Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XI

Texto Original

Caput XI

De studio orationis et conflictu eius cum diabolo; de constantia praedicationis; de apertione libri et visione Seraph crucifixi, et de apparentibus in ipso Christi stigmatibus.

 

57. 

1 Ad omnia vero quae gloriosus pater Franciscus intendit et fecit tutissimum eius refugium oratio crebra fuit.

2 Nam etsi ardentissimo zelo proximorum lucris intenderet, studuit tamen summopere, ne sui ipsius curam in omni perfectionis experimento negligeret. 

3 Ad hoc solitaria loca quaesivit, ad hoc in eremi vastitate resedit; sed et inter homines habitans, ad ecclesias domosve desertas solus nocte perrexit. 

4 O quantos in huiusmodi locis terrores, quantaque diaboli machinamenta devicit! 

5 Cui non solum intus malignus ille pestifera saepe suggessit, sed et in aliqua horrenda effigie manu ad manum (cfr. Ez 21.14) cum illo conflixit. 

6 Talia, inquam, loca intrepidus, ut in oratione sibimet invigilaret, elegit; ibi prius didicit, quae postmodum alios docuit. 

7 Didicit autem non ut curiose quae loqueretur verba confingeret, sed sic supra modulum eruditionis humanae ex affluentia doctrinae caelestis uberrime bibens, ut non tam verbis quam virtute Spiritus ad eructandum proximis opportuno tempore plenus esset.

 

58. 

1 Nam, etsi quando haec vel illa dicere cogitasset, accidit ut ad praedicandum veniens omnium illorum quae praecogitarat oblitus, omnino quid diceret non haberet; 

2 sed nec tunc quidem defectum suum confiteri coram cunctis erubuit, et sic subito mira verborum eloquentia affluere coepit. 

3 Sic spe tota iugiter in solius Domini provida largitate suspensus, de propria penitus diffidebat industria, eademque mentis constantia multis loquebatur ut paucis, eadem diligentia uni soli praedicavit ut multis. 

4 Nullius quoque verebatur personam, quin aequanimiter sapientibus et indoctis, magnisque loqueretur et parvis.

5 Nam et cardinalibus coram domino papa Honorio congregatis constantissime praedicavit, non utique tam verborum simplicitate movens ad risum, quem mirando spiritus fervore compunctionis extorquens suspirium.

 

59. 

1 Igitur vir iste sanctissimus, qui sibi et proximis utiliter dividere tempora novit, quadam vice relictis ex more saecularium turbis, locum solitudinis petiit, paucosque, qui suam ab omni incursantium tumultu quietem defenderent, secum duxit. 

2 Cupiebat enim ad tempus soli Deo vacare, et si quid pulveris ex hominum conversatione forsitan contraxisset, extergere. 

3 Cumque, mentis aliquantulum continuata quiete, contemplationis fructum sapidius degustasset, totis praecordiis desiderabat agnoscere, quid agendo sacrificium de se Domino magis gratum posset offerre. 

4 Iam vir mirandae virtutis consummaverat, cum se adhuc vix incepisse credebat. 

5 Summum eius studium fuerat ad anteriora se semper extendere, et retroacta quasi in nihilum computare. 

6 Cupiebat igitur adhuc de novo omnes corporis passiones cunctasque mentis pati angustias, quo perfectius compleretur in ipso beneplaciti divini voluntas.

 

60. 

1 Cumque huic desiderio quanto diutius tanto ferventius anhelaret die quadam in eremitorio quo manebat ad altare devotus accessit; super quod Evangeliorum librum cum reverentia et timore deposuit.

2 Post haec humiliter se coram altari in oratione prosternens, quanta poterat devotione clamavit ad Dominum, ut in prima libri apertione sui de ipso beneplaciti dare dignaretur indicium. 

3 Tandem corde contrito (cfr. Ps 50,19) ab oratione consurgens (cfr. Luc 22,45), se crucis signo munivit, librumque de altari reverenter acceptum aperuit. 

4 Cui cum Domini nostri Iesu Christi passio primum occurreret, suspicatus est ne casu hoc forsitan accidisset. 

5 Unde et rursus librum claudens, rursus aperuit, pluriesque hoc ipsum reiterans, idem quod prius vel simile prorsus invenit. 

6 Ad hoc Christi miles intrepidus non expavit; et qui iam dudum martyr desiderio fuit, etiam tunc se ad omne, quod pro Christo sustineri poterat, flagrantius animavit. 

7 Et quoniam pro his omnibus Domino laetitiae cantica corde incundo deprompsit, propterea non multo post maioris revelatione mysterii dignus fuit.

 

61. 

1 Nam duobus annis antequam vir ille beatus felicem Domino spiritum redderet, moram in eremitorio quod Alverna dicitur faciens, vidit in visione (cfr. Dan 8,2) quasi Seraph unum in aere sex alas habentem, cruci manibus extensis pedibusque coniunctis affixum. 

2 Alarum vero duas super caput erectas et duas ad volandum extensas habebat; porro duabus totum corpus (cfr. Is 6,2) tegebat. 

3 Obstupuit vehementer vir sanctus ad visum, et alternabantur in ipso timor et gaudium. 

4 Delectabat eum speciei illius mirabilis pulchritudo; deterrebat plurimum horrenda crucis affixio; sed et hoc laetificabat, quod gratiose se respici videbat ab illo. 

5 Cumque diutius anxio spiritu cogitaret quid huiusmodi visionis novitas importaret, nihil de illa liquido intelligere poterat, 

6 donec in se ipso tandem vidit gloriosissimum illud miraculum: miraculum, inquam, omnibus, ut arbitror, retroactis saeculis inauditum.

 

62. 

1 Apparebant namque in manibus eius et pedibus quasi fixurae clavorum (cfr. Ioa 20,25), latusque ipsius dextrum veluti lancea perforatum. 

2 Manuum videlicet interior et pars pedum superior supereminentia quaedam ex ipsa carne veluti clavorum capita protendebat; 

3 manus autem exterius et pedes inferius signa quaedam oblonga gerebant, veluti retorta clavorum acumina, quae et ipsa carnem similiter reliquam excedebant. 

4 In latere vero dextro cicatrice obductum vulnus apparuit, quod et sacrum sanguinem saepius evaporans tunicam ipsius necnon et aliquoties femoralia tinxit. 

5 Talibus igitur vir Dei in se resultantibus margaritis, studuit summopere pretiosissimum illum thesaurum, quo speciali eum Dominus praerogativa ditaverat, ab omnium omnino viventium oculis conservare reconditum, ne quod vel minimum conscii cuiusquam familiaritatis occasione fortassis incurreret detrimentum. 

6 Unde et quia rarissime perpaucis praecipua consueverat revelare mysteria, ea quoque, quae tam gloriose parebant in ipso, maxime sibi familiaribus diu erant incognita.

 

63. 

1 Periculosum enim existimans inclitum apparere in oculis hominum, sed et pro magno non reputans occulta quorumlibet bona non esse maiora iis quae proferuntur in publicum, ruminabat multoties illud in ore propheticum: In corde meo abscondi eloquia tua, ut non peccem tibi (Ps 118,11). 

2 Fratribus quoque circa ipsum conversantibus dederat tale signum, ut si quando eum cum extraneis occupatum praedictum versiculum recitare perciperent, illum, ne forsitan in verba sibi nociva difflueret, curialiter ab eorumdem colloquiis expedirent. 

3 Itaque vulnus lateris, quoadusque vixit in corpore, diligenter viro Dei celante, solus hoc frater Helias casu utcumque prospicere meruit. 

4 Frater vero Rufinus, ad eum scalpendum admissus, manu illud sensibiliter, sed fortuito, contrectavit (cfr. 1Ioa 1,1); 

5 ad cuius contactum vir sanctus remurmurans gravissime doluit, et iam dictum fratrem inculpans, ut hoc sibi Dominus indulgeret (cfr. Is 26,15) adiunxit.

Texto Traduzido

Caput XI

O esforço na oração e sua luta com o diabo; a constância na pregação; a abertura do livro, a visão do Serafim crucificado e as chagas de Cristo que nele apareceram.

 

57. 

1 Para tudo que o glorioso pai Francisco se dedicou e fez, o refúgio seguro foi a oração assídua. 

2 Pois, ainda que se tenha dedicado com ardoroso zelo ao bem do próximo, também foi muito atento a jamais negligenciar o cuidado por si mesmo na busca de toda a perfeição. 

3 Para isso, procurou lugares solitários e morou na imensidão do ermo; e mesmo quando habitava entre os homens, passava as noites sozinho nas igrejas ou em casas abandonadas. 

4 Quantos terrores e quantas maquinações do demônio venceu nesses luga­res! 

5 O maligno, além de lhe sugerir interiormente coisas péssimas, lutou com ele corpo a corpo (Ex 21,14), aparecendo-lhe em forma horrenda. 

6 Digo que escolheu intrepidamente esses lugares para vigiar por si mesmo na oração e aí aprendeu primeiro o que depois ensinou aos outros. 

7 Aprendeu não a preparar elaboradamente as pala­vras que devia dizer mas, bebendo fartamente da abundância da doutrina celeste, que vai tão além dos cálculos da erudição humana para, no momento oportuno, falar de dentro ao próximo não tanto com palavras mas com a virtude do Espírito (Rm 15,13).

 

58. 

1 Pois, ainda quando pensava em dizer isso ou aquilo, acontecia que ao chegar para pregar, esquecido de tudo que tinha pensado, ficava sem nada a dizer.

2 Mas então se envergonhava de confessar diante de todos sua falha e assim as pala­vras começavam a fluir de repente com maravilhosa eloqüência. 

3 Assim, punha toda sua esperança só na generosa magnani­midade do Senhor, desconfiando totalmente da própria capacidade; e falava com a mesma constância a muitos ou a poucos, pregava com a mesma diligência a um ou a muitos. 

4 Não tinha medo de ninguém, mas falava da mesma forma a sábios e a ignorantes, a grandes e a pequenos. 

5Pregou também com muita constância aos cardeais reunidos com o senhor Papa Honório, certamente não tanto com a simplicidade que leva ao riso, mas com o extraordi­nário fervor de espírito que arranca o gemido da compunção.

 

59. 

1 Por isso, esse homem santíssimo que sabia dividir o tempo utilmente para si e para os outros, afastou-se uma vez das pessoas seculares, como costumava, para dirigir-se a um lugar solitário, levando consigo apenas uns poucos que protegessem a sua tran­qüilidade de qualquer tumulto dos que aparecessem. 

2 Pois queria ficar por um tempo a sós com Deus e sacudir o pó (Mt 10,14) eventualmente recolhido na convivência com as pessoas. 

3 Quando, com uma tranqüilidade da mente um pouquinho mais prolongada, saboreava melhor o fruto da contemplação, desejava conhecer com todo o coração o que deveria fazer para ofere­cer ao Senhor o mais grato sacrifício de si mesmo. 

4 Era já um ho­mem de consumada virtude mas julgava estar apenas co­meçando. 

5 Seu maior esforço sempre fora projetar-se para as coisas anteriores e contar como nada o que ficara para trás. 

6Deseja­va suportar de novo todos os sofrimentos corporais e angústi­as espirituais, para que nele se cumprisse mais plenamente o bene­plácito da vontade divina.

 

60. 

1 E como anelava tanto mais contínua quanto mais fervorosamente por esse desejo, um dia foi devotamente ao altar do eremitério em que se en­contrava e depôs sobre ele, com reverência e temor, o livro dos Evangelhos.

2 Depois, prostrando-se humildemente em oração dian­te do altar e com toda a devoção possível clamou ao Senhor (Sl 3,5) para que, na primeira abertura do livro, se dignasse dar-lhe um sinal de sua vontade. 

3 No fim, de coração contrito (Sl 50,19), levantando-se da oração (Lc 22,45), muniu-se do si­nal-da-cruz, tomou reverentemente o livro que estava sobre o al­tar e abriu-o. 

4 Como a primeira coisa que apareceu foi a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, suspeitou que isso talvez tivesse sido por acaso. 

5 Fechou de novo o livro e abriu-o novamente; repetiu o mesmo várias vezes e encontrou a mesma passagem ou alguma semelhante. 

6 Diante disso, o intrépido soldado de Cristo não se assustou; e e­le que até então era mártir pelo desejo preparou-se com mais ar­dor para enfrentar tudo o que pudesse suportar por Cristo. 

7 E porque por tudo isso, de coração em festa, elevou um cântico de alegria ao Senhor, não muito tempo depois mereceu ter a revela­ção de um mistério ainda maior.

 

61. 

1 De fato, dois anos antes desse homem bem-aventurado entregar o fe­liz espírito ao Senhor, morando no eremitério do Alverne, teve uma visão (Dn 8,2) como de um Serafim que tinha seis asas, no ar, pregado numa cruz, com as mãos estendi­das e os pés unidos. 

2 Tinha duas asas levantadas sobre a  cabeça, duas es­tendidas para voar; as outras duas cobriam todo o corpo (Is 6,2). 

3 O santo ficou fortemente espantado com a visão e nele se alternavam sentimentos de medo e de alegria. 

4Deleitava-o sua admirável beleza; aterrorizava-o bastante a horrenda fixação à cruz. Mas se alegrava também porque via que ele o olhava sorrindo. 

5 Enquanto, ansioso, refletia longamente sobre o significaria a novidade dessa visão, não conseguiu compreender claramente nada, 

6 até que viu em si mesmo aquele milagre tão glorioso; um milagre que, no meu entender, é inaudito nos séculos passados.

 

62. 

1 Pois em suas mãos e pés apareciam as aberturas dos cravos (Jo 20,25) e o seu lado direito como perfurado pela lança. 

2 No interior das mãos e na parte superior dos pés sobressaía uma excrescência da carne como a cabeça dos pregos.

3 A parte exterior das mãos e a inferior dos pés, porém, traziam sinais alongados, como pontas retorcidas dos cravos que também se destacavam do resto da carne. 

4 No lado direito, apareceu uma ferida cercada por uma cicatriz que, com freqüência, sangrava e manchava a túnica e às vezes também a roupa de baixo. 

5 Surgindo nele essas pérolas, o homem de Deus fez de tudo para esconder aos olhos dos vivos o precioso tesouro com que o Senhor, por especial prerrogativa, o havia enriqueci­do; e isso para que não viesse a sofrer o mínimo dano, se alguém viesse a saber por causa de sua familiaridade. 

6 Por isso, como muito raramente e a muito poucas pessoas costumava revelar os mistérios, também esses, que nele apareciam tão gloriosamente, foram por muito tempo desconhe­cidos até por seus familiares.

 

63. 

1 Achando perigoso parecer aos olhos das pessoas como alguém especial e considerando que os bens ocultos de cada um não são maiores do que os que aparecem em público, remoia muitas vezes as palavras do profeta:Escondi no meu coração as tuas palavras, para não pecar contra ti (Sl 118,11). 

2 Até havia dado um sinal para os frades que moravam com ele: quando esti­vesse ocupado com pessoas estranhas e o vissem recitar o referi­do versículo, deviam cortesmente interromper a conversa, para que não lhe escapasse alguma palavra perigosa. 

3 Assim, enquanto viveu no corpo, diligentemente mantida oculta pelo homem de Deus a ferida do lado, só Frei Elias pôde vê-la uma vez, por acaso. 

4 Frei Rufino, porém, admitido a fazer-lhe as massagens, sem querer,tocou-a sensivelmente com a mão (Jo 1,1); 

5 quando foi assim tocado, o santo soltou um gemido de grande dor e, repreendendo o frade, acrescentou que o Senhor o perdoasse (Is 26,15).