Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 14

Texto Original

Caput XIV

De capitulo quod fiebat bis in anno in loco Sanctae Mariae de Portiuncula.

 

57. 
1 Post praedictum autem locum Sanctae Mariae obtentum a praefato abbate, ordinavit beatus Franciscus quod ibi fieret capitulum bis in anno, scilicet in Pentecoste et in Dedicatione Sancti Mi-chaelis. 
2 In Pentecoste conveniebant omnes fratres apud Sanctam Mariam et tractabant qualiter melius possent regulam observare, atque constituebant fratres per diversas provincias qui populo praedicarent, et fratres alios in quis provinciis collocarent. 
3 Sanctus autem Franciscus faciebat admonitiones reprehensiones et praecepta, sicut ei iuxta consilium Domini videbatur. 
4 Omnia vero quae dicebat eis per verba, affectuose et sollicite operibus ostendebat. 
5 Venerabatur praelatos et sacerdotes sanctae Ecclesiae atque seniores nobiles et divites honorabat, pauperes quoque intime diligebat eis viscerose compatiens, omnibusque se subditum exhibebat. 
6 Cumque omnibus fratribus esset sublimior, unum tamen de fratribus secum morantibus constituebat guardianum suum et dominum, cui, ut effugaret a se omnem occasionem superbiae, obediebat humiliter et devote. 
7 Humiliabat enim inter homines caput suum usque ad terram, ut inter sanctos et electos Dei mereretur in conspectu divino aliquando exaltari (cfr. Luc 14,11). 
8 Admonebat sollicite fratres ut sanctum evangelium et regulam quem promiserant firmiter observarent, et maxime ut circa divina officia et ecclesiasticas ordinationes essent reverentes et devoti, audientes devote missam et Corpus Domini devotissime adorantes. 
9 Sacerdotes quoque qui tractant veneranda et maxima sacramenta voluit singulariter a fratribus honorari, intantum ut ubicumque illos invenirent caput coram eis flectentes oscularentur manus eorum, 
10 et cum ipsos equitantes invenirent, volebat ut oscularentur non solum manus eorum sed etiam pedes equorum super quos equitarent, propter reverentiam potestatis eorum.

 

58. 
1 Admonebat etiam fratres ut nullum hominem iudicarent neque despicerent illos qui delicate vivunt et curiose ac superflue induuntur: nam Deus est noster et ipsorum Dominus potens illos ad se vocare et vocatos iustificare (cfr. Rom 8,30). 
2 Dicebat etiam quod volebat ut fratres revererentur tales sicut fratres et dominos suos, quia fratres sunt in quantum ab uno creatore creati, domini sunt in quantum bonos adiuvant ad poenitentiam faciendam eis necessaria corporis ministrantes, 
3 haec quoque dicens addebat: “Talis deberet esse fratrum conversatio inter gentes ut quicumque audiret vel videret eos glorificaret Patrem caelestem (cfr. Mat 5,16) et devote laudaret”. 
4 Magnum namque desiderium eius erat ut tam ipse quam fratres sui talibus operibus abundarent pro quibus Dominus laudaretur, et dicebat illis: “Sicut pacem annuntiatis ore, sic in cordibus vestris et amplius habeatis. 
5 Nullus per vos provocetur ad iram vel scandalum, sed omnes per mansuetudinem vestram ad pacem, benignitatem et concordiam provocentur. 
6 Nam ad hoc vocati sumus ut vulneratos curemus, alligemus confractos (cfr. Ez 34,4) et erroneos revocemus. 
7 Multi enim videntur nobis esse membra diaboli qui adhuc discipuli Christi erunt”.

 

59. 
1 Arguebat praeterea pius pater fratres suos qui nimis erant sibi ipsis austeri, vigiliis, ieiuniis (cfr. 2Cor 11,27) et corporalibus exercitiis nimium insudantes. 
2 Quidam enim se tam graviter affligebant ut cuncta in se carnis reprimerent incentiva, quod quilibet videbatur odire seipsum. 
3 Quos vir Dei prohibebat, admonens eos benigne et rationabiliter reprehendens, atque ipsorum vulnera alligans salutarium vinculis praeceptorum. 
4 Inter fratres vero qui ad capitulum veniebant nullus audebat negotia saecularia recitare, sed colloquebantur de vitis sanctorum patrum et quomodo melius et perfectius possent invenire gratiam Domini Iesu Christi. 
5 Si qui autem de fratribus qui ad capitulum venerant aliquam tentationem vel tribulationem habebant, audiendo beatum Franciscum loquentem ita dulciter et ferventer, eiusque videndo paenitentiam, liberabantur a tentationibus et tribulationibus sublevabantur mirifice. 
6 Compatiens namque loquebatur eis non ut iudex sed ut pater misericors filiis et medicus bonus infirmis, sciens cum infirmantibus infirmari (cfr. 2Cor 11,29) et cum tribulatis affligi. 
7 Corripiebat nihilominus debite omnes delinquentes, atque contumaces et rebelles animadversione debita coercebat. 
8 Expleto autem capitulo, benedicebat omnibus fratribus et ad singulas provincias singulos destinabat. 
9 Quicumque ex ipsis spiritum Dei habebat et eloquentiam idoneam ad praedicandum, sive clericus sive laicus esset, dabat ei licentiam praedicandi. 
10 Ipsi vero recipientes benedictionem illius cum magno gaudio spiritus, tanquam peregrini et advenae (cfr. 1Pet 2,11) ibant per mundum, nihil in via portantes nisi tantum libros in quibus possent dicere horas suas. 
11 Ubicumque autem inveniebant sacerdotem, divitem vel pauperem, bonum vel malum, inclinantes se humiliter ei reverentiam faciebant 
12 et quando erat hora hospitandi libentius erant cum sacerdotibus quam cum laicis saeculi.

 

60. 
1 Quando vero apud sacerdotes hospitari non poterant, quaerebant magis spirituales et Deum timentes apud quos possent honestius hospitari, donec per singulas civitates et castra quae fratres visitare volebant, Dominus inspiravit aliquibus Deum timentibus ut illis pararent hospitia, quousque pro ipsis aedificata sunt loca in urbibus et in castris. 
2 Dedit autem illis Dominus verbum et spiritum secundum temporis opportunitatem ad proferendum verba acutissima penetrantia corda iuvenum atque senum, qui relinquentes patrem et matrem (cfr. Mat 19,29) et omnia quae habebant sequebantur fratres, eorum religionis habitum assumendo. 
3 Vere tunc separationis gladius missus est in terram (cfr. Mat 10,34), dum iuvenes veniebant ad religionem dimittentes parentes suos in faecibus peccatorum. 
4 Illos tamen quos recipiebant ad ordinem ducebant ad beatum Franciscum suscepturos ab eo religionis habitum humiliter et devote. 
5 Non solum autem viri sic convertebantur ad ordinem, sed etiam multae virgines et viduae, ad eorum praedicationem compunctae, secundum ipsorum consilium per civitates et castra monasterüs ordinatis recludebant se ad poenitentiam faciendam. 
6 Quibus unus ex fratribus constitutus fuit visitator et corrector earum. 
7 Similiter et viri uxorati et mulieres maritatae, a lege matrimonii discedere non valentes, de fratrum salubri concilio se in domibus propriis arctiori poenitentiae committebant. 
8 Et sic per beatum Franciscum, sanctae Trinitatis cultorem perfectum, Dei Ecclesia in tribus ordinibus renovatur sicut trium ecclesiarum praecedens reparatio figuravit. 
9 Quorum ordinum quilibet tempore suo fuit a summo pontifice confirmatus.

Texto Traduzido

Caput XIV

Do capítulo que se realizava duas vezes por ano no lugar de Santa Maria da Porciúncula.

 

57. 
1 Após ter obtido do mencionado abade o referido lugar de Santa Maria, ordenou o bem-aventurado Francisco que ali se realizasse o capítulo duas vezes por ano, a saber: em Pentecostes e na dedicação de São Miguel. 
2 Em Pentecostes reuniam-se todos os irmãos em Santa Maria, discutiam a maneira como podiam observar melhor a Regra, designavam os irmãos que nas diversas províncias pregassem ao povo e colocassem os outros frades em suas províncias. 
3 São Francisco fazia admoestações, repreensões e preceitos, como lhe parecia de acordo com o conselho do Senhor. 
4 Mas tudo que lhes dizia por meio de palavras, mostrava-o afetuosa e solicitamente com obras. 
5 Venerava os prelados e sacerdotes da Santa Igreja, honrava também os mais velhos, nobres e ricos, mas amava aos pobres compadecendo-se entranhadamente deles, e a todos mostrava-se submisso. 
6 Mesmo estando acima de todos os irmãos, constituía um dos frades que morava com ele como seu guardião e senhor, obedecendo-lhe humilde e devotamente para afastar de si toda ocasião de soberba. 
7 Pois entre os homens humilhava sua cabeça até o chão, para merecer, algum dia, ser exaltado entre os santos e eleitos de Deus, na presença divina. 
8 Admoestava com solicitude os irmãos a observarem cuidadosamente o santo Evangelho e a Regra que haviam prometido observar firmemente, e especialmente que fossem reverentes e devotos no que diz respeito aos ofícios divinos e às ordenações eclesiásticas, ouvindo devotamente a missa e adorando o Corpo do Senhor com toda a devoção. 
9 Quis também que fossem honrados de maneira particular os sacerdotes que tratam os venerandos e máximos sacramentos, a tal ponto que, onde os encontrassem, inclinando a cabeça, lhes beijassem as mãos. 
10 E quando os encontrassem montados a cavalo, queria que beijassem não somente suas mãos, mas até as patas dos cavalos que montavam, em reverência à sua autoridade.

 

58. 
1 Advertia também os irmãos para não julgarem homem algum nem desprezarem os que vivem na moleza e se vestem curiosa e superfluamente: pois Deus é Senhor nosso e deles, e tem o poder de chamá-los a si e torná-los justos. 
2 Dizia também que queria que os irmãos os reverenciassem como irmãos e senhores, porque eles são irmãos enquanto criados pelo mesmo Criador, e são senhores enquanto ajudam os bons a fazer penitência, ministrando tudo o que é necessário ao corpo. 
3 E, dizendo estas coisas, acrescentava: “A vida dos irmãos entre os homens deveria ser tal que todo aquele que os visse e os escutasse, glorificasse e devotamente louvasse o Pai celeste”. 
4 Era seu grande desejo que ele e seus irmãos fossem tão abundantes em boas obras, que por elas o Senhor fosse louvado, e dizia-lhes: “Como anunciais a paz com a boca, assim deveis possuí-la ainda mais em vossos corações”. 
5 Ninguém seja por vós provocado à ira ou ao escândalo, mas todos, por vossa mansidão, sejam levados à paz, à bondade e à concórdia. 
6 Pois é para isto que fomos chamados: para curar os feridos, reanimar os abatidos e trazer de volta os que estão no erro. 
7 Pois muitos que agora parecem seguidores do diabo ainda virão a ser discípulos de Cristo”.

 

59. 
1 O piedoso pai também corrigia os irmãos que eram demasiadamente austeros consigo mesmos, suando excessivamente em vigílias, jejuns e exercícios corporais. 
2 Pois alguns se afligiam tão gravemente que reprimiam em si todos os impulsos da carne que um ou outro parecia odiar a si mesmo. 
3 O homem de Deus proibia-os, avisando-os bondosamente e repreendendo razoavelmente mas também vendando suas feridas com os vínculos salutares dos preceitos. 
4 Entre os irmãos que iam ao capítulo ninguém ousava tratar de negócios seculares, mas confabulavam acerca das vidas dos Santos Padres e como poderiam encontrar a graça do Senhor Jesus Cristo melhor e mais perfeitamente. 
5 Se alguns dos irmãos que compareciam ao capítulo sofriam tentações ou tribulações, eram libertados das tentações e venciam maravilhosamente as tribulações ouvindo o bem-aventurado Francisco falar tão suave e fervorosamente e vendo a sua penitência. 
6 Pois, compadecido deles, falava-lhes não como juiz, mas como um pai misericordioso, como bom médico com os doentes, sabendo ser enfermo com os enfermos e afligir-se com os atribulados. 
7 Repreendia, entretanto, como era devido, todos os delinquentes, e reprimia os contumazes e rebeldes com a merecida admoestação. 
8 Terminado o capítulo, abençoava a todos os irmãos e destinava cada um às diversas províncias. 
9 A quem tivesse o Espírito de Deus e eloquência necessária para pregar, fosse clérigo ou leigo, dava-lhe a devida permissão de pregar. 
10 Eles, recebendo sua bênção com grande júbilo do espírito, como peregrinos e estrangeiros, iam pelo mundo, nada levando pelo caminho, a não ser os livros em que pudessem dizer suas Horas. 
11 Em qualquer lugar que encontrassem um sacerdote, rico ou pobre, bom ou mau, inclinando-se humildemente faziam-lhe uma reverência. 
12 E quando chegava a hora de se hospedar, ficavam de mais boa vontade com os sacerdotes que com os leigos do século.

 

60. 
1 Quando não conseguiam hospedagem junto aos sacerdotes, buscavam os homens mais religiosos e tementes a Deus, com os quais encontrassem alojamento mais conveniente, até que o Senhor inspirasse algumas pessoas tementes a Deus que lhes preparassem hospedagem em cada cidade e aldeia que pretendessem visitar, isso até o tempo em que se construíram lugares para eles nas cidades e aldeias. 
2 O Senhor lhes deu oportunamente palavra e espírito para proferir palavras agudíssimas que penetravam os corações dos jovens e dos velhos, que, deixando pai e mãe e tudo que tinham, seguiam os frades, assumindo o hábito de sua religião. 
3 Na verdade a espada da separação foi então enviada à terra, fazendo os jovens acorrer à religião, abandonando seus parentes entre as fezes dos pecados. 
4 Conduziam os que haviam admitido à Ordem ao bem-aventurado Francisco, de quem recebiam o hábito religioso, com humildade e devoção. 
5 Mas não eram somente os homens que se convertiam assim à Ordem; também muitas virgens e viúvas, compungidas pelas suas pregações e seguindo seu conselho, enclausuravam-se nos mosteiros espalhados pelas cidades e aldeias para fazer penitência. 
6 E constituiu-se para elas um dos irmãos como visitador e corretor. 
7 Da mesma forma, homens e mulheres casados, não podendo abandonar a lei do matrimônio, entregavam-se, pelo salutar conselho dos irmãos, a uma penitência mais rigorosa em suas próprias casas. 
8 E assim, por meio do bem-aventurado Francisco, adorador perfeito da Santíssima Trindade, a Igreja de Deus foi renovada com três Ordens, conforme prefigurava a reforma das três igrejas. 
9 E cada uma destas Ordens, em seu devido tempo, foi confirmada pelo Sumo Pontífice.