Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo LXVI

Texto Original

Caput LXVI

De quadam verbo mirabili dicto a fr. Egidio de Perusio.

 

1 Cum s. fr. Egidius staret Perusii, domina Iacoba de Septemsoliis, nobilis Romana et devotissima fratrum, venerat videre eum.
Postea supervenit fr. Guardianus, de Ordine Minorum, valde spiritualis, ut aliquod bonum verbum ab eodem audiret. Predictis ergo aliis fratribus astantibus, fr. Egidius dixit hoc verbum vulgariter: “Propter illud quod homo potest, venit ad illud quod non vult”.
Fr. vero Guardianus predictus, ut poneret in verbis fr. Egidium, dixit: “Miror, fr. Egidi, quomodo dicis quod homo propter illud quod potest, venit ad id quod non vult, cum homo nichil possit ex se. Et hoc possum multiplici ratione probare. Primo, quia posse presupponit esse; unde talis est operatio rei, quale est esse eius, sicut ignis calefacit quia est calidus; sed homo ex se est nichil. 5 Unde apostolus: Qui putat se aliquid esse, cum nichil sit, ipse se seducit (cfr. Gal 6,3)Quod autem nichil est, nichil potest; ergo homo nichil potest. Secundo probo sic quod homo nichil potest quia, si homo aliquid potest, aut est ratione anime tantum, aut ratione corporis tantum, aut ratione coniuncti. 7 Ratione anime tantum, certum est quod nichil potest; quia anima, exuta corpore, non potest mereri nec demereri. Ratione etiam corporis tantum, nichil potest; quia corpus sine anima est privatum vita et forma, et ideo nichil potest agere, quia omnis actus est a forma. 8 Ratione similiter coniuncti, homo nichil potest; quia, si aliquid posset, hoc esset ratione anime, que est forma eius; sed, sicut iam dictum est, si anima exuta corpore nichil potest, multo vero minus coniuncta corpori, nam quia corpus quod corrumpitur aggravat animam (Sapo 9,15).
9 Et de hoc pono tibi exemplum, fr. Egidi: si asinus non potest ambulare sine honere, multo minus cum honere. Et ideo per hoc exemplum videtur quod anima minus possit operari aggravata corpore quam exuta; sed exuta nichil potest; ergo nec coniuncta”.
10 Et multa talia argumenta, plura quam predicta, numero duodecim fecit contra dictum fr. Egidii, ut poneret eum in verbis; de quibus argumentis fuerunt omnes qui aderant admirati.
11 Frater vero Egidius respondit: “Male dixisti, fr. Guardiane; dicas culpam tuam de omnibus!”. Fr. Guardianus subridens dixit culpam suam; et propterea fr. Egidius, videns quod non dixerat ex corde, ait: “Nichil valet ista culpa, fr. Guardiane; et quando culpa nichil valet, non remanet ad quid homo recuperet”.
12 Et hiis dictis ait iterum: “Scis cantare, fr. Guardiane? Or canta mecum!”. Et traxit fr. Egidius de manica sua unam cytharam de sagino, quam solent facere pueri; et incipiens a prima corda per verba ritimata, et procedendo per singulas cythare cordas, annullavit et falsificavit omnes duodecim rationes illius.
13 Et incipiens a prima, dixit: “Ego non loquor de esse hominis ante creationem, fr. Guardiane, quia verum est quod tunc nichil est et tunc nichil facere potest; sed loquor de esse hominis post creationem, cui Deus dedit liberum arbitrium per quod posset mereri bonis consentiendo et demereri dissentiendo. 14 Ideo male dixisti et fecisti michi fallaciam, fr. Guardiane; quia Paulus apostolus non loquitur de nichilo substantie nec de nichilo potentie sed de nichilo meritorum, sicut dicit alibi: Si caritatem non habuero, nichil sum (cfr. 1Cor 13,2)15 Propterea ego non fui locutus de anima soluta aut de corpore mortuo sed de homine vivo, qui consentiendo gratie potest operari bona, et rebellando gratie operatur mala: quod nichil aliud est quam deficere a bono.
16 Quod autem allegasti, quod corpus quod corrumpitur aggravat animam (Sap 9,15)non dicit ibi Scriptura quod propter hoc auferat liberum arbitrium anime, quin possit operari bonum vel malum; sed vult dicere quod impeditur affectus et intellectus et etiam memoria anime circa corporalia occupata. 17 Unde sequitur ibidem: Et deprimit terrena inhabitatio sensum multa cogitatione (Sap 9,15)quia non permittunt animam libere querere que sursum sunt, ubi Cristus est in dextera Dei sedens (cfr.  Col 3,1)18 eo quod acies potentiarum anime, propter occupationes multimodas et etiam corporis terreni molestias, multipliciter retardantur. Et ideo male dixisti, fr. Guardiane!”.
19 Et similiter adnullavit omnes alias rationes, ita quod fr. Guardianus dixit ex corde iterum suam culpam et confessus est quod creatura aliquid poterat. Et ait fr. Egidius: “Modo bene valet culpa!”. Et iterum ait: “Vis quod ostendam tibi clarius quod creatura aliquid potest?”.
20 Et ascendens super quamdam archam, clamavit voce terribili: “O dampnate, qui iaces in inferno!”. Et ipsemet respondit voce lugubri in persona dampnati quodam modo horrendo et tremendo, ita quod omnes exterruit: “Heu! Ve! Heu! Heu!” clamans et eiulans. 21 Et fr. Egidius: “Dicas, inquit, nobis quare ivisti ad infernum?”. Et respondit: “Quia mala que potui facere non vitavi et bona que potui operari dimisi”. 22 Et interrogans illum, dicebat: “Quid velles facere, si permitteretur tibi tempus penitentie, o dampnate captivelle?”. Et respondit in persona eius: “Totum mundum paulatim, paulatim, paulatim post me proiecerem, ut eternam penam evaderem, quia illud haberet finem; sed mea dampnatio permanet in eternum”.
23 Et vertens se ad fr. Guardianum dicebat: “Audis, fr. Guardiane, quod creatura aliquid potest?”. Post hec dixit fr. Guardiano: “Dicas michi utrum aque gutta, cadens in mare, imponat nomen suum mari an mare gutte?”. Et respondit quod tam substantia quam nomen gutte absorbetur et induit nomen maris. 24 Et hoc dicto, fr. Egidius coram omnibus illic astantibus fuit raptus. Intellexit enim quod natura humana, que respectu Dei est quasi gutta, absorpta fuit in mari magno, ymo infinito divinitatis in incarnatione D.n. Ihesu Cristi, qui est benedictus in secula. Amen (cfr. Rom 1,25).

Texto Traduzido

Caput LXVI

Uma palavra admirável dita por Frei Egídio de Perusa

 

1 Quando o santo Frei Egídio morava em Perusa, Jacoba de Settesoli, nobre dama romana e mui devota dos irmãos, viera visitá-lo.
Depois, chegou improvisamente Frei Guardião, da Ordem dos Menores, muito espiritual, para ouvir dele alguma boa palavra. 2 Portanto, estando presentes os outros mencionados irmãos, Frei Egídio disse em língua vulgar esta máxima: “O ho­mem, por causa daquilo que pode, chega àquilo que não quer”.
3 E o mencionado Frei Guardião, para provocar Frei Egídio à discussão, disse: “Admiro-me, Frei Egídio, do modo como dizes que o homem, por causa daquilo que pode, chega àquilo que não quer, quando o homem nada pode a partir de si mesmo. 4 E posso provar isso com uma porção de argumentos. Primeiro, porque o po­der pressupõe o ser; então, tal é a ação da coisa qual é o seu ser, assim como o fogo aquece, porque é quente; mas o homem a par­tir de si não é nada. 5 Por isso, diz o apóstolo: Quem pensa ser alguém, quando nada é, engana a si mesmo (cf. Gl 6,3); o que nada é nada pode; portanto, o homem nada pode. Segundo, pro­vo assim que o homem nada pode, porque, se o ho­mem pode algo, ou é em razão só da alma ou em razão só do cor­po ou em razão do conjunto. Em razão só da alma é certo que ele nada pode; porque a alma, privada do corpo, não pode merecer nem desmerecer. Também em razão só do corpo nada pode; por­que o corpo sem a alma está privado de vida e de forma e, por isso, nada pode realizar, porque todo ato provém da forma. 8 Igualmente em razão do conjunto o homem nada pode; porque, se pudesse algo, isto seria em razão da alma que é a forma dele; mas, como já foi dito, se a alma privada do corpo nada pode, mui­to menos unida ao corpo, pois que o corpo que se corrompe torna pesada a alma (Sb 9,15).
9 E te dou um exemplo disso, Frei Egídio: se um burro não pode an­dar sem a carga, muito menos com a carga. Então, por este exemplo, se vê que a alma pode operar menos sobrecarregada pelo corpo do que sem ele; mas, sem ele, nada pode; portanto, nem unida” .
10 E apresentou muitos outros argumentos, mais do que esses, em número de doze, contra o dito de Frei Egídio para provocá-lo à discussão. Todos os que estavam presentes ficaram admirados destes argumentos.
11 E Frei Egídio respondeu: “Disseste mal, Frei Guardião; confessa a tua culpa de tudo!” Frei Guardião, sorrindo, confessou sua culpa; e por esta razão, Frei Egídio, ven­do que não confessara de coração, disse: “Essa confissão de culpa não vale nada, Frei Guardião; e quando a confissão não vale, não sobra nada para o homem recuperar”.
12 E, dito isso, falou de novo: “Sabes cantar, Frei Guardião? Então, canta comigo!” E Frei Egídio tirou de sua manga uma cítara de faia, que os meninos costumam fazer. Começan­do da primeira corda por meio de palavras ritmadas e continuando por cada uma das cordas da citara, anulou e refutou todos os doze argumentos dele.
13 E, começando pela primeira, disse: “Eu não falo sobre o ser do homem antes da criação, Frei Guardião, porque é verdade que então nada é e, portanto, nada pode fazer; mas falo do ser do ho­mem depois da criação, ao qual Deus deu o livre-arbítrio pelo qual pudesse merecer, consentindo no bem, e desmerecer, dissentindo. 14 Por isso, disseste mal e me armaste uma falácia, Frei Guar­dião; porque o apóstolo Paulo não fala sobre o nada da substância nem sobre o nada da potência, mas sobre o nada dos méritos, como diz em outra parte: Se eu não tiver a caridade, nada sou (1 Cor 13,2). 15 Por isso, eu não falei da alma desprendida ou do corpo morto, mas do homem vivo que, consentindo com a graça, pode operar o bem e, rebelando-se contra a graça, operar o mal; o que nada mais é do que deixar de fazer o bem.
16 E o que alegaste, que o corpo que se corrompe torna pesada a alma (cf. Sb 9,15), a Escritura não diz aí que por causa disso tira o livre-arbítrio da alma, de modo que não possa operar o bem ou o mal; mas quer dizer que são impedi­dos o afeto, o intelecto e também a memória da alma ocupada com as coisas corporais. 17 Por isso, continua no mesmo lu­gar: E a habitação terrena oprime o espírito com muita preocupa­ção (Sb 9,15), porque não permite que a alma busque livremente as coisas que são do alto, onde está o Cristo sentado à direita de Deus (cf. CI 3,1), 18 pelo fato que as acuidades das potências da alma, por causa das múltiplas ocupações e também das moléstias do corpo terreno, são retardadas de muitas maneiras. E por isso disseste mal, Frei Guardião”.
19 E igualmente anulou todos os outros argumentos, de modo que Frei Guardião, disse de novo sua culpa de coração e confessou que a criatura pode alguma coisa. E disse Frei Egí­dio: “Agora sim, a culpa vale!” insistiu: “Queres que eu te mostre mais claramente que a criatura pode algo?”
20 E, subindo numa tumba, gritou.com voz terrível: “Ó conde­nado que jazes no inferno!” E ele mesmo respondeu com voz lú­gubre na pessoa do condenado, de modo tremendo e horrendo, que aterrorizou a todos, clamando e lamentando: “Ai! Ai! Ai! Ai!” 21 E Frei Egídio: “Dize-nos por que foste para o inferno”. E ele respondeu: “Porque não evitei os males que pude fazer e deixei de fazer o bem que pude”. 22 E, interrogando-o, di­zia: “Que gostarias de fazer, se te fosse permitido um tempo de penitência, ó condenado malvado?” E respondeu na pessoa dele: “Aos poucos, aos poucos, aos poucos lançaria o mundo todo atrás de mim para escapar da pena eterna, porque isso te­ria fim; mas minha condenação permanece para sempre”.
23 E voltando-se para Frei Guardião, dizia: “Ouves, Frei Guar­dião, que a criatura pode alguma coisa?” Depois disto, disse a Frei Guardião: “Dize-me se a gota de água, caindo no mar, impõe seu nome ao mar ou o mar à gota?” E respondeu que tanto a subs­tância quanto o nome da gota são absorvidos e revestidos com o nome do mar. 24 E, dito isso, Frei Egídio, diante de todos ali presentes, foi arrebatado. Pois entendeu que a natureza hu­mana, que diante de Deus é como uma gota, foi absorvi­da no grande, e até, infinito mar da divindade, na encarna­ção de N. Senhor Jesus Cristo, que é bendito pelos séculos. Amém (cf. Rm 1,25).