Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo LXIII

Texto Original

Caput LXIII

Qualiter fr. Petrus et fr. Corradus fuerunt due stelle prefulgide.

 

1 Venerabilis sacerdos Dei, fr. Petrus de Monticulo, et fr. Corradus de Offida, vite mirabilis coram Deo et hominibus, isti duo, tanquam due stelle prefulgide provincie Marchie, homines celestes angelique terrestres, dum simul morarentur in Anchonitana custodia, forte in loco Forani, qui eis plurimum complacebat propter maximam dilectionem que insimul copulatione s. Spiritus coherebant, ita quod quasi una anima videbantur, tali pacto se invicem ligaverunt ut, quamcumque consolationem misericordia Dei alicui ipsorum concederet, in caritate Dei alter alteri revelaret.
2 Et, hoc pacto firmato, cum quadam die dictus fr. Petrus devotissime meditaretur in passione Cristi, et quomodo Mater eius beatissima et Iohannes, dilectissimus discipulus, cum ipso concrucifixi manebant, et insuper b.p.n. Franciscus coram Crucifixo crucifixus astabat, devota curiositate cupiebat scire quis eorum plus doluit: an Mater que ipsum genuerat; an discipulus dilectus, qui supra pectus eius dormierat; an devotissimus Franciscus, qui cum Crucifixo crucifixus erat?
3 Et dum in hac sancta et devota meditatione cum multis lacrimis permaneret, ecce apparuit ei b. Mater Dei, virgo Maria, et b. Iohannes evangelista, et b.p.n. Franciscus, vestiti preclaris b. glorie indumentis; sed b. Franciscus indutus videbatur preclariori veste quam b. Iohannes.
4 Et cum astitissent fr. Petro vehementer timenti, confortans eum, b. Iohannes dixit: “Ne timeas, carissime frater in Domino, quia ecce ad te consolandum venimus et de tuo dubio declarandum. Scias ergo quod, quamvis Mater et ego super omnes de Cristo passione doluimus, cum post nos b. Franciscus pre omnibus doluit, ideo ipsum in tanta gloria cernis”.
Respondit fr. Petrus: “Sanctissime apostole Cristi, et quare vestimentum b. Francisci videtur gloriosius vestimento tuo?”. Respondit b. Iohannes: “Quia, cum esset in seculo, pro amore Cristi viliora quam ego pertulit vestimenta”. 7 Et hiis dictis, quoddam gloriosum vestimentum, quod Iohannes ferebat in manibus, protulit fr. Petro, dicens: “Accipe hoc vestimentum, quia tibi illud attuli exibendum”.
8 Et cum vellet ipso vestimento fr. Petrum induere, fr. Petrus stupens et ex admiratione corruens, — non enim dormiendo sed vigilando hec cernebat, — incepit clamare: “Fr. Corrade, fr. Corrade carissime, festina, succurre et vide mirabilia!”. Inter hec verba sancta visio elapsa est. 9 Et post hec venit s. Corradus, cui omnia per ordinem enarravit; de quo simul consolati, Deo gratias reddiderunt.
Ad laudem et gloriam D.n. Ihesu Cristi. Amen.

Texto Traduzido

Caput LXIII

Como Frei Pedro e Frei Conrado foram duas estrelas muito brilhantes.

 

1 Frei Pedro de Monticello, venerável sacerdote de Deus, e Frei Conrado de Offida, de vida admirável diante de Deus e dos homens, estes dois, como duas estrelas brilhantes muito da província das Marcas, homens celestes e anjos terrestres; no perío­do em que moravam juntos na custódia de Ancona, talvez no lugar de Forano, que muito lhes agradava, devido ao grande amor com o qual juntos se uniam pela ação do Espírito Santo, de modo que pareciam como que uma única alma, ligaram-se mu­tuamente fazendo um pacto de que qualquer consolação que a misericór­dia de Deus concedesse a um deles, na caridade de Deus, ele a revelaria ao outro.
2 E, firmado esse pacto, quando num certo dia Frei Pedro me­ditava mui devotamente sobre a paixão de Cristo e como sua beatís­sima Mãe e João, o discípulo amado, estavam concrucifica­dos com ele e, além disso, o nosso bem-aventurado pai Francisco estava de pé crucificado com o Crucificado, desejava com devota curiosidade saber qual deles mais sofreu: se a Mãe que o gerara, se o discípulo dileto que dormira sobre o peito dele, se o devotís­simo Francisco que fora crucificado com o Crucificado.
3 E enquanto estava nessa santa e devota meditação com muitas lágrimas, apareceram a Bem-aventurada Mãe de Deus; a Virgem Maria, São João Evangelista e nosso bem-aventurado pai Francisco, vestidos com preclaras vestes da bem-aventurada glória; mas o bem-aventurado Francisco parecia vestido com roupa mais preclara do que São João.
4 E, quando estavam diante de Frei Pedro, que estava com intenso medo, o bem-aventurado João, confortando-o, disse: “Não temas, caríssimo irmão no Se­nhor, porque eis que viemos para te consolar e para esclarecer sobre a tua dúvida. 5 Saibas, portanto, que, embora a Mãe e eu nos condoemos mais do que todos com a paixão de Cristo; o bem-aventurado Francisco, depois de nós, condoeu-se mais do que todos; por isso, o vês em tanta glória”. .
6 Respondeu Frei Pedro: “Santíssimo apóstolo de Cristo, e por que a roupa do bem-aventurado Francisco parece mais glorio­sa do que a tua?” Respondeu São João: “Porque, quando ele esta­va no mundo, por amor de Cristo usou roupas mais desprezíveis do que eu”. 7 E, tendo dito isso, João mostrou a Frei Pedro uma veste gloriosa que trazia nas mãos, dizendo: “Recebe esta veste, porque eu a trouxe para te oferecer”.
8 E quando queria vestir Frei Pedro com aquela roupa, Frei Pe­dro, estupefato e caindo de admiração — pois via estas coisas não dormindo, mas acordado —, começou a gritar: “Frei Conrado, Frei Conrado caríssimo, corre, vem socorrer e vê as maravilhas!” No meio dessas palavras santas, a visão desapareceu. 9 E depois disto, veio o santo Conrado, a quem ele narrou tudo por ordem; consolados juntos por isso, renderam graças a Deus.
Para o louvor e glória de Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.