Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

56. Dá o Novo Testamento

Texto Original

.

1 Alio tempore dum maneret apud ecclesiam Sancte Marie de Portiuncula, quedam mulier vetula et paupercula, que habebat duos filios in Religione fratrum venit ad locum illum querens aliquam helemosinam beato Francisco, maxime quia illo anno non habebat unde vivere posset. 
2 Beatus Franciscus dixit fratri Petro Cathanii, qui erat tunc generalis minister: “Possumusne habere aliquid ut demus illi matri nostre?”. 
3 Quoniam matrem alicuius fratris suam et aliorum omnium fratrum de Religione dicebat esse. 
4 Respondit ei frater Petrus: “In domo non habemus aliquid quod possimus sibi dare, maxime quia vellet talem helemosinam ut possit inde habere sui corporis necessaria. 
5 In ecclesia habemus solummodo unum Novum Testamentum, in quo lectiones legimus ad matutinum”.
6 Nam illo tempore fratres breviaria non habebant, sed nec multa psalteria. 
7 Dixit autem ad eum beatus Franciscus: “Da matri nostre Novum Testamentum, ut vendat ipsum pro sua necessitate; et credo firmiter quod magis placebit Domino et beate Virgini matri sue quam si in ipso legeretis”. 
8 Et sic dedit illi. 
9 Nam illud potest dici et scribi de beato Francisco, quod dicitur et legitur de beato Iob: Ab utero matris mee egressa est et crevit mecum miseratio (cfr. Iob 31,18). 
10 Unde nobis qui cum ipso fuimus (cfr. 2Pet 1,18), non solum ea que ab aliis de eius caritate et pietate erga pauperes intelleximus, sed que oculis nostris vidimus (cfr. 1Ioa 1,1), longum esset scribere et narrare.

Texto Traduzido

.

1 Em outra ocasião, quando permaneciam junto à igreja de Santa Maria da Porciúncula, uma mulher, velhinha e pobrezinha, que tinha dois filhos na Religião dos frades, foi àquele lugar pedindo alguma esmola ao bem-aventurado Francisco, principalmente porque naquele ano não tinha do que poder viver. 
2 O bem-aventurado Francisco disse a Frei Pedro Cattani, que era então ministro geral: “Será que nós temos alguma coisa para dar à nossa mãe?”. 
3 Porque dizia que era mãe sua e de todos os frades da religião a que fosse mãe de algum frade. 
4 Frei Pedro respondeu-lhe: “Na casa não temos nada que possamos dar-lhe, principalmente porque ela quer uma esmola que possa ser suficiente para o que é necessário ao seu corpo. 
5 Na igreja só temos um Novo Testamento, em que lemos as leituras de matinas”. 
6 Pois naquele tempo os frades não tinham breviários nem muitos saltérios. 
7 Disse-lhe o bem-aventurado Francisco: “Dá a nossa mãe o Novo Testamento, para que o venda para a sua necessidade; creio firmemente que vai agradar mais a Deus e à bem-aventurada Virgem que se nele lesses”. 
8 E assim o deu a ela. 
9 Pois o bem-aventurado Francisco pode dizer-se o que foi dito do bem-aventurado Jô: Minha comiseração saiu e cresceu comigo desde o útero de minha mãe (cfr. Jô 31,18). 
10 Por isso, para nós que estivemos com ele, seria muito longo escrever e contar não só o que ouvimos de outros a respeito de sua caridade e piedade para com os pobres, mas também o que vimos com nossos olhos.