Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 9

Texto Original

Caput IX

De modo vocationis fratris Sylvestri et de visione quam habuit ante ingressum ordinis.

 

30. 
1 Cum autem, ut dictum est, dominus Bernardus bona sua pauperibus largiretur, aderat beatus Franciscus intuens virtuosam operationem Domini, et ipsum Dominum in corde suo glorificans et collaudans. 
2 Venit autem quidam sacerdos, nomine Sylvester, a quo beatus Franciscus emerat lapides pro reparatione ecclesiae Sancti Damiani, et videns totam pecuniam expendi concilio viri Dei, cupiditatis igne succensus, dixit ad eum: “Francisce, non bene solvisti mihi pro lapidibus quos emisti a me”. 
3 Audiens ergo avaritiae contemptor illum murmurantem iniuste, accessit ad dominum Bernardum mittensque manum in clamidem eius ubi erat pecunia, cum magno fervore spiritus extraxit eam plenam denariis et dedit presbytero murmuranti.
4 Et iterum, secundo implens manum pecunia dixit illi: “Habes adhuc plene solutionem, domine sacerdos?”. Et respondit: “Plene habeo, frater”. 
5 Et laetus ad domum suam revertitur cum pecunia sic accepta.

 

31. 
1 Post paucos autem dies, idem sacerdos inspiratus a Domino coepit super his quae beatus Franciscus egerat cogitare, et dicebat intra se: “Nonne sum miser homo, qui cum sim senex temporalia concupisco et quaero? Et hic juvenis ea pro Dei amore despicit et abhorret”. 
2 Sequenti autem nocte, vidit in somnis crucem immensam cuius summitas caelos tangebat et pes eius stabat (cfr. Gen 28,12) fixus in ore Francisci, ipsiusque latera ab una parte mundi ad alteram tendebantur. 
3 Evigilans ergo sacerdos cognovit et credidit firmiter Franciscum esse vere amicum et servum Christi, atque religionem quam coeperat esse per universum mundum protinus dilatandam. 
4 Sicque coepit Deum timere et in domo sua poenitentiam agere. 
5 Tandem vero, post modicum tempus, ingressus est ordinem iam inceptum, in quo optime vixit et gloriose finivit.

 

32. 
1 Vir autem Dei Franciscus duobus, ut dictum est, fratribus sociatus cum non haberet hospicium ubi cum eis maneret, simul cum ipsis ad quamdam pauperculam ecclesiam derelictam se transtulit, quae Sancta Maria de Portiuncula dicebatur, et fecerunt ibi unam domunculam in qua aliquando pariter morarentur. 
2 Post aliquot autem dies, vir quidam assisinas, Egidius nomine, venit ad eos et cum magna reverentia et devotione, flexis genibus, rogavit (cfr. Mar 10,17) virum Dei ut eum in suam societatem reciperet. 
3 Quem cum vir Dei videret fidelissimum et devotum et quod multam gratiam a Deo consequi poterat, ut postea patuit per effectum, libenter eum recepit. 
4 Coniuncti vero hi quatuor, cum immensa laetitia et gaudio Spiritus sancti ad maiorem profectum se taliter diviserunt.

 

33. 
1 Beatus Franciscus assumens fratrem Egidium secum ivit in Marchiam Anconitanam, alii autem duo in regionem aliam perrexerunt. 
2 Euntes ergo in Marchiam exultabant vehementer in Domino (cfr. Phip 4,10), sed vir sanctus, alta et clara voce laudes Domini gallice cantans, benedicebat et glorificabat Altissimi bonitatem. 
3 Tanta vero erat in eis laetitia quasi magnum thesaurum invenissent in evangelico praedio dominae paupertatis, cuius amore omnia temporalia velut stercora contempserant liberaliter et libenter. 
4 Dixit autem sanctus ad fratrem Egidium: “Nostra religio similis erit piscatori qui mittit retia sua in aquam capiens piscium multitudinem copiosam, et parvos in aqua relinquens magnos eligit in vasa (cfr. Mat 13,47-48) sua”. 
5 Sicque prophetavit ordinem dilatandum. 
6 Licet autem vir Dei nondum plene populo praedicaret, quando tamen per civitates et castella (cfr. Luc 8,1) transibat, hortabatur omnes ut amarent et timerent Deum atque poenitentiam agerent de peccatis. 
7 Frater autem Egidius admonebat audientes ut ei crederent quia eis optime consulebat.

 

34. 
1 Qui vero eos audiebant dicebant: “Qui sunt isti? et quae sunt haec verba quae dicunt?”. 
2 Erat enim tunc amor et timor Dei quasi ubique extinctus et via poenitentiae penitus nesciebatur, immo stultitia reputabatur. 
3 Nam intantum praevaluerat carnis illecebra, mundi cupiditas et superbia vitae (cfr. 1Ioa 2,16) quod totus mundus in his tribus malignitatibus positus videbatur. 
4 Erat igitur de his viris evangelicis diversa opinio. 
5 Alii enim dicebant eos stultos vel ebrios, alii autem asserebant quod talia verba non ex stultitia procedebant. 
6 Unus vero de audientibus dixit: “Aut propter summam perfectionem Domino adhaeserunt, aut certe insani sunt, quia desperata videtur vita eorum, cum parco cibo utantur et nudis pedibus ambulent atque vilissimis vestibus sint induti”. 
7 Inter haec tamen, licet quidam timorem incurrerent visa forma sanctae conversationis eorum, non eos adhuc aliqui sequebantur, sed mulieres iuvenculae videntes eos a longe fugiendo pavebant ne forte stultitia et insania ducerentur. 
8 Cumque circuissent illam provinciam redierunt ad dictum locum Sanctae Mariae.

 

35. 
1 Paucis autem diebus elapsis, venerunt ad eos tres alii viri de Assisio, videlicet Sabbatinus, Moricus et Iohannes de Capella, supplicantes beato Francisco ut eos in fratres reciperet. 
2 Et ipse recepit eos humiliter et benigne. 
3 Quando autem eleemosynas per civitatem petebant vix aliquis dabat eis, sed improperabant illis dicentes quod res suas dimiserant ut comederent alienas, et ideo maximam penuriam sustinebant. 
4 Eorum quoque parentes et consanguinei persequebantur illos, aliique de civitate deridebant ipsos tanquam insensatos et stultos, quia tempore illo nullus relinquebat sua ut peteret eleemosynas ostiatim. 
5 Episcopus vero civitatis Assisii, ad quem pro concilio frequenter ibat vir Dei, benigne ipsum recipiens dixit ei: “Dura mihi videtur et aspera vita vestra, nihil scilicet in saeculo possidere”. 
6 Cui sanctus ait: “Donune, si possessiones aliquas haberemus, nobis essent necessaria arma ad protectionem nostram. 
7 Nam inde oriuntur quaestiones et lites soletque ex hoc amor Dei et proximi multipliciter impediri. 
8 Et ideo nolumus in hoc saeculo aliquid possidere temporale”. 
9 Et placuit multum episcopo responsio viri Dei, qui cuncta transitoria et praecipue pecuniam contempsit. 
10 Intantum ut in omnibus regulis suis commendaret potissime paupertatem et omnes fratres sollicitos redderet de pecunia evitanda. 
11 Plures enim regulas fecit et eas expertus est priusquam faceret illam quam ultimo reliquit fratribus. 
12 Unde in una ipsarum dixit in detestationem pecuniae: “Caveamus, qui reliquimus omnia, ne pro tam modico regnum caelorum perdamus. 
13 Et si pecuniam in aliquo loco inveniremus, non curemus plus quem de pulvere quem calcamus”.

Texto Traduzido

Caput IX

Sobre o modo da vocação de Frei Silvestre e da visão que teve antes de seu ingresso na Ordem.

 

30. 
1 Enquanto o Senhor Bernardo distribuía os seus bens aos pobres, como ficou dito, estava presente o bem-aventurado Francisco, observando a virtuosa obra do Senhor, e dando-lhe glória e louvor em seu coração. 
2 Chegou então um certo sacerdote chamado Silvestre, de quem o bem-aventurado Francisco havia comprado pedras para a reparação da Igreja de São Damião, e vendo todo aquele dinheiro sendo gasto por conselho do homem de Deus, aceso no fogo da cobiça, disse-lhe: - “Francisco, não me pagaste bem pelas pedras que me compraste”. 
3 Ouvindo o desprezador da avareza como ele murmurava injustamente, aproximou-se do Senhor Bernardo, e colocando a mão dentro de seu manto, onde estava o dinheiro, com grande fervor de espírito, tirou-a cheia de moedas e deu-as ao presbítero queixoso. 
4 E enchendo outra vez a mão de moedas, perguntou-lhe: “Estás bem pago agora, senhor sacerdote?” Este respondeu: “Plenamente, irmão”. 
5 E alegre voltou à sua casa com o dinheiro assim recebido.

 

31. 
1 Poucos dias depois, o mesmo sacerdote, inspirado por Deus, começou a pensar sobre o que o bem-aventurado Francisco tinha feito e dizia consigo mesmo: "Não sou eu um homem miserável que, sendo velho, cobiço e procuro as coisas deste mundo, enquanto este jovem, por amor de Deus, os despreza e aborrece?"
2 Na noite seguinte viu, em sonho, uma cruz imensa, cuja ponta tocava os céus, o pé estava fincado na boca de Francisco e os braços estendiam-se de uma parte a outra do mundo. 
3 Ao despertar, o sacerdote reconheceu e creu firmemente que Francisco era verdadeiramente amigo e servo de Cristo e a religião que ele havia fundado logo se espalharia pelo mundo inteiro. 
4 Assim, começou a temer a Deus e a fazer penitência em sua casa. 
5 Enfim, depois de pouco tempo, entrou na Ordem já iniciada, na qual viveu otimamente e morreu gloriosamente.

 

32. 
1 O homem de Deus Francisco, tendo-se associado, como foi dito, a dois irmãos, e não dispondo de morada onde permanecer com eles, transferiu-se com os mesmos a uma pequena igreja, pobrezinha e abandonada, chamada Santa Maria da Porciúncula, e ali fizeram uma cabana onde morassem juntos de vez em quando. 
2 Alguns dias depois, um homem assisiense, chamado Egídio, veio ter com eles, e com grande reverência e devoção, de joelhos, rogou ao homem de Deus que o recebesse em sua companhia. 
3 Como o homem de Deus viu que ele era fidelíssimo e devoto, e que poderia alcançar muita graça de Deus, como depois se viu de fato, recebeu-o de boa vontade. 
4 Unidos estes quatro, com imensa alegria e gozo do Espírito Santo, dividiram-se para maior proveito da seguinte forma:

 

33. 
1 Tomando consigo Frei Egídio, o bem-aventurado Francisco dirigiu-se à Marca de Ancona; os outros dois partiram para outra região. 
2 Indo para a Marca, exultavam fortemente no Senhor, mas o homem santo, cantando os louvores do Senhor em voz alta e em francês, bendizia e glorificava a bondade do Altíssimo. 
3 A alegria era tanta como se tivessem encontrado o grande tesouro no terreno evangélico da senhora pobreza, por cujo amor tinham desprezado todas as coisas temporais livremente e de boa vontade, como se fossem esterco. 
4 Disse o santo a Frei Egídio: - “Nossa religião será semelhante a um pescador que lança suas redes na água pegando uma grande quantidade de peixes mas, deixando os pequenos na água, escolhe os maiores para sua vasilha”. 
5 E dessa forma profetizou como a Ordem deveria dilatar-se. 
6 Embora o homem de Deus ainda não estivesse plenamente pregando ao povo, quando passava pelas cidades e aldeias exortava todos a que amassem e temessem a Deus e fizessem penitência dos pecados. 
7 Frei Egídio admoestava os ouvintes a crerem nele, porque os estava aconselhando otimamente.

 

34. 
1 Mas os que os ouviam diziam: -- “Quem são eles? E que significam as palavras que dizem?” 
2 De fato, naquele tempo, estavam quase extintos o amor e o temor a Deus, o caminho da penitência era absolutamente ignorado e até tido como bobagem. 
3 A sedução da carne, a cobiça do mundo e a soberba da vida haviam dominado tanto, que o mundo inteiro parecia colocado nesses três males. 
4 Havia, portanto, opiniões bem variadas sobre esses homens evangélicos. 
5 Uns diziam que eram estultos e beberrões, outros afirmavam que suas palavras não procediam de estultice. 
6 Um dos ouvintes disse: -- “Ou eles, por amor da suma perfeição, aderiram a Deus, ou com certeza são loucos, porque suas vidas parecem sem esperança, usam pouco alimento, andam descalços e se vestem com roupas miseráveis”. 
7 Mas, no meio disso tudo, embora alguns ficassem com medo vendo a forma de seu santo comportamento, ainda não havia alguns que os seguissem, mas as moças, quando os viam de longe, fugiam de medo de serem, por acaso, levadas pela estultície e insanidade. 
8 Quando percorreram aquela província, voltaram ao dito lugar de Santa Maria.

 

35. 
1 Passados poucos dias, vieram a eles mais três homens de Assis: Sabatino, Moorico e João de Capela, suplicando ao bem-aventurado Francisco que os recebesse como irmãos. 
2 E ele os recebeu, humilde e bondosamente. 
3 Mas quando iam pela cidade pedindo esmolas, mal havia quem lha desse; xingavam-nos dizendo que tinham deixado as suas coisas para comer as dos outros, e por isso passavam a maior penúria. 
4 Seus pais e parentes e consangüíneos perseguiam-nos, e outros da cidade riam-se deles como insensatos e bobos, porque naquele tempo ninguém deixava suas coisas para pedir esmolas de porta em porta. 
5 Mas o bispo da cidade de Assis, a quem freqüentemente o homem de Deus ia pedir conselhos, recebendo-o bondosamente lhe disse: -- “essa vossa vida me parece dura e áspera: não ter nada no século”. 
6 O santo lhe disse: -- “Senhor, se tivéssemos alguma propriedade, precisaríamos de armas para nossa proteção”. 
7 Pois é daí que surgem litígios e contendas que de muitas maneiras costumam impedir o amor de Deus e do próximo. 
8 Por isso não queremos ter nada de temporal neste século”. 
9 Muito agradou ao bispo a resposta do homem de Deus, que desprezara todas as coisas transitórias e especialmente o dinheiro. 
10 Tanto que, em todas as suas Regras, muito recomendou, fazendo todos os frades serem solícitos para evitar o dinheiro. 
11 Pois fez muitas Regras, e as experimentou antes de fazer a última que deixou para os frades. 
12 Numa delas, disse, como execração do dinheiro: -- “Nós que tudo deixamos, guardemo-nos de perder o reino dos céus por tão pouco”. 
13 E se encontrarmos dinheiro em algum lugar, não cuidemos dele mais do que do pó que pisamos”.