Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo III

Texto Original

Caput III

Qualiter evangelicam perfectionem aggrediens habitum secundo mutavit, praedicavit et socios fratres habere coepit; et quomodo sui et illorum exitum praecognovit, binos per mundum divisit et iterum congregare obtinuit.

 

15.

1 Beatus itaque Franciscus trium, ut dictum est, ecclesiarum opere consummato, habitum adhuc eremiticum tunc temporis habuit, baculumque manu gestans, pedibus calceatis et corrigia cinctus incessit.

2 Audiens autem die quadam inter missarum solemnia ea quae Christus in Evangelio missis ad praedicandum discipulis loquitur, ne videlicet aurum vel argentum possideant, ne peram in via vel sacculum, ne virgam vel panem portent, ne calceamenta vel duas tunicas habeant (cfr. Mat 10,9-10; Mar 6,8.9);

3 intelligensque haec eadem postmodum plenius ab ipso presbytero, indicibili gaudio mox repletus: “Hoc”, inquit, “est quod quaero; hoc est quod totis praecordiis concupisco!”.

4 Igitur cunctis, quae audierat, tenaci memoriae commendatis, laetanter his adimplendis innititur, duplicibusque sine mora depositis, ex hoc iam virga, calceamentis, sacculoque vel pera non utitur.

5 Fecit proinde tunicam plurimum contemptibilem et incultam, reiectaque corrigia, funiculo cinxit illam.

 

16.

1 Omnem quoque sollicitudinem cordis apponens qualiter auditus novae gratiae verba perficeret, coepit instinctu divino evangelicae perfectionis annuntiator exsistere, coepit poenitentiae in publicum simpliciter verba proponere.

2 Erant autem ipsius eloquia non inania nec risu digna, erant virtute sancti Spiritus plena (cfr. Act 6,5; Luc 4,1), erant medullas cordis penetrantia et in vehementem audientes stuporem provocantia.

3 Sed et sicuti postmodum ipse testatus est quod huiusmodi salutationem, Domino revelante, didicerat ut diceret: “Dominus det tibi pacem (Num 6,26; cfr. 2The 3,16)”, sic in omni praedicatione sua, pacem annuntians, populum in sermonis exordio salutabat.

4 Subito ergo spiritu prophetarum perfusus, iuxta sermonem propheticum annuntiabat pacem, praedicabat salutem (cfr. Is 52,7);

5 factumque est ut salutaribus monitis foederaret plurimos verae paci, qui discordes a Christo prius exstiterant a salute longinqui.

 

17.

1 Innotescente igitur apud multos beati Francisci tam doctrinae simplicis veritate quam vitae, coeperunt post modicum viri quidam ipsius exemplo ad poenitentiam animari et eidem, relictis omnibus (cfr. Luc 5,11), habitu vitaque coniungi.

2 Ut autem novis filiis sancti iam merita remunerari coeperunt, coepit et amplius ipse nova spiritus consolatione repleri (cfr. Act 9,31), coepit et illorum diligentius invigilare saluti.

3 Hinc paterno eos affectu demulcens et fovens, novis non destitit monitis informare, docens ipsos sanctae paupertatis et verae simplicitatis viam indeclinabiliter ambulare.

4 Iam sex fratrum septimus ipse pater iucunda societate gaudebat, qui inter minores in omnibus non ut maior sed ut minimus se gerebat, cum adhuc sui suorumque processum prorsus ignorans, scire pusilli gregis (cfr. Luc 12,32) exitum vehementer optabat.

 

18.

1 Cum ergo se quadam die devotius, uti consueverat, orationi dedisset, et super impensis sibi divinitus beneficiis gratias agens (cfr. Mat 15,36) annosque male transactos in amaritudine animae (cfr. Is 38,15) suae recogitans, Domino tremebundus assisteret, coepit passim menti ipsius mira quaedam suavitas et laetitia superfundi, in tantum ut etiam a seipso deficeret;

2 donec tandem de peccatis concreta caligo penitus fugaretur, sibique usque ad quadrantem novissimum (cfr. Mat 5,26) remissionis debiti culparum certitudo daretur.

3 Dehinc supra se raptus et in quadam mirandi luminis claritate totus absorptus est; ubi, dilatato mentis sinu, certificari de iis quae desideraverat meruit, et ex omni natione (cfr. Act 2,5) suorum moltiplicationem luculente prospexit.

4 Non solum autem haec, sed et alia plura de futuris arcana contemplans, tandem ad se reversus cuncta per ordinem (cfr. Est 15,9) fratribus enarravit,

5 spirituque nimirum totaliter innovatus (cfr. Ps 50,12), nec de ipsorum nec de sua eos simplicitate diffidere monuit, sed veluti usque ad fines orbis multipliciter dilatandos in Domino confortavit (cfr. Eph 6,10).

 

19.

1 Eo tempore appositus est (cfr. Gen 35,29) eis quidam vir alius, et sic octonarius ipsorum completus est numerus.

2 Tunc sanctus, ad se convocans universos et ad mittendum in diversas mundi partes binos binosque confoederans, plura illis de regno Dei (cfr. Act 1,3), de mundi suique contemptu dulciter et intente proposuit, et inter alia praecipue de patientia et humilitate praecepit.

3 Gaudet igitur grex humilis ad vocem pastoris, et ad recipiendum salutaris obedientiae mandatum gratanter obtemperans, ad pedes eius humiliter se provolvit.

4 Quos ipse pastor benignissimus erigens et affectuose veluti filios mater amplectens, singulos ad oscula suscipit,

5 singulos illo prophetico sermone communit: “Iacta cogitatum tuum in Domino, et ipse te enutriet (cfr. Ps 54,23)”; hoc verbum frequenter, quoscumque mittebat pronuntians.

6 Sic omnem fratrum sollicitudinem in Deum dirigere voluit, sic erroneam illis et interminam cupiditatis viam praecludere procuravit, sic et in zonis aes (cfr. Mar 6,8) pro crastino cor prorsus a curis extraneum non providit.

 

20.

1 Igitur sex illorum binis in diversas regiones ad pacem cum poenitentia nuntiandam divisis, ipse quoque in aliam mundi partem, uno secum retento, secessit.

2 Sed paternus affectus absentiam novae prolis non sustinens prorogari, coepit ad videndum eos non multo post affici desiderio vehementi.

3 Quaesivit ergo, ad obtinendum quod concupierat, orationis consuetae refugium; et sic a Domino meruit exaudiri, ut in brevi omnes improvise et mirabiliter congregarentur in unum (cfr. Ioa 11,52).

4 Quibus taliter adunatis, non mirum si pius pater iucundabatur in filiis.

5 Congratulabantur quoque filli gaudio patris, mirantesque pariter et laetantes glorificabant unanimiter magnificentiam Salvatoris.

6 Referebat ille quo ordine desiderium suum Dominus adimpleverat (cfr. Ps 126,5); illi quoque beneficia sibi divinitus impensa narrabant, et humiliter de omnibus semetipsos ingratitudinis arguebant.

7 Factum est autem post haec ut eidem pusillo gregi (cfr. Luc 12,32) quatuor alii viri idonei iungerentur, et sic duodenarius fratrum numerus impleretur.

8 Coepit itaque sancti viri suorumque iam latius fama diffundi; sed et quo super peccatorum conversione sine personarum acceptione (cfr. 1Pet 1,17) gaudebant, illorum in Domino quotidie gaudium augmentari.

Texto Traduzido

Caput III

Como, ao iniciar a perfeição evangélica, mudou de roupa pela segunda vez, pregou e começou a ter irmãos; e como previu o seu êxito e o deles, enviou-os dois a dois pelo mundo e depois conseguiu reuni-los novamente.

 

15.

1 Terminada, como foi dito, a obra das três igrejas, o bem-aventurado Francisco vestia ainda a roupa de um eremita daquele tempo, e, levando na mão um cajado, de pés calçados, andava cingido com uma correia.

2 Um dia, porém, ouvindo na celebração da missa as palavras que, no Evangelho, Cristo disse aos discípulos enviados a pregar, isto é, que não deviam possuir nem ouro nem prata nem levar alforje para o caminho nem sacola nem bastão ou pão, nem ter calçados nem duas túnicas (Jo 10,9-10; Mc 6,8-9);

3 compreendendo-as melhor explicadas com exatidão pelo próprio sacerdote, cheio de indizível alegria logo disse: “É isso que eu busco, é isso que desejo de todo o coração!”

4 Então, confiando à sua forte memória o que ouvira, tratou alegremente de cumpri-lo: depôs logo o que tinha em dobro e não usou mais bordão nem calçados nem sacola nem bolsa.

5 Fez uma túnica muito desprezível e grosseira, jogou a correia e cingiu-a com uma corda.

 

16.

1 Colocando toda solicitude do coração no cumprimento das palavras da nova graça que ouvira, por divina inspiração começou a ser um anunciador da perfeição evangélica e proclamar as palavras da penitência em público, com simplicidade.

2 Seus discursos não eram vazios ou ridículos, mas cheios da força do Espírito Santo (At 6,5; Lc 4,1), penetrando fundo dos corações e provocando forte comoção nos ouvintes.

3 Mas, como ele mesmo testemu­nhou mais tarde, aprendera por revelação de Deus que devia fazer esta saudação, dizendo: O Senhor te dê a paz (Nm 6,26; 2Ts 3,16), e assim, anunciando a paz, saudava o povo no começo do sermão.

4 Plenificado de repente pelo espírito dos profetas, anunciava a paz, pregava a salvação (Is 52,7) de acordo com a palavra profética.

5 E assim aconteceu que com salutares admoestações conseguiu unir em verdadeira paz a muitos que antes discordavam de Cristo e estavam longe da salvação.

 

17.

1 Conhecendo muitos a verdade da doutrina simples e da vida do bem-aventurado Francisco, alguns homens começaram logo a se animar a seguir a penitência a seu exemplo e, deixando tudo (Lc 5,11), uniram-se a ele na roupa e na vida.

2 E, quando os méritos do santo começaram a ser recompensados com novos filhos, ele começou a se encher de uma nova consolação do Espírito (At 9,31) e a cuidar mais diligentemente de sua salvação.

3 Então, consolando-os e os estimulando com paterno afeto, não deixava de formá-los com novas exortações, ensinando-os a andar sem desvios pelo caminho da santa pobreza e da verdadeira simplicidade.

4 Como sétimo, o pai gozava da feliz companhia de seis irmãos e se comportava em tudo como o menor entre os menores, e não como o maior. Ignorando ainda o que ia acontecer consigo e com os seus, desejava muito saber o futuro do pequeno rebanho (Lc 12,32).

 

18.

1 Um dia, como se dera à oração com mais devoção que de costume, dando graças (Mt 15,36) pelos benefícios dados pelo Senhor e recordando na amargura de sua alma (Is 38,15) os anos em que vivera mal, apresentou-se tremendo ao Senhor e começou a sentir que de vez em quando derramava-se em sua mente especial suavidade e alegria; tanto que até desmaiou.

2 Até que a escuridão concreta dos pecados foi toda afastada e teve a certeza da remissão de seu débito até o último centavo (Mt 5,26).

3 Então foi arrebatado e todo absorvido na claridade de uma luz admirável: com a mente amplificada, mereceu ser certificado sobre o que desejava e viu muito bem que seus filhos se multiplicariam de todas as nações (At 2,5).

4 Mas não foi só isso. Contemplando muitas outras coisas secretas do futuro, quando voltou a si contou tudo aos irmãos, em ordem (Est 15,9)

5 e, totalmente renovado no espírito (Sl 50, 12), aconselhou-os a não desesperar de sua simplicidade ou da deles, mas confortou-os no Senhor (Ef 6,10) que, de muitas formas, os haveria de multiplicar até os confins da terra.

 

19.

1 Nesse tempo, uniu-se (Gn 35,29) a eles um outro homem, e assim o número chegou a oito.

2 Então, chamando-os todos ao seu redor, o santo os agrupou dois a dois para enviá-los às diversas partes do mundo, falando-lhes com muita doçura e fervor do Reino de Deus (At 1,3), do desprezo do mundo e de si, admoestando-os, entre outras coisas, principalmente a paciência e a humildade.

3 Alegrou-se então o humilde rebanho com a voz do pastor e, para receber a ordem da salutar obediência observando-a com alegria, prostrou-se humildemente a seus pés.

4 Erguendo-os, o pastor boníssimo pastor abraçou-os afetuosamente como a mãe com seus filhos, acolheu cada um para beijá-lo,

5 confortando-os com a palavra profética: “Entrega ao Senhor os teus cuidados, e ele te sustentará” (Sl 54,23). Repetia isso com freqüência a todos que enviava.

6 Quis assim orientar toda solicitude dos irmãos para Deus, quis fechar-lhes o caminho errado e insaciável da cobiça, e assim não providenciou para que tivessem dinheiro em seus cintos para o dia de amanhã (Mc 6,8), com o coração todo livre de cuidados.

 

20.

1 Portanto, dividindo seis deles dois a dois para anunciar a paz e a penitência em diversas regiões; partiu ele também para outra parte do mundo, retendo um consigo.

2 Entretanto, não suportando o afeto paterno prolongar a ausência da nova prole, não muito depois começou a sentir um desejo veemente de revê-los.

3 Para obter o que desejava, procurou então o refúgio da costumeira oração; e assim mereceu ser ou­vido pelo Senhor; de forma que, em breve, improvisa e admira­velmente todos estavam reunidos na unidade (Jo 11,52).

4 Reunidos dessa maneira, não é de admirar que o pai se ale­grasse nos filhos.

5 Congratulavam-se também os filhos com o gozo do pai e também alegres glorificavam a magnificência do Salvador.

6 Ele lhes contou como o Senhor havia realizado o seu desejo (Sl 126,5); e eles também contavam os grandes benefícios divinamente recebidos e humildemente se acusavam de sua ingratidão.

7 Depois disso, aconteceu que ao pequeno rebanho (Lc 12,32) se uniram outros quatro homens idôneos, e assim o número dos irmãos chegou a doze.

8 A fama do santo homem e de seus companheiros difundiu-se ainda mais e, como se alegravam pela conversão dos pecadores sem acepção de pessoas (1Pd 1,17), aumentava cada dia também o seu gozo no Senhor.