec alius debebat ad ipsum introire. 
16 Ivit ergo illuc ad manendum beatus Franciscus cum socio suo. 
17 Cum autem in prima nocte vellet ibi dormire, venerunt demones et fortiter eum verberaverunt. 
18 Qui statim vocavit socium suum qui manebat longe ab ipso, dicens: “Veni ad me”. 
19 Et statim surrexit et ivit ad eum. 
20 Et ait ad eum beatus Franciscus: “Frater, verberaverunt me demones valde: unde volo quod maneas iuxta me, quoniam timeo hic stare solus”. 
21 Et mansit iuxta illum socius eius per totam noctem. 
22 Nam totus tremebat beatus Franciscus, quasi homo qui patitur febrem; et ambo vigilaverunt per totam noctem illam. 
23 Interim loquebatur beatus Franciscus cum socio suo dicens: “Quare verberaverunt me demones et data est illis potestas (cfr. Apoc 9,3; 13,5.7) a Domino malefaciendi michi?”. 
24 Et cepit dicere: “Demones sunt castaldi Domini nostri. Sicut potestas, cum aliquis offendit, mittit castaldum suum ad puniendum ipsum, sic Dominus quos diligit per castaldos suos, videlicet per demones, qui in hoc ministerio sunt eius ministri, corripit et castigat (cfr. Prov 3,12; Heb 12,6). 
25 Multotiens enim ignoranter peccat etiam perfectus religiosus”. 
26 “Unde cum non cognoscit peccatum suum, castigatur a diabolo, ut videat et consideret propter illam castigationem diligenter interius et exterius ea in quibus offendit, quia quos diligit Dominus tenere in presenti vita, nichil in ipsos relinquit inultum. 
27 Ego vero per misericordiam et gratiam Dei (cfr. Rom 12,1) non cognosco in aliquo me offendisse, quod per confessionem et satisfationem non emendaverim. 
28 Immo etiam per misericordiam suam hoc donum contulit michi, ut de omnibus in quibus placere debeam et displicere, in oratione michi cognitionem tribuit. 
29 Sed potest esse ut michi videtur, quod ideo Dominus per castaldos suos me castigaverit quia, licet dominus cardinalis libenter michi faciat misericordiam et corpori meo sit necesse recipere et confidenter ab eo recipere valeam, 
30 fratres mei, qui vadunt per mundum sustinendo famem et multam tribulationem et alii fratres qui permanent in pauperculis domibus et heremitoriis, cum audierint quod maneo apud dominum cardinalem, occasionem murmurandi adversum me habere poterunt, dicentes: 
31 Nos sustinemus tot necessitates et ipse habet consolationes suas. 
32 Unde semper teneor illis dare bonum exemplum, maxime quia in hoc sum datus illis. 
33 Nam magis hedificantur fratres, cum maneo in pauperculis locis inter ipsos, quam in aliis locis; et cum maiori patientia suas tribulationes supportant, cum audiunt et sciunt idem me supportare”. 
34 Et licet infirmus fuisset semper beatus Franciscus, quoniam in seculo fuit fragilis et debilis homo secundum naturam et cotidie usque ad diem mortis sue, eo quod esset infirmior, 
35 tamen considerabat ut fratribus exhiberet bonum exemplum et ut occasionem murmurandi semper de se tolleret eis, videlicet ut non possent fratres dicere: 
36 Ipse habet necessitates suas, et nos non habemus.
37 Quia in sanitate eius et infirmitate, usque ad diem mortis, tot voluit pati necessitates, 
38 quod quicumque fratrum scirent sicut nos, qui per aliquod tempus usque ad diem mortis eius cum ipso fuimus (cfr. 2Pet 1,18), quod, si vellent reducere ad memoriam, non possent se a lacrimis continere et, cum paterentur aliquas necessitates et tribulationes, cum maiori patientia ipsas supportarent. 
39 Et summo mane descendit beatus Franciscus de turri et ivit ad dominum cardinalem, narrans ei omnia que sibi acciderant et omnia verba que dixerat cum socio suo. 
40 Immo etiam dixit ei: “Homines magnam fidem habent in me et credunt me sanctum hominem, et ecce demones eiecerunt me de carcere”. 
41 Quoniam tamquam in carcere ibi remote manere volebat et nulli loqui nisi socio suo. 
42 Et plurimum letatus est dominus cardinalis cum ipso.
43 Verumtamen quoniam sciebat et venerabatur ipsum tamquam sanctum, fuit contentus de eius voluntate, postquam ibi manere noluit. 
44 Et sic beatus Franciscus, licentiatus ab ipso, reversus est ad heremitorium sancti Francisci de Fonte Columbarum iuxta Reate.

Texto Traduzido

.

1 Certa ocasião, o bem-aventurado Francisco tinha ido a Roma para visitar o senhor Hugolino, bispo de Óstia, que depois foi papa, e ficou alguns dias com ele. Depois, com licença daquele apostólico, visitou o senhor Leão, cardeal da Santa Cruz. 
2 Pois esse cardeal era muito bondoso e cortês, gostava de ver o bem-aventurado Francisco e o venerava muito. 
3 Rogou-lhe com toda devoção que ficasse com ele por alguns dias, principalmente porque então era inverno, fazia muito frio e quase todos os dias havia muitos ventos e chuvas, como costuma haver nesse tempo. 
4 E lhe disse: “Irmão, o tempo não está bom para andar. 
5 Quero, se te agrada, que fique comigo até que faça bom tempo para sair. Como eu dou comida todos os dias para alguns pobres em minha casa, receberás de mim o teu sustento como um dos pobres”. 
6 O senhor cardeal disse isso porque sabia que o bem-aventurado Francisco, por causa de sua humildade, queria sempre for recebido como um pobrezinho onde se hospedasse, embora fosse de tão grande santidade que era venerado como santo pelo senhor papa e os cardeais e por todos os grandes deste mundo que o conheciam. 
7 Disse mais: “Eu vou te dar uma boa casa afastada, onde poderás orar e comer, se quiseres”. 
8 Com o cardeal estava Frei Ângelo Tancredi, um dos primeiros doze frades. 
9 Ele disse ao bem-aventurado Francisco: “irmão, perto daqui, no muro da cidade, há uma bela torre bem ampla e espaçosa por dentro, que tem nove galerias, em que podes ficar afastado como em um eremitério”. 
10 Disse-lhe o bem-aventurado Francisco: “Vamos vê-la”. 
11 Quando a viu, gostou; voltou ao senhor cardeal e lhe disse: “Senhor, acho que vou ficar alguns dias em vossa casa”. 
12 O senhor cardeal ficou muito contente com isso. 
13 Por isso Frei Ângelo foi e arrumou-a, para que o bem-aventurado Francisco com seu companheiro pudessem ficar lá de dia e de noite. 
14 Pois o bem-aventurado Francisco não queria descer de lá nem de dia nem de noite enquanto ficasse na casa do senhor cardeal. 
15 Frei Ângelo propôs ao bem-aventurado Francisco e a seu companheiro que levaria comida de foram todos os dias para a refeição deles, porque nem ele nem outra pessoa devia entrar onde ele estava. 
16 Então o bem-aventurado Francisco foi para ficar com o seu companheiro. 
17 Mas quando quis dormir lá na primeira noite, vieram demônios que bateram nele fortemente. 
18 Ele chamou imediatamente seu companheiro, que ficava longe dele, e disse: “Vem a mim!”. 
19 Ele se levantou logo e foi para junto dele. 
20 E o bem-aventurado Francisco lhe disse: “Irmão, os demônios me bateram muito; por isso quero que fiques comigo porque tenho medo de ficar aqui sozinho”. 
21 E o companheiro ficou com ele durante toda a noite. 
22 Pois o bem-aventurado Francisco tremia todo, como um homem que está com febre; e os dois ficaram acordados aquela noite inteira. 
23 Nesse meio tempo, o bem-aventurado Francisco conversava com seu companheiro, dizendo: “Por que os demônios me bateram e lhes foi dado pelo Senhor o poder de me fazer mal?”. 
24 E começou a dizer: “Os demônios são os esbirros de nosso Senhor. Como o prefeito, quando alguém o ofende, manda o seu esbirro para puni-lo, assim o Senhor corrige e castiga os que ama por seus esbirros, isto é, pelos demônios, que neste ministério são seus ministros. 
25 Pois até o religioso perfeito peca muitas vezes ignorantemente. 
26 “Por isso, quando não conhece seu pecado, é castigado pelo diabo, para que veja e considere por esse castigo diligentemente, interior e exteriormente, as coisas em que ofendeu, porque quando o Senhor quer manter nesta vida presente alguma pessoa, não deixa nada nela sem vingar. 
27 Mas eu, pela misericórdia e graça de Deus, não sei de nada em que tenha ofendido sem que me tivesse corrigido pela confissão e a satisfação. 
28 Até mais: por sua misericórdia deu-me este dom de me fazer conhecer na oração tudo em que eu posso agradar ou desagradar. 
29 Mas pode ser, como me está parecendo, que o Senhor me castigou por seus esbirros porque, embora o senhor cardeal ,e faça de boa vontade misericórdia e o meu corpo tenha necessidade de receber e eu possa receber confiantemente dele, 
30 meus frades, que vão pelo mundo suportando fome e muita tribulação, e outros frades que ficam em casas pobrezinhas e nos eremitérios, quando souberem que eu fico na casa do senhor cardeal, poderão ter uma ocasião de murmurar contra mim, dizendo: 
31 Nós aguentamos tantas necessidades, e ele tem suas consolações. 
32 Por isso sempre tenho que lhes dar bom exemplo, principalmente porque para isso fui dado a eles. 
33 Pois os frades ficam mais edificados quando fico entre eles nos lugares pobrezinhos, do que em outros lugares, e suportam com maior paciência suas tribulações quando ouvem e sabem que eu também as suporto”. 
34 E embora o bem-aventurado Francisco fosse sempre enfermo, porque no século foi frágil e débil por natureza e todos os dias até o dia de sua morte, porque ainda estava mais doente, 
35 todavia considerava que devia dar sempre bom exemplo aos frades, e que devia tirar-lhes sempre a oportunidade de murmurar contra ele, isto é, que os frades não pudessem dizer: 
36 Ele tem tudo que é necessário, e nós não temos. 
37 Porque, sadio ou doente, até o dia de sua morte quis padecer tantas necessidades, 
38 que todos os frades soubessem, como nós, que estivemos com ele por algum tempo até o dia de sua morte, que, se quisessem lembrar-se, não poderiam evitar as lágrimas, e, quando sofressem algumas enfermidades e tribulações, teriam que suporta-las com mais paciência. 
39 E, bem cedo, o bem-aventurado Francisco desceu da torre e foi ter com o senhor cardeal, contando-lhe tudo que tinha acontecido com ele e todas as palavras que conversara com seu companheiro. 
40 E também lhe disse: “As pessoas têm muita confiança em mim e acham que sou um santo homem, mas os demônios me expulsaram do cárcere”. 
41 Porque queria ficar lá afastado como em um cárcere, sem falar com ninguém a não com seu companheiro. 
42 E o senhor cardeal ficou muito contente com ele. 
43 Na verdade, como o conhecia e venerava como um santo, ficou contente de sua vontade, depois que não quis ficar lá. 
44 E assim o bem-aventurado Francisco, dispensado por ele, voltou para o eremitério de São Francisco de Fonte Colombo, perto de Rieti.