Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XXXIII

Texto Original

Caput XXXIII

De temptatione fr. Rufini, et quomodo apparuit sibi Cristus.

 

1 Fr. Rufinus, de nobilioribus de Assisio, socius b. Francisci, cum quodam tempore, vivente b. Francisco, graviter a demone de predestinatione vexaretur in anima: nam suggerebat cordi eius hostis antiquus quod ipse non erat de predestinatis ad vitam et perderet quicquid in religionis servitio faceret; propter hanc vexationem, per multos dies in mente durantem, totus erat melancolicus effectus et tristis, et hanc suam pugnam s. Francisco dicere verecundabatur; nichilominus tamen orationes consuetas minime dimittebat.
Sed hostis antiquus, volens sibi tristitiam super tristitiam (cfr. 2Cor 2,3) addere, que graviter vulnerat servos Dei, ad pugnam interiorem addidit etiam exterius impugnare. Unde apparens sibi in specie Crucifixi, dixit: “O fr. Rufine, quare in orationibus et penitentia te affligis, cum tu non sis de predestinatis ad vitam? Et hoc credas michi, quia ego scio quos elegerim (cfr. Ioa 13,18).
5 Et non credas filio Petri Bernardonis, si contrarium tibi dixerit; nec ipsum interroges de ista materia, quia ipse vel alius hoc ignorat; sed ego, qui sum Dei Filius, bene scio; ideo credas michi pro certo quia tu es de numero dampnatorum. Et ipse fr. Franciscus, pater tuus, est dampnatus; et quicumque sequitur eum, decipitur”.
7 Fr. autem Rufinus erat ita obtenebratus a principe tenebrarum, quod iam fidem et amorem in s. Francisco perdiderat, et hoc sibi dicere non curabat; sed s. patri, quod fr. Rufinus non dixit, Spiritus Domini revelavit. 8 Unde ipse pater pius, videns in spiritu tantum dicti fratris periculum, misit fr. Masseum pro ipso, ut ad eum omnino veniret. 
9 Nam fr. Rufinus et fr. Franciscus stabant in loco montis Subasii prope Assisium. Frater autem Rufinus respondit fr. Masseo: “Quid habeo ego facere cum fr. Francisco?”.
10 Et fr. Masseus, homo totus sapientia Dei plenus, clare cognoscens maligni hostis fallaciam, ait: “O fr. Rufine, nescis tu quod s. Franciscus est sicut angelus Domini, qui tot animas illuminavit in mundo et a quo etiam nos tot divine gratie dona recepimus? 11 Unde ego volo quod tu omnino venias ad eum, quia ego clare video te a diabolo deceptum”. Statim autem fr. Rufinus venit ad s. Franciscum.
12 Et cum s. Franciscus vidit eum a longe, cepit clamare: “O fr. Rufine, captivelle, cui credidisti?”. Et dixit sibi totam per ordinem temptationem quam habuerat intus et extra. 13 Et s. pater docuit eum quod ille, qui predicta sibi suggesserat, erat diabolus et non Cristus; et ideo nullo modo eius suggestionibus assentiret: “Sed quando dicet tibi: tu es dampnatus, et tu secure respondeas: Apri la bocca, mo te caco! 14 Et hoc sit tibi signum quod ipse est diabolus quod, dicto hoc verbo, statim fugiet. Ad hoc etiam recognoscere debes ipsum fuisse diabolum, quia cor tuum induravit ad omne bonum? quod est proprium eius officium. 15 Sed Cristus benedictus nunquam cor hominis fidelis indurat; immo dicit Auferam tibi cor lapideum et dabo tibicor carneum (cfr.  Ez 11,19)”.
Frater vero Rufinus, cum s. Franciscus ita per ordinem dicebat temptationis seriem qua intus et extra vexatus extiterat, cepit fortissime lacrimari. 16 Et adorans sanctum et culpam humiliter recognoscens de hoc quod ab ipso celaverat; ac totus confortatus in Domino per monita s. patris, totus fuit mutatus in melius. 
17 Dixit autem s. Franciscus: “Vade, fili, et confitearis, et orationis consuetum studium non dimittas; et scias pro certo quod hec temptatio erit tibi in magnam utilitatem et consolationem, sicut experieris in brevi”.
18 Frater autem Rufinus rediit ad cellam suam ad orandum in silva; et dum staret cum multis lacrimis ad orandum, ecce venit hostis in persona Cristi, dicens: “Fr. Rufine, nonne dixi tibi quod tu filio Petri Bernardonis non crederes, quia es dampnatus, et in orationibus et lacrimis non labores? 19 Quid enim prodest tibi, si, dum vixeris, affligeris, et, cum morieris, es dampnatus?”. Et fr. Rufinus statim respondit: “Apri la bocca, mo te caco!”
20 Tunc diabolus indignatus recessit cum tanta tempestate et commotione lapidum montis Subasii, quod per magnum spatium fluxit lapidum multitudo, ubi adhuc apparet lapidum orrenda ruina. 21 Nam per vallem etiam dicti montis saxa se invicem collidendo; ignem plurimum emittebant. Unde ad tam orribilem strepitum lapidum s. Franciscus et socii, admirantes extra dictum locum, ut novitatem illam aspicerent, exierunt.
22 Et tunc fr. Rufinus manifeste avertit quod ipsum hostis deceperat; unde secundo ad s. Franciscum rediit et, prosternens se in terram, iterum culpam dixit. Qui confortatus a s. Francisco, totus pacificatus remansit. 23 Et cum post hec staret cum multis lacrimis orans, ecce Cristus benedictus sibi apparuit et totam animam suam divino liquefecit amore, dicens: “Bene fecisti, fili, quod credidisti fr. Francisco; quia ille qui te contristabat fuit diabolus. 24 Ego autem sum Cristus, magister tuus; et ut de hoc te reddam certissimum, hoc tibi sit signum quod, donec in mundo isto eris, nunquam de cetero eris tristis”. 
25 Et benedixit Cristus fr. Rufinum et dimisit eum in tanto gaudio et dulcedine spiritus et elevatione mentis, quod die noctuque erat absorptus in Deum. 26 Et confirmatus est ex tunc in tanta gratia et benedictione et securitate salutis eterne, quod totus est in virum alterum renovatus, ad tantam etiam elevationem mentis et orationis perseverantiam confirmatus, quod stetisset continue infra parvulum circulum die noctuque contemplari divina, si eum aliquis non impedisset. 
27 Unde dicebat s. Franciscus de eo, quod fr. Rufinus erat, dum adhuc viveret, canonizatus in celo a D. Ihesu Cristo, et quod ipse non dubitaret in absentia sua dicere sanctum Rufinum adhuc existentem in terra.
Ad laudem D.n. Ihesu Cristi. Amen.

Texto Traduzido

Caput XXXIII

Sobre a tentação de Frei Rufino e como Cristo lhe apareceu.

 

1 Frei Rufino, dos mais nobres de Assis, companheiro do bem-aventurado Francisco, certa ocasião, quando o bem-aventurado Francisco ainda estava vivo, foi gravemente atormentado na alma pelo demônio sobre a predestinação: pois o antigo inimigo lhe sugeria no coração que ele não era dos predestinados para a vida e ia perder tudo que fizesse no serviço da religião. 2 Por causa desse tormento, que durou muitos dias, tinha ficado todo melancólico e triste, e ficava com vergonha de falar com São Francisco sobre essa sua luta. Mas não deixou absolutamente de fazer as orações costumeiras.
3 Mas o antigo inimigo, querendo acumular sobre ele tristeza sobre tristeza (cfr. 2Cor 2,3), que fere gravemente os servos de Deus, juntou à luta interior também ataques exteriores. 4 Por isso, aparecendo-lhe na forma do Crucificado, disse: “Frei Rufino, porque te afliges em todas essas orações e penitência, se não és um dos predestinados para a vida? Acredita em mim, porque eu sei quem escolhi (cfr. Jo 13,18).
Não acredites no filho de Pedro de Bernardone, se te disser o contrário. Nem lhe faças perguntas sobre isso, porque ele ou outro ignoram isso. Mas eu, que sou o Filho de Deus, sei bem. Por isso, acredita em mim com certeza que tu és do número dos condenados. 6 E o próprio Frei Francisco, teu pai, está condenado; e todos os que o seguem estão enganados”.
7 Frei Rufino, porém, estava tão escurecido pelo príncipe das trevas, que já perdera a fé e o amor por São Francisco, e nem tratava de dizer isso a ele. Mas o Espírito Santo revelou ao santo pai o que Frei Rufino não disse. 8 Por isso, o próprio pai piedoso, vendo em espírito tão grande perigo para esse irmão, mandou que Frei Masseu que fosse buscá-lo, para que viesse de qualquer jeito.
9 Pois Frei Rufino e Frei Francisco estavam no lugar do monte Subásio, perto de Assis. Então Frei Rufino respondeu a Frei Masseu: “O que eu tenho a ver com Frei Francisco?”.
10 E Frei Masseu, homem todo cheio da sabedoria de Deus, percebendo claramente o engano do inimigo maligno, disse: “Frei Rufino, não sabes que São Francisco é como um anjo do Senhor, que iluminou tantas almas neste mundo e de quem nós recebemos tantos dons da graça divina? 11 Por isso eu quero que tu venhas mesmo a ele, porque estou vendo com clareza que foste enganado pelo demônio”. Então Frei Rufino foi imediatamente ver São Francisco.
12 Quando São Francisco o viu, de longe, começou a gritar: Ó Frei Rufino, mauzinho, em quem acreditaste?”. E contou-lhe em ordem toda a tentação que tivera por dentro e por fora. 13 E o santo pai demonstrou-lhe que aquele que lhe sugerira aquelas coisas era o diabo e não Cristo. E que por isso de maneira alguma devia concordar com aquelas afirmações: “Mas, quando te disser: tu estás condenado, responde com segurança: Abre a boca para eu te cagar”. 14 E que isto seja para ti um sinal de que ele é o diabo: quando disseres isso ele vai logo fugir. Também deves reconhecer que ele é o diabo, porque endureceu teu coração para todo bem, o que é do seu ofício. 15 Mas o Cristo bendito nunca endurece o coração do homem. Até diz: Tirarei o teu coração de pedra e te darei um coração de carne (cfr. Ez 11,19)”.
Frei Rufino, porém, quando São Francisco contou em ordem a série de tentações que o tinham atormentado por dentro e por fora, começou a chorar fortemente.16 Inclinando-se diante do santo e reconhecendo humildemente a culpa e que tinha ocultado isso dele. Todo confortado no Senhor pelos conselhos do santo pai, ficou transformado inteiramente para melhor.
17 São Francisco disse: “Vai te confessar, filho, e não deixes teu esforço habitual de oração. Fica sabendo com certeza que essa tentação vai ser da maior utilidade e consolação para ti, como perceberás em breve”.
18 Então Frei Rufino voltou para sua cela, para orar no bosque. Estava rezando com muitas lágrimas quando veio o inimigo na figura de Cristo, dizendo: “Frei Rufino, eu não te disse para não acreditar no filho de Pedro de Bernardone, porque ele está condenado, e que não devias perder tempo com orações e lágrimas? 19 Pois o que te adianta te afligires enquanto viveres se estarás condenado quando morreres?”. Frei Rufino respondeu na hora: “Abre a boca, que eu te cago!”.
20 Então o diabo foi embora indignado, com tamanha tempestade e movimento das pedras do monte Subásio que, durante um bom tempo, correram pedras em quantidade, onde ainda se vê uma horrorosa ruína de pedras. 21 Batendo umas nas outras, as rochas do monte soltavam muito fogo pelo vale. Com o horrível fragor das pedras, São Francisco e os companheiros, saíram admirados do seu lugar para ver aquela novidade.
22 Então Frei Rufino percebeu manifestamente que o inimigo o enganara. Voltou outra vez a São Francisco e, prostrando-se em terra, disse a culpa de novo. Confortado por São Francisco, ficou completamente pacificado. 23 Depois disso, estava orando com muitas lágrimas quando Cristo bendito lhe apareceu e derreteu toda a sua alma com o amor divino, dizendo: “Meu filho, fizeste bem em acreditar em Frei Francisco; porque aquele que te entristecia era o diabo. 24 Mas eu sou Cristo teu mestre. E, para teres toda a certeza disso, este é o sinal: enquanto estiveres neste mundo, nunca mais ficarás triste”.
25 Cristo abençoou Frei Rufino e o despediu com tanto júbilo, doçura de espírito e elevação da mente que passava dia e noite absorto em Deus. 26 Daí em diante ficou confirmado em tanta graça, bênção e segurança da salvação eterna que se renovou inteiro em um outro homem. E também ficou confirmado em tão grande elevação da mente e perseverança na oração que ficaria dia e noite dentro de um pequeno círculo, a contemplar as coisas divinas, se alguém não o impedisse.
27 Por isso São Francisco dizia sobre ele que Frei Rufino tinha sido canonizado vivo no céu pelo Senhor Jesus Cristo, e que ele não teria dúvida de dizer, em sua ausência, que ele era São Rufino, ainda vivendo na terra.
Para o louvor de n. Senhor Jesus Cristo. Amém.