Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo LXIV

Texto Original

Caput LXIV

Qualiter Deus aperuit fr. Iacobo de Massa ostium secretorum suorum.

 

1 Fr. Iacobus de Massa, cui Deus aperuit ostium secretorum suorum, quo fr. Egidius de Assisio et Marcus de Montino nullum cognoscebant nec opinabantur in mundo maiorem, cum quibus fr. Iuniperus et fr. Lucidus idipsum sentiebant, 2 quem, dirigente me fr. Iohanne socio dicti fr. Egidii, videre laboravi. Hic enim fr. Iohannes, cum de quibusdam causis edificationis eum interrogarem, dixit michi:
“Si vis erudiri in spiritualibus, festina cum fr. Iacobo de Massa habere colloquium;  3 quia fr. Egidius desiderabat illuminari ab eo, et eloquiis eius addi vel diminui non potest”; nam mens eius ad archana transivit, et verba ipsius verba Spiritus sancti sunt; nec homo est super terram quem ego tantum videre desiderarem.
4 Iste fr. Iacobus, circa initium ministrationis fr. Iohannis de Parma semel raptus, tribus diebus insensibilis mansit, in tantum quod fratres dubitare ceperunt ne mortuus esset. Huic scientia et intelligentia scripturarum et futurorum cognitio divinitus data est.
5 Hunc rogavi ego dicens: “Si verum est quod audivi de te, non abscondas a me. Audivi enim quod, eo tempore quando tribus diebus quasi mortuus iacuisti, inter alia Deus ea que in religione ventura sunt demonstravit tibi”. 6 Nam fr. Mattheus, tunc provincie Marchie minister, post illum raptum vocavit eum ad se et per obedientiam mandavit ut ea que viderat manifestaret sibi. 7 Erat enim fr. Mattheus vir mirabilis mansuetudinis, sanctitatis et simplicitatis; et frequenter in suis colloquiis fratribus dicebat: “Scio fratrem cui Deus omnia que ventura sunt in religione revelavit, et mira et archana que, si dicerentur, non dico capi sed vix credi valerent”.
8 Qui fr. Iacobus inter alia manifestavit michi et dixit rem valde stupendam: videlicet quod, post multa que sibi ostensa fuerant de statu militantis Ecclesie, 9 vidit arborem quandam pulcram et sublimem valde, cuius radix erat aurea, stipes cum ramis argentea et folia argentea deaurata. Fructus arboris erant homines et hii omnes fratres Minores. Et erat numerus ramorum principalium distinctus iuxta numerum provinciarum, et quilibet ramus tot fructus habebat quot erant in illa provincia fratres. 10 Et scivit numerum fratrum totius Ordinis et singularum provinciarum, et nomina eorum, et facies et etates et proprietates et officia et gradus et dignitates et peccata et gratias. Et vidit fr. Iohannem de Parma in supremo rami medii huius arboris stantem, 11 et in supremo ramorum qui erant in circuitu rami medii stabant singularum provinciarum ministri.
12 Et post hec vidit a Cristo sedente super tronum maximum et candidum s. Franciscum missum cum duobus angelis; et datus est ei calix spiritu vite plenus, et dictum est ei: Vade et visita fratres tuos et pota eos calice spiritus vite (cfr. Apoc 11,11); quia spiritus Sathane insurget et irruet in eos, et corruent plurimi ex eis, et non adicient ut resurgant”.
13 Et venit s. Franciscus ministrare spiritum vite fratribus suis secundum quod mandatum est ei. Et incipiens a fr. Iohanne, dedit ei calicem spiritu vite plenum; qui, recepto calice de manu s. Francisci festinanter et devote totum bibit; 14 et cum bibisset, totus factus est luminosus sicut sol. Et consequenter post eum omnibus tradebat calicem spiritus vite; et pauci erant valde qui eum debita reverentia acciperent et totum biberent.
15 Illi vero pauci, qui devote totum sumebant, omnes solarem claritatem induebant; qui vero totum effundebant, convertebantur in tenebras; et obscuri et deformes erant effecti et teterrimi, et ad videndum horribiles et similes demonibus. 16 Partem autem bibebant quidam, partem vero aliam effundebant; et secundum quod unusquisque sumebat vel effundebat de spiritu vite sibi tradito in calice a S. Francisco, iuxta eandem mensuram vel lucem aut tenebras induebat.
17 Pre omnibus autem qui in arbore erant luce splendebat fr. Iohannes, qui, totus ad vere lucis abissum infinitam contemplandam conversus, intellexit turbinem insurrecture tempestatis contra arborem; 18 et recedens de suprema altitudine illius rami in quo stabat, ramis omnibus omissis, in solidiori loco stipitis arboris se abscondit. 19 Et dum sibi ipsi totus vigil attenderet, fr. Bonaventure, qui ascenderat locum unde ipse descenderat, qui et partem sibi calicis dati biberat, partem effuderat, date sunt ungues ferree acute ut novacularum acies radentium pilos. 20 Qui cum impetu de loco suo se movens, irruere volebat in fr. Iohannem. Quod fr. Iohannes videns, clamavit ad Dominum; et Cristus ad clamorem fr. Iohannis vocavit s. Franciscum, 21 et dedit ei lapidem acutissimum, quem focarium vocant, et precepit ei, dicens: “Vade et ungues fr. Bonaventure, quibus vult fr. Iohannem discerpere, super vivum lapidem ita succide quod eum nequeat ledere”.
22 Et venit s. Franciscus, et ferreos ungues fr. Bonaventure succidit; et fr. lohannes, fulgens ut sol, stetit in loco suo.
23 Post hec vehemens turbo surrexit et in arborem irruit; et ca­debant fratres de arbore; et qui spiritum vitae totum effuderant, de arbore primo cadebant. 24 Frater vero Iohannes et hii qui spiritum vite totum hauserant virtute divina translati sunt ad regionem vite, luminis et splendoris; tenebrosi vero et cadentes ad loca tenebrarum et miserie transportabantur a tenebrarum ministris.
25 Intelligebat autem qui videbat visionem particulariter que videbat, ita ut nomina et personas et regiones et etates et officia utriusque partis et lucis et tenebrarum clare discerneret et fixe retineret. 26 Tantum autem turbo ille ac seva tempestas sed iuste permissa duravit, donec arbor, radicitus evulsa, in terram corruit, et confracta et comminuta a turbine, tempestas in omnem ventum dispersa evanuit.
27 Turbine autem illo et tempestate cessante, de radice aurea pullulavit plantatio aurea tota, que et flores et folia et aureos fructus produxit. De cuius arboris dilatatione, profunditate, altitudine, odore, pulcritudine et virtute tacere melius est quam loqui.
28 Hoc autem unum quod iste contemplator huius vere visionis dicebat obmittere nolui, quia auribus meis valde notabilis fuit: “Non enim, ait, erit modus reformationis institutionis similis, sed multum omnino dissimilis: 29 quia spiritus Cristi operatio absque ductore ineruditos pueros, simplices, abiectos et contemptibiles personas, et sine exemplo et doctore, ymo contra doctrinam et mores docentium eliget, et s. timore et Cristi purissimo amore replebit. 
30 Et cum plures tales in diversis locis multiplicaverit, tunc mittet eis pastorem et ducem totum divinum, totum sanctum, innocentem et Cristo conformem”.
Ad laudem et gloriam D.n. Ihesu Cristi. Amen.

Texto Traduzido

Caput LXIV

Como Deus abriu a Frei Tiago de Massa a por­ta de seus segredos.

 

1 Frei Tiago de Massa, a quem Deus abriu a porta de seus segredos, que Frei Egídio de Assis e Marcos de Monti­no não conheciam nem imaginavam maior do que ele no mundo, e com quem estavam de acordo Frei Junípero e Frei Lúcido 2 foi aquele a quem me esforcei por ver, sob a direção de Frei João, companheiro de Frei Egídio. Pois esse Frei João, quando o interroguei a respeito de algumas questões de edifi­cação, me disse:
“Se queres instruir-te nas coisas espirituais, apressa-te em ter uma conversa com Frei Tiago de Massa, 3 por­que Frei Egídio desejava ser iluminado por ele, e às suas palavras nada se pode acrescentar ou diminuir”; pois a mente dele chegou aos arcanos, e as palavras dele são palavras do Espírito Santo; e não há homem sobre a terra a quem eu tanto desejasse ver.
4 Esse Frei Tiago, no início da administração de Frei João de Parma, foi uma vez arrebatado e ficou três dias insensível, tanto que os irmãos começaram a duvidar que tivesse morrido. Fo­ram-lhe dados, por revelação divina, a ciência e inteligência das Escrituras e o conhecimento das coisas futuras.
5 Eu lhe pedi, dizendo: “Se é verdade o que ouvi dizer sobre ti, não o escondas de mim, Pois ouvi dizer que, naquela hora em que jazeste como morto por três dias, entre outras coisas Deus te mostrou o que vai acontecer na reli­gião”. 6 Pois Frei Mateus, então ministro da província das Mar­cas, depois daquele arrebatamento, chamou-o a si e mandou pela santa obediência que lhe manifestasse as coisas que vira. Pois Frei Mateus era homem de admirável mansidão, santidade e simplicidade; e, em seus colóquios, dizia frequentem ente aos ir­mãos: “Conheço um irmão a quem Deus revelou tudo o que há de acontecer na religião, e coisas maravilhosas e arcanas que, se fo­rem ditas, não digo que não poderiam ser entendidas, mas dificilmen­te acreditadas”.
8 Este Frei Tiago, entre outras coisas, me manifestou e disse uma coisa bem estupenda: que depois de muitas coisas que lhe haviam sido mostradas sobre o estado da Igreja militante, viu uma árvore bela e muito alta, cuja raiz era de ouro, o tronco com os ramos de prata, e as folhas de prata dourada. Os frutos da árvore eram homens, e todos eles eram frades menores. E o número dos ramos principais era distinto, de acordo com o número das províncias; e cada ramo tinha tantos frutos quantos eram os irmãos naquela província. 10 E soube o número dos irmãos de toda a Ordem e de cada uma das províncias, e os nomes, rostos, ida­des, características, ofícios, graus, dignidades, pecados e graças deles. E viu Frei João de Parma que estava na parte mais alta do ramo do meio da árvore, 11 e no alto dos ramos que esta­vam ao redor do ramo do meio estavam os ministros das diversas províncias.
12 E depois disso, viu São Francisco enviado com dois anjos por Cristo que estava sentado sobre um trono muito grande e belo; e foi-lhe dado um cálice cheio do espírito da vida e foi-lhe dito: “Vai e visita teus irmãos, dá-lhes de beber do cálice do espí­rito da vida (cf. Ap 11,11); porque o espírito de Satanás se insurgirá e se precipitará contra eles, e muitos deles cairão e nem tentarão levantar-se”.
13 E São Francisco veio ministrar o espírito da vida aos seus irmãos segundo o que lhe foi mandado. E, começando por Frei João, deu-lhe o cálice cheio de espírito da vida; este, tendo rece­bido o cálice da mão de São Francisco, bebeu-o todo com pressa e devoção; 14 e, depois de beber, ficou todo luminoso como o sol. E, logo depois dele entregava a todos o cálice do espírito da vida; e eram muito pou­cos os que o recebiam com a devida reverência e o bebiam todo.
15 No entanto, aqueles poucos que devotamente o consumiam todo se revestiam todos da claridade do sol; e os que o der­ramavam todo se convertiam em trevas; e tornavam-se escuros, deformes, muito feios, horríveis de se ver e semelhantes a demônios. 16 E alguns bebiam uma parte e derramavam outra parte; e segundo o que cada um bebia ou derramava do espírito da vida­ que lhe fora entregue no cálice por São Francisco, de acordo com a mesma medida revestia-se de luz ou de trevas.
17 Entretanto, mais do que todos os que estavam na árvore, resplandecia de luz Frei João que, todo voltado a contemplar o abismo infinito da verdadeira luz, compreendeu o turbilhão da tempestade que ha­veria de insurgir contra a árvore; 18 e, retirando-se da parte mais alta daquele ramo em que estava, omitindo todos os ramos, escondeu-se no lugar mais sólido do tronco da árvore. 19 E en­quanto cuidava de si próprio todo vigilante, a Frei Boaventura, que subira ao lugar de onde ele descera e que bebera parte do cá­lice que lhe fora dado e parte derramara, foram dadas agudas unhas de ferro como fio das navalhas dos que cortam pêlos. 20 Este, movendo-se do seu lugar com ímpeto, queria precipitar-se contra Frei João. Vendo isto, Frei João clamou ao Senhor; e Cris­to, ao clamor de Frei João, chamou São Francisco 21 e deu-lhe uma pedra afiadíssima, que chamam de pederneira e orde­nou-lhe, dizendo: “Vai e corta, sobre a pedra viva, as unhas de Frei Boaventura, com as quais ele quer dilacerar Frei João; de modo que não possa feri-lo”.
22 São Francisco veio e cortou as unhas de ferro de Frei Boaventura; e Frei João, brilhando como o sol, ficou em seu lugar.
23 Depois destas coisas, levantou-se veemente turbilhão e pre­cipitou-se contra a árvore; e os irmãos caíam da árvore; e caíam primeiro da árvore os que tinham derramado todo o espírito da vida. 24 Frei João e todos os que tinham consumido todo o es­pírito da vida, pela virtude divina, foram transladados para a re­gião da vida, da luz e do esplendor; mas os tenebrosos e os que caíam nos lugares de trevas e de miséria eram transportados pe­los ministros das trevas.
25 Aquele que tinha a visão compreendia de modo particula­rizado o que via, de modo que discernia claramente e reti­nha fixamente nomes, pessoas, regiões, idades e ofícios das duas partes, tanto da luz quanto das trevas. 26 Todo aquele turbilhão, tempestade cruel mas justamente permitida, durou até que a árvore, arrancada pela raiz, desabou por terra; e, dissipada e enfraquecida pelo turbilhão, a tempestade desapare­ceu dispersa em todos os ventos.
27 E cessando aquele turbilhão e tempestade, da raiz de ouro brotou uma plantação toda de ouro que produziu flores, folhas e frutos de ouro. Sobre a extensão, profundidade, altura, odor, bele­za e virtude desta árvore é melhor calar do que falar.
28 Eu só quis uma coisa do que o contemplador desta verdadeira vi­são contava, porque foi muito notável aos meus ouvidos: “Não haverá, disse ele, uma maneira semelhante de re­formar a instituição: vai ser completamente diferente: 29 porque a operação do espírito de Cristo escolherá os jovens sem guia e sem erudição, os simples, e as pessoas abjetas e desprezíveis, sem modelo e sem doutor, e até mesmo contra o ensinamento e costume dos que ensinam, e os encherá de santo temor e do purís­simo amor de Cristo. 30 E quando os multiplicar em muitos nos di­versos lugares, então lhes enviará um pastor e guia todo divino, todo santo, inocente e conforme a Cristo”.
Para o louvor e glória de Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.