Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Milagres VIII

Texto Original

Miraculis VIII

VIII - De liberatis a variis morbis.

 

1 
1 Apud Castrum Plebis juvenis quidam mendicus surdus erat et mutus a nativitate (cfr. Ioa 9,1) sua, qui linguam adeo curtam habebat ac tenuem, quod multoties exquisita a pluribus, praecisa penitus videretur. 
2 Vir quidam, Marcus nomine, ipsum propter Deum suscepit hospitio; qui, eum sibi benefacere sentiens, coepit cum ipso assiduus demorari. 
3 Sero quodam, cum praedictus vir coenaret cum coniuge, adstante puero coram eis, dixit uxori: ”Hoc ego maximum miraculum reputarem, si beatus Franciscus huic auditum redderet et loquelam”. 
4 Et adiecit: ”Voveo Deo (cfr. Ps 131,2), quod si hoc sanctus Franciscus dignabitur operari, propter amorem suum huic puero expensas conferam, donec vivet”. 
5 Mirum certe! Subito lingua crevit et locutus est, dicens (cfr. Gen 8,15):” Gloria Deo et sancto Francisco, qui mihi loquelam praebuit et auditum!”.

 

2 
1 Frater Iacobus de Iseo, cum puerulus esset in domo paterna, rupturam incurrit corporis valde gravem. 
2 Superno vero afflatus Spiritu, licet esset juvenis et infirmus, Ordinem sancti Francisci devotus intravit, nulli tamen, qua urgebatur, infirmitatem detexit. 
3 Factum est autem, cum corpus beati Francisci transferretur ad locum, ubi pretiosus sacrorum ossium eius nunc thesaurus est conditus, affuit et tunc dictus Frater translationis gaudiis, ut glorificati iam Patris sanctissimo corpori honorem debitum exhiberet. 
4 Et appropinquans tumbae, in qua ossa sacra fuerant collocata, prae devotione spiritus sacrum tumulum complexatus, subito miro modo ad loca debita partibus revocatis, sanum se sensit, succinctorium deposuit et ex tunc ab omni dolore praeterito liber fuit. 
5 Ab infirmitate quoque consimili frater Bartholus de Eugubio, frater Angelus de Tuderto, Nicolaus sacerdos de Ciccano, Ioannes de Sora, vir quidam de Pisis et alius de castro Cisternae, Petrus quoque de Sicilia et homo quidam de castro Spelli iuxta Assisium et quam plures alii per Dei misericordiam et beati Francisci merita exstiterunt mirabiliter liberati.

 

3 
1 In Maritima mulier quaedam mentis alienationem per quinquennium passa, visu et auditu privata est, indumenta dilaniabat dentibus, ignis et aquae periculum non timebat et caduci morbi ad summum incurrerat horribilem passionem. 
2 Nocte vero quadam, cum disponeret sibi divina misericordia misereri, salutaris fulgore lucis superillustrata divinitus, vidit beatum Franciscum super solium sedere (cfr. Is 6,1) sublime, ante quem prostrata, sanitatem suppliciter exposcebat. 
3 Illo vero nondum favente precibus, firmavit mulier votum, promittens pro Dei amore ac Sancti petentibus, donec haberet, eleemosynam non negare. 
4 Illico Sanctus pactum recognovit, quod olim cum Domino simile fecerat, et signans eam crucis signaculo, integram sibi restituit sanitatem. 
5 A consimili passione puellam quamdam de Nursia et filium cuiusdam nobilis viri et altos quosdam relatione veridica compertum est Sanctum Dei Franciscum misericorditer liberasse.

 

4 
1 Petrus de Fulginio ad visitanda limina beati Michaelis quodam tempore pergens, dum minus reverenter peregrinationem peregit, fontis cuiusdam aquam degustans, a daemonibus est invasus. 
2 Et exinde per tres annos obsessus, discerpebatur in corpore, pessima loquens et horrenda praetendens; 
3 habens tamen aliquando lucida intervalla, beati viri virtutem, quem efficacem audierat ad effugandas aereas potestates, humiliter requisivit et ad sepulcrum pii Patris accedens, mox ut illud contigit manu, a daemonibus crudeliter eum discerpentibus mirifice liberatus fuit. 
4 Simili etiam modo mulieri cuidam de Narnio habenti daemonium misericordia Francisci subvenit et aliis pluribus, quarum vexationum angustias et curationum modos longum esset per singula enarrare.

 

5 
1 Vir quidam, nomine Bonushomo de civitate Fani, paralyticus et leprosus, ad ecclesiam beati Francisci a parentibus deportatus, utriusque morbi plenam consecutus est sanitatem. 
2 Sed et alius iuvenis quidam, Atto nomine, de Sancto Severino, totus leprosus, voto emisso, et ad sepulcrum Sancti delatus, meritis ipsius lepra mundatus est. 
3 Habuit quidem Sanctus supra huiusmodi morbo curando praecellentem virtutem, pro eo quod humilitatis et pietatis amore leprosorum obsequiis semetipsum humiliter deputarat.

 

6 
1 Nobilis quaedam mulier, Rogata nomine, in episcopatu Sorano, per viginti tres annos fluxu fuit sanguinis fatigata, sed et a quam pluribus medicis quam plurima mala perpessa, prae nimietate quidem languoris saepius videbatur mulier exspirare; 
2 sed et si quando fluxus huiusmodi stringebatur, tumescebat corpore toto. 
3 Audiens autem quemdam puerum Romano sermone canentem miracula, quae Deus per beatum Franciscum fuerat operatus, nimio dolore commota, tota prorupit in lacrymas sicque intra se fide accensa dicere coepit: 
4 ”O beate Pater Francisce, qui tantis coruscas miraculis, si me digneris ab hac aegritudine liberare, magna tibi accrescet gloria, quoniam adhuc tantum miraculum non fecisti”. 
5 Quid plura? His dictis, sensit se beati Francisci meritis liberatam. 
6 Filium quoque ipsius, Marium nomine, qui brachium habebat contractum, sanctus Franciscus, voto ad ipsum emisso, sanavit. 
7 Feminam etiam quamdam de Sicilia per septennium fluxu sanguinis fatigatam beatus Christi signifer sanam fecit.

 

7 
1 In urbe Romana Praxedis quaedam nomine, religiositate famosa, quae a tenella aetate propter aeterni Sponsi amorem arcto se carcere per quadraginta iam fere annos abdiderat, apud beatum Franciscum gratiam promeruit specialem. 
2 Nam cum die quadam pro rebus opportunis solarium suae cellulae conscendisset, et impulsione phantastica corruens, confractum haberet pedem cum crure et humerum a positione debita sequestratum, apparuit ei benignissimus Pater, vestimentis gloriae (cfr. Is 52,1) candidatus, dulcibusque affatibus alloqui coepit eamdem: 
3 ”Surge”, inquit, ”filia benedicta, surge, ne timeas (cfr. Rut 3,10; Luc 6,8; 1,30)!”, et apprehensa manu ipsius, allevans eam, disparuit. 
4 Ipsa vero per cellulam suam huc atque illuc se convertens, putabat se visum videre (cfr. Act 12,9); 
5 usquequo ad clamorem ipsius apportato iam lumine, perfecte se sentiens per servum Dei Franciscum esse sanatam, cuncta, quae acciderant, per ordinem (cfr. Est 15,9) enarravit.

Texto Traduzido

Miraculis VIII

VIII – Sobre os libertados de diversas doenças.

 

1 
1 Em Città della Pieve, um jovem mendigo era surdo e mudo de nascença, tinha uma língua tão curta e fina que, muitas vezes examinada por muitas pessoas, parecia completamente cortada. 
2 Um homem chamado Marcos hospedou-o por amor de Deus. O moço, notando que lhe faziam bem, começou a morar assiduamente com ele. 
3 Uma tarde, quando o cavaleiro estava ceando com sua esposa, estando presente o jovem, disse à mulher: “Acho que seria o maior milagre, se o bem-aventurado Francisco lhe devolvesse o ouvido e a fala”. 
4 E acrescentou: “Prometo a Deus que, se São Francisco se dignar a fazer isso, por seu amor vou pagar as despesas desse jovem enquanto viver”. 
5 Certamente admirável! De repente, a língua cresceu e ele falou, dizendo: “Glória a Deus e a São Francisco, que me deu a fala e o ouvido!”.

 

2 
1 Frei Tiago de Iseo, quando era menino na casa paterna, teve uma forma muito grave de hérnia. 
2 Mas, por inspiração do Espírito Santo, mesmo sendo jovem e doente, entrou devotamente na Ordem de São Francisco, sem contar para ninguém a doença de que sofria. 
3 Mas aconteceu que, quando o corpo do bem-aventurado Francisco foi transferido para o lugar onde agora está guardado o precioso tesouro de seus ossos, o referido frade também esteve presente nas alegrias da translação, para prestar louvor ao santíssimo corpo do pai já glorificado. 
4 Aproximando-se do túmulo onde os ossos sagrados tinham sido colocados, por espírito de devoção abraçou o sagrado túmulo, e, de repente, sentindo-se curado, porque os órgãos voltaram ao devido lugar, tirou o suspensório e, desde então, ficou livre de toda dor passada. 
5 Também foram curados maravilhosamente de doença semelhante, pela misericórdia de Deus e pelos méritos do bem-aventurado Francisco, Frei Bartolo de Gúbio, Frei Ângelo de Todi, Nicolau, sacerdote de Ceccano, um homem de Pisa e outro do castro de Cisterna, também Pedro da Sicília e um homem do castro de Spello, perto de Assis, além de muitos outros.

 

3 
1 Em Marítima, uma mulher sofreu por cinco anos de uma alienação mental. Rasgava as roupas com os dentes, não temia o perigo do fogo e da água, e chegou a ter horríveis ataques de epilepsia. 
2 Mas, uma noite, como a divina misericórdia se dispôs a ter compaixão, foi divinamente iluminada por um salutar fulgor, viu o bem-aventurado Francisco sentado num trono elevado, diante do qual ela, prostrada, pedia suplicantemente a saúde. 
3 Como o santo ainda não tinha favorecido a suas preces, a mulher fez um voto, prometendo que nunca iria negar uma esmola aos que pedissem por amor de Deus e do santo. 
4 O santo logo reconheceu o pacto semelhante que tinha feito outrora com o Senhor e, fazendo sobre ela o sinal da cruz, restituiu-lhe a saúde integralmente. 
5 Também consta por testemunhos verídicos que Francisco, o santo de Deus, libertou de um mal semelhante também uma menina de Núrsia, o filho de um senhor nobre e muitos outros.

 

4 
1 Pedro de Foligno, tendo ido, em certa ocasião, visitar o santuário do bem-aventurado Miguel, como fez pouco reverentemente a peregrinação, foi invadido por demônios quando bebeu a água de uma certa fonte. 
2 A partir daí, obsesso por três anos, rasgava-se no corpo, dizia coisas péssimas e fazia coisas horrendas. 
3 Mas, como tinha alguns intervalos lúcidos, pediu humildemente a virtude do homem bem-aventurado, pois ouvira dizer que era eficaz para afugentar as potestades aéreas, e, aproximando-se do sepulcro do piedoso pai, logo que o tocou com a mão, foi maravilhosamente libertado dos demônios que o atormentavam cruelmente. 
4 De modo semelhante, a misericórdia de Francisco socorreu uma mulher de Narni, que tinha um demônio, e muitos outros, mas seria muito longo contar cada caso com as circunstâncias, detalhes dos tormentos e vexações de que foram objeto e os modos de cura.

 

5 
1 Um tal de Bom-homem, da cidade de Fano, paralítico e leproso, foi levado pelos pais à igreja de São Francisco, e conseguiu plena cura das duas doenças. 
2 Mas também houve um outro, chamado Attos, de São Severino, todo leproso, que fez um voto, foi levado ao sepulcro do santo, e por seus méritos foi limpado da lepra. 
3 Pois o santo teve um poder extraordinário para curar esse mal, porque em sua vida, por amor à humildade e à piedade, entregara-se ao serviço dos leprosos.

 

6 
1 Uma mulher nobre, chamada Rogata, da diocese de Sora, esgotada por vinte e três anos de fluxo de sangue, também tivera que suportar males sem número por parte de numerosos médicos. Pelo excesso da dor, muitas vezes parecia que a mulher ia morrer. 
2 E, se alguma vez o fluxo se detinha, ficava com o corpo todo inchado. 
3 Mas ouvindo um menino que cantava em língua romana os milagres que Deus tinha operado pelo bem-aventurado Francisco, comovida por uma dor enorme, prorrompeu em lágrimas e assim, com a fé acesa, começou a dizer: 
4 ”Ó bem-aventurado pai Francisco, que brilhas por tantos milagres, se te dignares libertar-me desta doença, vai aumentar muito a tua glória, porque ainda não fizeste um milagre tão grande”. 
5 Que mais? Quando disse isso, sentiu-se libertada pelos méritos do bem-aventurado pai. 
6 Também o filho dela, chamado Mário, que tinha um braço contraído, foi curado por São Francisco quando fez um voto. 
7 O porta-bandeiras de Cristo também curou uma mulher da Sicília, que tinha sofrido por sete anos um fluxo de sangue.

 

7 
1 Havia, na cidade de Roma, uma mulher chamada Praxedes, famosa pela religiosidade, que desde a tenra idade, por amor do eterno Esposo, fechara-se em apertado cárcere já quase por quarenta anos. Mereceu, junto de São Francisco, uma graça especial. 
2 Pois, certo dia, tendo subido ao sótão de sua celinha para arrumar algumas coisas, caiu por causa de um desmaio, quebrou o pé com a perna e ficou com o ombro deslocado. Apareceu-lhe o benigníssimo pai, com roupas brancas de glória, e começou a falar-lhe com doces palavras: 
3 “Levanta-te, filha bendita, não temas!”. E, segurando sua mão, levantou-a e desapareceu. 
4 Ela, virando para todos os lados de sua pequena cela, achava que tinha tido uma visão. 
5 Até que, com os seus gritos, trouxeram luz e, sentindo-se perfeitamente curada pelo servo de Deus Francisco, contou em ordem tudo que tinha acontecido.