Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

38. O livro da Cruz

Texto Original

.

1 Alia vice, tempore sue infirmitatis oculorum, quia nimis inde doloribus affligebatur, quadam die dixit ei quidam minister: 2 “Frater, quare a tuo socio non facis tibi legi de scripturis prophetarum et aliis scripturis, unde tuus spiritus in Domino exaltabit (cfr. Luc 1,47), et inde accipiet maximam consolationem?”. 
3 Sciebat enim quod multum in Domino letabatur, cum audiret legi divinas scripturas. 
4 At ille respondit ei: “Frater, tantam dulcedinem et consolationem invenio cotidie in mea memoria ex meditatione humilitatis vestigiorum Filii Dei, quod si usque in finem seculi viverem, non multum necesse esset michi alias scripturas audire vel meditari”. 
5 Unde sepe reducebat ad memoriam et postea fratribus dicebat illud davidicum verbum: Renuit consolari anima mea (Ps 76,3). 
6 Propterea, sicut multotiens dicebat fratribus, quia oportebat ipsum esse formam et exemplum omnium fratrum, ideo non tantum medicinis, sed etiam cibis necessariis in infirmitatibus suis uti nolebat. 
7 Et propterea quia hec predicta considerabat, non tantum quando videbatur esse sanus, licet semper esset debilis et infirmus, sed etiam in suis infirmitatibus, suo corpori erat austerus.

Texto Traduzido

.

1 Em outra ocasião, no tempo de sua doença dos olhos, como estava tendo muitas dores por causa disso, disse-lhe um dia a um ministro: 
2 “Irmão, porque não fazes que seja lida por teu companheiro alguma passagem dos Profetas ou das outras Escrituras? Tua alma se exaltará e tirará daí a maior consolação”. 
3 Pois sabia que se alegrava muito no Senhor quando ouvia ser as divinas escrituras. 
4 Mas ele respondeu: “Irmão, encontro todos os dias tanta doçura e consolação na minha memória pela meditação dos vestígios do Filho de Deus, que mesmo que vivesse até o fim dos séculos, não me seria muito necessário ouvir ou meditar outras escrituras”. 
5 Daí, recordava e dizia muitas vezes aos frades aquele verso de Davi: Minha alma não quer outra consolação (Sl 76). 
6 Por isso, como dizia muitas vezes aos frades que ele devia ser a forma e o exemplo de todos os frades, não queria usar em suas enfermidades não só os remédios mas mesmo os alimentos necessários. 
7 E como leva em conta isso que foi dito não só quando parecia estar são , ainda que sempre estivesse fraco e doente, mas também em suas enfermidades, era austero com o seu corpo.