Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

5. Delicadeza para com um doente

Texto Original

.

1 Quodam tempore, cum esset beatus Franciscus apud eundem locum, quidam frater spiritualis homo et antiquus in Religione manebat ibi, qui erat valde debilis et infirmus. 
2 Considerans igitur ipsum beatus Franciscus pietate motus est super eum (cfr. Luc 7,13). 
3 Sed quia fratres tunc infirmi et sani cum hilaritate et patientia, paupertate pro habundantia utebantur, et in suis infirmitatibus medicinis non utebantur, sed magis que erant contraria corpori libentius faciebant, dixit ad seipsum beatus Franciscus: 
4 “Si frater iste summo mane manducaret de uvis maturis, credo quod prodesset illi”. 
5 Et ideo surrexit quadam die summo mane secreto et vocavit fratrem illum et duxit illum in vineam que est iuxta eandem ecclesiam, et elegit quamdam vitem, in qua erant bone et sane uve ad manducandum. 
6 Et sedens cum illo fratre iuxta vitem (cfr. Mic 4,4), cepit de uvis comedere, ut non verecundaretur solus comedere; 
7 et manducantibus illis laudavit Dominum Deum frater ille. 
8 Et illius misericordie quam fecit propter eum sanctus pater, toto tempore, dum vixit, cum magna devotione et lacrimarum effusione sepe recordatus est inter fratres.

Texto Traduzido

.

1 Certa ocasião, quando o bem-aventurado Francisco estava no mesmo lugar, havia aí um frade, homem espiritual e antigo na religião, que estava muito debilitado e enfermo. 
2 Pensando nele, o bem-aventurado Francisco se comoveu de piedade para com ele. 
3 Entretanto, como naquele tempo os frades doentes e sadios, com alegria e paciência tomavam a pobreza como abundância e em suas doenças não usavam remédios, antes, com muito mais boa vontade, faziam o que era mais contrário ao corpo, o bem-aventurado Francisco disse consigo mesmo: 
4 “Se esse irmão comesse uvas maduras bem de manhã, acho que ia fazer bem para ele”. 
5 Por isso, levantou-se um dia bem cedo, em segredo, chamou o frade e o levou para uma vinha que ficava perto da mesma igreja. Escolheu uma videira em que havia uvas boas e sadias para comer. 
6 E sentando-se com o frade junto da videira, colheu uvas para comer, para que não ficasse envergonhado de comer sozinho. 
7 Enquanto eles comiam, o frade louvou o Senhor Deus. 
8 E, durante todo o tempo que viveu, recordou-se entre os irmãos muitas vezes, com grande devoção e derramando lágrimas, daquela misericórdia que o santo pai fez por ele.