Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 9

Texto Original

Caput IX

Lamentum fratrum et gaudium cum cernerent signa fe-rentem crucis, et de alis Seraphim.

 

112. 

1 Factus est propterea concursus populorum multorum laudantium Deum ac dicentium (cfr. Act21,30; Mic 5,7; Luc 2,13): “Laudatus et benedictus tu Domine Deus noster (cfr. Dan 3,57; Ps 40,14), qui nobis indignis tam pretiosum depositum commendasti! 
2 Laus et gloria sit tibi, Trinitas ineffabilis!” 
3 Catervatim tota civitas (cfr. Mat 8,34) Assisii ruit, et omnis accelerat regio videre magnalia Dei (cfr. Mat 3,5; Act 2,11), quae in servo sancto suo gloriose ostenderat Dominus maiestatis (cfr. Is 2,10). 
4 Unusquisque autem cantabat canticum laetitiae, prout cordis gaudium (cfr. Lam 5,15) suggerebat, et de adimpleto desiderio (cfr. Phip 4,19) benedicebant universi omnipotentiam Salvatoris. 
5 Verumtamen filii lamentabantur tanto patre orbati, et pium cordis affectum lacrimis et suspiriis ostendebant. 
6 Sed temperabat moestitiam gaudium inauditum, et miraculi novitas eorum mentes in stuporem nimium convertebat. 
7 Versus est luctus (cfr. Est 13,17) in canticum, et ploratio in iubilationem. 
8 Numquam enim audierant, nec legerant in scripturis quod oculis mostrabatur, quod et persuaderi vix potuisset eis, si non tam evidenti testimonio probaretur. 
9 Resultabat revera in eo forma crucis et passionis Agni immaculati (cfr. 1Pet 1,19), qui lavit crimina mundi (cfr. Apoc 1,5), dum quasi recenter e cruce depositus videretur, manus et pedes clavis confixos et dextrum latus quasi lancea (cfr. Ioa 19,34) vulneratum. 
10 Intuebantur namque carnem illius, quae nigra fuerat prius, candore nimio renitentem, et ex sui pulchritudine beatae ressurrectionis praemia pollicentem. 
11 Cernebant denique vultum eius quasi vultum Angeli, (cfr. Act 6,15) quasi viveret, non sicut mortuus esset, et caetera membra eius conversa in teneritudinem et habilitatem innocentiae puerilis. 
12 Non sunt contracti nervi eius, ut mortuorum solent, non indurata cutis, non rigida effecta sunt membra, sed huc atque illuc vertentia se, veluti ponebantur.

 

113. 
1 Cumque tam mira pulchritudine cunctis cernentibus (cfr. Ex 33,10) resplenderet, et caro eius candidior esset effecta, cernere mirabile erat in medio manuum et pedum ipsius non clavorum quidem puncturas sed ipsos clavos ex eius carne compositos, ferri retenta nigredine, ac dextrum latus sanguine rubricatum. 
2 Non incutiebant horrorem mentibus intuentium signa martyrii, sed decorem multum conferebant et gratiam, sicut in pavimento albo nigri lapilli solent. 
3 Accurrebant fratres et filii, et collacrimantes deosculabantur manus et pedes pii patris eos derelinquentis, necnon et dextrum latus, in cuius plaga illius memoria celebris agebatur, qui ex eo loco sanguinem et aquam pariter fundens, mundum reconciliavit (cfr. Rom 5,10; 2Cor 5,19) Patri. 
4 Maximum donum sibi exhiberi credebat quivis de populo, se admittebatur non solum ad deosculandum, sed etiam ad videndum sacra stigmata Iesu Christi, quae sanctus Franciscus portabat in corpore (cfr. Gal 6,17) suo. 
5 Quis enim hoc videns fletui et non magis gaudio esset intentus, et si fleret, non magis prae laetitia quam prae dolore id faceret? 
6 Cuius tam ferreum pectus non moveretur ad gemitum? 
7 Cuius tam lapideum cor (cfr. Ez 11,19) non scinderetur ad compunctionem, non accenderetur ad divinum amorem, non armaretur ad bonam voluntatem? 
8 Quis tam hebes, tam insensibilis, qui manifesta non cognosceret veritate sanctum istum, sicut singulari munere honoratum in terris, sic ineffabili gloria magnificatum fore in caelis (cfr. Is 33,5)?

 

114. 
1 O singulare donum et praerogativae dilectionis indicium, iisdem gloriae armis militem adornari quae soli Regi excellentissima dignitate conveniunt! 
2 O aeterna memoria dignum miraculum, et sine omni intermissione (cfr. Ps 111,7; Rom 1,9) admirabili reverentia memorabile sacramentum, quod oculata fide illud misterium repraesentabat, in quo Agni immaculati sanguis (cfr. 1Pet 1,19), per quinque foramina copiosissime manans, lavit crimina mundi (cfr. Apoc 1,5)! 
3 O sublime decus crucis vivificae, mortuis vitam praestans, cuius onus tam premit suaviter et tam dulciter pungit, ut in ea mortua caro vivat, et infirmus spiritus roboretur! 
4 Hic te dilexit multum (cfr. Luc 7,47), quem sic gloriosissime decorasti! 
5 Gloria et benedictio soli sapienti Deo (cfr. Apoc 5,13; Rom 16,27), qui innovat signa et mutat mirabilia (cfr. Sir 36,6), ut infirmorum mentes novis revelationibus consoletur, et ut per visibilium mirabile opus (cfr. Ps 138,14) ipsorum corda amore invisibilium rapiantur! 
6 O mira et amabilis dispositio Dei, quae, ut nulla de miraculi novitate posset oriri suspicio, primo misericorditer ostendit in eo qui de caelis erat (cfr. Ioa 3,13.31), quod mirabiliter paulo post facturus erat in eo qui degebat in terris! 
7 Et quidem indicare voluit verus Pater misericordiarum, (cfr. 2Cor 1,3) quanto praemio dignus sit, qui eum diligere studuerit toto corde (cfr. Mat 22,37), ut in superiore scilicet ac sibi vicioniore supercaelestium spirituum ordine colloce-tur. 
8 Quod utique indubitanter adipisci poterimus, si more Seraphim duas alas extenderimus supra caput (cfr. Ez 1,22.23), habentes videlicet, beati Francisci exemplo, in omni opere bono intentionem puram et operationem rectam, et his directis ad Deum, soli sibi placere in omnibus infatigabiliter studuerimus. 
9 Quae ad velandum caput necessario coniunguntur, quia rectitudinem operis absque puritate intentionis et e converso Pater luminum (cfr. Iac 1,17) minime acceptabit, ipso dicente: 
10 Si oculus tuus fuerit simplex, totum corpus tuum lucidum erit, si autem nequam fuerit, totum corpus tenebrosum erit (cfr. Mat 6,22,23). 
11 Oculus namque simplex non est qui non videt quod est videndum, cognitione veritatis carens, aut quod non videndum fuerit intuetur, intentionem puram non habens. 
12 In primo non simplicem sed caecum, in secundo nequam ipsum aperta ratio iudicabit. 
13 Pennae harum alarum (cfr. Ez 1,23.24) sunt amor Patris salvantis misericorditer, et timor Domini (cfr. Sir, 1,11) iudicantis terribiliter, quae animos electorum, malos reprimendo motus et castos ordinando affectus, debent suspendere a terrenis. 
14 Duabus quoque alis volandum (cfr. Is 6,2) est ad impendendam duplicem proximo charitatem, reficiendo videlicet animam verbo Dei (cfr. Luc 4,4), et corpus terreno subsidio sustentando. 
15 Quae alae rarissime coniunguntur (cfr. Ez 1,11), quia vix utrumque valet ab aliquo adimpleri. 
16 Pennae harum diversa sunt opera, quae ad consilium et auxilium requiruntur, proximo exhibenda. 
17 Duabus denique alis tegendum est corpus (cfr. Ez 1,11) nudum meritis, quod tunc ordinate impletur, cum scilicet, quoties peccato interveniente fuerit denudatum, contritionis atque confessionis innocentia revestitur. 
18 Pennae harum multimodae affectiones sunt, quae ex peccatorum exsecratione et appetitu iustitiae procreantur.

 

115. 
1 Haec omnia beatissimus pater Franciscus perfectissime adimplevit, qui Seraphim imaginem tenuit atque formam, et in cruce perseverans ad sublimium spirituum gradum meruit advolare. 
2 Semper enim in cruce fuit, nullum subterfugiens laborem atque dolorem, tantum ut posset in se et de se voluntatem Domini adimplere. 
3 Norunt praeterea qui cum illo conversati sunt fratres, quam quotidiana et continua collatio de Iesu fuerit in ore ipsius, quam dulcis et suavis (cfr. Ez 33,32) confabulatio, quam benigna et amore plena collocutio. 
4 Ex abundantia cordis os loquebatur (cfr. Mat 12,34), et fons illuminati amoris replens omnia viscera eius ebulliebat foras. 
5 Multa illi utique cum Iesu, Iesum in corde, Iesum in ore, Iesum in auribus, Iesum in oculis, Iesum in manibus, Iesum in reliquis membris semper portabat. 
6 O quoties cum sederet ad prandium, audiens, vel nominans, vel cogitans, Iesum, corporalis escae oblitus est, et, ut de sancto legitur: “Videns non videbat, audiens non audiebat”. 
7 Immo et multoties cum per viam iret, meditans et cantans Iesum, obliviscebatur itineris et omnia elementa invitabat ad laudem Iesu. 
8 Et quia miro amore semper in corde suo gerebat et conservabat (cfr. Luc 2,19) Christum Iesum et hunc crucifixum (cfr. 1Cor 2,2), propterea signaculo suo gloriosissime supra caeteros est signatus, 
9 quem etiam, mente excedens (cfr. 2Cor 5,13), contemplabatur in gloria indicibili et incomprehensibili sedentem ‘ad dexteram Patris’, 
10 cum quo ipse coaltissimus Altissimi Filius (cfr. Luc 1,32), in unitate Spiritus Sancti vivit et regnat, vincit et imperat, Deus aeternaliter gloriosus (cfr. Dan 3,52) ‘per omnia saecula saeculorum. Amen’ (cfr. Dan 3,90).

Texto Traduzido

Caput IX

Lamento dos frades e sua alegria ao vê-lo portando os sinais da cruz, e das asas do Serafim.

 

112. 

1 Acorreram as multidões louvando a Deus e dizendo: “Louvado e bendito sejas, Senhor nosso Deus, que a nós indignos confiaste tão santos despojos! 
2 Louvor e glória a ti, Trindade inefável!” 
3 A cidade de Assis veio em peso, e a região inteira acorreu para contemplar os prodígios divinos que o Senhor da majestade realizara gloriosamente no seu santo servo. 
4 Cada um entoava seu canto de alegria, conforme lhe inspirava a alegria do coração, e todos bendiziam a onipotência do Salvador que tinha cumprido seus desejos. 
5 Mas os filhos choravam por ter perdido semelhante pai e mostravam com lágrimas e suspiros a piedosa afeição de seus corações. 
6 Mas um gozo inaudito temperava a tristeza e a singularidade do milagre enchera-os de assombro. 
7 Mudou-se o luto em cântico e o pranto em júbilo. 
8 Nunca tinham ouvido falar nem tinham lido sobre o que seus olhos estavam agora vendo. Se o testemunho não fosse tão evidente, mal poderiam acreditar. 
9 Brilhava nele uma representação da cruz e da paixão do Cordeiro imaculado, que lavou os crimes do mundo, parecendo que tinha sido tirado havia pouco da cruz, com as mãos e os pés atravessados pelos cravos e o lado como que ferido por uma lança. 
10 Contemplavam sua pele, escura em vida, brilhando de alvura, e confirmando por sua beleza o prêmio da bem-aventurada ressurreição. 
11 Viam seu rosto como o de um anjo, como se estivesse vivo e não morto, e seus membros tinham adquirido a flexibilidade e a contextura de uma criança.
12 Seus nervos não se contraíram, como acontece com os mortos. A pele não se endureceu e os membros não se enrijeceram, mas dobravam para onde se quisesse.

 

113. 
1 Resplandecendo essa admirável beleza diante de todos os que assistiam, e como sua carne tinha ficado mais alva, era admirável ver em suas mãos e pés não as feridas dos cravos mas os próprios cravos, formados por sua carne, com a cor escura do ferro, e o seu lado direito rubro de sangue. 
2 Os sinais do martírio não incutiam horror nos que olhavam, mas emprestavam muita beleza e graça, como pedrinhas pretas num pavimento branco. 
3 Acorriam os frades seus filhos e, chorando, beijavam as mãos e os pés do piedoso pai que os deixava, e também o lado direito, cuja chaga era uma lembrança preclara daquele que também derramou sangue e água desse mesmo lugar e assim nos reconciliou com o Pai. 
4 As pessoas do povo achavam que era o maior favor serem admitidas não apenas para beijar mas até só para ver os sagrados estigmas de Jesus Cristo, que São Francisco trazia em seu corpo. 
5 Quem, diante dessa visão, não seria levado mais à alegria do que ao pranto? Se alguém chorava era mais pela alegria que pela dor. 
6 Quem teria um coração de ferro para ficar sem gemer? 
7 Quem teria um coração de pedra, que não se partisse de compunção, não se acendesse pelo amor divino, não se enchesse de boa vontade? 
8 Quem poderia ser tão duro e insensível que não chegasse a entender que o santo, honrado na terra por esse privilégio especial, devia ser exaltado no céu com uma glória inefável?

 

114. 
1 Ó dom singular, sinal de predileção: o soldado estava ornado com as mesmas armas gloriosas que cabiam unicamente ao Rei por sua altíssima dignidade!
2 Ó milagre digno de eterna memória, prodígio para ser admirado reverentemente sem cessar, porque representa aos olhos da fé o mistério em que o sangue do Cordeiro imaculado correu copiosamente pelas cinco chagas e lavou os crimes do mundo! 
3 O’ esplendor sublime de uma cruz vivificante, que dá vida aos mortos, cujo peso oprime com tanta suavidade e fere com tanta doçura que faz o corpo morto reviver e dá força ao espírito combalido! 
4 Amou-te muito aquele que ornaste com tanta glória! 
5 Glória e bênção sejam dadas só ao Deus sábio que renova os sinais e muda as maravilhas, para que a mente dos fracos se console com as novas revelações, e para que, pela prodígio das coisas visíveis, seu coração seja arrebatado de amor pelas coisas invisíveis! 
6 Estupendo e amável desígnio de Deus! Para prevenir as desculpas da nossa incredulidade diante da raridade do prodígio, quis primeiro realizar naquele que veio do céu o milagre que Ele ia fazer pouco depois num habitante da terra! 
7 Assim quis o Pai de misericórdia mostrar que prêmio merece quem procura amá-lo de todo o coração, pois o colocou na mais elevada ordem de espíritos celestes, a que dele está mais próxima. 
8 Também nós chegaremos lá, sem dúvida nenhuma, se, à maneira do Serafim, estendermos duas asas acima da cabeça: isto é, se como São Francisco dirigirmos para Deus uma intenção pura e um reto modo de agir em toda obra boa, tratando infatigavelmente de agradá-lo acima de tudo. 
9 Elas têm que se juntar para velar a cabeça, porque o Pai das luzes, que disse: 
10 “Se o teu olho for puro, todo o teu corpo será luminoso, mas se for mau, todo o teu corpo será tenebroso” (cfr. Mt 6,22,23) não vai aceitar como boa uma obra feita sem reta intenção, e de nada valerá a reta intenção que não levar a uma obra boa. 
11 Não é puro o olho que não vê o que deve por falta de conhecimento da verdade, ou que olha para o que não deve ver, por falta de intenção pura. 
12 No primeiro caso, não é puro mas cego, e no segundo, está claro que é mau. 
13 As penas dessas asas são o amor do Pai, que salva com misericórdia, e o temor do Senhor, que julga com inflexibilidade: elas é que devem suspender das coisas terrenas o pensamento dos eleitos, reprimindo as tendências más e suscitando castos sentimentos. 
14 Outras duas asas são para voar e cumprir o duplo dever de caridade para com o próximo: alimentar-lhe a alma com a palavra de Deus e sustentar-lhe o corpo com os recursos da terra. 
15 Estas asas raramente se juntam, porque é difícil para uma só pessoa cumprir as duas tarefas. 
16 Suas penas são as diversas obras necessárias para aconselhar e ajudar o próximo. 
17 Com as duas últimas asas, devemos envolver o corpo despido de merecimentos. Nós o conseguimos se, todas as vezes que tiver sido despido pelo pecado, o revestirmos de inocência pela contrição e a confissão. 
18 Suas penas são os múltiplos afetos que nascem da execração do pecado e da sede de justiça.

 

115. 
1 O bem-aventurado pai São Francisco, que teve a imagem e a forma de um Serafim, fez tudo isso com perfeição, porque perseverou na cruz e mereceu voar para a altura dos espíritos sublimes. 
2 Viveu sempre na cruz, sem fugir jamais das fadigas ou sofrimentos, para poder cumprir por si mesmo e na sua pessoa a vontade de Deus. 
3 Os frades que conviveram com ele sabem, além disso, que estava todos os dias e a toda hora falando sobre Jesus, e como seu jeito de falar era doce, suave, bondoso e cheio de amor. 
4 Falava da abundância do coração, e estava sempre transbordando a fonte de amor iluminado que lhe enchia todo o interior. 
5 Tinha Jesus de muitos modos: levava sempre Jesus no coração, Jesus na boca, Jesus nos ouvidos, Jesus nos olhos, Jesus nas mãos, Jesus em todos os outros membros. 
6 Quantas vezes, sentado para o almoço, esquecia o alimento corporal se ouvia o nome de Jesus, ou o mencionava, ou pensava nele. Como lemos a respeito de um santo: “Olhava, mas não via; ouvia mas não escutava”. 
7 Também foram muitas as vezes em que estava viajando e, pensando em Jesus ou cantando para ele, esquecia- se do caminho e convidava todas as criaturas a louvarem a Jesus. 
8 E porque conservava sempre com amor admirável em seu coração Cristo Jesus, e Jesus crucificado, foi marcado por seu sinal com uma glória superior à de todos os outros. 
9 Em êxtases, contemplava-o numa glória indizível e incompreensível, sentado à direita do Pai, 
10 com o qual, Filho do Altíssimo e igualmente Altíssimo, na unidade do Espírito Santo vive e reina, vence e impera, Deus eternamente glorioso por todos os séculos dos séculos. Amém.