Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 88

Texto Original

Caput 88

De amore quem ostendit fratribus prope mortem dando singulis buccellam panis sicut fecit Christus.

 

1 Quadam nocte beatus Franciscus fuit ita doloribus infirmitatum praegravatus quod quasi nocte illa non potuit quiescere nec dormire. 2 Mane autem facto, cum dolores aliquantulum jam cessassem, fecit vocari omnes fratres existentes in loco, 3 et sedentibus illis coram ipso consideravit et prospexit eos in personis omnium fratrum.
4 Et ponens manum dexteram super capita (cfr. Gen 48,17) singulorum benedixit omnes praesentes et absentes atque venturos ad ordinem usque in finem saeculi (cfr. Dan 7,18)5 Et videbatur compati sibi ipsi quia non poterat videre omnes fratres et filios suos ante mortem suam.
6 Volens autem in morte imitari suum Dominum et magistrum quem in vita sua perfecte fuerat imitatus, jussit apportari sibi panes et benedixit (cfr. Mat 26,26) eos, 7 atque in plurimas particulas fecit frangi, quia prae nimia debilitate frangere non valebat. 8 Et accipiens unicuique fratrum porrexit particulam, praecipiens ut totam quilibet manducaret.
9 Unde sicut Dominus ante mortem suam voluit in signum dilectionis cum apostolis quinta feria manducare, ita perfectus imitator ipsius beatus Franciscus voluit idem signum dilectionis ostendere fratribus suis. 10 Et quod ad similitudinem Christi voluerit hoc facere patet manifeste, quia postea quaesivit si erat tunc feria quinta. 11 Et cum esset tunc alia dies dixit quod putabat esse feriam quintam.
12 Unus autem ex illis fratribus reservavit unam particulam de ipso pane, et post mortem beati Francisci multi infirmi qui de ipso gustaverunt statim fuerunt a suis infirmitatibus liberati.

Texto Traduzido

Caput 88

O amor que, próximo à morte, mostrou aos frades, dando um bocado de pão a cada um como fez Cristo.

 

1 Uma noite, o bem-aventurado Francisco foi tão atormentado pelas dores das doenças que quase não pôde descansar nem dormir. 2 Ao ama­nhecer, quando as dores já haviam cessado um pouco, mandou chamar todos os frades que moravam no lugar3 com todos sentados diante dele, considerou-os e olhou-os como se representassem todos os frades.
4 E, pondo a mão direita sobre a cabeça (cf. Gn 48,17) de cada um, abençoou todos os presentes, ausentes e que viriam à ordem até o fim dos tempos (cf. Dn 7,18). 5 E parecia sofrer por não poder ver todos os seus irmãos e filhos antes de sua morte.
Contudo, querendo imitar na morte seu Senhor e Mestre, que havia imitado perfeitamente na vida, mandou trazer pães, abençoou-os (cf. Mt 26,26) 7 e mandou que os partissem em mui­tos pedaços, porque, por sua extrema debilidade, não conseguia parti-los. E, tomando-os, ofereceu um pedaço a cada frade, mandando que o comesse todo.
9 Assim como o Senhor, antes de sua morte, quis comer com os apóstolos na quinta-feira em sinal de seu amor, da mes­ma forma, como perfeito imitador de Cristo, o bem-aventurado Francisco quis apresentar o mesmo sinal de amor por seus frades. 10 E que ele queria fazer isso à semelhança de Cristo, fica evi­dente, porque depois perguntou se era quinta-feira. 11 E como era outro dia, disse que pensava ser quinta-feira.
12 Um dos frades, porém, guardou um pedacinho do próprio pão e, depois da morte do bem-aventurado Francisco, muitos doentes que pro­varam dele ficaram logo livres de suas enfermidades.